[CK2] Casa Rocherfort

Guerras da Casa Rocherfort – Prólogo

Tempos de paz – Casa Rocherfort, o nome significa Rochedo Forte ( rocher fort em lingua francesa), tem sua origem nos campos da Normandia, seu fundador Hugh de Éverwyck (posteriormente) em sua juventude como nobre participou da Invasão Normanda a Angliétèrre (Inglaterra) sob o comando do Duke William ‘o Conquistador’ da Normandia. Pela sua bravura em batalha, ter participado como um dos grandes herois normando da conquista, foi dado a ele terras para governar em nome do Roi (Rei) ao Norte, na região de Éverwyck, local onde ele passou a residir em Conisbrough, mas sob a suseranato imposto pelo Duc (Duque) William II de Éverwyck da Casa de Percy.

Até sua morte em 1077, muita coisa aconteceria, Hugh e sua família sofreria varias lastimas por conta de guerras internas em Angliétèrre. Começando pelas tropas de Sighere da Revolta Inlgesa, suas tropas avançaram sob Conisbrough, grande parte da família foi capturado, inclusive o filho de Hugh morreria algum tempo depois nos calabouços de Sighere. Enquanto que o Rei Máel-Coluim III de Alba da Casa Dunkeld avançaria ao sul e conquistaria terras na região de Northumbria, renomeada por Brynaich pelos invasores. Seu filho Ilbert o sucedera como Counte(Conde) de Éverwyck, que enfrentou novamente guerras civis no reinado do Roi Robert, e acabaria falecendo em 1088. Seu filho William de 9 anos o sucederia, a guerra civil continuava e William ficaria 2 anos presos nas masmorras de Waltheof Northymbrisc líder da Revolta Inglesa. E finalmente em 1101 o Counte William Rocherfort planejaria o primeiro avanço militar com sua família no comando desde 1066.

1

2 Curtidas

Vai Alba! :face_with_hand_over_mouth:
Acompanhando :grin:

1 Curtida

1

Guerras da Casa Rocherfort – Capítulo I

Guera da Reconquista Religiosa de Lonceaster – Eorl Wigod Haulding acabára de sair de uma revolta contra a Rainha Agathe ‘a Casta’ de Angliétèrre, ele é líder da heresia Fraticelli dentre os camponeses em Lonceaster. William aproveita para tomar as terras para si, e colocar os Rocherfort no mapa do reino. Chegando a cercar Lonceaster em 17 de Março de 1101, obtendo a vitória no Cerco em 24 de Abril, assaltando as muralhas, perdendo 56 soldados, contra apenas 78 defensores em Loceaster. Com a ajuda de tropas de Angliétèrre, Cludhyll cai após um assalto de 3 dias.

Após 5 meses de cerco, Frodesham, a capital do Eorl Wigod cai. Com a ajuda das forças do Earl Dolfin Dunbar, Earl de Alba, os Castelos de Appleby, Kirkby eBrough caem até Julho de 1102. Após a guerra todos as cidades e castelos são retirados dos hereges, agora tudo no Counté (Condado) de Cestre, Lancastre e Westmorland passa a ser da família Rocherfort.

Notícias Pelo Mundo – O Reino de Jerusalém é oficialmente formado em 29 de Novembro de 1102, no trono tendo uma mulher, a Regina (Rainha) Felicita ‘a Espada do Senhor’ da Casa Morosini, filha do Doge Francesco ‘o Glorioso’ de Venexia, após uma vitoriosa Cruzada na Terra Santa.

Após uma Guerra Civil sangrenta, o Duc Renaud de Alençon sai vitorioso contra o Rey Fernán II ‘o Vegetal’ de Castilla, León e France, agora a parte Norte da França esta novamente sob o dominio francês, após 3 anos sob um governo castellano.

Em 28 de Junho de 1118, a Rainha Agathe morre, sua filha sob ao trono como Estefania ‘a Bonita’ da Inglaterra, da Casa de Álava de origem euskara(Ibero-Romance), casada com William Rocherfort, e tem seu herdeiro um legítimo inglês, Adam Rocherfort. A Rainha Estefania obtem depois 2 grande vitórias, termina vitoriosa na Guerra Civil dos tempos de sua mãe e vassaliza o Cyning Hrothmund II de Strathelyde, fortificado sua legitimidade na Inglaterra.







Ora, a situação anda… Interessante… Pelo mundo… Essa Castela aí vai dar trabalho…

Com a lei de sucessão… a situação de Castela muda um pouco…

1

Guerras da Casa Rocherfort – Capítulo II

Guerra de William de West Riding por York – William após ganhar apoio papal, pressiona seu clamor sobre o Ducado de York, que na época pertencia a Alan II de Percy, William descende do Duke William 1º Duque de York por meio de sua mãe. O Bando Catalão é contratado por William, o Capitão Farras traz com ele 4200 soldados. Os aliados de William também mandam suas tropas, o Duke Osulf de Kent e o Duke Henrike de Wessex respondem ao chamado de William para a guerra.

Batalha de Kirkby – Partindo de Richmod, 5350 soldados liderados por William, Farras e John encontram o exército de York nas planícies de Westmorland. Um pouco mais de 1200 soldados de York lutam contra um exército muito mais numeroso na Batalha de Kirkby. Os primeiros movimentos na batalha mostram a superioridade do exército de William, John ataca rapidamente o flanco esquerdo comandado por Drogo de Percy, que é obrigado a se retirar do campo de Batalha, enquanto a cavalaria comandada por William rapidamente assedia o centro do exército de York comandado por William de Percy que falhou em formar uma posição de Shieldwall eficiente, deixando com que a cavalaria de William penetrasse em suas linhas de defesa; enquanto no flanco esquerdo o exército de York, a linha de Shieldwall luta para permanecer erguida contra a carga comandada por Farras. Nos momentos finais da Batalha, John começa a flanquear o centro do exército de York que ainda lutava bravamente contra a cavalaria liderada por William; a luta ainda permanece dura no flanco direito, Herman de Surrey toma a liderança e recua a cavalaria de Farras, Theobald de Percy lança sua cavalaria nas linhas de Herman, que agora usa os mais de 600 arqueiros para lançar flechas no inimigo, a cavalaria de Theobald se mostra mais eficaz e inflige mais baixas a linha de Herman, mas isso não é o suficiente, o centro do exército de York foge, enquanto William e John usam o resto dos arqueiros de Arco Longo contra o restante das tropas de Theobald, mesmo com a cavalaria infligindo mais mortes, Theobald é obrigado a fugir com o resto. Após a algumas horas de Batalha ela termina com a perseguição ao exército de York nos bosques das redondezas de Appleby. No final o exército de York é completamente destruído, perdendo 1260 soldados, enquanto William permanece com baixas mínimas de 96 soldados.

A guerra termina inconclusivamente, William morre aos 49 anos de causas naturais, seu filho herda suas terras, Adam de Shrewsbury recebe a notícia em sua cela, preso pela própria mãe em Westminster, o Duke Alan II de York celebra sua “vitória” em Scarborough. Que com a herança de seu pai ele paga pela sua liberdade.



2 Curtidas

Parece q não é só cmg q essas mortes na hora errada acontecem :confused:

Tava tudo planejado para se tornar duque… :frowning:

Acompanhando, mesmo que esteja quieto.

Mais uma para acompanhar. Gostei do estilo, bem relatório mesmo.

1

Guerras da Casa Rocherfort – Capítulo III

Guerra da Independência de Shropshirean – Adam de Shrewsbury, Conde de Shrewsbury a 4 anos, servindo sob a suserania da Dukesa Wulfthryth de Mercia. Após a morte de seu pai, Adam igual seu pai, inicia uma guerra pela sua independência, com seus aliados nos Ducado de Wessex e Kent.

A Dukesa Wulfthryth é emboscada com seu contingente de 185 soldados pelos 804 soldados de Adam, comandados por Salomo, Wulfthryth sofre mais de 100 baixas e depois vai para o norte, onde sue marido, o Duke Tristan de Breizh com 470 soldados vem em sua ajuda. Até 1131, Warwick, a capital da Dukesa cai e o exército de Shrewsbury e seus aliados partem para o norte e derrotam 553 soldados de Wilheard Selkirkisc na pequena Batalha de Brough. E finalmente em 17 de Setembro de 1131, a guerra acaba, e Adam oficialmente se torna independente, Adam se prontifica de legitimar como Conde de Shrewsbury, e logo vai até Selkirk, onde sua mãe e Rainha estava, e lá mesmo faz seu juramento de lealdade. Adam se torna em em 1133, oficialmente o Duke de Lancaster e torna Conisbrough sua capital.

Notícias Pelo Mundo – o Khalifa Ilyas ‘a Espada do Maior’ do Império al-Fátimí finalmente reconquista Jerusalém, e expulsa os nobres católicos deste lado do mundo.

A Rainha Estefania ‘a Bonita da Inglaterra se torna a suserana do Rei Guilhem da França, após uma longa guerra em 2 frontes.

1 Curtida

Como assim deixaram Jerusalém cair? Cadê o Papa q não faz nada?

Sempre comigo o Papa nunca ajuda, ou ele espera Jerusalém cair para declarar outra cruzada por Jerusalém, ou ele apenas reza para Jerusalém não cair e ele declarar uma cruzada para outro lugar.

Papa herege. Cruzada nele!

1

Guerras da Casa Rocherfort – Capítulo IV

Guerra Civil pelo clamor do Conde Edmumd sobre a Inglaterra – Tendo início em 1142, esta guerra civil foi parte do final do reinado turbulento da Rainha Estefana ‘a Bonita’, que passou vários de seus anos guerreando contra estados vizinhos e defendendo a Rainha Marie da França, que havia sido excomungada pelo papa, e assim vários lordes tinham razoes suficientes para invadir as terras francesas. Duque Adana de Lancaster ajudaria sua mãe, a rainha, com suas tropas na guerra, a necessidade de solidificar sua posição como herdeiro do trono inglês estava em jogo, a família Rocherfort comandaria as terras inglesas, e teria um governante inglês, que não tivera desde 1117 quando Estefana subiu ao trono, culturalmente Euskara (Ibero-romance) passando sua vida antes de 1098 no Reino de Castille.

Em 9 de Fevereiro de 1143, o exército rebelde avança, consegue tomar o Castelo de Frodsham do Conde Edward, vassalo do Duque Adam de Lancaster, e logo depois a cidade de Chester. Mas as tropas lealistas tomam o Castelo de Gloucester em Maio. E como o esperado, os rebeldes partem e começam a cercar Conisbrough, o tomando em 1 de Julho.

Batalha de Conisbrough – o Exército lealista comandados pelo Duque Wulfnoth ‘o Legal’, Duque Richard ‘o Franco’ e o Conde Osmond de Essex partem para confrontar o exército rebelde nas regiões do Duque Adam de Lancaster, após conquistarem toda a Gloucester, o exército lealista chega em 18 de Outubro de 1143 a iniciar uma grande batalha contra os rebeldes que tinham 4725 soldados comandados pelo Earl Eardwulf de Stafford, Thomas Trask e Aurelio d’Ávalos, enquanto os lealistas entram em batalha com 5714 soldados, mas eles estavam na desvantagem, pois existia um rio que era necessário atravessar. A Batalha começou com o Duque Richard falhando ao assediar o flanco direito do inimigo, onde Aurelio comandava, ao mesmo tempo que o Conde Osmond usava saraivadas de seus arqueiros para causar dano no flanco esquerdo, que se defendia com paredes de escudos. A batalha continuava, o flanco esquerdo dos rebeldes equilibravam a luta neste lado após falharem em assediar os soldados sob o Conde Osmond, enquanto Aurelio dominava ao se defender bem com paredes de escudos, mas o centro do exército rebelde falhava em se defender, possibilitando o Duque Wolfnoth usar uma eficiente parede de escudos contra o desorganizado centro do exército rebelde. Algumas horas depois, o momento decisivo na batalha acontecia, o Conde Osmond falhava uma carga enquanto Thomas avançava aos poucos sobre suas linhas; Aurelio bravamente intimidava o ataque ao seu flanco direito, infligindo mais baixas aos soldados do Duque Richard que não conseguia de forma alguma superar Aurelio. Mas o Duque Wulfnoth gloriosamente derrota por completo o centro do exército inimigo, que batem em retirada, e seus soldados acabavam por persegui-los, enquanto o no flanco esquerdo e direito o exército lealista era superado pelos rebeldes. Mas a vitória já havia sido decidido quando o Conde Osmond infligira muita baixa no flanco esquerdo, por mais que estivesse perdendo mais soldados, Thomas acabaria cedendo e debandaria seus soldados do campo de batalha, enquanto o Conde Osmond faria o mesmo, de repente o flanco esquerdo não tinha se quer soldados, apenas os corpos dos mortos ensanguentados. Até este ponto Aurelio havia vencido no flanco direito, mas as linhas de Wulfnoth virava contra ele, e com firmeza os lealistas debandaram o flanco direito de Aurelio, a vitória estava selada e o restava apenas perseguir os perdedores. Uma vitória dos lealistas que perderam 1568 soldados, enquanto os rebeldes perdem no total 1603 soldados.

Pós Batalha de Conisbrough – Os lealistas após a vitoria partem para cercar o Castelo e o retomam em 11 de Fevereiro de 1144, enquanto em Junho o exército rebelde reconquista o Castelo de Gloucester. Após retomarem Frodsham dos rebeldes, os lealistas partem para enfrentar o exército rebelde novamente.

Batalha de Tewkesbury – O exército lealista passava por Worcester e percebia novamente que precisaria atravessar um rio para chegar nas planícies de Gloucester, mas o exército rebelde os impede, novamente os lealistas precisariam batalhar em torno de um rio, e foi isso que aconteceu na Batalha de Tewkesbury. Dessa vez o Conde Osmond seria eficaz utilizando devastadoras paredes de escudo contra o flanco direito rebelde comandado por Aurelio, não antes de Wulfnoth vencer novamente o centro comandado pelo Earl Eardwulf. A vitória é alcançada mais cedo, os lealistas infligem 1782 baixas aos rebeldes, enquanto sofrem apenas 540 do seu lado.

Pós Batalha de Tewkesbury – Os rebeldes novamente tomam em 1 de Abril de 1145 o Castelo de Conisbrough, tentando ainda ganhar alguma coisa, mas o Duque Adam e sua família conseguem fujir dos inimigos e ficam seguros. Os lealistas voltam a enfrentar os rebeldes na Batalha de Doncaster, terminando com a rendição dos rebeldes, a Duquesa Wulfthryth de Mercia é presa, o Conde Goubert de Hertford também é preso, assim como o Duque Alan II de York também é preso. Adam retorna suas tropas, mas o exército inglês parte para o norte em pleno inverno para derrotar o Rei Fiachnae de Alba que havia invadido as terras do reino com o intuito de toma-las para si.

Notícias Pelo Mundo – O Duque Arsenios de Al’as’id fica conhecido por tomar o sul do Egito, agora nas mãos dos Cristãos novamente. O Sacro Império deixa sua presença em Ifriqiya mas visível, os árabes da região acabam sedendo ao Kaiser invasor, assim Habib de Sulaym Imára torna-se súdito cristão do Kaiser, convertendo uma família tradicionalmente muçulmana para o cristianismo, uma nova era para a Casa Salaym se inicia.

Ah, essas batalhas atravessando rios… Algo quase simples sempre se complica… E bom ver os cristãos reagindo :crossed_swords:

1

Guerras da Casa Rocherfort – Capítulo V

Guerra da Revolta de Munio pela Inglaterra – Munio, foi posto como Lord Chancellor em 1161 assim que Edmund assumiu o trono de Engelond(Inglaterra), ele já tinha pretensões sobre o trono, ele é primo de Edmund e neto da Rainha Estefania ‘a Bonita’ que reinou de 1097 até sua morte em 1117. Em 1163 Munio declara abertamente guerra contra o Rei Edmund já conhecido como ‘o Gentil’.

Em 17 de Agosto, enquanto as tropas do rei se reuniam em Ely, o Conde Tibalt sob as ordens de Munio iniciava o cerco a Westminster, o irmão do Rei Edmund liderava a defesa, o próprio Duque Henry de Lancaster, bastardo de seu pai. O Marechal Osmond de Essex, um comandante lendário, participou de várias guerras sob a Rainha Estefana, ganhando grande parte de suas batalhas, até com números inferiores contra os inimigos; liderava as tropas do Rei, reuni-o cerca de um pouco mais de 3 mil soldados e foi salvar Westminster.

Batalha da Torre Branca – O Marechal Osmod liderando as tropas do Rei juntamente com Blayve de Montjoy e Harold de Valois-Vexin, enquanto os rebeldes eram liderados pelo Conde Tibalt de Hertford e o Irmão Kinkin, um eunuco africano. A batalha começa muito bem na primeira fase do combate, Harold assedia o flanco direito do inimigo, e devasta sua tropas que falhavam em fazer uma formação com seus arqueiros, enquanto Blayve avança no terreno com paredes de escudos, fazendo com que o inimigo falhe em combater com sua cavalaria contra as forças do Rei, nisso o centro dos 2 exércitos usam a cavalaria como opção primaria e equilibram a luta. Os 2 exércitos combatem no combate corpo a corpo no flanco direito, Kinkin consegue com sua cavalaria quebrar as linhas de Harold e o combate volta a se equilibrar, mas já era tarde, no outro lado do campo de batalha, o flanco esquerdo dos rebeldes já havia cedido, mas Blayve com pouca eficiência tenta assediar o centro do exército, e logo depois Harold consegue formar linhas com bastante firmeza e rechaçar parte da cavalaria de Kinkin, que começa a debandar logo depois, seguindo o centro do exército rebelde. No final após as perseguições, os rebeldes perdem 912 soldados, enquanto o exército do Rei perde apenas 183 soldados.

Pós-batalha da Torre Branca – Vitorioso, o Marechal Osmond parte para cercar Windsor, residencia de Munio, que estava sendo defendida por Munio Munez. Finalmente cai em 23 de Março de 1164, o Marechal Osmod, rapidamente parte Middlessex, mais uma vez os rebeldes tentam conquistar Westminster, a capital da Inglaterra. Mas os rebeldes são derrotados em seus arredores na Batalha de Fulham, perdem metade de seu exército, e depois perdem a maior parte do exército na Batalha de Wycombe, nas planícies de Hertford. E para finalizar a guerra, eles tem todo o seu exército exterminado na Batalha de Wallingford.

Notícias pelo Mundo – O Grande Kagan Asep invade o Império Seljúcida e proclama o Khaganato de Sokalid, mas não consegue deter o Khan togli de Kuçet que o torna tributário de nômades ao norte. O Rei Edmund libera a Rainha Marie da França de pagar tributos a Inglaterra, os benefícios se tornam muito baixos, a Rainha da França era constantemente atacada por nobres vizinhos, pois ela havia sido excomungada pelo Papa.

1 Curtida

Gosto bastante da descrição das batalhas! :relaxed:

1

Guerras da Casa Rocherfort – Capítulo VI

Guerra Inglesa para fazer Brenin(Rei) Gruffydd ‘o Sarcástico’ como um Estado Tributário – Primeiro movimento bélico a estrangeiros no reinado do Rei Edmund ‘o Gentil’, após liberar o reino francês, ele viu oportunidades mais perto. Dessa vez com Harold de Valois-Vexin como o Marechal das tropas inglesas, o Conde Osmond havia morrido a alguns anos de velhice. Cadell, o comandante do exército de Gruffydd estava cercando a cidade de Haverford com seus 1029 soldados, mas é atacado com um exército 5 vezes maior de ingleses, eles se confrontam na turbulenta Batalha de Haverford, onde o próprio Gruffydd é capturado, ele acaba trocando sua liberdade pela rendição na guerra, agora pagando tributos aos Reis em Westminster.

3ª Cruzada – Após as duas Cruzadas anteriores terem dado certo por pouco tempo, o Papa Gregorius VIII chama novamente a cristandade a levantar suas armas contra os infiéis por Jerusalém, o Rei Edmund (ele é Edmund III, eu esqueci de mencionar, a contagem iniciou com os anglos a centenas de anos atrás) de bom grado decidi marchar para Jerusalém. Edmund parte com as tropas em 4 de Outubro de 1168 de Essex, enquanto 24 mil soldados cristãos já haviam chegado a Jerusalém; Edmund chega em 19 de Março de 1169. Liderados pelas tropas inglesas, Jerusalém é gloriosamente conquistada em 20 de Junho de 1169.

Batalha de Mirabel – Enquanto o exército inglês cercava Lidde, um grande exército infiel comandado por Aznauri Ertekin de Qars ataca com 13908 soldados os ingleses e os cruzados que tinham apenas 8224, o próprio Duque Henry liderava o flanco direito. Os enfies eram ferozes, aos poucos o exército cristão ia caindo mesmo com um equilíbrio no flanco direito, magistralmente o Duque Henry defendia o flanco. Algumas horas depois, um exército cristão com 14 mil soldados chegam para reforçar a batalha, Waniek z Wlassimie passa a liderar a defesa bravamente, horas de batalha se passavam e mais 18 mil soldados liderados pelas forças Papais e aliados chegam na Batalha, o Kralj(Rei) Dragan ‘Braço de Ferro’ passa a liderar o ataque, enquanto o Conde Renaud de Meaux avançava ferozmente com a infantaria no combate corpo a corpo no flanco direito. Após muitas baixas, os infiéis começam a debandar, apenas restava o centro do exército comandado por Aznari Ertekin de Qars que bravamente se defendeu contra os cristãos, mas os números não estavam a seu favor e assim ele ordena uma debandada geral de suas forças, enquanto a cavalaria pesada cristã perseguia os sobreviventes e os matavam ali mesmo no campo de batalha. Nestes dois dias de batalha, os muçulmanos perdem cerca de 11 mil soldados, enquanto os cristãos perdem apenas 3200 soldados.

Pós-batalha de Mirabel – Após a Batalha, 1 mês depois os muçulmanos se rendem, e o Reino de Jerusalém é novamente restaurado, e Castore ‘o Guardião’ e coroado pelo Papa como o Rei de Jerusalém, da Casa Dandolo, um veneziano. Como consequência a irmã do Rei Edmund, Edith Rocherfort, ganha terras em Galilée por conta dos valorosos serviços ingleses na Cruzada.

Consequências – Como consequência, o Rei Edmund volta gloriosamente para a Inglaterra, com sua popularidade em alta ele aumenta o poder da coroa e institui que os títulos de terras podem ser retirados pelo Rei se forem condenados como traidores ou outros aspectos específicos, com isso o Duque Munio, o protagonista na revolta pelo trono tem seu título de Duque retirado, o Rei Edmund concede o título de Duque ao Conde Simon Montebello de Somerset, agora Duque de toda a Somerset.

Notícias Pelo Mundo – Em 1170, Umberto ‘o Nobre’ da Casa D’Oria, uma família comerciante em Genoa, com um exército grandioso, toma o Sacro Império das mãos de Manegolt ‘o Casto’, pela primeira vez o Império tem um Kaiser, agora chamado de Imperatore, uma pessoa de origem italiana, mais especificamente, ligure. Mas 4 meses depois, os príncipes do Império cercam a capital em Ortenberg e retiram Umberto do título, colocam Odo von Leiningen, filho do Kaiser Reineke que havia morrido em 1152, aprofundando ainda mais a crise no Império.













As descrições das batalhas são realmente muito boas.