[CG3] Discussões pré-jogo

Fala pessoal!

Como a discussão sobre o cg3 já começou naturalmente, vamos centralizar isto neste tópico.

Temos alguns assuntos interessantes para debater antes de um início de jogo.

Primeiramente teríamos que definir uma data aproximada. Em minha opinião deveria ser daqui uns 2 meses, pelo menos. Pra dar tempo de criar expectativa e debater bem os assuntos antes de iniciado o jogo.

Um outro detalhe importante é a escolha de países. Precisamos de sugestões da forma como isso será feito. O primeiro a falar um país ficar com ele acho que é injusto, além de correr o risco de países muito importantes ficarem em mãos de players “desconhecidos”. Quando digo desconhecidos não é por preconceito contra novos players. Todos são muito bem-vindos! É que países importantes necessitam de players que tenham comprometimento reconhecido.

Eu não consigo pensar em uma forma melhor de escolha do que foi a do cg2. Cada players escolhe 4 países, em uma ordem de preferência. A escolha se dá tentando “deixar todos felizes”. O que eu acrescentaria aí seria somente a criação de uma comissão de players “experientes” para fazer algumas alterações e corroborar a alocação.

Sugestões de métodos melhores para a alocação de países com certeza são muito bem-vindas.

Demais discussões sobre o cg3 façamos aqui também!!

Para facilitar o jogo pra vcs, já digo que vou querer país secundário.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Então… eu, quando abdicar de ter uma vida produtiva, ética e socialmente responsável, e quiser apenas salvar o meu em detrimento de toda uma comunidade, deixarei vc´s esperando por semanas a fio.

Sim DUDU, tô puto contigo.

:mal

Ahn??

Devíamos pegar só os minors na Europa e Asia, tirando uma vantagem ou outra de cada País, ficaria um jogo equilibrado pela maior parte do tempo.

Mas claro que com uma “area de influencia” pra cada player, pra poder se desenvolver em cima da AI.

Ai não teria regra nenhuma, tirando a perda de território e ataque com CB.

De acordo com oque o Dudu disse. Acho que pegar minor não e muito interessante… Alguns paises você fica anos esperando algum CB ou alguma oportunidade para atacar e e bem injoativo (pelo menos para mim).

DUDU, vc sumiu por oq? 3 semanas pois estava vendo os doc´s para ser funcionário público…

E, funcionários públicos para mim são aqueles que abdicaram de ter uma vida produtiva, ética e socialmente responsável, e que querem apenas salvar o meu em detrimento de toda uma comunidade…

Como vingança, começando o CGIII, tbm irei sumir mas ao contrário de vc, estarei produzindo algo por essa nação ao invés de só mamar na teta dela.

hehe

Não vejo como enjoativo. Imagine o número de alianças entre os players para derrotar a AI que teriam que ser feitas, como o jogo seria movimentado. Em um primeiro momento seria complicado. Quem tem mais dificuldade em lidar com a mecânica do jogo, ficariam com potências secundárias. Seria bem mais competitivo acredito, iria se trabalhar e muito a parte diplomatica, por que precisaria de 3,4 players pra bater em uma Bohemia, Austria ou mesmo uma França. Ou poder-se escolher livremente, Castela tendo vizinho como Aragão, Inglaterra com Escócia, França com Burgundy. Aumentar a competitividade pra não deixar o jogo ficar engessado.

Sim, acho que deveria inovar e jogar com “minors” ou um pouco melhor, isso eu acho, mas eu gostaria muito de jogar de Veneza!

[font=Palatino Linotype]“Quem tem mais dificuldade em lidar com a mecânica do jogo, ficariam com potências secundárias.”

E acho que isso contribuiria para que novos jogadores que não tem muita confiança pra pegar uma grande potência e acham que podem atrapalhar o jogo participassem também…[/font]

Se quando pior o jogador melhor o pais eu fico com França, que tal?

Se agente pegasse minor mudaria toltamente o foco do CG que e pegar as naçoes mais fortes. Mas talvez pegar minors e se fazer alianças para derrotar nações mais fortes seria uma ideia bem interressante para um MP ¬¬|

Exatamente o que eu ia dizer. A essência do CG, como o prórpio nome diz, é preencher todas as potências. Agora deixá-las nas ma~so de players menos experientes pode ser uma coisa interessante… ou não… Temos que analisar os pró e contras.

Além da correria atras de documentação e tudo mais fiz 3 viagens nesse curto espaço de tempo. Vários “compromissos sociais”. Correria com inicio de periodo… enfim… uma soma de coisas que fizeram com que sumisse.

Faz um Little Dog, risos.
Beleza, então tá de boa, mas deixar os “inexperientes” com países potências é uma boa ideia, a partir pelo ponto de vista em que esses mesmos players se acostumassem mais aos MP’s com países melhores o que facilitaria para eles, e ficaria até mais divertido para nós mesmos, porque uma vez tendo de se aliar para bater nos grandes, a diversão chega a triplicar.

Por isso q eu falei pra fazer um “Cusco Guapeca”…

Também concordo quanto a escolha de países. Pra mim tinha que escolher as potências mesmo, inependente do jogador. A idéia de se unir contra a AI é legal, mas fica muito co-op. O legal mesmo é intriga e política entre players.

Sou a favor de demorar um pouco menos pra começar também. 2 meses a partir de agora vai dar perto do meio do ano, que é igual a férias e pessoas viajando. Mais do que isso demora. Além do fator pessoal de estar a toa por mais 3 meses e meio e querer aproveitar o máximo e odiar expectativa, mas isso não deve ser levado em conta.

Mas o CG2 nem terminou ainda… ou já?

[quote=“Hiryuu”]
Mas o CG2 nem terminou ainda… ou já?[/quote

Pelo jeito terminou.
Eu acho que no CG3 pudia ter a mesma regras no CG2, mas talves pudesse limitar um pouco as alianças entre players.

Ou poderia que se formassem blocos militares e econômicos, onde por exemplo, em um bloco tem eu, Luck e o Lost. Eu só poderia fazer alianças e comercializar com o Luck e o Lost, até o fim do jogo, com nenhum player mais, no final acabaria com alguns blocos mais desenvolvidos que outros.

Samba do crioulo doido, cada um por si e Deus por todos?