Bandeirantes

Os bandeirantes foram os exploradores que, adentravam os sertões em busca de riquezas e escravos, na época do Brasil colônia. Vindos principalmente das vilas de São Paulo e São Vicente, os bandeirantes foram os primeiros desbravadores europeus no Brasil.

As expedições organizadas pelos bandeirantes ocorreram do século XVI ao século XVIII e foram determinantes para a constituição do Brasil tal como é. Entretanto, a definição dos bandeirantes como herói ou vilão é uma questão ainda muito polêmica.

As Bandeiras, nome que recebiam as expedições organizadas por particulares, ou Entradas, expedições oficiais financiadas pela Coroa, de início, visavam mesmo à captura dos índios para utilização da sua mão de obra nas plantações. Os bandeirantes embrenhavam-se na mata seguindo, geralmente seguindo o curso de rios, abrindo trilhas e vez ou outra fixando postos de descanso que mais tarde, viriam a dar origem a cidades.

Principalmente após o século XVII a bandeiras passaram a ter como objetivo a busca por ouro e pedras preciosas, mas os bandeirantes ficariam conhecidos mesmo é por terem sido os grandes desbravadores das terras brasileiras e os principais responsáveis pelo estabelecimento de muitas cidades.

Para compreender sua importância basta pensar que quando o Brasil foi descoberto, éramos um imenso matagal ocupado e conhecido apenas pelos índios.

Em cada região existiram bandeiras que foram muito importantes cada qual a sua maneira. Mas as que desbravaram o território dos, hoje, Estados de Goiás e Mato Grosso, tiveram um papel importantíssimo para a expansão do território brasileiro e definição da fronteira para além do que era definido no Tratado de Tordesilhas. Os principais bandeirantes desta região foram: Bartolomeu Bueno da Veiga, chamado de “Anhanguera”, Alvarenga e Antônio Pedroso.

Por outro lado, a história das bandeiras foi uma história de violência para com os indígenas. Estes foram praticamente dizimados pelos bandeirantes e, quando capturados eram escravizados e obrigados a um trabalho forçado tal qual os negros trazidos da África.

A ação dos bandeirantes foi da maior importância na exploração do interior brasileiro, bem como na manutenção da economia da colônia, fosse pelas suas consequências para o comércio, fosse porque a captura de indígenas fornecia mão de obra para a agricultura, principalmente cana-de-açúcar. Para além disso, não pode deles ser dissociada a descoberta de metais preciosos em vários pontos, metais esses que marcaram o papel do Brasil no conjunto do Império Colonial Português ao longo do século XVIII.

Heróis Paulistas!!

Heróis… talvez não, depende muito da perspectiva. O fato deles desbravarem o interior não é motivo de heroísmo, uma vez que faziam isso por interesses capitais. Os bandeirantes dizimaram indigenas e atacaram diversas missões jesuítas espanholas. Não vejo e não acredito que os bandeirantes possam ser considerados heróis.

[hr]
[right]Ivysson Luz Von Hohenzollern[/align]

Heróis não mas desbravadores sim.

Como desbravar o interior não é motivo de heroísmo ?? Vocês tem noção do que é você sair com recursos precários atravessar meio continente desconhecido ter que enfrentar povos hostis e animais selvagens que você nunca viu na sua vida,e dai eles faziam por interesses pessoais,como se isso fosse algum pecado,a capitânia de São Vicente era uma das mais pobres e marginalizadas por Portugal,sem recursos naturais os habitantes só tiveram a escolha de partir para o sertão atrás de escravos e ouro ou aceitar a pobreza,isso é o símbolo do espírito paulista independente e empreendedor.

Aqui um trecho de uma das aventuras de Raposo Tavares:

“…De volta a São Paulo ,o bandeirante partiu para o norte do Paraguai em 1648,acompanhado de um grupo de 1200 índios,mamelucos e brancos. Atacado pelos jesuítas ,eles desviaram o caminho,chegando a amazonia peruana. Navegaram pelos rios Mamoré, Madeira e Amazonas,desembarcando em Belém. Passaram três anos atravessando a florestas descalços, seminus, sujos e famintos -os bandeirantes frequentemente enganavam o estômago com formigas, gafanhotos e raízes. Diante do ataque de índios inimigos, dormiam escondidos, enterrados na areia. Com o grupo reduzido a cerca de cem pessoas, conseguiu voltar para a casa em 1651, quando completou 10 mil quilômetros de peregrinação pela América do Sul , ao voltar a São Paulo Raposo Tavares estava tão desfigurado que não foi reconhecido pelos parentes…”

Se isso não é um herói eu não sei o que é.

O que é um “herói”?

Aquele que se distingue por seu valor ou por suas ações extraordinárias, principalmente por feitos brilhantes durante a guerra.
Fonte: Dicionário online de português.

Estavam os bandeirantes em guerra? E qual o real valor deles? Quais foram as reais motivações?

Os bandeirantes estiverem envolvidos na expulsão dos holandeses,além de várias guerra contra nações indígenas hostis ,e foi o bandeirante Domingos Jorge Velho quem derrotou Zumbi(que é considerado herói apesar de ter sido escravagista assim como os bandeirantes).

Leia o meu post anterior,pensei ter deixado bem claro…

Nações indígenas hostis? As que tiveram suas terras invadidas pelos bandeirantes? Por essa logica todo soldado americano é herói…

Depende o lado. Por exemplo, para os gaúchos, uruguayos e italianos, Garibaldi é um “herói”, para o resto do Brasil, não.
Não nego a importância dos bandeirantes na descoberta do interior do Brasil, fique bem claro; assim como os exploradores da África tropical, os grandes navegantes, etc.

Já vi que temos uma pessoa que acredita que a história é feita por heróis x vilões,bem x mal. Amigo o mundo real não é um conto de fadas preto e branco,a história é feita por indivíduos e grupos lutando por seus interesses,um soldado americano é sim um herói, para os americanos,o Hiryuu resumiu bem um herói para um povo é um vilão para outro. Na América Espanhola os bandeirantes são considerados piratas terrestres e são vilões,e faz todo sentido já que eles eram as maiores vitimas do avanço bandeirante,agora um brasileiro(ou paulista) não tem motivo para considerar os bandeirantes vilões,o Brasil tem esse tamanho graças a eles,eles que desbravaram e domaram o sertão,se você mora ao sul ou a oeste de São Paulo agradeça aos Bandeirantes sem eles um boliviano,um paraguaio ou uruguaio estaria no seu lugar agora.

Só para não deixar em branco um comentário sobre as nações indígenas: Os povos tupi não são nativos da costa eles vieram do amazonas e conquistaram outras tribos que já viviam aqui na costa brasileira,ou seja quando eles invadem “ok”,quando são invadidos “ah coitadinho deles estão defendendo suas terras”,como eu disse antes a historia não é feita de heróis e vilões e sim grupos defendendo seus interesses,e dentro da historia desses grupos existem seus heróis e vilões particulares.

Eu não defendi os índios. Apenas disse que eles estavam defendendo sua terra (pelo menos naquele momento) e que os bandeirantes não são heróis por isso. E alias a grande maioria dos bandeirantes era mestiça.

E quanto a tua primeira frase me parece que você esta se descrevendo, pois é você que esta defendendo supostos heróis. Eu estou dizendo exatamente o contrário: que não existem realmente heróis.

A bandeira era formada em sua maioria não por mestiços e sim por índios mesmo que se uniam aos bandeirantes para enfrentar tribos rivais,e isso diminui de alguma forma os feitos deles?? Feitos que eu já citei inúmeras vezes,eles mais que dobraram o território nacional,eles saíram do nada e enriqueceram a capitânia mais pobre da colônia, e nesse caminho enfrentando índios,castelhanos e até mesmo desafiando a coroa portuguesa.

Não existem heróis romantizados,e é isso que você esta procurando,leia o que eu escrevo até o fim,cada grupo ou comunidade tem seus heróis e vilões particulares,errado é procurar heróis romantizados e perfeitos que representem toda a humanidade,isso sim não existe.

Cara, como já dito, “vilão” e “herói” é sempre relativo.

Na verdade a única diferença seria q essas pessoas seriam de nacionalidade boliviana, paraguaia ou uruguaia ao invés de brasileira. E daí? Quem disse q isso seria ruim? De q adianta o Brasil ser um país grande e rico em recursos minerais se é pobre em valores éticos e morais?
Vc não tem como saber como a América seria caso houvesse qualquer mudança histórica. Pelo q sei, Uruguai poderia ser mais desenvolvido q o Brasil, tudo depende.
Não quero nem entrar na questão “sertão” e “oeste” pq sei q serei mal interpretado.

Indígenas não são coitados, de maneira alguma.
Os bandeirantes seguiram seus interesses. Os indígenas seguiram os deles. Sem lado “bom” ou “ruim”. Nem por isso um lado ou outro é herói.

Citando isso pq aqui se resume todo o motivo da discussão.
Sendo vc paulista, considera os bandeirantes heróis por “representarem tão bem” seu querido estado. É orgulho.
Não o condeno, visto q sempre pensei nos farrapos com muito respeito. Só quero separar as coisas:
Alguns bandeirantes podem ser considerados heróis por alguns paulistas, mas nenhum bandeirante será considerado herói por todos os brasileiros. Essa discussão é desnecessária.

Não,não amigo,não é tão simples,você é Gaúcho certo? saiba que o plano de colonização para aquela região seria bem diferente caso o Rio Grande permanecesse Espanhol,os Índios já estavam sendo convertidos pelos Jesuítas e inclusive a coroa espanhola permitia que eles se armassem para se defender dos bandeirantes,provavelmente essa região seria composta por índios em sua maioria esses índios sendo fiéis a coroa espanhola não existiria a necessidade de incentivar a imigração europeia para esses lugares e mesmo se essa imigração ocorresse ela não seria feita por Portugueses como aconteceu,ou seja se sua família tem origem portuguesa você não seria simplesmente um cidadão Uruguaio,você continuaria brasileiro só que em outra região,ou talvez sua família nem chegasse a vir para o Brasil.

Não acredito que exista um “povo brasileiro” acredito que o Brasil seja um Estado formado por varias nações,simplesmente a junção de toda a América Portuguesa assim como Bolivar tentou fazer com a América Espanhola e falhou. Logo a história,o folclore,heróis etc. de cada Nação são diferentes,portanto você esta certo em dizer que os bandeirantes são heróis paulistas,concordo por isso deixei bem claro heróis PAULISTAS. Mas sendo paulistas ou não eles influenciaram a história das outras “nações brasileiras” inclusive muitas só são brasileiras graças a eles,então é sim um pouco hipócrita alguém ter orgulho de ser brasileiro e odiar os bandeirantes.

Exato, foi exatamente o que disse, essas pessoas (pessoas entre aspas, já q obviamente não seriam as ‘mesmas’ pessoas) estariam vivendo em outro lugar. E como disse, tudo é relativo, não dá pra saber o q teria mudado. Acha mesmo q aquela parte estaria concentrada essencialmente por indígenas? Acho infinitamente improvável. Talvez fosse levar mais tempo, mas a região seria miscigenada por uruguaios, argentinos, andarilhos em geral, europeus (em menos quantidade se não houvesse incentivo), e etc etc. Seria uma região muito mais miscigenada do q é atualmente, mas não acredito q seria uma hm, como direi, “Amazônia 2”?
Os campos seriam tomados por criadores de gado tal como foram. Falaríamos espanhol? Sim, provavelmente.
E se eu tivesse nascido na Europa? Bom, nada mal. Gosto do lugar onde vivo, mas certamente não me importaria de ser europeu.
Mas enfim, seja como for, seja o q for q aconteceria comigo, não vem ao caso, não considero os bandeirantes heróis. Assim como não considero Cabral um herói, ou Colombo. Eram só mais pessoas com seus sonhos e planos.

Sim, o Brasil tem diversas nações, mas por mais q eu ou vc possamos desaprovar, estão unidas debaixo de uma bandeira.
Então sim, são heróis pra vc, são heróis sob a bandeira paulista q está sobre a bandeira brasileira. Mas não são heróis pra mim. Porém, nunca disse q eram vilões :wink:
Eu simplesmente não tomo partido. Eles existiram, foram importantes e fizeram o Brasil de hj. Mas pra mim isso não importa, entende? Só isso, nada contra quem os considera heróis, isso é particularidade de cada um. Nunca fui contra sua ideia, desculpe se deixei transpassar isso rsrs

Concordo. Eu tb sou gaúcho mas não considero os farrapos heróis, o maus perto disso seria General Neto.

Em defesa das nossas raízes

“- Vós, meu senhor, o que carecíeis de ver era a bruteza deles. As barbaridades! A escravização do gentio! É inútil negar, senhor: os paulistas são uns monstros…

O homem de barbas negras tornou com gravidade:

  • Monstros? Não, senhor jesuíta. Não! Os paulistas não são monstros; são como nós. A ambição, vós bem o sabeis, é o que empurra esses homens para o sertão. Caçar bugres, eis o chuço que os espiaça. Mas eles o fazem com sangue, dizeis vós. Que importa? Não haveisde pedir aos sertanistas, gente grosseira, que vão prear índios com torrão de açúcar! O certo, porém, é isto:conscientes ou inconscientes, são os paulistas que desbravam a terra. São eles que constroem o Brasil. Vede que país fabuloso, padre, criou, na América, a coragem desses brutos!”

O trecho acima é retirado do romance histórico “A Bandeira de Fernão Dias” de Paulo Setúbal, publicado em 1928. O diálogo é entre um padre jesuíta e um português que vinha ao Brasil para participar da bandeira do famoso Fernão Dias Paes Leme. O trecho é claramente uma apologia do autor ao papel dos bandeirantes na formação do Brasil, figuras que tiveram papel importantíssimo em nossa história, porém ainda são motivo de muitas polêmicas e são muitas vezes atacadas por nossos contemporâneos. De um lado, a figura heróica do desbravador de terras e construtor de civilização, do outro lado um conquistador genocida que escravizava índios. Seja como um ou outro, devemos ver os bandeirantes como o que eles realmente eram: como homens de seu tempo.

Há uma grande tendência entre nossos contemporâneos de negar nossas raízes, principalmente as de origem europeias, pois elas tiveram um papel muito negativo na história, sendo exploradores, escravizadores e genocidas. Por outro lado, engrandecem os povos oprimidos e criam visões distorcidas acerca dos mesmos, como se tivéssemos que negar toda a nossa herança europeia e lusitana em nome de uma cultura que ficou restrita à minorias e tivéssemos que até mesmo sentir vergonha dela.

Não somos europeus, porém também não somos indígenas, tampouco africanos, somos uma cultura mais especial, nascida da síntese de diferentes culturas, mas em que prevaleceu fortemente o elemento europeu português. Não devemos negar nossas raízes e nem mesmo aceitar as difamações sobre nossos ancestrais, não devemos nos envergonhar do que realmente somos. Sabemos que nossa história foi construída com sangue e sacrifícios, mas qual grande povo não se construiu sobre sangue e sacrifícios? Não podemos lançar olhares modernos sobre os bandeirantes e nem mesmo sobre os indígenas. A época demandava homens firmes, brutos e capazes de empreender as mais difíceis missões que lhes eram dadas. Os bandeirantes, filhos de uma raça conquistadora e belicosa portuguesa, não empreenderiam sua missão nas tribos pregando sobre ideias modernas de direitos humanos, direitos de minorias, igualitarismo ou luta de classes, porque tais coisas simplesmente não existiam na sua época. A sua missão demandava sacrifício e luta.

Assim como os índios também eram homens de seu tempo e tiveram a árdua missão de defender suas tribos. Mas sendo os indígenas também homens de seu tempo, muitos de seus costumes seriam vistos pelos mesmos críticos dos bandeirantes como coisas retrógradas, selvagens, machistas ou até mesmo racistas. Vale lembrar também que os índios também viviam em guerras com outras tribos e que muitos deles se aliaram aos portugueses. Os portugueses não construíram sozinhos esse país.

“[…] maior do que à primeira vista pode parecer, foi o influxo da raça americana na formação das primeiras camadas de moradores do planalto paulista, essa gente bandeirante que nos propusemos estudar sob vários pontos de vista.

Bem razão tinham os cronistas castelhanos de chamar aos moradores de São Paulo de “mamelucos, gente bellicosa y atrevida”, porque raro era, no segundo século, o sertanista que não tivesse entre os seus próximos ascendentes um genuíno representante da raça de bronze.

Ainda que as grandes cabeças arquitetadoras dos empreendimentos, tais como Raposo Tavares, Manuel Preto, Fernão Dias e outros, tivessem sido de exclusivo sangue europeu, os bandeirantes eram todos mestiços mamelucos, quando não eram de pura raça indígena.”

  • Alfredo Ellis Jr. – Os Primeiros Troncos Paulistas

O resgate a cultura indígena tem a sua importância, devemos entender nossas raízes, mas por outro lado, não devemos negar que na luta entre esses dois povos, o elemento que prevaleceu foi o europeu e lusitano, negar e denegrir tal elemento seria negar e denegrir o que somos, sentir vergonha de nós mesmos, de todos que vieram antes de nós e nos desconectarmos de nossas raízes e memória.

Um povo que não tem raízes e memória está fadado a cometer erros e ser escravizado. Não sejamos escravos, sejamos homens firmes e capazes de empreender uma grande missão: defender nossa terra e tradições, assim como foram nossos antepassados bandeirantes.

Felipe Nogueira de Sousa é Diretor do MSPI.

Fonte: saopauloindependente.org/blo … sas-raizes