[AAR INTERATIVA] A Colonização Portuguesa

AAR Participativa

Estado do Jogo

[center]Familias[/align]
Della Rosa Medeiros
Mendonça-Furtado
Rosa

[center]ÍNDICE[/align]

[center]O Descobrimento (1492-1495)
O Início da povoação (1495-1500)
O Início da povoação 2 (1500-1505)[/align]

Olá a todos os amigos Gesebianos!
:welcome

Mesmo com as coisas meio paradas por aqui, e eu com pouquíssimo tempo graças ao trabalho e mestrado, venho aqui propor uma AAR participativa. Dessa vez, com um único objetivo: levá-la até o final! Minha pesquisa na Academia envolve estudar o passado do Rio de Janeiro, e eu estou cada vez mais apaixonado pela época colonial no Brasil. É com base nessa paixão e nesses estudos que venho propor um jogo compartilhado. Nesse jogo, iremos interpretar a colonização portuguesa no que hoje é o Brasil. Sendo uma AAR de RPG, o nosso meio de interpretação será o fórum aqui. Mas, para balizar, dar um visual, regras etc…, iremos usar como “board” o jogo Civilization: Colonization (o “novo”). Como o Vanila é uma bela porcaria, iremos jogar com o Mod Religion and Revolution, que deixa o jogo quase que perfeito!! Eu, como mestre, irei jogar o jogo e transporei as ações de vocês para o jogo, e o resultado no jogo para cá.

Sobre o jogo base:

O Jogo Sid Meier’s Civilization IV: Colonization (link para a página do jogo na Steam Store: store.steampowered.com/app/1681 … onization/ ) é um jogo de estratégia, baseado tanto no jogo Civ: 4 quanto em um antigo (e excelente) jogo Civ:Colonization (inclusive, há uma AAR do Hiryuu sobre ele, dêem uma olhada!!).
O jogo tem como objetivo realizar a colonização do Novo Mundo. O jogador deve construir cidades, obter recursos, vendê-los na Europa, competindo com colônias de outras nações e com o povo indígena, atendendo as ordens do seu soberano. O objetivo no final do jogo é declarar independência da Metrópole européia antes de qualquer outra colônia.

Sobre o Mod:
Infelizmente, o jogo Vanila (sem modificações) é bem abaixo do esperado, inclusive do seu antecessor (de 1994!!!). Porém, graças a comunidade, existem mods fabulosos para jogar e se divertir (The Autentic Colonization Mod, Medieval Conquest mod e Dawn of the New Era são ótimas pedidas). Utilizaremos aqui o mod Religion and Revolution. Além de ter uma longa longevidade, com mods tirando dúvidas no fórum até hoje, eu acredito que seja um esforço de melhora do TAC. E, para interpretar, melhor do que o Dawn of the New Era.

Quais serão as especificações que iremos jogar?
Mod: RaR
Mapa: Rar Americas Huge
Velocidade: Epic
Dificuldade: A mais fácil (não queremos índios ficando loucos, o rei aumentando N vezes a frota e ficar disputando terra com outras colônias de forma insandecida)
Se esse jogo for um sucesso, poderemos jogar no Gigantic, Marathon e numa dificuldade maior (e jogar até 2050 hehe).
Fixed resources and starting points (queremos colonizar o Brasil não acabar indo parar, sei lá, no Canadá).
Facção: Portuguese (Martim de Sá)

Qual objetivo do jogo?
Como eu disse, a idéia é que nós interpretemos a colonização do hoje território brasileiro pelos portugueses. Porque escolhi os portugueses e o Brasil? Bem, porque o Fórum é de lusófonos xD

Brincadeiras a parte, também há outras razões: além dos meus estudos sobre a colonização brasileira (mais especificamente a urbanização portuguesa na colonização brasileira), o projeto de colonização português nos permitirá jogar de uma forma bem interessante. Como muitos sabem, a colonização do Brasil se deu por meio das Capitanias Hereditárias, além de uma atuação intensa da Coroa e seus Governadores gerais. Cada jogador que se inscrever poderá pedir a Sua Majestade Real uma capitania, para dela usufruir. Embora subordinados ao Governo Geral da Colônia, a Igreja e a Sua Majestade, os donatários terão liberdades na forma de governar, ocupar e explorar o território. Poderão se unir, em favor de objetivos comuns como comprar navios para escoar a produção, realizar trocas comerciais, comprar armas para defesa mútua. Como não poderia deixar de ser, também irão lutar por favores, colonos, poder, riquezas. Seja com o povo indígena, seja com outras colônias seja mesmo entre eles.

O objetivo do jogo? Vocês decidem. Querem se juntar e declarar independência? Pode. Querem matar todas as outras colônias? Boa sorte. Quer adular o Rei, acabar com as outras capitanias e virar o único governador geral do Brasil? Essa é mais difícil. Quer somente explorar e extrair o máximo de riqueza possível, terminando o jogo com o máximo da grana? É uma alternativa. Ou quem sabe o objetivo é converter o máximo de pessoas possível, matar hereges e virar uma família zelosa, unha e carne com a Igreja? Só Deus sabe. Cada donatário vai decidir por si mesmo qual seu objetivo, e, como diria o filósofo: o jogo só acaba quando termina.

REPITO: O ÚNICO OBJETIVO CERTO DESSE JOGO É ACABAR! EU QUERO TERMINAR UMA AAR NA MINHA VIDA! :sorry

Como iremos jogar?

Eu, como Mestre, serei responsável por interpretar os NPC’s do jogo (junto com o game) assim como por transpassar a interpretação de vocês para o board (Civ:4/Colo) e do board para vocês. A cada cinco anos de jogo, irei fazer um post de atualização. Nele irá aparecer: Uma linha do tempo contando os principais acontecimentos (baseado no jogo e nas interpretações); a atualização do mapa/estado do jogo; a atualização das ações e dos locais NPC’s (como as Cidades Reais); a atualização da situação das famílias (cada Cidade/Vila/Povoado) e questões para o próximo update. Vocês terão uma semana para interpretar e postar suas ações e reações. Eu, então, jogarei elaborarei o próximo post (1-2 semanas). E assim o ciclo se repetirá até o fim do jogo. Importante: por mais que vocês possam postar o quanto quiserem no tópico, para cada update será considerado UM POST DO JOGADOR. Repito. Mesmo que postem diversas vezes (comentando um post de outrem, brincando com o amiguinho, negociando, perguntando, ameaçando, etc…), só irei considerar UM POST para a jogar. Então resumam suas ações/intenções e direções em post, no final de cada semana.
A SUA INTERPRETAÇÃO CONTA MUITO. Eu, como Mestre, me coloco no direito de conceder vantagens para pessoas que interpretem bem, e no direito de ignorar algumas ações impossíveis (QUERO COMPRAR UM MÍSSEL NUCLEAR E EXPLODIR OS INGLESES). MANTENHAM O RESPEITO. Nada é mais rápido e eficaz para te tirar do jogo que ser grosseiro offgame. NÃO XINGUEM O AMIGUINHO, se respeitem e, principalmente SE DIVIRTAM.

Cada jogador é uma família

Como dito, cada jogador será uma família, que pedirá ao Rei por terras no Novo Mundo. Cabe ao jogador representar essa família, e interpretar, a cada turno nosso (cinco em cinco anos ingame) os interesses e ações/reações da família. Cada família terá sua Capitania Hereditária, e será responsável por povoá-la, explorá-la, defendê-la, catequizá-la. Cada família terá pontos de influência com as instituições coloniais, e por meio deles vai poder agir. Cada família terá, também, relações para com cada instituição. Cada família terá a sua riqueza, necessária para trazer realizar as operações comerciais. Cada família terá sua cidade (capital da Capitania), mas pode ter quantas Vilas quiser (outras cidades). Famílias podem cooperar ou competir. Podem tentar ganhar favores, ou passar leis, em cada instituição.

Como montar uma família? Quais recursos eu tenho direito?

Preencha uma ficha de inscrição (final do post). Toda família iniciante tem direito a: Dois “Free Colonist”. E UMA capitania hereditária. Além disso, tem direito a 4 fretes gratuitos para sua colônia, representando as isenções que o Rei concedia ao início da ocupação. Depois disso: bye, bye, você que se vire, e use seus recursos para atingir seus objetivos.
As capitanias irão sendo concedidas aos jogadores segundo a ORDEM DE SUBMISSÃO DA FICHA. O Rei deseja ocupar logo o Novo Mundo, e irá sempre priorizar a emissão da capitania e a compra dos “Free Colonist”. Se o número de jogadores for muito grande, a gente pensa em alternativas (sesmeiros??).
Nesse nosso jogo, iremos meio que cagar para o Tratado de Tordesilhas, e nos aprofundaremos pelo Brasil. Iremos adaptar de certa forma a concessão de terras: haverá limites de testada (junto ao mar), mas sem limites no sertão (para dentro do território). Cada capitania terá 8 squares do jogo de testada. Isso, claro, provocará disputas interessantes quando da interiorização. É EXTREMAMENTE RECOMENDADO FUNDAR SUA VILA NO LITORAL! Repito É FUNDAMENTAL FUNDAR SUA VILA NO LITORAL.

Recursos da Família:

Relações: (com as instituições) você consegue aumentar as relações com as instituições fazendo o que elas pedem, investindo influência e dinheiro.
Pontos de influência: (com as instituições) Você conseguirá pontos de influência passivamente, duma relação entre relações, seu poderio (econômico/militar), suas construções, suas ações e investimento de dinheiro. Você precisa dos seus pontos de influência para realizar possíveis ações, pedir favores, legislar, etc…
Riqueza: a maior fonte da sua riqueza será a exploração do novo mundo. Produzir recursos e vendê-los nos mercados externos (existem 3 no MOD: Europa(Metrópole), África e Port Royal (piratas)). Porém, para exportá-los, você irá precisar primeiro produzir, depois transportá-los e depois vendê-los. No começo do jogo, você ira ganhar 4 fretes para usar o Navio do Governador Geral. Depois disso, terá de pagar % para transportar suas mercadorias da sua cidade para os locais de venda. Pelo menos, até você construir transportes seus, se você assim desejar. Outra forma de ganhar riqueza é explorando o território e negociando com os nativos (como que Bandeirantes). Há alguns edifícios que geram uma renda passiva (como a Taverna e Mercado), que podem ser interessantes, já que vão 100% para o seu bolso (a menos que o Rei ou o Governador Geral passe uma lei…). Trocar riqueza entre as capitanias também é permitido.

Como eu consigo produzir?

A produção é algo que garante a riqueza do jogador. É quase impossível o jogador se manter na partida sem pensar na sua produção. Uma das razões para o descobrimento, os metais preciosos são a maneira mais fácil do jogador enriquecer, se ele tiver a sorte de encontrar depósitos em sua capitania. Mas fique atento: com o ouro, a prata ou as pedras preciosas, vem o interesse do Rei e do Governador Geral. Talvez, se eles não ficarem sabendo e venda se der por outras rotas…

O Novo Mundo oferece diversos artigos exóticos aos europeus, que geram lucro se vendido na Europa . Cacau, café, cana de açúcar, Madeira de Lei, tabaco, algodão são algumas das commodities que o jogador pode produzir. O Jogador também pode se dedicar a produzir materiais finais, já manufaturados como cigarros, móveis, jóias, rum, grão de café, etc…, que geram mais lucro ainda (e podem ser vendidos com grande lucro na África, por exemplo).
Além disso, é necessária a produção para manutenção da própria colônia: cada colono precisa de duas unidades de comida. Cada cidade também produz certa quantidade de “trabalho” por turno. Esse trabalho que se é responsável pela construção de edifícios e unidades de transporte/algumas militares. Para aumentar a produção do “trabalho”, é necessária madeira e um colono na carpintaria (e nos edifícios subseqüentes).
Se houver um mercado, também consomem outros produtos. Para produzir certos edifícios, ou outros produtos, é necessário também alguns itens. Ferramentas são itens básicos para a construção de muitos prédios, assim como tecido de vela (para barcos e outras coisas), cordas (para barcos também), cavalos (para transportes e cavalaria).

Outro aspecto importante a se lembrar é que os terrenos em volta de sua cidade, onde seus colonos extraem as riquezas primárias, podem ser melhorados, através de Pioneiros (colonos com Ferramentas). Cada melhoramento custa dinheiro, entretanto. Mas são vitais para aumentar a capacidade de produção de cada vila.
Dá para ver, portanto, que as escolhas de produção são imensas. E vão depender, essencialmente, do jogador e da capitania em que ele estiver. Se estiver em um lugar montanhoso, será melhor produzir minérios e seus subprodutos. Se estiver perto de planícies, quem sabe algodão, ou açúcar? Ou estabelecer um pasto para ovelhas, e usar tanto sua carne e lá? Ou bovinos? Ou madeira de lei? As possibilidades são tremendas. E, não se preocupe se você se sentir perdido, alguns NPC’s irão sugerir no que investir, para te dar um norte!

Como consigo colonos?

População é fundamental no jogo: eles que serão realmente a mão de obra responsável por colonizar as novas terras. O jogador começa com dois Free colonists: colonos livres que vieram para o Novo Mundo, não muito bons, e não muito ruins em nada. Mas não será, provavelmente, somente com esses dois que o jogador conseguirá realizar seus objetivos. Há inúmeros tipos de colonos: desde escravos até governadores, médicos. Cada profissão tem seu especialista, que pode ser treinado nas aldeias (se for de extração, como plantadores, etc…) ou em escolas/universidades. Além disso, há as unidades militares, algumas inclusive que podem virar colonos. Os colonos também podem pegar em armas (se houverem armas, óbvio) e formar uma milícia. Os pioneiros também são colonos, assim como os batedores/bandeirantes, mesmo que trabalhem “fora” da sua cidade.
Há 5 principais formas de conseguir colonos:

1 Pagando dinheiro para convencê-los a vir (eles são trazidos de navio até a Capital da Colônia, e de lá seguem ou a pé, ou com navio fretado, ou em seus transportes, para a sua capitania). O problema é que: a cada novo colono convencido de vir através de dinheiro, o próximo será mais caro.
2 Pagando dinheiro/influência ao Governador Geral. O governador geral pode decidir em direcionar novas famílias imigrantes para você, se você for generosos em troca.
3 Usando influência da Igreja. Diversos dos imigrantes vem para o Novo Mundo fugindo de perseguições religiosas. Você pode usar sua influência com a Igreja para convencê-los a ir para sua colônia (eles então saem da capital da colônia para sua vila). Outra fonte de mão de obra é dos aldeamentos e missões religiosas, que podem ceder nativos convertidos e seus descendentes a você, por meio de influência.
4 – Crescimento natural. Se bastante comida for estocada em sua cidade, haverá a aparição de um colono livre.
5 – Eventos/sorte.

As instituições do governo colonial

Como é sabido, a colonização no Brasil não se deu somente graças aos donatários, mas houve uma presença decisiva da Coroa Portuguesa que agiu através de seus representantes (Governadores Gerais). Uma das principais razões e instituições da época, a Igreja e suas ordens religiosas também se fizeram presentes. Por fim, o próprio Governo Geral era uma instituição, com seus cargos valiosos e burocráticos extremamente disputados pela pequena nobreza. É IMPORTANTE NOTAR QUE, EMBORA SEJAM INTERPRETADOS PELO MESTRE, AS INSTITUIÇÕES NÃO SÃO ONICIENTES, ONIPOTENTES E ONIPRESENTES. É, nem mesmo a Igreja. Relações escusas, criminosas podem ser realizadas. Mas, se descobertas, podem resultar no mau bocado.

Coroa Portuguesa

A Coroa Portuguesa é a instituição mais importante do governo colonial, mais importante inclusive que a Igreja, já que ela é a responsável pela Igreja no Novo Mundo (dêem uma olhada no Padroado Português). Ela irá pedir dinheiro de tempos em tempos (do jogo base, infelizmente não posso alterar isso), além de estabelecer tarifas para a venda na metrópole (também não posso controlar). Todo dinheiro que vai para o Rei, fica sendo do Rei, desaparece na Corte. Como irei interpretar o dinheiro que algum jogador resolver doar ao Rei (para tentar ganhar influência?): irá ficar no caixa do “Governo Geral” e será usado para essas interações que fazem “desaparecer” o dinheiro no jogo. O Rei é responsável por decidir onde será a Capital da Colônia e por fundar as Cidades Reais.
As leis reais valem mais do que qualquer outra regra. Qualquer afronta a lei será severamente punida. Mas o Rei precisa descobrir para punir. E, mesmo descobrindo, com algumas contribuições e favores, a pena, talvez, pode ser abrandada… quem sabe?

O jogador poderá interagir com a Coroa, pedindo favores como: novas leis, mudanças de regras, unidades militares (sempre com o respectivo dinheiro), posições sobre outras nações, assuntos com outras instituições (Governador Geral e Igreja) e outros jogadores.

A Igreja e suas ordens

Infelizmente, não seria viável colocar cada ordem no jogo. A Igreja é uma instituição extremamente importante no jogo. Ela possui diversas formas de arrecadação (principalmente em impostos aos jogadores, hehehe). Ela é tem o direito de fundar cidades no interior (os aldeamentos), estabelecer missões nas aldeias indígenas e mosteiros. Ela tem o poder de excomungar os jogadores, se desrespeitada demais, causando uma enorme perda de relações e influência com os outros, além de possíveis eventos como emigrações. Se, ao contrário, o jogador tiver ótimas relações para com a Igreja e/ou muita influência, poderá pedir mão de obra indígena das missões, ou comercializar com os aldeamentos, além de ganhar influência com outras instituições. Diversos imigrantes querem vir ao Novo Mundo por conta de problemas religiosos. O jogador pode gastar sua influência para com a Igreja para conseguir chamar um Imigrante, melhorar sua relação com outras facções ou obter mão de obra das missões.

O Governador Geral
Grande intermediário entre o Rei e os jogadores, o governador geral é responsável por mediar os conflitos e situações que aparecerem durante a colonização. Sediado na capital, seu governo pode estabelecer leis (desde que não contrárias as ordens reais) sobre a colônia. É por sua cidade que os imigrantes de eventos chegam. Mas, por mais que seja o representante do Rei na colônia, o Governador Geral não é, ele mesmo, o Rei…
No começo, os jogadores terão certamente que se utilizar do transporte do governador geral para vender suas produções. E para cada ida a Europa ele cobra um frete, assim como para transportar as mercadorias da sua vila para a cidade principal.
Ele governará a(s) Cidade(s) Real(is).

[center]ESTADO DO JOGO[/align]

Ano atual: 1505
Mapa da colônia:

Mais ninguém?
Você topa jogar sozinho, Richard?

Eu topo!

Ok, vou esperar até sexta feira para novas inscrições. Se ninguém se apresentar, a gente começa só nós dois e, se depois houver interesse, a gente vai agregando o pessoal =)

Me tira uma dúvida, o nosso jogo vai ser basicamente um RPG de ‘mesa’?

AAR Interativa é mesmo parecida com RPG de mesa. Contudo terá um jogo virtual emulando nossas decisões.

E pelo jeito participaras!! :oba

Isso! Usaremos de guia o jogo, e, claro, sempre haverá rolagem de dados em decisões que puderem ser resolvidas só por nós (respostas do rei, do governador geral da província, do Clero, etc…)!!

Se você quiser jogar, até sexta estamos abertos para já entrar no primeiro turno =))) :welcome

Mas ai eu preciso do Civilization IV: Colonization instalado?

Não. Só o “coordenador” da AAR. No caso o Uhtred.

Isso! Você terá que interpretar os resultados de cada turno e falar suas ações para os próximos. Estou construindo o primeiro capítulo agora!

:oba

[center]O DESCOBRIMENTO[/align]

Carta que chega na Corte, 1495 Lisboa

1492

Janeiro: Avistada Terra Firme

Setembro:


Uma Caravela Mercante, Santa Maria, devastada pela tempestade, é encontrada e enviada para o sul


Fundada a Cidade Real de São Salvador


Contato com os primeiros nativos, os Tupis

1493

Janeiro:


Os colonos refletem a Graça de Deus, e concordam da extrema importância da Religião na Colônia

1494

Setembro:


A caça nas florestas ao redor da Cidade de São Salvador é profícua, aumentando os estoques de alimento da cidade.
Um grupo de batedores que estavam explorando o sertão, desaparecem.

1495:




A Caravela Santa Maria começa a viagem de retorno, reportando que a costa se estende enormemente pelo Sul


Um pequeno motim na Carraca Santa Luzia provoca o aprisionamento de parte da população. Martim Afonso ordena que eles sejam levados para servir como trabalhadores forçados para a Cidade de São Salvador.

[center]EUROPA:[/align]


Atraídos pela boa nova do descobrimento de terras férteis e possíveis tesouros incalculáveis, três grupos esperam nas docas da Estremadura. Alguns camponeses libertos, famílias de pescadores de Beira Litoral e famílias que viviam em colônias no norte da África, e eram especialistas na arte da secagem de frutos. Todos estão dispostos a assinar um contrato ganhando terras em troca de serviço.

[center]A “ILHA” DE VERA CRUZ[/align]
Uma grande extensão de terra, com uma grande diversidade de possibilidades de produção. Os únicos gentios que encontramos até então foram os Tupis, com sua cidade de Potiguara, ao norte da cidade de São Salvador.

[center]CIDADE REAL DE SÃO SALVADOR[/align]


A população se concentra em pescar no mar perto da costa, onde há uma proficuidade grande de caranguejos e outros crustáceos. A boa notícia é que parte da tripulação original tinha uma grande tradição pesqueira. Outros homens se preocupam em cortar madeira e construir um píer, para permitir o carregamento e descarregamento das naus, a aguada das mesmas e um incentivo para a pequena pesca. Quase não há casas, que são de fabricação apressada, com taipa e galhos.


A capitania tem 9 espaços como testada, e vai para dentro do sertão, ainda desconhecido. Qualquer outra capitania precisa tomar, como referência, a capitania real da Bahia.

[center]ESTADO DO JOGO[/align]

Ano atual: 1495
Mapa da colônia:

Igreja:
Relações: Rei – 100 / Governador Geral – 60
Influência: Rei : 50 / Governador Geral: 80
Riqueza: 0

Governo Geral:
Relações: Rei – 100 / Igreja– 80
Influência: Rei – 50 / Igreja - 50
Riqueza: 565

Família Della Rosa Medeiros
Relações (como te vêem): Rei – 70 / Igreja– 70 / Governador Geral 70
Influência: Rei 50 / Igreja 0 / Governador Geral 0
Riqueza: 0

[center]AÇÕES NPC’S:[/align]

Igreja:
Tentar influenciar o Rei e governo geral a ceder terras e impedir a escravização de nativos.

Governador Geral:
Usar influência para conseguir todos os imigrantes das docas.

Lembrando que é preciso pedir ao Rei (usando sua influência), a sua carta foral (que dá direito a 8[editado] espaços). Junto a carta foral, vocês ganha dois “Free Colonist”, e o direito de 4 fretes grátis da Cidade Real até sua colônia. A ordem de aforamente será respeitada pela ordem de chegada. Vocês precisam dizer se prefere ao norte, ou ao sul da capitania da Bahia, e vamos de 8 em 8 preenchendo toda essa bagaça. Qualquer dúvida, pode postar aqui, ou mandar PM!

Final de semana eu fecho o turno!

[spoil][offtopic]Eu copiei um pouco a carta do Richard pois não entendi bem as regras do jogo,mas conforme vai rolando eu vou aprendendo[/offtopic][/spoil]

Caso ainda de tempo, caso seja tarde não tem problema. :wink:

[spoil]OFF: Não está tarde não, LtRasczak! Só que as capitanias e as entregas de população são dadas por ordem de chegada! Você tem de pedir as terras ao rei, se as quiser, claro.

Pessoal, 9 de testada seria muito, então darei 8 para as capitanias e 9 para a cidade real!

Outra coisa: para quem não entende muito bem o jogo, eu criei a cidade real para servir de exemplo. Qualquer dúvida, vocês também podem perguntar por aqui, mas tentem perguntar on, quem sabe enviando uma carta ao governador geral?[/spoil]

Carta à Família Della Rosa Medeiros do Palácio

Carta à Familia Mendonça-Furtado