(CK2+WTWSMS) Dominus Lughanus

Ano XVI do Círculo
526 da Contagem Cristã

Cabral, sucessor apontado do Reino, presidiu a cerimônia do Sol Argenteo no Solstício do 50° Ano da Revolta, como fizera ele e outros antes em ocasião da ausência do Ri. Maelo o Poderoso celebrava à sua industriosa maneira batendo os armóricos na Pequena Bretanha junto de seu exército pessoal e de sua regina Dutia, mestra de armas dos combatentes lughanos.
O Arquidruida de Iona, Ciliua, outrora druida de Ávis e clérigo maior entre os que na Lughania viviam, comparecera a este que viria ser seu último festival na Hispania desejando ver no semblante dos filhos a nobreza daquele homem distinto que fora fiel amigo e conselheiro durante os duros anos da Peste e os gloriosos anos da Guerra.
Não se decepcionara em nada com os filhos e netos de Epano, o Glorioso, que junto dos anciãos e patriarcas dos muitos clãs governavam cada palmo daquela terra com grande zelo e labor. Mérida, como chamavam a antes romana Emérita Augusta, prosperava com a hegemonia que sobre a península estendia, afluindo para si de muitas estradas e portos riquezas infinitas de muitas cidades providas.
Findadas as cerimônias e abertos os festejos invernais, foi-se o Arquidruida ter com Cabral, senhor protetor dos latifundii das colinas dos vascos. Abraçou o homem que trouxera ao mundo e se rejubilou de seus olhos ávidos por novidades do Norte. Trocaram comentários sobre a vida nas ilhas duras da Caledônia, das quais o regente lughano recordara-se das lutas contra os clãs irredutíveis das terras altas e os senhores cristãos da Ilha de Éire e da Northumbria Britônica.
Terminado o memento, seguiram com suas comitivas íntimas à Universidade de Maelogra. A imponente estrutura ao qual os melhores engenheiros de toda Europa dedicaram meia década de suas vidas a edificar resplandecia numa das colinas próximas do castro-capital de restaurada arquitetura latina. A criação de escolas de gramática e aritmética nas grandes ópidas mercantes do reino levara a necessidade de se instaurar a primeira escola superior da Lughania, onde homens de todas as castas sociais poderiam continuar seus estudos em retórica, geometria, ciências e direito, atendendo às demandas crescentes da infantil burocracia.

  • É um feito magnífico. - sentenciou o druida. - o que falta para sua inauguração?
  • Há alguma resistência por parte dos clãs. As famílias mais antigas, das opidas de Setobriga e Calebriga, não demonstram muito interesse em adotar os novos costumes do Reino. - respondeu solene Cabral.
  • É verdade então que o Velho Caminho é dominante nas cidades ocidentais?
  • Por enquanto. A conversão é mais antiga nessas cidades, é natural que frio o ferro não o seja maleável, Myrdyyn. Meu irmão esmagou sua primeira revolta de facto em Tábriga, há poucos anos, mas a insurgência local tanto não refreia quanto não se excita. É uma questão de tempo.
  • Caberá a você, se Lugh o quiser, trazê-los consigo para os novos tempos. Isso e muitos trabalhos mais. Seu irmão não é mais um garoto, não é mais o conquistador implacável que bateu os vândalos, os vascos e os visigodos das terras orientais. É Maelo, o Arquiteto, como assinava ainda criança seus desenhos, lançando fundamentos e enlaçando os nós que lhe farão glorioso o governo. Seus anos agora são breves quanto os meus são derradeiros e os teus serão magníficos, filho.
  • Que Lugh o queira. Os druidas estão reunindo as leis de nosso povo, as leis de meu pai e as de meu irmão, unindo-as como fizeram antes os romanos com as suas. São tempos interessantes os que vivemos.
  • Com toda certeza. Me entristece não estar aqui seu irmão ou já instalados seus ilustres sábios, mas me apetece visitar o Cromeleque de Gal Lusia, sua sobrinha e o druida de Mérida me acompanharão num encontro íntimo junto ao crânio de seu heróico pai. O Ri dos Pictos é um homem solene e religioso no aguardo de que com a inspiração do Velho Urso possa obter vitória contra os saxões que invadem a Irlanda.
  • Levarei seus sentimentos a Maelo, Myrdyyn. Diga a filha de meu irmão que sentimos sua falta no Sol Argenteo. Beije as faces mortas de meu pai por mim, Ciliua. Diga-lhe que dele lembramos e o tomamos por guia em cada passo que damos.
    E com isso despediram-se entre si e da sombra projetada pelo prédio suntuoso onde projetariam os homens necessários ao seu imperium. Longe dali, na Bretanha Menor, Maelo estendia seu poder para além das fronteiras da Lughania, ocupado consigo e com seus próprios desígnios sobre a sucessão que junto com o Inverno se avizinhava de seu coração.

(Logo mais riquíssimas ilustrações e prints elucidadores do estado atual da partida)

Começou!!!

Como eu to no celular tá bem difícil de revisar o texto (acabei de ver as raízes poder e projeção repetidas no texto muito próximas), meter as notas de rodapé (eu edito os nomes in game com a DLC do Carlinhos pra customização) e subir minhas imagens propriamente ditas.

Bons diálogos e imersão. Regência verbal impecável (dou bastante valor a isso rsrs). A repetição costuma passar despercebida pelo autor, isso é natural; creio que apenas o “projetar” foi um problema. Aguardo as imagens