Comércio no EU4 - a minha visão (uma espécie de guia)

[justify][font=Times New Roman]Faço este Post após vários jogos em que tive especial atenção ao comércio, tanto naqueles em que participei activamente no controlo do mesmo, como naqueles em que apenas observei o comportamento da AI. Com base nesta experiência e em informações recolhidas na EU4 Wikie nos fóruns, faço esta espécie de guia para quem tem dificuldades com o comércio no EU4. Chamo a atenção para o facto de isto se aplicar à versão 1.19.2.0, com todas as DLC’s/expansões. E realço também que, apesar de muitas coisas serem repetitivas no EU4, não há duas partidas iguais, e o desenrolar das mesmas depende sempre de muitos factores. Por isso o que aqui escrevo não está isento de erros, confusões. Se tiverem alguma correcção a fazer, comentário ou sugestão, são todos bem-vindos. Sempre que se justificar, actualizo este tópico.

Atualizado 1.26.0

Tendo em conta a complexidade do jogo, enumero aqui os factores que de forma directa ou indirecta têm implicação no desenrolar do sistema comercial:

Traditions, National Ideas, Ambitions, Trade Idea Set, Eventos, Monarch Traits, Mercantilismo, Advisers, Número de províncias controladas, Light Ships, Piratas, Embargos, Ocupação durante guerra, Tecnologia, Tipo de governo, States (Burghers), Trade Companies, Colónias, Mercadores, Protetorados, Estabilidade, Prestígio, Power Projection, Religião (Reformed via Fervor), Trade Goods.

Muitos jogadores não dominam bem o vocabulário, e por vezes não sabem o que significam os bónus/penalties. Segue aqui uma lista muito simples:

Trade Efficiency – Bónus que se aplica ao valor final do Trade Income que entra para o tesouro. Se o jogador ganha 10 ducados, e o Trade Efficiency é de 20%, então ganhará 12 ducados. Ao contrário dos outros bónus que têm impacto no Trade Power ou no Steer, este não afeta os adversários, porque é apenas um modificador no lucro obtido

Trade Steering – Capacidade de mover Trade Power de um Node onde temos menos, para outro onde temos mais. Se este bónus é de 20%, vamos transferir mais Trade Power para os Trade Nodes seguintes. Aplica-se apenas ao Trade Power que segue e não é coletado nos Trade Nodes.

Global Trade Power – Bónus que incide sobre o total do Trade Power do jogador (independentemente da origem deste: províncias, eventos ou Light Ships).

Provincial Trade Power Modifier – Este amplia o valor do Trade Power que tem origem somente nas províncias que o jogador controla.

Domestic Trade Power – Bónus que afeta o Trade Power nos Trade Nodes considerados domésticos (em que o jogador tem Trade Power acima de um valor, o que o torna dominante – para saber se é doméstico, ir ao Leadger, e aparece o símbolo do país atrás do nome do Trade Node).

Trade Power Abroad – Igual ao anterior, mas incide nos Trade Nodes que não são considerados Domestic.

Caravan Power – Bónus que aumenta o Trade Power nos Inland Trade Nodes (aqueles que não têm acesso ao mar). Repúblicas mercantis têm bónus de 33%.

Merchant – O mercador pode ser usado para recolher o dinheiro gerado por um Trade Node, ou ajudar a passar para o Trade Node seguinte. Representa um bónus de 10% de Trade Power nos Nodes onde estiver colocado. Usar o mercador para coletar num Trade Node que não seja o da capital, retirará todos os bónus que a nação recebe por fazer Steer entre os diferentes Nodes, além de retirar 50% do Trade Power no Node que estiver a coletar.

Mercantilism – Bónus que multiplica por todo o valor de Trade Power. Pode aumentar o Liberty Desire de uma colónia até 25%.

Trade Range – Bónus que aumenta o alcance co comércio, ou seja, fazer o Steering, enviar Light Ships ou mercadores para Nodes mais longe.

Antes de falar dos Trade Nodes, quero realçar que o é importante conhecer bem os recursos das províncias. Eles geram bónus para o maior produtor e para o maior comerciante do mesmo. Segue uma lista que encontrei dos recursos mais valiosos ao longo do jogo, realizada pelo usuário do Paradox Plaza remanemporor (valor médio, em ducados):

Tier 1
Silk 4.47
Paper 4.42
Cocoa 4.39
Dyes 4.36
Ivory 4.19​

Tier 2
Tobacco 3.84
Copper 3.79
Iron 3.74
Sugar 3.71
Spices 3.68
Gems 3.67
Cloth 3.62
Cotton 3.56

Tier 3
Salt 3.24
Glass 3.23
Fur 3.14
Chinaware 3.04
Coffee 2.97
Livestock 2.94​

Tier 4
Wine 2.75
Incense 2.74
Wool 2.70
Tea 2.68
Slaves 2.68
Tropical Wood 2.52​

Tier 5
Naval Supplies 2.35
Fish 2.11
Grain 2.03

[Actualizado em Janeiro de 2018]

Ser o maior produtor de um destes recursos faz desse estado o Production Leader, cujo efeito é + 10% Local Goods Produced Modifier nas províncias em que esse produto existe. Ser o maior comerciante (20% ou mais) trás outro bónus, o Trading In, que pode ser visto na WIKI.

Na seguinte tabela realizada por mim, constam todos os recursos, o seu valor, as variações nos preços, os bónus, o número de províncias para cada Trade Good e o valor de produção.

Derivado à grande oferta e dispersão de alguns dos recursos (grains, iron, fur, fish, naval supplies, wine…) torna-se difícil adquirir o Trading in Bonus. Contudo, os produtos que são menos produzidos (onde podemos incluir praticamente todos aqueles mais abundantes no continente americano) vão mais fáceis de comercializar, atingindo os 20% de share necessários para o bónus ser atribuído.

Com base na minha observação, faço a seguinte distinção e avaliação dos Trade Nodes, de acordo com as suas potencialidades e limitações:

Nodes com maior potencial para recolher dinheiro, tanto por produção local, como por atracão (atracão esta também devido aos bónus de comércio de algumas nações presentes neles):

-Genoa: um dos melhores Nodes do jogo sem dúvida. Em teoria pode receber o Trade Power de cerca de 70 a 80% do mundo, apesar de ser praticamente impossível. Recebe do novo mundo por Sevilla e do Mediterrâneo, excepto de Venice. Costuma ser um Node em que a produção local é igualmente alta. Costuma começar por ser o Trade Node mais rico da Europa.

-English Channel: provavelmente o melhor de todos, porque é aquele com mais potencial. Está privado do Mediterrâneo, mas em compensação pode receber toda a América do Norte e de Lubeck, ou seja, entre a 80-90% de todo o Trade Power do mundo.

-Seville: beneficia de ter os dois primeiros colonizadores, que normalmente conseguem dominar a maior parte do novo mundo. Tem uma saída para Genoa, mas se pode conseguir com que a maioria do Income fique no Trade Node. Se os nações do Node de Genoa estiverem a apostar forte no comércio, então este node pode perder uma boa parte do seu dinheiro, mas ainda assim rende muito). Recebe do Mediterrâneo via Tunis.

-Lubeck: costuma ser o 2º Trade Node mais rico da Europa no início do jogo. Beneficia muito enquanto Lubeck (cidade-estado) existir e conseguir manter a sua Trade League. A maior parte do seu rendimento vem da Alemanha e do Báltico, além de uma boa produção interna também. Com o tempo, atrai cada vez mais dinheiro, à medida que as províncias da Alemanha aumentam a sua produção.

-Venice: um bom Trade Node mas não deixa de ser uma desilusão. No meu último jogo, só a partir de 1500 conseguiu ter o Incoming superior ao Local. Fica barrado por Ragusa, que absorve o pouco que sai de Constantinople. Genoa é muito superior a este.

-Constantinople: o Império Otomano só tem um bónus de comércio, mas domina (ou dominará) cidades muitos importantes que vão permitir obter sempre um bom rendimento comercial. A dimensão territorial também é importante para o comércio.

Nodes valiosos devido aos Trade Goods que produzem:

-Bengal: devido aos Trade Goods que tem no seu território consegue ser sempre um Trade Node de grande produção local. A distribuição do território e o facto de haver, ou não uma potência dominante, determina a capacidade maior de atrair ou reter dinheiro.

-Doab: mais importante no início do jogo para os países locais, se conseguirem reter o Income produzido lá.

-Goa: outro Trade Node que beneficia dos Trade Goods. Ficará mais forte e consegue reter o dinheiro que algum dos reinos indianos conseguir unificar parcialmente o território.

-Hangzhou: grande centro produtor, beneficia essencialmente o comércio chinês, pois pouco è aquele que sai de lá rumo a outras paragens.

-Nippon : não tão rico como o anterior, fica praticamente todo no Japão o jogo todo, a não ser que o jogador o vá lá buscar.

-Mexico: tem alguns Trade Goods de valor e algumas províncias com um desenvolvimento modesto. Grande potencial futuro, mas no início todo o Income fica lá, porque ninguém, o está a “puxar” das Caraíbas.

-Siam: produz muito, mas consegue reter pouco. Normalmente não evoluiu muito porque não são investidos muitos Monarch Points no desenvolvimento.

Nodes que produzem ou atraem muito dinheiro, mas têm dificuldades em mantê-lo:

-Rheinland: principalmente se Frankfurt existir, porque atrai lá muito dinheiro, contudo, perde também muito se Lubeck, Pommern e Holstein existirem.

-Champagne: perde dinheiro independentemente do que não seja recolher lá. Se a França colectar no Trade Node de Genoa, sai em grandes quantidades, assim como se for para o English Channel.

-Saxony: este Trade Node ganha uma maior dimensão no Mid/Late game, depois das províncias estarem bem desenvolvidas - fica um pouco como Rheinland.

-Wien: este é difícil qualificar, porque varia muito. Normalmente produz muito, tem períodos em que consegue atrair Income de Nodes vizinhos, mas também pode perder muito do dinheiro. É um território onde muitos colectam, e com ligação a Veneza, daí movimentar muito dinheiro.

Nodes que, não sendo End Nodes, conseguem ter uma retenção de dinheiro muito grande:

-Persia: Recebe de Samarkand e Basra, e não deixa escapar praticamente nenhum. Parece que consegue melhor prestação comercial de o reino de Taresbatan existir e estiver forte.

-Beijing: recebe muito dinheiro de vários Trade Nodes, em especial chineses. Não deixa escapar quase nada porque está muito a norte, e as potências comerciais do sul não costumam chegar lá perto. Há uma tendência para as potências do Indico gladiarem-se entre si e com os europeus, deixando a China e Japão sossegados.

-Yarkand: só no início do jogo, até Ming organizar o seu comércio. As fações da Ásia Central ganham algum dinheiro à custa disso, entre 4 e 6 ducados logo a abrir o jogo.

Nodes estratégicos (podem ter ou não grande produção local, mas recebem ou enviam em várias direcções, fazendo deles fundamentais):

-Caribbean: Recebe de quase toda a América, dividindo depois entre três Nodes Europeus. As suas províncias são ricas e produzem em boa quantidade.

-Ivory Coast: recebe de vários Nodes Inland africados, mas também do Brasil e do (fundamental) Cape of Good Hope. Antes de sonhar com a Índia é preciso dominar este Trade Node, custe o que custar. Não vá o jogador conquistar e dominar a Índia, para depois deixar uma Ai de França ou Inglaterra ter uns 20 ou 30 % de Trade Power e limpar uma boa parte do dinheiro.

-Zanzibar: só tem uma saída, mas recebe do Gulf of Adem e de Mallaca, dois Nodes fulcrais para o domínio do Oriente.

-Gulf of Aden: recebe de vários, incluindo Indus e Goa, e divide depois para Zanzibar e Alexandria. É aqui que muito se decide, a lógica é idêntica ao Ivory Coast.

-Malacca: este Node tem o dom de levar todo o Income do Extremo Oriente diretamente para Zanzibar, evitando Bengal, Ceylon, Goa e Gulf of Aden. Para quem quer uma expansão menos agressiva, pode optar por ir logo a Mallaca, Molucas e Filipinas.

-North Sea: este Trade Node produz muito pouco, mas recebe o Trade Power da América do Norte e do Mar Branco e divide-o depois entre o English Channel e Lubeck.

-Bourdeaux: é um Trade Node 100% colonial, normalmente só importante para a França.

-Gulf of St. Lawrence: pode receber quase todo o Trade Power da América, encaminhando-o para o North Sea.

Outros:

-Hormuz e Basra: um pouco fracos, produzem pouco, recebem pouco e seguram quase nada. A não ser que um reino forte no comércio domine o território todo, pouca relevância têm. Se um jogador esolher o Império Otomano, Mamelucos, ou outro reino da região, nesse caso pode conseguir fazer um brilharete nestes Trade Nodes.

-Entradas da Europa: White Sea, Kazan, Astrakhan, Crimea, Aleppo: normalmente também são fracos, podem, porém, servir para transporte de dinheiro caso um reino consiga uma expansão forte para os territórios asiáticos adjacentes a estes. Destes o melhor é, ainda assim, Aleppo, e os mais a norte são os mais fracos.

Nações com grande bónus de comércio (Traditions, National Ideas e Ambitions)

Portugal – 5 bónus comerciais. Melhor posição para colonizar de todo o jogo, porque permite ser o primeiro. Apesar de não estar num End Node, só uma conjuntura muito desfavorável poderá retirar a Sevilla a maioria do seu Income. Maior problema talvez seja dividir o Node com uma facção que tem grande domínio territorial, apesar de bem menos eficiente no comércio.

England – Só tem um bónus de comércio, mas situa-se no melhor Trade Node do jogo.

Genoa – Dois bónus comerciais, mas boa localização. Contudo, expansão não é fácil.

Lubeck- 5 bónus comerciais fazem desta a estrela comercial do Norte. O Trade Node com o mesmo nome não é o mesmo se Lubeck desaparecer.

Holand/Netherlands – Tal como a Inglaterra.

Aragon – Reino com melhores bónos comerciais do Trade Node de Genoa. Normalmente é engolido por Espanha, mas quando não é, normalmente é que mais dinheiro ganha no Trade Node.

Venice – Dois bónus, está num Trade Node final, mas o de pior qualidade. Expansão difícil, não chega ao Trade Power da India a não ser que seja controlado por um humano.

Mamluks – Tem quatro bónus de comércio, o que faz de si uma potência comercial. Contudo, o Império Otomano acaba com eles antes de poderem criar um império comercial.

Otomans – Dominam um território grande com facilidade, com algumas províncias de grande valor e conseguem, normalmente, manter a grande maioria do dinheiro do comércio que geram. Contudo, não tem grande capacidade de puxar muito comércio doutros territórios.

Outros: alguns pequenos reinos podem conseguir ter grandes rendimentos do comércio e atrapalhar na expansão dos grandes, mas não estão em condições de competir com os anteriores: Oman, Mogadishu, Mallaca, Pegu, Brunei, Kutai e Pate.

Observações finais:

O EU4 trata-se de um jogo que tenta ser o mais histórico possível, sem comprometer a jogabilidade. Logo, não se torna histórico, e no comércio não havia de ser diferente. Alguns exemplos: em meados do Séc. XV Veneza ia a Constantinopla, Alepo e Alexandria buscar pimenta, seda, entre outros produtos que vinham do extremo oriente e sobre os quais tinha um monopólio. Depois distribuía-os pela Europa, e era assim que ganhava dinheiro. Veneza não era o “fim da linha”, logo não era um Trade Node final. Estava interligado com outros. E no sentido contrário à pimenta e seda vinham outros produtos. No jogo, o pouco que Veneza trás de Alexandria e Alepo não é nada de extremo oriente. Apenas umas bijuterias do Norte de África :smiley:

Outro aspeto interessante. Um jogador tem um Home Node em Sevilla, se quer trazer o comércio do Brasil tem obrigatoriamente de dominar Ivory Coast. Mesmo que não queira. E o mesmo se aplica ao comércio com o oriente. Historicamente também está muito errado. Portugal fazia o comércio direto entre Lisboa e Goa, não precisava de dominar toda a costa africana, até porque era impossível, não só para Portugal, como para qualquer reino europeu.

Outro problema, os comerciantes da Arábia. Eram estes os responsáveis pelas incríveis redes comerciais muçulmanas que existiam no indico, antes da chegada dos portugueses. Oman, Gujarat, etc…no jogo, pouco fazem, têm pouca capacidade de atrair dinheiro.

Contudo, está bem representado o facto de regiões na India e China serem altamente produtivas. Quando Vasco da Gama chegou à India, esse território juntamente com o Chinês deveria representar em conjunto um valor superior a 50% da produção mundial.

Mas lá está, é um jogo, tentam fazer dele o melhor possível. E está um jogo bom e divertido.
Espero que este post tenha ajudado.

Links uteis:

Ligações e potencial dos Trade Nodes: imgur.com/gallery/vFbhd.
Trade goods mais valiosos ao longo do jogo (preço médio): forum.paradoxplaza.com/forum/in … es.914875/.
Wiki da Paradox sobre comércio. Informações sobre os bónus, national ideias, trade idea set… : eu4wiki.com/Trade.[/font][/align]

Parabéns pelo tutorial.

Muito bom, muito bom mesmo!

Dei uma actualização há um tempo atrás.

Parabéns pela dedicação.