[CK2-WK] A Terceira Guerra do Norte

As forças de Nilfigaard cruzaram o Yaruga novamente, mas dessa vez a Redânia terá que combatê-los sozinha em uma guerra total pela independência do Norte e da Redânia.

2 Curtidas

Capítulo I - O Rigor Científico

Geert, Professor Adjunto

Albert Geert já estava habituado aos corredores da Academia, mas nunca tinha percebido, ao menos até aquele momento, que aquela área do prédio de História Contemporânea não era apenas escura como também carregava um ar melancólico, quase sinistro. Chegou à conclusão que era uma piada de mau gosto dos acadêmicos avaliadores para com os que esperavam a sua vez de apresentar.

-Albert Geert - gritou uma voz no fundo do corredor.

Geert virou-se e viu uma jovem de cabelos verdes e bandana vermelha na cabeça, ou seja, uma típica acadêmica de Oxenfurt. - Aqui - Disse ele enquanto se aproximava da garota.

-Os professores titulares irão vê-lo agora.

Geert estava tão nervoso que o livro que carregava nas mãos, seu magnu opus, estava ficando molhado com o suor que transpirava pelas mãos. Geert é professor adjunto da renomada Academia de Oxenfurt e dedicou os últimos meses para documentar pessoalmente a Terceira Guerra do Norte entre Nilfigaard e Redânia. Como fruto desses meses escreveu o que, na visão dele, foi seu maior trabalho, o livro Tertium Bellum Septemtrionis. Tendo recém-concluído seu livro chegou a hora de defendê-lo perante a bancada dos mais célebres professores de História Contemporânea da Academia.

Ele adentrou na sala, caminhou até a bancada, pôs o livro sobre ela, abri-o. só então ergueu a cabeça e observou a sala. A sua frente estavam quatro acadêmicos, dois dos quais tinha sido aluno, todos eles tinham uma cópia do seu livro nas mãos. O resto da sala estava ocupada por estudantes mais jovens que estavam lá para assistir a defesa da tese.

-Senhores acadêmicos, nos últimos meses viajei por todo o Norte buscando não só realizar uma análise do que terceiros presenciavam, mas estar presente nos acontecimentos que moldaram a política do Continente e descrevê-los de forma cientifica para a posteridade. O Fruto do meu trabalho é o livro que os senhores tem sobre a bancada. Por favor, abram no capítulo I. Nele busco contextualizar a invasão Nilfigaardiana e, para tanto, retrocedo até à rebelião La Valette e o assassinato do rei de Aedern, Demavend II.

Mapa Político do Norte 6 meses antes da Invasão Nilfigaardiana.

-Talvez seja melhor começarmos Aedern. - Disse o presidente da banca.

Geert arrumou a túnica, colocou uma das mãos na cintura enquanto gesticulava com a outra e falou.

- Aedern junto com Temeria, Kaedwen e Redânia compõem os grandes quatro do Norte. Esses reinos são as grandes potencias do Norte e por séculos disputam influência na região, embora a disputa nunca tenha parado por completo ela esfriou ao menor nível em décadas após as vitórias conjuntas do Norte sobre os invasores nilfigaardianos na primeira e na segunda guerra de Nilfigaard. Entretanto essa paz era alicerçada apenas na relação desses quatro poderosos reis que, com exceção de Radovid V da Redânia, já governavam a muito tempo. E em tal conjuntura, como era esperado, o assassinado de Demavend gerou instabilidade não apenas em Aedern, mas em todo o Norte. Demavend foi morto, como saberíamos meses depois, pela Estada das Feiticeiras que era então liderada pela feiticeira Philippa Eilhart antes do grupo ser desbaratado e levado à justiça. O herdeiro do rei era Príncipe Stannis, mas que por diversos motivos não foi capaz de reunir todos os vassalos de seu pai a sua volta. Aproveitando-se da falta de apoio do novo monarca de Aedern o rei Henselt de Kaedwen invadiu o vizinho do sul com o pretexto de recuperar Aedern de Cima, um grande pedaço de terra localizado nas fronteiras dos dois reinos e banhado pelo rio Pontar. Porém, milagrosamente, uma líder campesina chamada Saskia conseguiu reunir um exército de não humanos e segurou o rei Henselt na passagem do rio próximo a cidade anã de Vergen por semanas, mas eles só conseguiram adiar o inevitável e ao final de algumas semanas o exército maior e mais profissional de Kaedwen tomou Vergen. Não obstante a vitória de Henselt deixou um gosto amargo em sua boca, pois foi uma das casas de Vergen que um assassino, provavelmente contratado pelas feiticeiras, deu-lhe cabo, espalhando apreensão a norte do Pontar.

Rei Henselt

- Sua explicação foi muito elucidativa e didática, mas como disseste os outros dois grandes são Temeria e Redânia e como sabemos o rei de Temeria foi morto ainda algumas semanas antes de Henselt, poderia contextualizar o fato?

- É claro, magnifico presidente da banca. Foltest reinava em Temeria a anos e pela maior parte de seu reinado ele teve apenas uma filha, ela não só era bastarda, mas como produto de um incesto entre Foltest e sua irmã, a garota chamava-se Adda e foi casada com o jovem rei da Redânia seis meses antes da morte do pai. Eventualmente o rei superou a “viuvez” que tinha aplacando-o após a morte da sua amante e irmã e produziu mais dois bastardos. Esses são de uma natureza menos infame, embora ainda escandalosa. A mãe das crianças era a Duquesa Maria Louisa La Valette que ficou viúva faz alguns anos. A duquesa, por motivos que não me cabe detalhar no momento, teve um contencioso com o rei Foltest e como retaliação aliou-se à barões descontentes de Temeria. Foltest como resposta atacou as ricas terras La Valette, buscando colocar o filho legitimo de Maria La Valette, Aryan La Valette, de joelhos e sequestrar os seus dois filhos bastardos para que fossem criados em Vizíma e preparados para o trono. Foltest teve êxito no assalto ao castelo La Valette, mas foi assassinado pela Estada sob circunstâncias ainda hoje obscuras.

Rei Foltest

Maria Louisa La Valette

Aryan La Valette

-Até agora apenas recapitulação nenhuma análise aprofundada como a disciplina de História Contemporânea exige, professor adjunto Geert - disse um dos avaliadores - como tudo isso relaciona-se à guerra entre Nilfigaard e Redânia?
-Com a morte de três reis dos quatro grandes reinos do Norte a instabilidade tomou conta do Norte ao ponto das forças políticas restantes se reunirem, a pedido das feiticeiras que ainda não tinham sido descobertas, em uma cúpula, a Cúpula de Loc Muinne, entretanto o plano delas de usar a anarquia para fortalecer a sua posição fracassou, durante as negociações veio à tona que elas eram as culpadas pelos regicídios e como punição todos os quatro reinos decretaram que elas deveriam ser caçadas e punidas pelos seus crimes, mas isso não é importante, pois apenas removeu uma força política do continente que nem se quer comparava-se aos dos reinos. Recapitulando, com a instabilidade tendo tomado o continente o imperador de Nilfigaard, Emhyr van Emreis atacou pela terceira vez o Norte com seus exércitos. As forças da Chama Branca tomaram Rívia com algumas baixas, mas nada que pudesse representar um revés, já Aedern simplesmente não ofereceu resistência organizada e caiu facilmente, Temeria estava quase a ponto de uma guerra civil quando Nilfigaard invadiu, mas mesmo assim o herói de Brenna, John Natalis, conseguiu mobilizar algumas forças e deu batalha à Nilfigaard, embora sua força tenha sido desbaratada em batalha e Vizíma, a capital, tomada. Assim que conquistaram Temeria os exércitos do sol dourado marcharam em direção a Redânia, tentando cruzar o Pontar em Velen, mas a força Nilfigaardiana já estava no seu limite quando chegou à Velen e por isso sofreu sua primeira derrota, embora não tenha sido uma derrota significativa, para dizer a verdade foi quase um empate, a terra trocou de mão tantas vezes que quando o inverno chegou Radovid, o rei da Redânia, recuou para norte do Pontar e começou a estabelecer uma base de operações naquele ponto do rio, ponto que era estratégico, já que era o único ponto possível de ser cruzado por exércitos em quilômetros.
-Este, senhores, é o primeiro capítulo e também a primeira fase da Terceira Guerra do Norte.
4 Curtidas

Informações

Jogo: Crusader Kings 2
Mod: Witcher King
Marcador: Terceira Guerra do Norte
Personagem: Radovid V, Rei da Redânia, último rei relevante do Norte :rofl:
Objetivo: Ganhar a guerra.
Estilo de Escrita: Role-play.

4 Curtidas

Acompanhando. Mod interessante

1 Curtida

Acompanhando com certeza.

2 Curtidas

Parece interessante…

Capítulo II - O Reino do Unicórnio

Radovid V, Rei da Redânia

A invasão de Nilfigaard trouxe o caos e no caos as leis não são respeitadas, principalmente as leis da guerra. Mesmo sem direito ao trono de Kaedwen, Radovid, aproveitando-se que o grosso da força dos lordes de Kaedwen estavam no sul tentando impedir que os negros cruzassem o Pontar, atravessou as montanhas dias antes da neve obstruir a passagem e em uma semana colocou os senhores do reino vizinho de joelhos.

- Eu, Duque Volodar Sprengtporten, declaro minha total submissão à vossa majestade, rei Radovid V da Redânia, e declaro que reconheço vossa majestade como rei de Kaedwen, o rei Radovid I de Kaedwen. – disse ajoelhado perante Radovid.

- Eu declaro-o um fiel vassalo e detentor por direito dos seus títulos. – Retrucou Radovid em um tom extremamente formal. – Já pode ir lorde Volodar.
Volodar ergueu-se, fez uma última reverência à Radovid e colocou-se a cruzar a enorme sala do trono em direção à saída. O Palácio de Ard Carraigh situa-se no coração de Kaedwen e serviu durante séculos à dinastia dos Unicórnios que chegara ao fim repentinamente com a morte de Henselt. O Palácio em nada destoava da cidade que era uma grande fortaleza de pedra dura e cinza que do alto da montanha controlava todo o vale do rio Lixela.
Este foi o último dos lordes de Kaedwen, majestade. – falou Toligniew, o comandante das Forças Especiais da Redânia.

Já era hora, quem diria que a parte mais enfadonha de conquistar um reino é receber as homenagens. Não temos mais tempo a perder Toligniew, convoque o conselho de guerra imediatamente.

Radovid já tinha tomado a cidade fazia dois dias, mas ainda não tinha entrado na antiga sala de guerra de Henselt e agora ela impressionava-o. era uma longa sala de pedra cinza, estendia-se até um enorme vitral que representava alguma batalha qualquer de Kaedwen e entre o vitral e a porta tinha uma enorme mesa branca com detalhes dourados e cadeiras combinando. Seus concelho e comandantes já estavam sentado, mas quando o rei entrou eles logo colocaram-se em pé em sinal de respeito, todo o conselho estava à direita, com exceção do hetman de campo da coroa (marechal) que sentava-se junto aos comandantes à esquerda.

Radovid entrou e sentou-se à ponta da mesa e os outros nobres sentaram-se também. Na mesa estavam mapas, cartas e anotações.
- Muito Bem. – disse Radovid. – Kaedwen foi tomada e seus lordes estão sob controle, ao menos por enquanto, é hora de reorganizar as forças e posiciona-las ao longo das passagens do Pontar.
- Existem quatro passagens ao longo do Pontar, poderíamos dividir nossa força em quatro e ser derrotados em todos ou deixá-los juntos e lutar batalhas decisivas. – disse Duque Deweil.
Zygfrid falou alto. – Isso significaria perder nossa principal vantagem que é lutar defendendo o Pontar, com apenas um exército não poderemos cobrir as quatro passagens.
- Vamos fazer os dois. – Disse Radovid. – Reuniremos o grosso das tropas em Oxenfurt, mas manteremos ao menos uma divisão nas outras três passagens do pontar. Nilfigaard possui mais soldados do que nós, mas eles demorarão meses para conseguir mobilizar toda a sua força, temos que derrota-los antes das tropas frescas chegarem.
Conde Ludormir, o administrador do reino, arrumou o colarinho como um pavão que si eriça. – Majestade, graças à minha administração a coroa possui valores significativos entrando mensalmente e nossos vizinhos de Kovir possuem algumas companhias mercenárias ao nosso dispor.
- Quantas companhias podemos pagar?
- Podemos pagar duas companhias de elite e ainda manter os ganhos mensais da coroa no azul, majestade. Eu recomendo a contratação da Companhia Livre de Kovir e do grupo mercenário Bear.

- Contrate-os. Quantos ao exército regular, eu liderarei a força principal em Oxenfurt e quero três divisões regulares mais os soldados da Ordem da Rosa Flamejante.
- Serviremos com lealdade, majestade. – Falou Siegfried, seu marechal e Grão-mestre da ordem.
- Distribuam as outras divisões entre as passagens, cerca de dois mil homens em cada passagem.
Os generais assentiram e deixaram a sala, com exceção de Toligniew.
- Adda já chegou?
- Sim, majestade e tanto sua guarda quanto os espiões foram aumentados, assim como ordenado. Até agora nenhum sinal de traição carnal ou política.
- Então já é hora de eu colocar um filho dentro dela, Redânia precisa de um herdeiro e um herdeiro com reclamação sobre Temeria é ainda melhor. – Radovid saiu da sala e foi ao quarto. A porta do quarto estava sendo guardada por dois agentes das Forças Especiais.
As Forças Especiais foram criadas após a Segunda Guerra do Norte para evitar que as forças não humanas voltassem a causar o caos atrás das linhas, entretanto logo os governantes do Norte perceberam que ter uma força de elite sob seu comando direto não era nada mau e decidiram manter cada um suas respectivas forças, porém era notório que as duas melhores companhias eram os Listras Azuis da Temeria e os Gibão Vermelho da Redânia. Radovid subiu ao trono em uma posição fraca, seu exército era tão desleal quanto ineficiente e muito disso se devia as cicatrizes que o governo Filipa Eilhart tinha deixado. O inicio do governo de Radovid foi marcado por uma ampla reforma militar, substituindo os oficiais antigos e desleais por novos mais eficientes e leais à coroa, e a perseguição ao assassinos de seu pai que tinha sido morto por Filipa e outros lordes conspiradores anos antes, Radovid só não tinha sido capaz de colocar as suas mãos na principal autora do regicídio, a própria Filipa.
Com a morte do rei Vizimir da Redânia Filipa governou de fato enquanto a mãe de Radovid era a governante de nome. Radovid e sua mãe foram tirados da corte por Filipa que os humilhava constantemente, sentindo enorme prazer nisso, entretanto Filipa subestimou Radovid que cresceu para se tornar um governante habilidoso, embora louco e paranoico, e desejoso de vingança.
Os guardas de pronto abriram as portas para o rei que entrou. O quarto só estava iluminado pela luz do luar, embora fraca era o suficiente para ver Adda nua em pé à grande janela. Mesmo depois de anos Adda ainda gostava dos ambientes frios e escuros iguais a cripta na qual ela cresceu.
Ela virou o rosto sobre os ombros apenas o suficiente para ele ver seu rosto de perfil. – Qual a necessidade de me fazer viajar tão longe?

Radovid não respondeu de imediato, andou a passos suaves até a jarra de vinho sobre a mesa de centro, encheu o cálice, sentou na cadeira, provou o vinho e então falou. – Sabe o motivo de eu estar lutando essa guerra? Sabe porque eu não me rendo logo à Nilfigaard e preservo minha coroa.
Ela ficou de frente para ele e começou ir em sua direção, Radovid observou que mesmo naquela luz fraca de luar a vermelhidão de seu cabelo se destacava, tanto quando as sardas sobre os seios. – Imagino que por orgulho, ou para não pagar tributo.
- Eu luto pelo futuro. – Ele levantou da cadeira e ficou tão próximo a ela que seus seios desnudos roçavam em sua túnica. Essa guerra não é só por Redânia, ela é pelo futuro do Norte, pelo meu futuro e pelo futuro da minha dinastia e é por isso que eu precise que você me dê.
- Dar o quê?
- O futuro. – Ele colocou uma das suas mãos na parte de trás da coxa e a outra em sua nádega e a ergueu fazendo com que as pernas dela dessem uma volta em sua cintura. – Dê-me um filho, dê-me meu futuro.
Ainda não tinha amanhecido, mas o rei já estava prestes a eixar o Palácio de Ard Carraigh.
- Tem certeza que não sabem que iremos pelo Pontar? – Perguntou à Toligniew.
- Sim, Majestade, todos acham que vamos por terra e só daqui dois dias, o Pontar é o fronte da guerra ninguém espera que o senhor vá por lá.
- Exatamente, é o fronte da guerra, se eu for capturado tudo estará perdido, tudo.
- Tenho esquadrões batendo as duas margens, majestade, sei tudo o que se passa nas margens não seremos emboscados, garanto-lhe.
Radovid, Adda, Siegfried, Toligniew e o resto do séquito embarcaram na pequena frota liderada pelo espaçoso e imponente galê de guerra real e desceram o rio Lixela até desaguar no Pontar de onde seguiram rumo à Oxenfurt.

3 Curtidas

Invasão fluvial? Interessante… a surpresa sempre é uma boa aliada…

1 Curtida

Não exatamente, ele apenas está viajando de rio para ganhar tempo.

2 Curtidas

Gostei bastante deste capítulo.

1 Curtida

Capítulo III - O Banquete dos Reis. - Parte I.

Radovid V, rei da Redânia

O atracadouro de Oxenfurt era interno, o Pontar cruzava a cidade e seguia por mais alguns quilômetros antes de chegar ao mar. A galê real liderava a linha quando chegaram na cidade, a entrada do canal era guardada por duas imponentes torres com balistas e catapultas de ambos os lados e em caso de necessidade os arqueiros usariam os telhados das casas para disparar contra barcos invasores, invadir pelo canal seria loucura.

Oxenfurt, o centro acadêmico do Norte

O barco seguiu por mais algumas centenas de metros até parar, Radovid foi o primeiro a sair do barco, seguido por sua rainha e vassalos. O atracadouro era uma zona comercial importante, mas naquele momento as discussões sobre o preço do peixe pararam e todos voltaram sua atenção para o rei. Para recepciona-los estavam na praça o prefeito da cidade e o coronel responsável pela divisão, já que o último general morreu na batalha anterior, junto com uma guarda de alabardeiros completa.
.

Prefeito de Oxenfurt.

Coronel do Exército da Redânia.

- Majestade, é uma honra vê-lo. – disse o prefeito, Blenheim.
- A divisão está atenta e pronta para suas ordens, meu rei. – falou o coronel.
- Muito bem, minha primeira ordem é a construção de um pavilhão adequado próximo à passagem.
- Acampar no campo, majestade? Mas Oxenfurt é muito mais confortável e recomendado para as necessidades reais.
- Minha necessidade é vencer a guerra e lá é o melhor lugar para planejar como fazer isso.
- Então ao menos me permita servi-lhe um banquete em sua honra essa noite.
- É claro, prefeito. – Adda respondeu antes que Radovid tivesse a oportunidade.

A mansão do prefeito era no estilo das outras da cidade, com uma base solida de pedra e o resto da estrutura em uma madeira escura e nobre, a mansão possuía três andares e uma extensa área atrás da casa e era lá que o burguês da cidade recebia seus convidados. Eram poucas as pessoas, mas ainda sim a estrutura do banquete respeitava a hierarquia de cada um, Radovid sentava-se em à mesa colocada na horizontal com Adda e seus outros lordes de maior nascimentos, enquanto os de menor nascimentos e comandantes sentavam-se em duas mesas na vertical. Na mesa do rei estavam postos leitões pingando manteiga, faisões assados, vinho de Toussaint, peixes, ovos, e linguiças de porco temperadas com as mais finas especiarias da Zerrikania. Nem por um momento passou pela cabeça de Radovid que do outro lado do rio as pessoas procuravam ratos para comer.

Mansão do Prefeito.

O prefeito levantou-se e ergueu o cálice. – Ao rei Radovid V, pela conquista de Kaedwen. – Todos brindaram e então começou o banquete.
Radovid comeu e bebeu apenas o necessário, ele era tão obsessivo quanto paranoico e quando colocava uma coisa na cabeça não pararia por nada e naquele momento o que estava na sua cabeça era a guerra, ele nem por um segundo pensava em outra coisa.
No meio do banquete Toligniew aproximou-se de Radovid e o confidenciou. – Majestade, o imperador Emhyr é quem comanda as forças em Velen, acreditamos que ele espera reforços de Vizíma para iniciar uma campanha na primavera.
Radovid levantou-se e falou alto para todos e ao mesmo tempo para ninguém. – O acampamento já foi levantado?
Um dos comandantes da mesa direita levantou e respondeu que sim.
- É hora de irmos, amanhã haverá batalha.

Radovid cavalgou por algumas horas com o seu séquito até chegar ao acampamento do exército na margem norte do Pontar. O acampamento já vinha sendo reforçado e estruturado desde que Nilfigaard lançou a invasão, assim como as outras três passagens, o acampamento ficava mais forte a cada semana e mesmo naquele momento já era quase uma fortaleza de madeira, com torres para arqueiros, estábulos e atracadouro para as embarcações de patrulha.
O cavalo de rei não precisou se aproximar muito para os portões feitos de paliçadas abrirem revelando um aglomerado de soldados esperando pela oportunidade de ver o rei. Radovid galopou para dentro e foi imediatamente em direção ao maior pavilhão, o qual ele acreditava que era o seu, e era bom que o fosse, caso contrário alguém perderia a cabeça.
Entrou no pavilhão e encontrou um lugar estranhamente aconchegante para um acampamento ao lado de um rio no inverno, embora aquele inverno, pela graça do Fogo Eterno, esteja sendo incrivelmente leve, com o rio não tendo congelado em nenhum momento e os campos sem neve.
- Majestade. – Falou uma voz nas suas costas. – O senhor disse que atacaremos amanhã, então acredito que deseje um conselho de guerra.
Radovid virou-se e viu duque Blenheim, que por coincidência tinha o mesmo nome do prefeito de Oxenfurt, embora fossem de naturezas completamente diferentes. O Blenheim de Oxenfurt era um negociador, um burguês típico, enquanto seu homônimo duque era um autêntico militar tendo lutado por toda a sua vida nos exércitos da Redânia, era um dos poucos vassalos por qual Radovid nutria simpatia. – Está certo, duque Blenheim, convoque todos os comandantes para já.

Duque Blenheim.

O duque colocou a cabeça para fora da barraca e mandou que o soldado do lado de fora convocasse os comandantes e então entrou novamente e sentou-se ao lado do rei. – Enfrentou uma longa viagem de Kaedwen até aqui, majestade, tem certeza que não quer esperar mais um dia para descansar?
- A única forma que conheço de descansar é dormir e não consigo dormir enquanto não tiver a cabeça dos meus inimigos em estacas.
- Acredito que isso não inclua apenas o Emhyr, Filipa ainda o perturba, majestade?
- Ela matou meu pai, devo a cabeça dela a ele e ao reino.
- Soube que ela se esconde em Novigrad.
- E é verdade, duque, mas nem meus agentes e nem os caçadores de bruxas da Igreja do Fogo Eterno conseguiram encontrá-la, ao menos não ainda, quando eu expulsar Emhyr para o sul nada me impedirá de invadir a cidade e anexa-la e quando ela for minha acharei Filipa nem que eu tenha que queimar a cidade inteira.
Os comandantes interoperam a conversa com a suas entradas.
Majestade. – disse Siegfried enquanto fazia uma revência. – Já obtive as informações que precisava com o líder dos batedores da divisão e o mapa já está atualizado. Também tomei a liberdade de inspecionar as tropas enquanto vossa majestade estava no banquete, os homens estão distribuídos em quatro brigadas de infantaria e uma bandeira de cavalaria, cada brigada possui cinco unidades de cem homens cada e a bandeira possui duas unidades de cem cavaleiros cada. Ao todo a divisão conta com 1200 homens de infantaria entre espadachins leves e pesado, piqueiros e lanceiros, 900 homens de combate distante entre arqueiros, besteiros e controladores de artilharia, por fim, possuímos 200 cavaleiros fora seu séquito de guarda e dos outros nobres.
- Nossa força de cavalaria está reduzida, mas não esperarei até os reforços chegarem, os reforços de Emhyr são maiores e por isso não posso permitir que ele sente em Velen e organize um exército.
- As força da minha ordem já estão a caminho, majestade, os melhores cavaleiros do Norte. – Disse Siegfried referindo-se à Ordem da Rosa Flamejante. A Rosa Flamejante é uma ordem de nobres cavaleiros devotos ao fogo eterno, embora tenham por objetivo declarado a proteção da Igreja e da sua fé contra heresias a Rosa mostrou-se bastante interessada na política do continente em seu passado recente, tendo até tentado um golpe de estado na Temeria quando ainda era liderada pelo seu antigo Grão-mestre, mas o golpe foi impedido por um tal Geralt de Rívia, o Vagabundante. Desde então a Ordem fugiu da Temeria e sob a liderança bem mais honrada de Siegfried tem servido à Radovid o único monarca do Norte que segue a verdadeira fé.
- Não chegaram a tempo. – Falou Radovid. – Mostre-me a posição dos inimigos.

Siegfried colocou o mapa de Velen sobre a mesa.

Sul de Velen

- Existem quatro passagens da Redânia para Temeria, mas duas foram destruídas nos combates anteriores, sendo assim, sobram apenas duas, que são a ponte de Lindervale e Lurtch. Segundo nossos batedores elas são protegidas por elementos de uma mesma brigada de infantaria Nilfigaardiana que está distribuída por toda a região, mas seu comando geral fica em um forte próximo à vila de Lindervale. Invadir pela ponte de Lindervale irá expor nosso flanco direito a um possível ataque liderado pelo Barão Sangrento a partir do Poleiro do Corvo, embora eu duvide que um desertor tenha coragem suficiente para se juntar a batalha ou que ele tenha os homens necessários. Invadir pela ponte de Lurtch irá nos forçar a manter uma forte presença na vila para defender nossa linha de suprimentos que ficará suscetível a ataques de elementos da 1° Brigada de Infantaria de Nilfigaard estacionadas no forte.
- Apenas uma brigada de infantaria guarda as pontes, se conseguirmos avançar rapidamente e estabelecer posições defensivas os negros não se arriscarão em um ataque precipitado. – Comentou Blenheim.
- Se apenas uma brigada guarda as pontes podemos dividir nossas forças. Eu liderarei a 1°, 2° e 3° Brigadas de Infantaria Regular pela ponte de Lurtch e duque Blenheim liderará nossa bandeira de cavalaria e a 4° Brigada de Infantaria Regular pela ponte de Lindervale. – Ordenou o rei.
- É uma honra liderar vossos homens, majestade. – falou Blenheim.

Posicionamento das Tropas

Certo, quero uma linha de suprimentos suficiente para construir uma fortaleza logo no primeiro dia, se formos derrotados tão perto do rio pode ser que não seja possível um recurso organizado e não tolerarei isso.
- Majestade. – Falou Toligniew ao entrar no pavilhão. Vernon Roche deseja vê-lo.
- Muito bem, atacaremos ao amanhecer, todos vocês já podem ir. – Os comandantes levantaram-se e deixaram o recinto tão rapidamente quanto Roche entrou.

Vernon Roche, lider dos listras azuis e das guerrilhas de Temeria em Velen

- O comandante dos Listras Azuis, Vernon Roche. Pelo que sei ainda luta por Temeria.
- Nunca deixarei de lutar por Temeria.
- Ótimo, pois pode lutar amanhã, eu atacarei as duas pontes e preciso que sua força cause o caos em um ataque por trás das linhas.
- Ainda não temos a força necessária, só possuo algumas centenas.
- Não me venha com desculpas, Roche. Eu os dei equipamentos e suprimentos e agora é a hora de você cumprir a sua parte do acordo, preciso de um ataque de distração ao menos durante a primeira hora da travessia, aguente 60 minutos de batalha e sua Temeria estará mais perto do que nunca da libertação.
- Me pergunto você realmente respeitará a soberania da Temeria, pois ao que me parece vossa majestade planeja coroar sua esposa.
- Minha esposa é filha do Foltest, caso tenha esquecido.
- De quem ela é filha não muda o fato de que quem será o rei de fato da Temeria será você e o herdeiro do reino da Temeria será o mesmo da Redânia e imagino que em uma união menor.
O rei irritou-se e cerrou o punho. – Diga-me o que quer. Quer ser rei? Você não tem nascimento para isso, então o quê?
- Quero a soberania da Temeria e nada mais.
- Pois então esteja com seus 200 homens amanhã ao amanhecer e ajude-me a libertar o Norte dos negros.
Roche e rangeu os dentes, mas cedeu. – Muito bem, estarei lá.
Radovid entendeu imediatamente que para seus planos vivessem Roche teria que morrer em algum momento.
3 Curtidas

Deu fome até, rsrs
Os planos estão quase indo conforme o planejado… mas será que Roche honrará o acordo? Hummm…

1 Curtida

Que bela surpresa eu tive com esta AAR. Acordei cedo neste domingo, fiz meu chimarrão e por acaso vim dar uma olhada aqui no GSB, coisa que já não faço com a frequência de antigamente.

Me deparei com esta AAR e não consegui parar de ler… fui do início da introdução até o fim deste capítulo 3.

Geralt de Rívia, o Vagabundante foi hilário… ri muito.

A AAR está fantástica, gostei demais! Bem escrita, com narrativa cativante, convincente, bem explicada… consegui entender de boa, mesmo sem conhecer o universo. Só vi 5 ep da série. Nunca li os livros ou joguei os games.

Estarei acompanhando e já estou esperando a continuação!

Abraços

3 Curtidas

Capítulo III - O Banquete dos Reis. - Parte II.

Radovid V, rei da Redânia

Radovid, embora não precisasse acordou junto com os soldados, ele pessoalmente supervisionou a formação da coluna que atravessaria a ponte.
- A luta na cabeça de ponte será suja, por isso quero esquadrões de combate liderados por oficiais experientes, precisamos liberar ao menos parte da passagem para as tropas entrarem em formação de batalha. Eu liderarei um dos esquadrões.
- Tem certeza disso, majestade? – Falou Toligniew. – Perder o senhor significaria perder a batalha.
- Não ganharei nenhuma guerra me escondendo da batalha, comandarei a vanguarda pessoalmente, está decidido.
- Então peço que lute a pé, o senhor seria um alvo fácil sendo o único homem montado na escaramuça, iriam acerta-lo com facilidade.
- Você tem razão, embora não seja digno um rei lutar a pé junto à plebe.
- Já selecionei pessoalmente os homens da vanguarda, majestade, os melhores e mais bem-nascidos cavaleiros da Redânia e alguns dos meus Gibões Vermelhos.
- Majestade. – Gritou um mensageiro do exército que se aproximava. – Duque Blenheim informa que iniciou o ataque à ponte de Lindervale.
- Então já é hora de começarmos também, informe aos coronéis para colocarem seus homens em formação. Duque Snowid e Duque Jutrogost, vocês liderarão a 2° e 3° brigadas como planejado.
Radovid colocou seu elmo, era a última parte da sua armadura que faltava, então desembainhou sua espada longa de duas mãos, feita pelo melhor ferreiro de Tretogor, a espada tinha uma guarda larga e dourada como ouro e um botão no formato de uma pequena águia branca e ainda menor que a águia era a coroa vermelha que repousava em sua cabeça.
O rei ergueu a espada sobre a cabeça e abalançou para frente emitindo a ordem de avanço que foi respondida com os tambores fazendo um som rápido, os soldados começando a andar. A coluna marchou sem oposição até o fim da ponte, quando, finalmente, os arqueiros e besteiros do exército negro começaram a disparar, entretanto já era tarde demais.

Arqueiro Negro Protegendo a Ponte

A vanguarda da coluna estava a vinte metros da outra margem quando o rei colocou a pesada espada sobre o ombro. – Carga! – Toda a vanguarda correu em direção a parede de escudos que a infantaria inimiga tinha formado no final da ponte.

Parede de Escudos

Radovid, embora parecesse mais velho, era um homem de dezenoves anos e com a disposição correspondente, foi ele que ditou o ritmo da carga. Quando chegou próximo o suficiente da parede de escudos pulou com um dos joelhos apontados para os escudos, como se ele próprio fosse um aríete, e com a larga espada descendo sobre a cabeça dos soldados de Nilfigaard. Todos os outros imitaram-no e já na primeira investida a parede rompeu.
Com o peso do corpo o rei derrubou algum camponês magricela que segurava o escudo sobre o qual ele tinha caído, o rei de pronto colocou-se em pé para enfrentar a segunda linha de Nilfigaard. Com a espada empunhada com as duas mãos escolheu um alvo em meio ao caos que aquilo tinha se tornado, o alvo foi um alabardeiro que estava de costas para ele lutando com um soldado da Redânia, Radovid correu, ergueu a espada alto e, com toda a força, desceu ela na cabeça do alabardeiro que teve seu elmo de má qualidade cortado como manteiga, junto com tudo até chegar no pescoço. Entretanto não teve tempo para descansar, um soldado usando armadura de oficial correu em sua direção gritando e empunhando uma espada tão grande quanto a do rei, Radovid puxou a espada que tinha ficado presa no pescoço do alabardeiro e rapidamente defendeu-se do golpe alto, o oficial Nilfigaardiano voltou um pé, colocou a espada no nível das costelas do rei e lançou um golpe na horizontal, o monarca, que ainda estava com a espada sobre a cabeça arriscou e ao invés de defender o golpe do inimigo desferiu ele próprio o seu. A lâmina da Redânia moveu-se e encontrou o elmo alado, a orelha e, por fim, o lábio superior. O cavaleiro negro desabou com o golpe, embora sua lâmina ainda tenha tocado Radovid acertou-o praticamente sem força e foi facilmente parada pela pomposa e cara armadura ostentadora da águia branca.

Oficial Morto

O rei levantou a espada e gritou. – Continuem, empurrem os malditos. – Assim que falou uma salva de flechas rompeu os céus, embora tenha vindo de onde estavam os arqueiros negros elas não caíram nos homens da Redânia e sim nos negros. Um grito rompeu o som da escaramuça e todos pararam de lutar e voltaram sua atenção para a direção do brando, o grito era “Temeria!” e vinha do bosque à direita, era um grupo de cavalaria, eles vinham em formação de ponta de lança e seu líder era Vernon Roche. A carga de Roche debandou imediatamente os soldados de Nilfigaard, que correram desesperadamente para o sul.

Ataque da Guerrilha Temeriana

Listras Azuis Atacando

Ataque Temeriano

Roche aproximou-se do rei. – Começava me perguntar onde você estava, Roche.
- Estava ajudando sua outra força, caso tenha esquecido tenho poucos homens e recursos.
- Chega de choramingar, Roche. Você cumpriu sua parte no acordo, vá até o acampamento, eu deixei alguns vagões de armas, remédios e outros tipos de suprimentos para você.
- Irei assim que seus homens desobstruírem a ponte. Antes que eu me esqueça, os nilfigaardianos desse lado começaram a se reunir próximo a Lurtch.
- Então irei expulsa-los de lá, agora vá.
Os mil e quintos homens de Radovid demoraram horas para cruzar a ponte e finalmente entrarem em formação de batalha, teria sido uma oportunidade perfeita de contra-ataque se Nilfigaard tivesse culhões para isso, mas eles não têm. Quando os homens finalmentes se organizaram Radovid deu a ordem de avançarem, já era quase meio dia quando avistaram duzentos negros em formação de batalha próximo a vila de Lurtch.
O Rei, agora já montado e junto da sua guarda de honra, estava atrás das linhas e deu a ordem para a as unidades atacarem. Do alto do seu cavalo viu a imensamente inferior tropa de Nilfgaard segurar suas brigadas por vinte minutos antes de fugirem.
- Duque Jutrogost, leve a 2° Brigada para Lurtch e passe a noite lá, alguns homens fugiram para o bosque à oeste da vila e embora eles estejam quebrados podem tentar um ataque à nossa retaguarda, elimine-os.
- A suas ordens, majestade.
- Duque Snowid, você vem comigo, irá proteger o entroncamento à frente do acampamento e liderará os batedores, quero um perímetro de visão de dez quilômetros ao sul.
- É claro, meu rei.
As forças de Radovid seguiram para o sul até montarem um acampamento fortificado em uma clareira cercada por um denso bosque em uma posição elevada à leste de Lurtch, quando finalmente acabaram o sol já estava se pondo.

3 Curtidas

Ótima descrição do avanço, parabéns!

2 Curtidas

Fico feliz que tenha gostado :rofl:
PS: qual é o gosto de um chimarrão? :rofl::rofl:

2 Curtidas

Valeu, espero que o mapinha tenha ajudado.

1 Curtida

Chimarrão é amargo, bem amargo.

1 Curtida