Como aumentar a população com os hunos?

Olá. Estou jogando uma campanha com os hunos e com mais de 40 turnos de jogo (dificuldade “normal”) ainda estou com as 3x hordas do início da campanha porque “ainda” não consegui um aumento de população que me permita ter mais exércitos. Tenho $$ (mais de 50 mil) e já consegui saquear metade dos assentamentos exigidos pela vitória “curta”. O problema mesmo é não conseguir recrutar mais exércitos e como o número de inimigos só faz aumentar… isto esta se tornando um problema sério.

Tenho deixado uma horda “acampada” e outras duas em batalha (sempre lutando lado-a-lado) e tentando sempre fazer uso da diplomacia para melhorar minha posição - coisa nem sempre possível quando praticamente “todos” consideram você um “enviado do demônio:smiley: - e no momento estou marchando contra Roma.

Estou fazendo (o que é provável…) alguma coisa errada? Estou pesquisando mais a árvore militar mas já pesquisei “toda” a primeira árvore da tecnologia civil. Quando acampado, quase sempre faço alguma construção que me de mais “comida”. Obrigado. :wink:

Não sei te responder mas focar em Welth se não me engano pode aumentar o surplus…

Acho q pesquisas Civis também devem agilizar isto.

Olá. Você quer dizer “riqueza” e fazer um excedente de ouro (a moeda do jogo sejá lá qual for…)? É que estou com mais de 50 mil em caixa e recebendo coisa de 2 mil por volta (reduz quando não estou acampado mas dificilmente fica em vermelho, até porque tenho 3x hordas só…). Já completei a primeira parte da árvore de pesquisa civil (estou focando mais a parte militar) e comecei a segunda.

Pensei (penso, na verdade) que estivesse fazendo algo errado :amor porque estou jogando no normal e tenho assistido vídeos do pessoal (o “totaltotalwar” aqui do Fórum mesmo, por exemplo) jogando no “hard” e com mais hordas enquanto eu no “normal” não consigo recrutar um mísero general. ;( Obrigado.

Se não me engano, somente se vcs estiver acampado vc pode recrutar outro general, até o limite do seu “Imperium” - ou seja lá o nome q recebeu no Attila, q ñ to lembrado xD
Sobre o Imperium, vc aumenta fazendo pesquisas, quantas mais, dos DOIS grupos, mais ele aumenta.

Olha, que eu lembre vc tem que se preocupar não só com pesquisas que aumentem o growth, como também com edifícios que façam isso também. Olhe sempre a ‘‘árvore’’ de edifícios, ao clicar com o botão direito do mouse sobre um deles. Aí vc verá qual deles aumenta o crescimento da população ou growth.

Tem um deles que faz isso, mas não me lembro agora. Se vc não achar, me avisa que eu vou procurar pra vc. É que nas campanhas que tentei com tribos migratórias, acabei me ferrando, e desistir de jogar com elas. Mas consegui entender razoavelmente o funcionamento desse novo sistema de horda.

É que o very hard do Attila é o very hard mesmo. Tenho jogado no hard, pois a AI ta muita chata no VH. Eles declaram guerra sem qualquer motivo e meio sem lógica. É mais um sistema dentro do jogo para torná-lo mais difícil, porém menos realista.

Eu queria dizer growth é que não me lembrava da palavra…

Mas se vc investir em coisas que aumenta o growth sua população vai crescer mais rapidamente.

Olá. Obrigado pelas respostas lagos158 e vou verificar as informações dos prédios, mas acho que o meu problema (também) foi por conta de eu ter deixado a cobrança das taxas no “máximo” desde praticamente o começo do jogo. Só ontem vi isto em que era mostrado o aumento da população em “zero” por conta dos impostos altos, mancada minha. :amor Reduzi os impostos para “zero” e o aumento da população ficou em “4” mas ainda vai demorar algumas voltas para poder recrutar um general, mas pelo menos a população voltou a crescer. Minhas reservas em ouro também estão sumindo sem os impostos.

Só que agora, além de meio mundo não gostar da minha facção - o que é natural - , meu melhor general (o sujeito estava cheio de upgrades, putz) se rebelou e com ele levou minhas melhores tropas. Acho que foi por conta dos impostos altos… acho. Ou seja, o que já era ruim, ficou pior. É bem complicado mesmo jogar com horda, mesmo no “normal” que é a dificuldade em que estou jogando.

Mas esta campanha esta servindo de aprendizado e a continuar assim, vou recomeçar e (tentar) cometer menos erros. Obrigado! :wink:

Jogando com hordas ou tribos migratórias, vigie sempre a integridade do seus exércitos. Eles podem se rebelar mesmo. Porém, se neste caso foi o seu general que se rebelou, vc pode não ter dado atenção aos avisos de diminuição da lealdade dele. Fique sempre de olho nisso. Eu também tenho aprendido com os erros. Não tenho paciência de jogar prólogos. Assim que comecei a jogar o Attila, já fui direto para uma campanha. Depois é que dei uma olhada no prólogo. Mas que me lembre, só joguei alguns turnos e parei… xD

Eu gosto é de jogar a Grand Campaing.

Olá. A máquina (AI) avisou sim de que este general estava para se rebelar, só que eu não sabia o que fazer para o sujeito voltar para o meu lado :smiley: e como não consegui melhorar a lealdade dele, tentei trasnferir as tropas “dele” para um outro general… só que não deu tempo. :angry: No fim tive de enfrantar o sujeito e, a mutio custo, consegui acabar com o rebelde.

Também não tive paciência com o prólogo… é aquela vontade de já sair jogando a campanha. A primeira parte do prólogo (que é MUITO chata!) até fiz, mas a segunda parte joguei umas 3x voltas só e parei, indo direto para uma campanha (com os Geats onde fui derrotado :smiley: ). Já estou na minha quarta campanha (onde perdi as três primeiras) e, ao que tudo indica será a minha 4a derrota porque não vai haver tempo para alcançar os objetivos. Acho que vou começar uma campanha com o sassanidas para, pelo menos vencer uma campanha e ganhar um pouco de moral. :smiley: Obrigado! :wink:

Não lhe recomendaria jogar com os Sassânidas, pois um dos objetivos é bem difícil de se alcançar. Que é manter 10 estados fantoches ou clientes. Quase sempre um deles se rebela e a campanha acaba se prolongando muito. Eu ganhei uma campanha com eles no hard e foi irritante toda hora ter que derrotar um estado cliente que se rebelava.

Sobre a questão da lealdade, vc pode assegurar a lealdade de um general usando alguém da sua família. Até as mulheres podem fazer isso. Tem um ícone com 2 mãos apertadas, como se estivessem se cumprimentando ou fechando um acordo. Esse ícone, em cada um dos membros da sua família, serve para vc aumentar a lealdade de um general. Vc clica nele e depois clica no general que está com a lealdade baixa. Daí no próximo turno, vai aparecer se vc conseguiu ou não aumentar a lealdade dele. Isso que é legal no Attila… Nem sempre suas manobras políticas dão certo. Daí vc tem que tentar de novo. Ou pode tentar matá-lo também. Tem várias maneiras de se fazer isso.

Uma coisa importante, que já ia esquecendo… O membro da sua família tem que ter gravitas suficientes para poder realizar ações políticas. Seja as de aumentar a lealdade, aumentar o controle político da sua família, assassinar oponentes etc. E o custo das ações depende do quão influente é o alvo. Ou seja, quanto mais gravitas ele tenha, mais irá lhe custar atingi-lo com uma ação política. Como, por exemplo, aumentar sua lealdade.

Espero ter ajudado. Qualquer coisa, só perguntar que tento te explicar.

Olá. Ninjabar eu acabei começando uma campanha com os Sassanidas porque a minha campanha com o Átila não teve mais jeito e ficar só apanhando e fujindo (porque ficou nisto mesmo…) estava bem chato e a campanha começou errado porque deixei os impostos nas alturas desde o começo do jogo e seguiu assim por uns… puxa mais de 60 turnos, acho.

Mas estou jogando no “normal” e no ano 403 já estou com 11 estados clientes e todos eles estão em “verde” e volta e meia envio um “presente” para eles pois tenho muito $$ já. Estou em guerra com o império romano do oriente, mas em paz com o do ocidente. Os romanos não são problema e já estou com mais de 50 províncias sobre meu controle. Acho que no “normal” é assim mesmo.

Problema mesmo é com a lealdade de uns dois generais (tenho 7x exércitos (5x em guerra com os romanos, 1x sufocando alguma revolta nos territórios conquistados junto com os agentes que estão fazendo um excelente trabalho e 1x na minha capital caso alguma coisa aconteça) e 1x armada) e alguns governadores. A influência esta em baixa e continua caindo e o poder este esta quase em “zero” mesmo.

Já estou usando estas opções que você citou para conseguir a lealdade e tanto com o líder como com a esposa dele e outros membros da família. Mas não esta lá dando muito certo. Acho que no “meu” caso é porque a influência de alguns membros esta alta demais para conseguir algum efeito sobre eles, talvez porque eu “promova” todo mundo… mesmo aqueles com lealdade “baixa”. Mas é bem interessante esta parte do jogo e enquanto nossos exércitos lutam no estrangeiro, em “casa” um outro grupo tenta nos apunhalar pelas costas! :smiley: Obrigado pelas informações. :wink:

A Política no Attila é bem melhor do que a do Rome 2.

Pra vc retomar o controle político, te recomendo colocar teus membros da família não somente como generais, mas também como governadores. Os governadores costumam conseguir bastante influência(gravitas). E é isso que conta pra vc aumentar o poder dentro do senado ou conselho tribal, como também sobre o seu povo. Se caso vc não tiver muitos membros na família, adote os generais mais influentes. Daí, rapidinho a balança de poder vai pender para o seu lado.

E por último e não menos importante: Sempre deixe seu rei com o melhor exército. E lute com ele sempre. Isso vai aumentar muito a influência dele.

Olá. Gostei dessas dicas sobre membros da família como governadores (nunca fiz isto), adotar generais influentes e levar o rei para o campo de batalha. Nunca adotei um general e sempre deixo o rei e o sucessor na retaguarda (longe da luta) para preservá-los. Ou seja, estava fazendo tudo errado. ;( Meu maior problema ainda é com a política no jogo, mas aos poucos vou entendendo. Obrigado!

O rei e o sucessor ficam atrás na luta, ele quis se referir (acho eu) para você lutar com os exércitos do rei.

Exato, ele se referia em botar o rei em batalha para desta forma conseguir vitórias, isso é uma política antiga, creio que desde o Rome I já era comum esta prática. No Rome II eu com Cartago conseguir superar as influências das demais famílias apenas com um gene… Digo com O general, Hannibal, enquanto ele tem 412 gravitas os demais não passam do 100, mas ele é o líder do meu principal exército em expansão, dê uma olhada no tópico de mostre seu império na sessão do Rome II, diariamente eu o atualizo. :wink:

De nada. Vai jogando que vc vai aprendendo com seus próprios erros.

Eu quis dizer levar o rei para o front mesmo. Levá-lo para o campo de batalha, conduzindo o melhor exército da facção.

Exatamente. E ainda coloco o herdeiro como governador de alguma província importante. E vou colocando ele nos cargos, conforme ganha gravitas. Daí quando o rei morre, coloco o novo rei no comando do mesmo exército do antigo rei. E pela experiência ganha como governador e nos cargos, ele já está com muita influência.

Olá. Comecei a levar o rei para a linha de frente e o sucessor esta comandando um exército, também, mas na retaguarda. Mas ainda estou apanhando muito (e olha que jogo no “normal”) com esta questão da política, menos mal que estou aprendendo com meus (muitos) erros. Estou jogando com os sassanidas (quase terminando) e a campanha ia muito bem até eu entrar numa guerra desenfreada com os romanos do oriente e, como resultado, apesar de conquistar quase todo o império deles… é revolta em tudo que é canto! :smiley: Estou achando este o mais difícil de todos os TW que joguei, ainda que, também é o de que mais gostei desde o Napoleon. O porém é que no Attila, tirando os sassanidas, todas as demais facções são um problema para jogar no começo. Obrigado.

Realmente, os Sassânidas e diria também os Ebdanians e os Geats, são os que têm o começo mais estável do jogo. Mas os Sassânidas são os mais estáveis.

E concordo contigo. O Attila não é somente o TW mais difícil que joguei, como o melhor também.