[ck2-agot] Iron From Ice

HOUSE FORRESTER

Bem vindo, caro leitor. Antes de irmos para a ARR propriamente dita darei algumas explicações sobre o cenário e o marcador em que eu comecei essa belíssima partida.

  1. Comecei o jogo em 796, no marcador Ciclo Sangrento (salvo engano este é o nome do marcador), minhas única modificação na pré-configuração digna de nota foi impossibilitar o uso, criação, domesticação… de dragões, ou seja, nada de Aegon, o conquistador, invadindo Westeros.

  2. A minha ARR não começará com o primeiro Forrester que eu joguei, mas sim com seu descendente Roderick, Grande Lorde da Mata do Lobo.

  3. O Norte até aqui foi mais ou menos agitado, não fomos invadidos por nenhum outro reino, a maioria das grandes casas preservou seu poder, mas os Karstark se tornaram Stark novamente e criaram uma “facção” pró Stark de Karhold que rivalizou durante uns dez anos com a facção lealista ou pró Stark de Winterfell até que estourou uma guerra civil. os Stark de Karhold venceram uma breve guerra civil contra uma rainha bebê em Winterfell. os Stark de Karhold tomaram Winterfell para si e o antigo ramo principal da casa foi exilado em Skagos.

  4. Durante esse tempo eu basicamente fiz reclamações, esperava um momento propicio para reivindica-las pela força da espada. Fiz alianças com grades casas do Norte, principalmente a Casa Manderly, Umber e Bolton (mais recentemente com a casa Dustin também, ao casar Karlon com a então filha do lorde Dustin) e melhorei um pouco Ironrath.

  5. Meu objetivo será tornar os Forrester a nova casa real do Norte e eu jogarei tentando interpretar os personagens, um role-play.

3 Curtidas

Ops, bem vindo! Proposta interessante! Espero que tenha sucesso, hehe

2 Curtidas

CAPITULO I: O SENHOR DA MATA DO LOBO

Lorde Roderick cavalgava lentamente na floresta, tentando guiar o cavalo na deficitária trilha entre as arvores pau-de-ferro, era acompanhado por seu filho na vanguarda do exército. Os dois lideravam a maior parte das forças, suas e de seus vassalos da Mata do Lobo, em direção as montanhas, onde juntariam forças com o resto dos subordinados de Ironrath. Roderick é um homem grande com cacheados cabelos castanhos claros e uma enorme barriga rosa-vinho, o Grande Lorde de Mata do Lobo é um homem de grande apetite, ansiava por mulheres, comida, bebida e, principalmente, por poder. Mas ao que parece o apetite por poder era algo comum em sua casa, ao menos nos últimos cem anos.

A casa Forrester descende dos primeiros homens e tem seu assento a incontáveis gerações em Ironrath, antigamente uma pequena fortaleza de madeira no interior da Mata de Lobos, hoje uma fortaleza de pedra em expansão. A casa Forrester era subordinada ao punho de ferro dos Glover, mas nem os resilientes Glover foram capazes de deter a ambição dos antepassados de Roderick, o bisavô do corpulento lorde desejava expandir-se e para isso fez alianças, provocou vizinhos, fez reféns e falsificou documentos até conseguir, progressivamente, expandir os domínios da casa Forrester ao ponto de dominarem todas as terras da Mata do Lobo, excerto as terras diretamente controladas pelos Glover, não demorou muito para a extinção dos Glover e a elevação dos Forrester como novos Grandes Lordes da Mata do Lobo. Entretanto a ambição da casa não terminou com a nova posição e muito menos com a morte do bisavô de Roderick. O avô, o pai e o próprio Roderick continuaram o legado do patriarca Forrester ao quase conquistar inteiramente a terra dos clãs das montanhas, faltando apenas, para o completo domínio, a conquista de Planície Sombria.

-Logo conquistaremos o ultimo dos territórios dos clãs, meu filho, em breve seremos senhores absolutos da Mata do Lobo à Muralha. A cem anos os Forrester não eram nada, desprezados por todos os Grandes Lordes, os Stark nem se quer sabiam nossos nomes, mas agora eu sou o segundo vassalo com mais homens em todo o Norte, apenas seu cunhado, o Bolton, é superior em número, mas ninguém em riqueza ou no tamanho das terras é superior aos Forrester, nem mesmo nossos amigos Manderly.

-Espero que o Rei Beren não exija que abaixemos as levas – disse Karlon, filho de Frederick e comandante do exército – já passamos muitos anos esperando que o pai dele esquecesse que propositalmente criamos uma reivindicação na terra dos Norrey.

-Ele será um tolo se o fizer, muitos no Norte já o chamam de tirano e ele ainda é um pouco mais que um menino, venceu uma guerra injusta contra os Manderly, mas a custa de sua mão, a mão da espada, é bom lembrar. O rei-sem-pelo-no-saco não tem o apoio dos vassalos nem para um banquete, quem dirá para uma segunda guerra tirânica.

-Entristece-me as noticias que vem de Porto Branco, pai. O lorde Manderly, Theonald, é apenas um menino, mas ainda sim tem que equilibrar sua casa no fio da espada. É verdade que a velha Locke está tentando mata-lo?

-Sim, depois que Erena Locke recebeu o titulo de Grande Lady de Porto Branco do rei Stark e se tornou herdeira do menino, até que ele venha ter um filho, ela vem tentando mata-lo, o pobre garoto só domina agora a cidade em si e em uma posição muito fraca, ouso dizer, ir para a clandestinidade para tentar fugir dos assassinos de Locke minaria sua frágil posição na cadeira do Tritão. Entretanto eu não o deixei sozinho, ofereci aliança ao garoto, em um sinal bem claro para a “Terrível” que os homens de Forrester apoiarão os Manderly caso ela tente revogar a cidade, também enviei alguns dos meus melhores espiões, treinados pessoalmente por mim, eles irão ser os olhos e ouvidos do garoto. Minha mãe era uma Manderly, nossas casas estão ligadas por mais de meia dúzia de matrimônios, varias foram as vezes que soldados de Porto Branco vieram em auxilio nas nossas guerras, a casa Forrester deve muito a Manderly, não os deixaremos sozinhos.

-Entendo, pai. Recebeu alguma notícia do Oeste?

-Nenhuma novidade, até onde eu sei a sua prima, a Rainha Samalla, depois da derrota no Septo de Pedra frente as forças de Durrandon empregou fuga, ela e toda a sua família, na verdade, inclusive sua tia. É verdade que nunca me dei muito bem com minha irmã e que o casamento dela não teve fins mais práticos do que apenas elevar a nobreza da nossa casa, mas isso não significa que eu quisesse o mal dela e de sua nova família, desde que ela se tornou uma Lannister, nos via como a parte pobre da família, embora, até onde sei, Samalla encontra-se afogada em dividas com o Banco de Ferro e seus vassalos, mesmo que por um milagre ela vença a guerra, duvido muito que mantenha seu trono.

Roderick e Karlon continuaram a marcha até o final do dia, quando finalmente deixaram para trás a Mata do Lobo e alcançaram as planícies frias dos Norrey, mas antes mesmo que o acampamento fosse levantado adequadamente um corvo chegou, ele trazia uma mensagem lacrada por ceira cinza em formato de lobo, Roderick nem precisou abrir a mensagem para entender o seu real significado, o inverno estava chegando, como bem gostavam de dizer os Stark, mas os Forrester tinham outras palavras, Ferro do Gelo.

2 Curtidas

obrigado, amigo. Primeira parte já disponível, aguardo comentários e sugestões rsrs.

Gostei da narração, salvo pequenos errinhos de português aqui e acolá.

Mas releve-me, sou da patrulha ortográfica e também cometo meus crimes hehehe

1 Curtida

Peço que releve, rs. Joguei de manhã e escrevi a tarde, quando chegou o momento de revisar o texto eu já estava enfadado e não apliquei muito rigor, principalmente na acentuação (aspecto da escrita que não entra na minha cabeça justamente pq não consigo identificar a sílaba tônica). Pretendo revisar tudo ao final da primeira parte, inclusive modificando certos trechos. Abraço.

1 Curtida

Estou gostando, bom posicionamento da situação atual. Continue!

2 Curtidas

É menos importante do que faço parecer haushusahas

Eu já escrevi o segundo capitulo, mas o site onde eu hospedo as imagens não está funcionando. vocês poderiam indicar outro?

Sempre usei o Imgur, mas também dá pra upar aqui mesmo.

CAPITULO II: O ULTIMATO DO REI

A hora do lobo estava quase chegando, mas Roderick ainda não tinha decidido, lia a carta mais uma vez na tentativa de extrair dela uma resposta.

“Grande Senhor Roderick, pelo presente ordeno que ponha fim a guerra de agressão. Se ignorar esta carta será declarado traidor e inimigo do reino”, dizia a carta.

Aquilo fazia a grande barriga de Roderick revirar, entretanto o lorde sabia que era o dever dele guiar a sua casa, cada momento perdido era benéfico apenas para o rei de Winterfell. O Grande Lorde da Mata do Lobo nunca tinha sido chamado de corajoso, pelo contrário, ele mesmo reconhecia sua falta de determinação em encarar o inimigo de frente, de fato, Roderick era partidário da opinião “uma adaga nas costas mata tão bem quanto uma espada no peito”.

Quando criança não entendia o porque de apenas ele, dentre todos os irmãos, não ser exaustivamente treinado com a espada e a lança, ao contrário, seu pai ordenará como seu tutor um burguês, líder da vila perto de Ironrath e mestre dos espiões do seu pai. A adolescência de Roderick foi uma rotina, reuniões do conselho de seu pai pela manhã e servir como auxiliar do Mestre dos Espiões durante a tarde e noite. Apenas quando chegou no décimo sexto dia de seu nome foi capaz compreender no que seu pai queria torna-lo e o motivo de fazer isso.

Os vassalos de Ironrath eram todos novos, foi seu avô que concedeu as terras, mas a gratidão é algo que se perde rapidamente. Seu pai era um bom governante da espada e do ouro, por mais de uma década fez empréstimos aos Stark, embora os Forrester nunca tivessem chegado a serem considerados ricos não tinha quem no Norte os chamasse de pobres. Era a arte da pena que faltava ao seu pai, lorde Harlon via nitidamente que o próximo lorde da Mata do Lobo, para ter êxito, não precisaria ser um exímio espadachim, pois não duelaria com seus inimigos, seu herdeiro precisaria dominar a arte da apaziguarão e, se necessário, a arte da adaga e da conspiração, e foi para isso que Lorde Roderick foi preparado. Quando lorde Harlon morreu os vassalos começaram a conspirar contra o jovem lorde (lorde Roderick tinha apenas 16 anos quando assumiu o comando de sua casa), não demorou muito para uma facção de nobres surgir, eles desejavam mais poder ao conselho, porem o jovem lorde provou se ser feito de um material diferente do de seu pai. Todos os espiões encontrados em Ironrath passaram a servir o Grande Lorde ou foram torturados, interrogados e mortos. Adagas eram constantemente encontradas nas camas dos pequenos filhos dos nobres da facção, alguns poucos assassinatos aconteceram, mas a maioria dos nobres entendeu rapidamente que a expectativa de vida de um faccionado não era lá muito grande.

Agora mesmo, em sua mesa, semelhante a um general em campanha, repousam mapas, listas, estratégias e afins, mas, diferentemente de um general, os mapas são de castelos e suas passagens secretas, suas listas não informam comboios de suprimentos militares, elas informam a distribuição dos passarinhos de Ironrath.

Roderick traçava estratagemas e linhas de ação para cada resposta do rei. Se acatasse o ultimato do rei o prestigio conquistado pela sua família nas últimas décadas cairia drasticamente, lembrando a todos que não faz muito tempo os Forrester eram nada, fora que, fortaleceria a posição do rei, possibilitando que o rei revogasse parte de suas terras e deus vassalos, colocando em uma posição defensiva. Ao negar, o rei iria enviar mensagem a todos seus vassalos chamando-o de traidor, mas se ele próprio não pegasse em armar contra Ironrath iria demonstrar sua fraqueza perante o reino, entretanto os vassalos mais poderosos do Norte apoiariam Forrester em detrimento de Winterfell – talvez até as inimizades do rei me apoiem – pensou o lorde. Matar o rei estava fora de questão, demoraria muito tempo para preparar tudo, tempo que Roderick não possuía. Sobre o mapa estava o símbolo do lobo gigante em Winterfell, ele pegou a peça que simbolizava a casa Forrester e derrubou a do lobo gigante como em uma partida de cyvasse, ele viu a arvore pau-de-ferro repousada em cima de Winterfell, Roderick gostou do que viu.

CAPITULO III: O CONSELHO DE GUERRA

Pavilhão digno de um rei, pensou Roderick ao observar esse fato pela primeira vez, embora ainda não fosse um. Era uma enorme tenda de tecido negro costurado por grossas linhas brancas que faziam referência ao estandarte da casa Forrester. O lorde compartilhava seu pavilhão com os seus subordinados, comandantes e serventes.

Roderick observava seus senhores enquanto estava sentado na cabeceira da grande mesa de madeira escura pau-de-ferro. A sua direita estava sentada o seu lorde mais poderoso, comandante das forças e filho herdeiro, Korlon. A sua esquerda sentava seu amigo de longa data e vassalo, lorde Wyaman Horggar. Seguindo de seu filho e de seu amigo sentavam: o menino Ducan Cassel, senhor de Ultimo Pinheiro, Mark Lake, o senhor de Colina Desmoronada, Robyn Icemark, a senhora de Bellota de Soto e, por último, sua tia avó Ryessa, senhora de Arvore do Rei.




Vassalo-Lake
Vassala-Ryessa-Forrester

Todos os senhores estavam apreensivos para saber por que motivo tinham sido convocados em pessoa para o conselho de guerra e não apenas seus capitães. Após Lorde Roderick jogar a mensagem do rei no meio da mesa começou um murmúrio ensurdecedor, até o lorde se cansar do barulho, levantar a mão e falar.

-Meus senhores, creio que vocês entenderam errado, não estou pedindo o conselho de vossas senhorias, eu já tomei minha decisão, eu não abaixarei as levas, se o rei deseja continuar com esse seu ato de tirania que ele venha até aqui e me force desistir de minha reivindicação.

-Se este é o caso, sobrinho – falou sua tia avó Ryessa em uma tentativa clara de demandar autoridade pelo laço familiar – devemos retornar para a Mata do Lobo antes que o rei Beren invada nossas casas.

Antes que tivesse tempo para responder sua tia-avó o seu filho, reivindicando a autoridade de capitão-mor das forças, disse – isto seria um erro tático sem tamanho, querida tia, se realmente enfrentarmos uma guerra contra Winterfell, devemos unir nossas forças e atacar a do inimigo onde estão mais fracos. Sugiro para seguirmos para leste até Última Lareira, depois para o sul, para Forte do Pavor, mas rápido, devemos interceptar as levas de Karhold a caminho de Winterfell. Estamos um pouco mais longes do que as levas de Karhold, mas seria uma marcha em planícies, enquanto os Stark do leste teriam que atravessar rios e florestas, poderíamos intercepta-los na travessia do rio Último.

A cara redonda de lorde Mark ficou vermelha com ideia de deixar suas terras aos lobos – está sugerindo que eu deixe minha esposa e meu filho sozinhos no meu castro? À mercê de saqueadores e estupradores?

Lorde Roderick viu que precisava intervir, mas antes que pudesse falar Korlon já tinha retrucado – claro que não, meu lorde, todos os nossos familiares devem ser levados para o castelo aliado mais forte, sugiro eu, devam ser levados a Forte do Pavor, mas quanto a ter suas terras saqueadas e pilhadas, pode ser que aconteça, mas eu garanto-lhe que saquear uma sala de Winterfell o deixará com ouro suficiente para pôr no chão seu castro e erguer no lugar dela uma bela fortaleza de pedra.

-Tentador lorde Korlon, mas permita-me lembra-lo que Winterfell mantem uma guarda de mais de cinco mil homens constantemente e é uma das mais poderosas fortalezas de todo Westeros, como pretende saqueá-la? – debochou lorde Mark.

-Depois que derrotarmos a tropa Stark em campo a fortaleza de Winterfell estará sozinho, pronto para ser colocada sob cerco e conquistada.

-Primeiro terá que coloca-la em cerco, senhor.

A discursão entre os lordes continuou, consultar os vassalos era uma mera etiqueta, bem sabia Roderick, no final era ele é quem tomaria a decisão de acordo com seu bem querer, mas era uma boa maneira de evitar a alcunha de tirano. Aos poucos foi embebedando-se com o doce vinho importado do sul, enquanto fingia escutar as palavras de seus esbravejantes lordes, ao fim das discursões ele já estava tão bêbado que nem conseguiria levantar-se, mas já estava tão acostumado a embriaguez ao ponto de seus lordes não serem capazes de perceber seu estado, ao menos enquanto ele permanecesse sentado.

Quando percebeu que os lordes já tinham falado tudo o que quiseram ele levantou mão e eloquentemente disse – meus lordes, já tomei minha decisão. Suas famílias e pessoas queridas devem dirigir-se até o acampamento, enquanto eles viajam eu enviarei mensageiros aos nossos aliados para confirmar que teremos seu apoio. Quando eles chegarem iremos imediatamente a Última Lareira e a Forte do Pavor onde uniremos forças e deixaremos nossos entes protegidos. Porém, obviamente isso será o que acontecerá caso o rei venha em armas contra mim, se ele apenas esbravejar iremos fazer o que viemos fazer inicialmente, conquistar as terras Norrey e voltar para casa – com isso o Grande Lorde da Mata de Lobos liberou seus vassalos.

Desafiando quase abertamente… Bom, bom… E… A faquinha sempre prevalece, hehe

2 Curtidas

Kkkkkkkkkkk. Fraquinha?

Aquela apunhaladinha de leve.

Ops! Li fRaquinha kkkmm, foi mal

CAPITULO IV: O DESAFIO DE WINTERFELL

Já completara algumas horas que a reunião do conselho tinha acabado. A batalha que Roderick travava agora era com aquele vinho, um vinho sulista, era bem mais forte que o da Árvore, tinha algo de Dornês nele. Roderick já tinha secado meio barril, porém ainda continuava de pé, o lorde queria ver quem ganharia aquele mortal embate entre ele e o barril. Existiam muitos senhores beberrões no Norte, mas nenhum superava o senhor da Mata de Lobos e ele orgulhava-se disso.
Roderick estava prestes a secar mais uma taça quando ouve um barulho esquisito, ao virar a cabeça, vê um homem gordo armado com um porrete de madeira, o corpulento lorde abre a boca para chamar os guardas, mas antes mesmo que conseguisse articular as embriagadas palavras o porrete do agressor já tinha o alcançado.
Acordou com o trotar do cavalo, sua cabeça latejava, tentou abrir os olhos, mas não conseguiu, tentou novamente até entender que não estava de olhos fechados, mas na verdade encontrava-se vendado. Roderick tentou tirar as vendas, porem suas mãos estavam amarradas, começando a entender a situação decidiu chamar por ajuda, as primeiras palavras não saíram, sua boca estava seca, na segunda tentativa conseguiu mais do que apenas balbuciar.
-Tem alguém aí?
-Parece que nosso prisioneiro acordou, senhor – disse uma voz grossa
-É o que parece – disse uma voz masculina, mas menos grossa – retirem sua venda, não há necessidade disso, ele já deve até saber para onde estamos indo – riu o homem
Quando retiraram a venda de Roderick sua cabeça pareceu explodir, não sabia se era devido a ressaca ou ao golpe. Olhou ao redor, ele estava montando, assim como os homens que viajavam ao seu lado, desses reconheceu apena um, o homem gordo que o acertou com um golpe durante a madrugada, entretanto ele já o conhecia antes.
-É bom vê-lo novamente, lorde Locke – disse confiantemente o prisioneiro.

-Sinto-me lisonjeado em saber que lembra de mim, Grande Lorde.
-Não é um fato tão notório assim, meu lorde, é o herdeiro da velha Locke e cãozinho dos Stark – disse como se fosse o mais belo dos elogios.
-É bom ver que ainda guarda seu orgulho, meu senhor, eu deixaria o rei Beren desapontado se chegasse a Winterfell com o senhor já domado.
-Diga-me, o que o rei deseja comigo em Winterfell?
-Cortar sua cabeça por traição, acredito eu, mas talvez minha mãe o convença que um dos lordes mais poderosos do reino é mais valioso preso e feito refém.
-Nunca pensei que um dia deveria minha vida a velha bruxa Locke. E estes outros, quem são?
-Thomas e Poo, dois colaboradores ao serviço da coroa.
-Da coroa Locke, você quer dizer.
-É melhor tomar cuidado com suas palavras, senhor, sei muito bem que se considera o melhor lorde dos sussurros do Norte, mas não só minha mãe provou ser melhor ao ocupar este respectivo assento no conselho como eu ao captura-lo.
A isso o Grande Lorde nada disse, mas respondeu em pensamento “ainda não estou derrotado, não enquanto eu mantiver minha cabeça sobre o corpo”.
A viajem continuou rapidamente e em poucos dias eles alcançaram Winterfell, logo na chegada foram recebidos por toda a corte. para os Locke tinha sido uma importante demonstração de sua competência na arte da conspiração e para o rei foi uma vitória sem derramamento de quase nenhum sangue, excerto de um ou outro guarda que protegiam o pavilhão de Roderick.
Assim que passaram pela última das muralhas de Winterfell encontraram toda a conte no pátio e à frente de todos eles estava o rei maneta, Beren. A mestra dos espiões estava logo atrás, aproveitando a vitória de sua casa. Theon Locke foi o primeiro a falar.
-Vossa Graça, é com muito orgulho que lhe apresento o traidor do reino – gritou alto para que todos escutassem – O Grande Lorde da Mata de Lobos, Roderick Forrester – depois de estridentemente pronunciar que Roderick era seu cativo abaixou a cabeça em reverencia.
-Olá, Forrester – disse o rei – é bom vê-lo… preso, precisamente.
-Sua Graça – fez uma reverencia que beirava o jocoso – gostaria de saber o porquê da minha prisão, eu que em nenhum momento da minha vida conspirei contra o trono.
-Vos sois deveras engraçado, meu lorde. Nega diante de toda a corte de Winterfell e dos deuses que se negou a pôr fim a sua injusta guerra de agressão contra os Norrey?
-Nego, mil vezes, eu nego.
-Muito bem, terá um julgamento em dois meses, minha mão, Walton Poo será o juiz – Poo deu um passo à frente.

-Perdoe-me, meu senhor, mas duvido encontrar justiça em suas mãos, quero dizer, em sua mão, meu senhor – disse sorrindo – eu exijo um julgamento por combate, eu contra vossa Graça – toda a corte entrou em murmúrio.
-Es arrogante, senhor Forrester. A honra me obriga a lhe conceder seu julgamento por combate, mas não obriga que eu lute em pessoa, não me sujeitarei tão baixo ao ponto de lutar contra um traidor. Terá seu julgamento em dois meses, agora levem-no.
-Um minuto, Vossa Graça. Pretende me deixar dois meses sem comida e água, em um calabouço para só então conceder-me o combate? Se este é o caso nego-me e proclamo a todo guerreiro honrado aqui neste pátio a fazer o mesmo – Roderick olhou para o mestre de armas de Winterfell – lorde Royce Mollen, nenhum homem no Norte duvida de vossa honra, diga-me se verdadeiramente acha justo um juízo por combate com um dos combatentes deteriorados pelo calabouço.

Mollen olhou com desconfiança para Roderick até que finalmente respondeu – não, não acho.
-E como o lorde acredita que é um juízo por combate justo? – disse Roderick ao sentir que estava dominando a plateia, digo, a corte do rei.
-Com homens descansados, armados ao seu gosto e com idades parecidas – disse envergonhadamente o mestre de armas.
-Chega! – disse o rei, fervendo em raiva – está bem, lorde Roderick, terá dois dias antes do combate. Aconselho que envie logo um mensageiro para Ironrath pedindo o armamento que desejar, asseguro que só terá dois dias para isso, no entardecer, daqui 2 dias vos enfrentará Phanos mar Maarth no Bosque Sagrado de Winterfell, perante o represeiro e o ao homem que desejar assistir a peleja, prometo que comerá da mesma comida que comerei na minha mesa durantes esses dois dias.

-Parece-me honrado, majestade, o resto de sua comida e correr contra o tempo por alguma armadura – Roderick fez uma profunda reverencia, desta vez claramente jocosa. Procurou aliados no conselho de Beren – senhor Hornwood, o senhor tem laços de sangue com os Bolton, não tem?
-Sim, os Hornwood e os Bolton são bastante próximos, por que?
-A gerações a casa Forrester cultiva laços de sangue com os Bolton e sendo assim, o sangue Forrester corre tanto nas veias Honrwood quanto o sangue Hornwood corre nas veias Forrester, então, sendo o senhor a pessoa mais próxima de meu sangue neste castelo eu lhe suplico que envie o seu mensageiro mais rápido, no cavalo mais rápido, até Ironrath requisitando minha armadura e espada.
-É um pedido razoável, farei isso, juro pela minha honra.
As celas Stark eram tão austeras quanto seus donos, não existia coisa alguma em lugar nenhum, apenas uma sala de pedra polida. Roderick aguardou em sua cela sem receber noticia de fora, comendo mingau, carne e verduras, ao menos nisso os Stark haviam sido justo. A verdade é que diferente de seu pai, Roderick não fizera nome nos torneios corpo-a-corpo, nem se quer participou de algum na vida, a bem da verdade, ele suponha que todos fora de Ironrath achavam que ele um homem capaz de cortar apenas queijo, bem, esse não era o caso, Frederick não era nenhum combatente lendário, mas também não era um total leigo no combate com a espada, o pai de Duncan Cassel serviu como mestre de armas em Ironrath durante décadas e ensinou algumas coisas para Roderick. fora até por isso que o então lorde Harlon deu as terras que hoje o menino Cassel governa. Roderick acha que ser subestimado poderia se alguma vantagem no combate.
Roderick se quer tinha certeza se era aquele o dia, não ver o sol retira o senso de tempo de um homem, mas quando a porta da cela abriu e entraram duas serventes com baldes de água quente ele logo confirmou sua suspeita, era hoje o dia do juízo. As servas o esfregaram com esponjas e com a água quente, lhe deram uma última refeição antes do combate, Roderick imaginava se seria a última da vida também, quando elas terminaram imediatamente a porta voltou a ser aberta e dessa vez entrou o capitão da sua guarda de Ironrath, Richard. As servas saíram logo em seguida.
-Alegro-me em vê-lo, rapaz, isto significa que trouxe a armadura?
-Não apenas, trouxe comida também caso fosse necessário, mas vejo que pelo menos isso não faltou ao senhor.
-Não, isso não. Diga-me, que armas trouxe?
-Sua armadura completa de placas de aço está no acampamento em Planície Sombria, então trouxe a antiga, tem menos placas de aço, mas permite maior mobilidade e para o ataque tenho duas opções, espada e escudo-lagrima ou espada longa de duas mãos
-O que sugere?
-Pelo que eu ouvi do seu oponente essossi, ele é um lutador rápido, sem escudo e com uma espada fina, perfeita para estocar. O escudo só diminuiria seu campo de visão e tornaria mais lento, sugiro a espada longa, lembre-se de usar o alcance da espada ao seu favor, ele é mais rápido, mas o senhor é mais forte, deixe-o cansar até que ele abra uma brecha e então acabe com ele.
-Agradeço seus conselhos, Richard.
Richard terminou de pô-lo em sua armadura e então seguiram para o Bosque Sagrado.


O Bosque Sagrado de Winterfell era um dos maiores do Norte, uma extensa floresta verde com um lago e uma arvore represeiro bem no centro. Roderick queria lutar o mais perto possível do represeiro na esperança de ser favorecido pelos deuses antigos, afinal lutaria contra um estrangeiro seguidor de… bem, Roderick não sabia em que acreditavam os homens de Qarth. Roderick foi o último a chegar, toda a corte já tinha formado um semicírculo ao redor da árvore e do lago, seu oponente aguardava bem no meio.
-É um prazer – disse Phanos mar Maarth.

Ignorando-o, Roderick olhou para a corte do rei, estava cheia de homens de armas, pequenos nobres e de seu conselho, tinha poucos apoiadores ali, mas mesmo assim decidiu falar.
-Meus senhores, hoje provarei minha inocência ao derrotar este estrangeiro na frente de nossos deuses.
O rei estava impaciente – chega disso! Comecem logo.
Ao ouvir a ordem do rei Phanos se posicionou com um dançarino da água bravosi, ou foi o que pensou Roderick, para ele todos os estilos essossi de espada leve eram a mesma coisa.
Phanos ficou de lado, com um pé na frente do outro, uma das mãos na costa e a fina espada levantada para Roderick.
Roderick se posicional tradicionalmente como um nortenho em um combate. Ficou de frente para o oponente, com as pernas mais ou menos alinhadas e segurando a espada com as duas mãos.
Um breve momento de tensão caiu sobre o bosque, toda a corte estava em silencia, o único som que se ou via vinha do esmagar de folhas criado pelo caminhar dos oponentes, eles se estudavam e faziam um semicírculo enquanto andavam, até que Phanos decidiu atacar.
O estrangeiro flexionou a perna da frente para gerar impulso e então liberou a pressão dos joelhos em um golpe de estocada em linha reta. A velocidade de Phanos era impressionante, aquele golpe vinha com força total. Roderick não poderia bloquear intencionalmente uma lâmina tão fina, então balançou a espada na frente de seu corpo na esperança de alcançar a lâmina estrangeira a tempo, a grande espada de Roderick conseguiu desviar a fina lamina no ultimo segundo, mas não havia tempo a perder, o corpo do essossi ainda estava em movimento e, agora, sem sustentação. A espada de Mata de Lobos continuou a empurrar a lâmina fina em um giro até aponta-la para o solo, nesta posição o punho da espada de Roderick estava perfeitamente apontado para o estomago de Phanos, nesse momento foi impossível não lembrar das lições do antigo mestre de armas Cassel.
A espada não é só lâmina, garoto. Use o botão como se fosse um punho e a guarda como um machado, venha me ataque. O pequeno Roderick foi em direção ao grande Cassel que simplesmente parou a lâmina de madeira de Roderick com a sua, mas ao invés de retornar a guarda e iniciar um novo ataque ele se aproximou da baixa guarda do menino e desferiu uma forte pancada em sua cabeça usando o botão da espada. Roderick lembrou de como ficou irritado com o golpe sujo do mestre de armas, mas talvez tenha sido isso que salvou sua vida mais de trinta anos depois.
Com a força de um soco o botão da espada encostou o estomago de Phanos duas vezes antes ser capaz de reposicionar os dois pés no chão. Roderick percebeu a falta de ar ocasionada pelo golpe no estomago e decidiu que era a hora de tomar a ofensiva. Levantou a espada sobre a cabeça e em um golpe vertical extremamente potente desceu em direção a cabeça de Phanos, o essossi era rápido, mas depois do golpe no estomago não conseguiu esquivar totalmente do golpe mesmo depois de ter jogado seu corpo para o lado, a espada acertou em cheio o ombro de Phanos que caiu de joelhos gritando em dor.
Roderick agora estava em uma posição deveras vantajosa, em pé, enquanto seu inimigo estava machucado e de joelhos, aproveitando a situação levantou o pé e desferiu um impactante golpe no peito, Phanos imediatamente cai no chão. Era hora de executar Phanos, Roderick se aproximou de seu inimigo caído pensando que ele não oferecia risco algum, mas a espada fina de Phanos ainda estava em sua mão e esperou Roderick chegar bem perto pra espetar o Grande Lorde de baixo para cima, em um golpe mortal, Roderick quase cai, mas o essossi se precipitou, lançou o ataque cedo demais, quando viu que a espada começava a se levantar do chão Roderick pisou no punho de Phanos, impossibilitando seu braço da espada, em seguida, como se empunhasse uma lança de caçar baleias e não uma espada, arremessou a lâmina na altura do punho de Phanos, decepando-o completamente, quando retirou a espada do punho do essossi, ele já chorava por misericórdia. O Grande Lorde da Mata de Lobos, Roderick Forrester, podia ser muitas coisas, mas misericordioso não era uma dela, então semelhantemente ao que fez com a mão de Phanos pegou a espada e lançou-a no peito do oponente com toda a força que seu braço conseguiu reunir, a ponta da espada conseguiu alcançar o solo sob as costas de Phanos, a fina armadura de couro pouco serviu a ele. Ao olhar a lâmina fria escorrendo sangue, Roderick lembrou de suas palavras. Ferro do Gelo.


Assacinado
2 Curtidas

Toda a ARR precisa ser revisada (principalmente a quarta parte que têm uns erros de ortografia gritantes), mas ao invés de dedicar tempo a revisão da ARR eu emprego meu tempo em expandia-la.
Tudo isso que escrevi aconteceu quando eu nem se quer pensava em fazer uma ARR, mas depois dos eventos do capítulo IV e do próximo eu descidi que essa história precisava ser escrita, então eu finalmente alcancei minha partida. Fora a primeira parte do capítulo V eu não sei o que irá acontecer, pois ainda não joguei.
Acredito que todos reconheçam a velocidade com a qual estou escrevendo (dado que a maioria das ARR lançam capítulos semanalmente), entretanto isso não quer dizer que estou sacrificando a qualidade pelo tempo (apenas sacrificando a revisão rsrs)
Peço que os leitores que não sejam cadastrados se cadastrem para que possam comentar, estou precisando muito do feedback para analisar onde preciso estender mais a escrita e onde não. Abraço.

2 Curtidas

Eu não costumo acompanhar AARs - não mais, pelo menos -, geralmente leio alguns capítulos apenas, ao contrário de outros usuários daqui.
O que eu acho que vai afetar seu feedback é que o pessoal mais ativo no fórum no momento é um pessoal que não anda tendo muito tempo pra acessar, então o feedback pode demorar um pouco, ainda mais porque sua taxa de atualizações é constante hehe

1 Curtida

Estou aproveitando enquanto ainda estou de férias para escrever o máximo que posso hehe. Quero terminar tudo até próxima semana.