[06/08/45-09/08/45] O Lançamento de "Little Boy" e "Fat Man"

[center][font=Century Gothic]O LANÇAMENTO DAS PRIMEIRAS BOMBAS ATÔMICAS


A Bomba Atômica “Litte Boy”

Naquela manhã de segunda-feira, dia 6 de Agosto de 1945, o mundo assistiria a algo nunca visto, um acontecimento que, pela sua violência e consequências, nunca mais deixaria igual o relacionamento entre os povos nem as relações de força entre as grandes potências.

A cidade de Hiroshima, no Japão, acordava para mais um dia quando, cerca das 8 horas e 15 minutos, um ruído surdo, primeiro indistinto, depois mais forte, fazia pressentir um bombardeamento.

Mas era um bombardeamento diferente. A bomba, apenas uma, que caiu sobre a cidade não era como as outras. Bastou apenas esta para provocar imediatamente milhares de mortos e muitos mais posteriormente, vítimas das queimaduras graves ou das radiações.

Era uma bomba atômica. “Little Boy” de seu nome.

A bomba foi largada a partir do B-29 Superfortress, “Enola Gay”, pilotado pelo Tenente-Coronel Paul Tibbets, que desde Fevereiro de 1945 se preparava para esta missão.

Para a realizar, Tibbets escolheu pessoalmente um quadrimotor B-29, baptizando-o com o nome “Enola Gay” em homenagem à sua mãe.

Este lançamento foi efetuado a cerca de 9450 metros de altitude. O engenho explodiu aproximadamente às 8:15 da manhã (hora do Japão) quando atingiu uma altitude de 550 metros.

Foi a primeira, e uma das duas únicas armas nucleares que foram utilizadas em guerra. A Mk I “Little Boy” tinha 3 metros de comprimento, 71 cm de largura e pesava 4000 kg. O design tinha um mecanismo igual a uma arma para explodir uma massa de urânio-235 e três anéis de U-235, iniciando uma reação nuclear em cadeia. Continha 60 kg de U-235, no qual 0.7 kg foram submetidos à fissão. O urânio foi enriquecido nas plantas massivas em Oak Ridge, Tennessee durante o Projeto Manhattan.

As estimativas do número total de mortos variam entre 100 mil e 220 mil, sendo algumas estimativas consideravelmente mais elevadas quando são contabilizadas as mortes posteriores devido à exposição à radiação. Mais de 90% dos indivíduos mortos eram civis.


A nuvem de cogumelo formada pela bomba atômica de Nagasaki, no Japão, em 9 de agosto de 1945, subiu cerca de 18 km acima do hipocentro da explosão.

Três dias mais tarde, era lançada em Nagasaki a bomba “Fat Man”.

O papel dos bombardeamentos na rendição do Japão, assim como os seus efeitos e justificações, foram tema de muitos debates. Nos Estados Unidos, o ponto de vista que prevalece é que estes dois bombardeamentos terminaram a guerra meses mais cedo, salvando muitas vidas que seriam perdidas em ambos os lados se a invasão planejada do Japão tivesse ocorrido.

Estranha forma de ver as coisas, estranha filosofia de vida, ou talvez de morte.

Notícia do lançamento da bomba e discurso do presidente Harry S. Truman dos EUA.

[/font][/align]

Um dos momentos que eu espero que a Humanidade nunca mais veja, a Bomba A pode ter matado milhares mas felizmente nos trouxe alguns avanços como a energia nuclear.

Este é o grande problema da humanidade, grandes avanços quase sempre são utilizados primeiro na guerra para somente após serem aproveitados em nome da paz. Tantos avanços houveram na 2ª Grande Guerra, de ambos os lados da contenda, avanços que trouxeram sofrimento para muitos para, somente muitos anos após o fim dos combates, passarem a ser utilizados pela humanidade.

É uma triste realidade Hiryuu mas quem sabe não veremos o dia em que guerras serão apenas coisas de filme de ficção e que a tecnologia seja usada para ajudar a humanidade e não para nos matar.

Com grandes poderes, existem grandes responsabilidades - Tio Ben

Serve pra quem tem a bomba nuclear

A bomba atômica realmente salvou mais vidas a longo prazo do que matou na segunda guerra mundial, é provavel que se houvesse invasão ao japão, perderiam se milhares/milhões de vidas a mais. E se formos olhar bem, talvez o fato de não termos tido uma terceira guerra mundial foi por causa dela, pois as nações vivem com medo umas das outras hoje em dia. Espero que que nunca venhamos a usa-las.