Blindado VBTP-MR

EXÉRCITO BRASILEIRO E IVECO ASSINAM CONTRATO DE PRODUÇÃO DA VIATURA BLINDADA DE TRANSPORTE DE PESSOAL (VBTP-MR)


• Contrato envolve 2.044 unidades do VBTP-MR em um período de 20 anos e é avaliado em R$ 6 bilhões
• Família de blindados nasce de licitação vencida pela Iveco em 2007 e está sendo desenvolvida no Brasil em conjunto com o Exército Brasileiro
• Veículos serão produzidos no Brasil, com alto índice de conteúdo nacional

O Exército Brasileiro e a Iveco Latin America assinaram hoje, 18 de dezembro, acordo para a construção de 2.044 unidades do modelo base da nova família de Veículos Blindados para o Transporte de Pessoal Médio Sobre Rodas (VBTP-MR). Os veículos substituirão os antigos modelos Urutu hoje utilizados pelas Forças Armadas brasileiras. O contrato tem valor previsto de R$ 6 bilhões em 20 anos.

A fabricação do lote de 2.044 unidades tem início previsto para 2012, com término em 2.030. A produção dos modelos acontecerá no Brasil, com alto índice de conteúdo local, o que contribuirá para desenvolver a indústria de defesa nacional. A responsabilidade pela produção será da Iveco. A cadeia produtiva deverá envolver, no País, cerca de 110 fornecedores diretos e até 600 fornecedores indiretos.

O acordo foi assinado em cerimônia realizada no Quartel General do Exército, em Brasília, pelo Chefe do Estado-Maior do Exército, General de Exército Fernando Sérgio Galvão, e o presidente da Iveco Latin America, Marco Mazzu. Também participaram do evento o Comandante do Exército, General de Exército Enzo Martins Peri, e o presidente da Iveco Defense Vehicles, Pietro Borgo.

O Projeto VBTP está alinhado com o segundo eixo estruturante da Estratégia Nacional de Defesa, relativo à reorganização da indústria nacional de material de defesa, para assegurar que o atendimento das necessidades de equipamento das Forças Armadas brasileiras esteja apoiado em tecnologias sob domínio nacional, proporcionando a geração de empregos diretos e indiretos no País.

Para o Exército Brasileiro, o projeto VBTP-MR significa aumentar a operacionalidade da Força Terrestre, incrementando sua capacidade de atuação nas diversas missões onde a utilização desse tipo de veículo é adequada, apresentando configurações diferentes (transporte de pessoal, reconhecimento, socorro, ambulância, etc) para atender às diversas necessidades operacionais.

DESENVOLVIMENTO NACIONAL

A família VBTP-MR é fruto da licitação promovida pelo Exército em 2007, vencida pela Iveco, montadora de caminhões do Grupo Fiat com fábrica no Brasil. Um dos fatores decisivos na escolha foi a experiência da empresa neste setor, oriunda da divisão mundial Iveco Defense Vehicles, que projeta, produz e comercializa veículos militares, incluindo modelos similares ao VBTP-MR brasileiro.

O VBTP-MR será uma família de veículos de transporte de 18 toneladas, equipada com motor diesel, tração 6x6 e capacidade anfíbia, capaz de transportar 11 militares. As especificações básicas indicam 6,91 metros de comprimento, 2,7 metros de largura e 2,34 metros de altura. O modelo poderá ser equipado com uma torre armada com operação por controle remoto para diversas aplicações diferentes. O modelo pode ser aerotransportado por um avião do tipo Hercules C-130.

Esta família de blindados está em fase de desenvolvimento. O trabalho vem sendo realizado em conjunto pelo Exército Brasileiro (por meio do projeto Mobilidade Estratégia e pelo DCT – Departamento de Ciência e Tecnologia) e a Iveco, responsável pela fabricação do modelo. Estão também envolvidas no projeto a IMBEL (sistema de comunicações), a ELBIT (sistema de armas) e a Usiminas e Villares (desenvolvimento do aço estrutural balístico nacional).

Cerca de 30 engenheiros e técnicos especializados estão diretamente envolvidos no projeto. O primeiro protótipo está em construção em Minas Gerais e fica pronto no primeiro semestre de 2010. Outras 16 unidades de um lote piloto deverão ser produzidas pela Iveco no Brasil entre 2010 e 2012.

Uma maquete em escala real do VBTP-MR foi demonstrada na Latin America Aero & Defense (LAAD), a maior feira de equipamentos militares da América Latina, que aconteceu no Rio Centro, no Rio de Janeiro, em abril de 2009.

Iveco

A Iveco projeta, produz e vende uma ampla gama de caminhões leves, médios e pesados, ônibus, veículos comerciais para aplicações militares, fora de estrada, bombeiros, defesa civil e etc.

A Iveco emprega mais de 28.000 pessoas e possui 27 fábricas em 16 países do mundo, utilizando excelente tecnologia desenvolvida nos cinco centros de pesquisa e desenvolvimento. Além da Europa, a empresa opera na China, Rússia, Austrália e América Latina. Mais de 6.000 mil concessionárias e pontos de serviços, distribuídos em 100 países, garantem suporte técnico onde quer que um produto Iveco esteja em serviço.

Fonte: Defesanet

Como o Brasil não é “Free Market”, não poderei comprar um desses para meu uso pessoal.

Mas queria saber um pouco mais sobre a blindagem…

Lembra os APC´s soviéticos.

Li em algum lugar que ele foi baseado no Cenaturo, então vou colar as especificações deste.

A blindagem do Centauro é capaz de “segurar” projéteis de calibre 14,5 mm e fragmentos de explosivos em toda a sua carroceria, porém com preparação, pode-se incrementar essa capacidade para suportar impactos de até 30 mm, principalmente na frente do Centauro. Além disso, o Centauro está preparado para operar em ambiente NBC (nuclear, Químico e Biológico) através do sistema de ar condicionado do veiculo. Um sistema de alerta de iluminação laser pode ser montado também, informando a tripulação de que o Centauro está sendo iluminado por laser e possivelmente atacado por projéteis guiados por esse sistema. Caso seja detectado esse tipo de ataque o Centauro conta com 8 granadas de fumaça que visam anular a iluminação do projétil ou míssil inimigo.

Valeu…

mas putz… tô enferrujado nessas especificações, não tenho idéia do que é um calibre 14,5 ou 30 mm.

A .50 era oq??? Qdo servi, os obuseiros aguentavam tiros de .50, isso eu lembro.

12.7x99 BMG Pelo que eu saiba ;D

ZB-60 / 15mm Besa heavy machine gun
Caliber 15x104 mm

Já tava na hora né…

Pena que será com a Iveco!

Qual o problema com a Iveco?

Vamos esperar que as parcerias e as compras propiciem um clima favoravel a empresas desse setor.

Se for empresa nacional fazem como fizeram com a Engesa, fabrique um tanque melhor que o dos gringos (alguém se lembra do Osório) e vê no que vai dar.