Barco desconhecido

Um pequeno barco de vela triangular é avistado próximo à Dunnord, alguns consideraram que isto foi apenas alucinação pela preocupação com o Grande Cataclisma, outros pensam que podem ser alguns vizinhos…

[center]Pescadores das regiões de Albretz, Brest e Caltres relatam o aparecimento de um barco com vela estranha, aparentemente triangular.

[/align]

[center]Numa pequena enseada despovoada de Gardignon, dois marinheiros, se é que poderia-se chamá-los assim, conversam numa língua estranha aos gesebianos enquanto aguardam a chegada de seus companheiros. Antes do cair da noite os dez espias deverão comparecer naquele local para relatarem tudo que viram e, assim, se determinar quais serão os alvos escolhidos.

[/align]

O sol começava a se por quando um chamado ao passadiço é feito.

  • Passadiço? Vigia de estibordo. Embarcação avistada a 33º nordeste.

  • Chamem o comandante, rápido. - Diz o oficial responsável pelo turno de controle.

Havia acabado de me banhar quando ouvi as batidas a porta.

  • Marinheiro Angelo se apresentando senhor.

  • Informe Marinheiro.

  • Embarcação avistada em ponto suspeito senhor.

  • Comercial?

  • Não sabemos senhor.

  • Iniciar procedimento de abordagem, estou subindo à ponte. Dispensado marinheiro.

Termino de me arrumar e subo até ao passadiço.

  • Oficial na ponte. - Anuncia o timoneiro, fazendo com que todos se colocassem em posição de sentido.

  • Descansar, informe oficial.

  • A embarcação se encontra a 33º a noroeste, posição suspeita visto que não possui nenhum porto próximo e as enseadas nessa parte da costa são despovoadas. Procedimento de abordagem iniciado, NSM-FH01 iniciou a aproximação da embarcação e os encouraçados se encontram em posição de tiro com as torretas carregadas e direcionadas para a embarcação.

Olho com minha luneta e vejo a FH01 se aproximando.


A FH01 começa a se aproximar. O capitão da mesma, se utilizando de um megafone tenta contato.

  • Aqui é a fragata NSM-FH01, navio da Armada Imperial Gesebiana, temos o direito de inspecionar qualquer embarcação no território marítimo Gesebiano. Por Favor identifique-se!

Nenhuma resposta veio do navio.

  • Timoneiro de um sinal. - Informa o capitão, sendo atendido de imediato e um buzina alta é soada.

[offtopic]Fiz as ações aqui ao invés da Frota por serem ações no barco.

Caso tenha alguma que possa ser considerada Anti-RP por favor informem.

Resolvi fazer a abordagem visto que o barco em sua ultima ação se encontrava proximo a Gardignon e como a primeira saiu de Gardignon creio ser sensato o avistamento do barco.[/offtopic]

[tab=30]Aproximadamente distante uns duzentos metros de onde havia deixado a embarcação, um homem de feições vagamente persas, estava concentrado preparando o almoço para seus companheiros quando ouve alguém falando, assustado levanta-se e consegue observar através das árvores uma embarcação próxima à enseada. Brevemente analisa a situação e quando consegue entender tratar-se de embarcações bélicas ouve o forte do som de uma buzina.

[center][/align]

[tab=30]Assustado levanta e, montando em seu cavalo, sai à galope do local, abandonando os materiais do acampamento. Ao passar por uma clareira é possível vê-lo e, percebendo isso, o homem acelera a corrida para avisar seus companheiros que estão em Gardignon.

[offtopic]Gostei da tua ação JC e ela tem todo sentido. :wink:

No acampamento só terá coisas mundanas, nada que indique quem seriam ou o que pretendem.[/offtopic]

Enquanto a fragata se aproximava do barco decido por observar a praia costeira e vejo bem a tempo um homem com vestimentas aparentemente persas saindo em disparada montado em um cavalo.

  • Senhor estão informando que o barco se encontra vazio. - me informa o vigia.

  • Descer botes, quero observar a margem. Mantenham guarda no barco.

Acompanhado de Artur e de alguns oficiais chego até a margem onde encontro uma fogueira e um caldeirão, algumas panelas, tendas montadas mas nada que pudesse dizer alguma coisa sobre as intenções daquele homem. A única coisa que era possível perceber, pelas tendas e a quantidade de comida era que aquele homem esperava por outras pessoas e sua fuga desesperada levantou uma forte suspeita sobre as intenções do mesmo.

  • Vamos ver se encontramos algo no barco. - Digo aos presentes.

  • Comandante, permissão para falar? - Solicita Artur.

  • A vontade sargento.

  • Comandante, além de pescadores nossa vila também se utilizava muito da caça. - Diz Artur se abaixando próximo as pegadas deixadas pelo cavalo. - Creio que tenho experiência e capacidade para rastreá-lo e tentar descobrir algo mais.

Eu sabia que deixar aquela situação passar poderia significar um risco a toda a operação no deserto.

  • Certo Artur, pegue mais 3 fuzileiros um de cada embarcação e siga-o, sempre que possível envie telegrama para o Palácio dos Dragões, creio que será la a reunião sobre as operações e se não for o duque será informado de uma forma ou de outra.

Artur seleciona os fuzileiros e parte a pé seguindo o rastro deixado pelo fugitivo.

Eu me dirijo até o barco para ver o que descubro.

[offtopic]Richard e GMs, encontrarei algo no barco?[/offtopic]

Após vistoriar o barco e não encontrar nada de relevante, ordeno que seja ateado fogo no mesmo. Não havia tempo para leva-lo a qualquer porto.

Esperamos o barco se consumir todo em fogo e afundar para depois zarparmos rumo a Áquila, ainda tínhamos uma missão a cumprir