[CK2] Francos

A um tempão que não entro no fórum :frowning:
Mas como agora tenho certeza que estarei presente aqui por um bom tempo, eu tenho mais certeza ainda que farei esta AAR até o final hehe
ENTÃO VAMOS la, sera mais que um clichê começar com Carlos Magno mas mesmo assim farei uma com ele, alias terá votação depois se é para eu seguir a cultura franca e formar o Império Franco ou latinizar os Carolíngios e formar o Sacro Império

Bem vindo Der :welcome

Francos? não me lembro de ter lido uma AAR sobre eles até agora, no aguardo.

Opa, mais um! No aguardo!

Aguardando!

[center]Book I[/align]

[center]Capítulo 1: Conquista da Baviera[/align]

Em 29 de Agosto de 769 todo o Reino franco dividido até então recebe a noticia que Karloman faleceu, e a partir de agora só existe um Rei franco e este é Karl. As festividades são poucas para Karl líder dos Francos pois pequenas revoltas brotam nos duques Alemães que não gostam de serem vassalos de estrangeiros.

Já no final de Janeiro do outro ano, Karl já começa a planejar a invasão na Baviera que detêm a posse fortes claims nesta região.

No final de Março oficialmente é declarado guerra e as 6 000 forças do reino estão a espera de 2 000 bávaros e em torno de mais 2 000 Lombardos que devem ir para o lado do Rei Tasillo III da Baviera. Em Outubro ocorre a grande Batalha de Bellinzona onde 6 000 francos encontram quase 3 000 lombardos comandados por Erwin nos Alpes Suíços que acabam aniquilando as tropas lombardas e perdendo quase 2 000 pro lado franco. Já em dezembro do mesmo ano o Rei Karl vai em confronto com o Rei Tasillo na batalha de Heiligenberg onde se encontra cerca de 2 200 Bávaros e a vitoria acaba indo para o lado do Rei Karl que tem a Baviera em suas mãos a partir de agora. Finalmente em 15 de Setembro de 772 o Rei Karl passa a ser o Suserano das terras da Baviera.

E com os tesouros do Rei Tasillo a ambição dos francos e de seu rei começam a deslumbrar uma Italia franca.

Após passar a capital do reino para Paris o Rei Karl já inicia o levantamento de um novo povoado em volta do castelo que ajudara no ganho de impostos para o cofre do reino.

[center]Book 1[/align]
[center]Capítulo 2: Conquista franca na Saxônia[/align]

A Guerra pela Saxônia, durante muito tempo, os saxões infiéis que vivem ao norte dos reinos francos tem se mantido firmes a frente de todos os conquistadores estrangeiros. Eles tem mostrado ser desafiantes em se manter fieis a sua velha religião e a assaltar e pilhar terras cristãs sem temor a Deus. Isto deixara de ser assim, tem chegado o momento de impor a cruz e a espada. Encontrarão a misericórdia na próxima vida se aceitarem o batismo antes de morrer.

No mesmo ano ocorre a grande Batalha de Roth onde cerca de 7 000 francos encontram no campo de batalha cerca de 3 000 saxões em meio ao inverno de 773. No comando franco está Karl, Roland e Ogier, três dos melhores comandantes francos, do outro lado Unwan de Münster guerreiro não muito excepcional ainda mais como comandante das tropas Saxãs, parece que nisso o rei saxão pecou.

Um ano depois as tropas francas se dividem para conquistar por completo as tribos que estão logo na fronteira entre os dois reinos, parece que dessa vez os saxões serão conquistados por um reino cristão, Deus Vult!

Em 24 de Outubro de Outubro de 774, o rei Karl se torna o suserano das terras da saxônia e as tribos locais se ajoelham perante um rei cristão finalmente, mas é certo que revoltas brotaram naquele local, já que os saxões são persistentes, será difícil controlaras, e sera necessário muito tempo sem invasões em outros locais.

Após alguns anos a espera de revoltas na saxônia que por acaso nao acontecem e acaba sobrando dinheiro no cofre do reino, então é mandando a construção de Quarteis I (Cuarteles I) no castelo de Melun em Paris.

Os Saxões são um povo ferozmente agarrado em suas velhas tradições. Depois de terem sofrido derrotas e coquistas, a pesar de sua ótima resistência, o descontentamento segue calado e lento nas terras pagãs da saxônia. Os ataques aos coletores de impostos e os desafios como os deveres eclesiásticos tem irritado os novos governantes embora a não vir representar um perigo sério. Agora, de todos os modos, parece que as coisas tem mudado. Tem surgido um líder rebelde que se unio ao saxões descontentes e tem juntado os guerreiros para ataques mais organizados. O tipo de saxão chamado Widukind, que significa “Garoto dos bosques”. em clara referencia aos velhos mitos pagãos e coerente com as táticas de ataque e retirada usadas por suas forças ate o momento. O exército que esta juntando vem crescendo, de todas as formas…

Quase 10 000 francos emboscam cerca de 4 000 saxões rebeldes e o incrível é que esses saxões estão desorganizados sem um líder, parece um prato cheio para os francos durante essas revoltas saxões. Após a batalha as foças do Rei Karl partem para a batalha principal contra os saxões rebeldes liderados por Widukind onde apenas os francos tem uma vantajem de apenas mil homens. Após a batalha 7 000 soldados francos restam e caçam as ultimas tropas de Widukind. ( Mas conforme o jogo é ele não acaba preso, pelo contrario, apenas vai para a corte do Rei Karl.

OBS: Quem quiser dar a sugestão de seguir a cultura franca e formar o Império Franco ou se latinizar e formar o Sacro Império é só dar a sugestão :wink:

Belo capítulo :wink:

Eu gostaria de ver um Império Franco.

Bons Capítulos ! :smiley:

Eu quero que você faça o Renascimento Carolíngio e posteriormente forme o Sacro Império.

[center]Book 1[/align]

[center]Capitulo 3: A Lombardia[/align]

Após alguns anos de administração na saxônia o concelho acabou votando por substituir os lideres locais por francos católicos, pois os saxões não queriam o batismo em cristo, então com isso o Rei Karl move seu exército real para as terras saxônicas onde não aceitaram renunciar a seus títulos.

Em meio a tentativa de nova administração na saxônia, cerca de 1000 camponeses visigodos se revoltam por motivos desconhecidos, no sul da Aquitânia os duques locais são convocados para pegarem em armas e irem contra os rebeldes visigodos e que os aniquilem para servir de exemplo em todo o reino franco.

Em Novembro continua ainda a revocação dos títulos da nobreza saxã com sucesso e se encontram as tropas de Roland com as dos rebeldes na batalha de Carpentras, rápida e fácil, que sirva de exemplo para outros camponeses que queiram se rebelar do julgo franco.

Já em 779 perto dos 38 anos, o Rei Karl começa o planejamento da invasão na Lombardia com seus generais Ogier e Roland, sem muito oque falar alem de que será meramente fácil esta guerra mas as ambições de Karl não para por ai, ele ambiciona Roma uma Ibéria livre de mouros, mas isso é para alguns anos mais tarde, pois se concentrar na Lombardia é o momento. Os relatórios sobre a Lombardia é promissor, o mesmo fala que o Rei Desiderius nao contem mais de 3 000 soldados em seu contingente.

Em 780 se inicia a invasão na Lombardia com grandes expectativas, falhas serão quase impossível pelo ver do rei, sera uma total aniquilação cerca de 10 000 francos estarão a postos para o combate.

Em 22 de Julho o papa Gregório sobe ao trono de Roma, é o primeiro papa Franco ( pelo menos no jogo, na historia também parece que não teve) isso é o respaldo da consolidação franca no mundo medieval europeu.


Mais que o esperado, os francos encontram 4 000 lombardos mas mesmo assim partem para o ataque na batalha de Auersperg, liderados pelo Duque Arechis de Benevento que acaba sofrendo uma derrota e deixa o reino dos lombardos a mercê do Rei Karl e suas tropas. A partir de agora começa os cercos as cidades e castelos mais importantes da Lombardia como o castelo Mittenburgo que cai em Abril de 781, a cidade de Trieste em maio do mesmo ano, e Salerno e Consenza em setembro que cai junto com os Lombardos fazendo os francos os novos senhores da Lombardia.

O antigo reino lombardo foi estabelecido na Itália com uma larga historia de migrações originadas no norte da Europa. Em meio ao caminho, os lombardos tem mudado, influenciando e influídos as regiões por onde tenham se assentado. Agora, finalmente, as terras lombardas da Itália deixaram de ter governantes lombardos, que significa o fim da dominação do Reino dos Lombardos. A partir desse momento falaremos o Reino da Itália, embora o legado lombardo siga vivo.

Belo capítulo, quero ver essa libertação da ibéria.

[center]Book 1[/align]

[center]Capitulo 4: A Ibéria dos Mouros[/align]

Em Janeiro de 783 arranjo o casamento de minha filha bastarda com o futuro rei do reino visigodo de Astúrias na Ibéria, esperamos uma aliança para unir os católicos da ibéria e tirar os mouros da Europa.

No mesmo ano declaramos guerra santa contra o Kan Dengizikh da Avaria e o Alto Mandatário Senulat da Eslavônia. Chamamos o Imperador Bizantino para nosso lado nestas guerras santas, e esperamos a chegada dele mais rápido em território inimigo. Dividimos o exército em dois de 6 500 soldados, um comandado pelo Rei Karl e o outro por Ogier que será mandado para a Eslavônia enquanto o rei seguira para a Avaria. A tribo de Vas e a tribo de Pecs cai em Março de 784 com Zagreb caindo para os francos em Maio dos mesmo ano.



O Alto Mandatário Senulat acaba se convertendo a fé Católica e a guerra termina consequentemente, viva nosso senhor Jesus Cristo que abriu o coração desses eslavos, e que continue os batismos em Cristo nas Catedrais croatas!


A guerra contra o Kan da Avaria acaba em 14 de Fervereiro de 785, ursupamos o Ducado de Pécs e o damos para Pepin Karling primeiro filho bastardo do Rei Karl.


Um emissário incomum chegou a corte do Rei Karl, este emissário era da Iberia, o Emir Yusuf solicitou para que nos se unir-se para combater o Sultão Ali dos mouros e que se conseguíssemos ganhar guerra ele acabaria jurando lealdade a espada franca.

Em 28 de Abril ocorre a primeira batalha e o inicio da limpeza dos mouros na ibéria, esta batalha acabou sendo chamada de A Batalha de Marensa, foi uma vitoria fácil para a cruz de cristo que significou o começo da decadência da presença dos mouros na ibéria, apos algumas batalhas menores os exércitos francos se dirigem ao cerco de Barshiluna( Barcelona ) e a vitoria na guerra ja estaria selada.

Em meio a guerra contra os mouros, meu filho me pede para se tornar monge em um monastério e ir seguir cristo de corpo e alma, aceito pois a felicidade dele é mais importante, alem de que, terá menos um dividindo o reino franco.

Em 26 de Junho de 787 a cruz de cristo sai vitoriosa nesta guerra e pode retornar em gloria para Paris! O Emir Yusuf quebra com sua palavra de jurar lealdade ao Rei Karl dos francos, uma cobra é oque ele é, e esta cobra perdera a cabeça através de uma espada franca e cristã !

Belo capítulo :wink:

Não acredito que você deu um ducado ao seu filho bastardo … ainda mais para o Pepin xD … Prevejo tretas futuras :hihi .

Mas, enfim, bom capitulo. :wink:

Traiçoeiros! Valem nada!

Pagarão com sangue!!

Ganhou ao menos uma reclamação por lá?

Ganhei nada, mas se eu chegar a ser vizinho dele por território vai da para fazer uma Holy War mesmo.

Sem sentido, se ele prometeu vassalagem devia ao menos ganhar claim.
Espero que ao menos ele tenha perdido prestigio pacas

TESTE !

retira S