Contos do Espaço Profundo

Espero que essa AAR ´passe bastante desse ponto pois é quando as coisas começam a ficar interessantes.

2 Curtidas

Já já chega com as peripécias diplomáticas com outros seres hehe

3 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo V
Mais Descobertas e Um Novo Planeta

 Setembro, 2205. A ISS Astute detectou sinais de vida no subterrâneo de Esteraeus B III. Tal descoberta surpreende a equipe, que inicia maiores investigações.

 Janeiro, 2206. A investigação em Esteraeus B III descobriu formas de vida baseadas em silicone, criaturas que se alimentam de rochas criando vários túneis no processo. Além de uma forma de vida surpreendente, diversos minerais se acumulam nos túneis, tornando o planeta uma fonte farta dos mesmos.

 Janeiro, 2206. O constante crescimento populacional na Terra não cessa, e logo milhares de jovens alcançarão a idade adulta e estarão aptos para o trabalho. Com a premente necessidade de novos empregos, bem como o uso constante de cada vez mais energia, é iniciada a construção de um novo Distrito Gerador, com previsão de finalização ainda para Setembro desse mesmo ano.

 Março, 2206. O sistema triplo Esteraeus não cansa de surpreender. A ISS Astute localizou enormes estruturas na superfície de Esteraeus B I, e logo decide investigar do que se trata.

 Abril, 2206. A inspeção do sistema Erdosca termina, havendo descoberto outro mundo continental habitável, Erdosca III. Além de uma atmosfera respirável, o planeta é maior que a Terra. Sua descoberta confirma as anteriores, de que planetas assim não são tão raros quanto se supunha inicialmente. Logo a ISS Luchtaine é enviada para construir uma Base Estelar, e uma nova Nave Colonial começa a ser construída na Estação Sol.

 Abril, 2206. Com o aumento constante da necessidade de médicos e cientistas na Tecnocracia, é criada uma Divisão Científica, com programas de treinamento especiais e maior diversificação dos Departamentos de Pesquisa. Essa nova Tradição é uma aposta do Diretor-Geral para possibilitar um melhor e mais célere uso futuro das constantes descobertas das Naves Científicas.

 Setembro, 2206. As estruturas encontradas em Esteraeus B I ainda são enigmáticas, mesmo após toda a investigação realizada pela ISS Wanderer. Sendo chamadas pela tripulação de “Parque de Diversões”, aparentam ser um misto de rede de sensores e instalações artísticas. Sem nenhum risco (aparente), o local é marcado como possível ponto turístico para o futuro.

 Setembro, 2206. A ISS Astute detecta sinais de uma civilização antiga em Rurius C I. Entretanto, investigar mais profundamente será extremamente difícil, dada a superfície de magma do planeta e outras dificuldades técnicas, então a capitã Sally Charlesworth decide finalizar a inspeção do sistema antes de focar nessa Anomalia.

 Dezembro, 2206. Em Esteraeus B IIa é descoberta a presença de um elemento desconhecido. A equipe da ISS Wanderer o chamou de Partículas Voláteis, dada sua natureza. Acredita-se que podem ter diversos usos, entre os quais a geração de energia. Entretanto, uma forma de utilizar esse elemento ainda deverá ser desenvolvida. Por sua raridade e potencial, a Tecnocracia declarou que as Partículas Voláteis são recursos estratégicos e devem ser protegidos a qualquer custo.

 Abril, 2207. A ISS Foundation é concluída na Estação Sol, e logo preparada para colonizar o planeta Erdosca III. Milhares de corajosos pioneiros se despedem de suas famílias e amigos, embarcando para mais um grande passo da história da Tecnocracia Terrana. Enquanto a Nave Colonial inicia a viagem, a ISS Luchtaine inicia a construção de Estações de Mineração no sistema.

5 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo VI
Vida Inteligente em Bregglar III

 Junho, 2207. Instabilidades na emissão energética de Esteraeus C são detectadas, e a capitã Yekaterina Ivanova inicia maiores investigações.

 Novembro, 2207. Novas formas de Fraturamento Geotérmico são criadas pelo Departamento de Engenharia, possibilitando maior extração de minérios. Novas pesquisas em Padrões de Montagem para construções são iniciadas.

 Novembro, 2207. A descoberta de outros planetas capazes de suportar vida continuam a inspirar a população da Terra. Cada vez mais pessoas se interessam em auxiliar na fundação de novas colônias, iniciando uma nova era terrana. Uma nova Tradição nasce entre o povo, a de que a Expansão para outros planetas é necessária.

 Dezembro, 2207. Apesar de sucessivas análises de Esteraeus C, não houve mais traços da irregularidade antes detectada em sua emissão de energia. Embora a tripulação acredite que houvera um defeito nos sensores da nave, a capitã não acredita nisso. Analisando análises antigas de outros sistemas estelares, ela acredita que o mesmo padrão fora sendo detectado já há décadas. Embora improvável, sua teoria é de algo está afetando as estrelas da galáxia, aleatoriamente, e solicita à Diretoria que investigue mais a fundo.

 Dezembro, 2207. A colônia em Erdosca Prime é fundada, e a construção das primeiras unidades habitacionais, de energia e de produção de alimentos inicia. Na Terra, o Departamento de Colonização, criado para auxiliar as colônias em seus primeiros anos, quase não consegue dar conta de atender e preparar os interessados em migrar para as colônias.

 Dezembro, 2207. Uma nova Anomalia é detectada em Rurius B III. Mais especificamente, uma de suas pequenas luas parece conter enormes depósitos minerais. A tripulação da ISS Astute se prepara para investigar mais profundamente.

 Março, 2208. A ISS Astute descobriu que não apenas a lua anteriormente detectada, mas a maior parte do anel de Rurius B III, é formada por metais preciosos, que poderão ser aproveitados futuramente.

 Março, 2208. Com o sistema Rurius completamente inspecionado, a ISS Astute passa a investigar a Anomalia em Rurius C I. Dada a complexidade do planeta, levará anos para concluir essa missão, mas a capitã Sally Charlesworth está confiante de que será recompensador.

 Junho, 2208. Com a fundação da colônia em Erdosca Prime, uma Base Estelar começa a ser construída em Rurius A, para servir de entreposto aos colonos que seguem ao sistema Rurius.

 Junho, 2208. Uma descoberta surpreendente ocorre em Bregglar III: vida inteligente! Não apenas inteligente, mas os Lavis (como se descobriu se chamarem) já se encontram em nível tecnológico semelhante à da Terra no início do século XXI!

 Procurando evitar que os Lavis detectem a nave em órbita, uma nova Nave de Construção começa a ser construída na Estação Sol, para auxiliar na observação dessa civilização. Enquanto isso, a notícia se espalha pela Terra e pelas colônias, trazendo à tona a verdade sempre acreditada: não estamos sozinhos no universo.

 O Diretor-Geral fala ao povo, deixando claro que, nesse momento histórico, a Tecnocracia irá procura não interferir na evolução natural dos Lavis.

3 Curtidas

Excelente, acompanharei também! Gostaria de um dia escrever uma AAR de Stellaris, mas não tenho capacidade suficiente para ficção científica hahahahaha

Não pode faltar hahahahaha

2 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo VII
Wendel Prime

 Julho, 2208. A descoberta dos Lavis em Bregglar III ainda é o principal tema de discussão da comunidade científica terrana. Os dados preliminares apontam que, embora não tenham alcançado a unificação planetária nem o vôo espacial, sua cultura alcançou o equivalente à Era Atômica do Século XXI terrano, demonstrando, assim, inteligência e uma cultura avançada. Muitos xenólogos instam para que essa civilização seja estudada.

 Agosto, 2208. A colônia em Wendel Prime finalmente termina a construção dos módulos iniciais. Com a oportunidade de uma nova vida, muitos que se inscreveram no Departamento de Colonização iniciam a migração para a nova colônia, embora ainda deva levar anos até que se torne totalmente suficiente. Um Distrito Agrícola começa a ser construído, já pensando no futuro.

 Novembro, 2208. O Departamento de Sociedade finaliza o projeto de criação de uma Eco-Simulação, possibilitando a simulação de novas técnicas de plantio e o aumento a produção de comida. Seu próximo trabalho será estudar uma Unificação Planetária mais eficiente.

 Janeiro, 2209. A ISS Wanderer detecta leituras atmosféricas inconsistentes em Bregglar VI, que não condizem com outras análises de planetas semelhantes. Mais pesquisas começam a ser realizadas sobre essa Anomalia.

 Janeiro, 2209. Enquanto Bregglar VI é investigado, a nova Nave de Construção ISS Foundry é enviada para construir uma Base estelar no sistema.

 Março, 2209. A ISS Luchtaine finaliza a Base Estelar em Rurius, e inicia a construção de Estações de Mineração e Pesquisa no sistema.

 Abril, 2209. A ISS Wanderer determina que as leituras inconsistentes em Bregglar VI são causadas por materiais orgânicos que estão à deriva nas camadas superiores da atmosfera – se estes agrupamentos são fora ou fauna, impossível dizer, mas podem ser uma valiosa fonte de estudos.

 Julho, 2209. A Base Estelar é concluída em Bregglar, e um Posto de Observação, oculto dos habitantes, começa a ser construído em Bregglar III.

 Novembro, 2209. O Posto de Observação é finalizado, e sua equipe ordena a Observar de forma Passiva os Lavis, sem interferir em seu modo de vida. Enquanto isso, Estações de Mineração e Pesquisa começam a ser construídas no sistema.

 Fevereiro, 2210. Na Terra, um Holo-Teatro começa a ser planejado, para tornar mais confortável a vida dos habitantes e conter a alta migração para Wendel Prime.

 Fevereiro, 2210. Novos protocolos de Inteligência Artificial Administrativa são definidos, possibilitando uma melhor organização e, assim, auxiliando nas pesquisas. A Pesquisadora-Chefe do Departamento de Física, Qiao Hu, após discutir longamente com a Diretoria, inicia a criação de Protocolos de Exploração Automatizados, que deverão auxiliar na inspeção dos planetas encontrados.

 Maio, 2210. Com a conclusão da inspeção do sistema Esteraeus, a ISS Luchtaine é ordenada a construção uma Base Estelar para possibilitar maior exploração das descobertas nele.

4 Curtidas

Os ETs beligerantes estão demorando a chegar…

2 Curtidas

Mais paz e amor, @Lord_Victor… Podemos ser todos amiguinhos :face_with_hand_over_mouth:

2 Curtidas

Paz e amor nada, que venha a guerra! :japanese_ogre::imp::skull_and_crossbones:

2 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo VIII
Facções e Iluminismo

 Agosto, 2210. A ISS Wanderer, em inspeção no planeta Ksora VII, descobre que sua atmosfera é repleta de Gases Exóticos, nunca encontrados na Terra ou em outros planetas. A capitã Yekaterina Ivanova, após alguns testes, acredita que poderão ser muito úteis no futuro. Embora formas e utilizá-los com segurança ainda sejam desconhecidas, ela recomenda à Diretoria que seu uso futuro seja assegurado.

 Outubro, 2210. A recente colonização de Wendel Prime e Erdosca Prime têm causado uma verdadeira Febre de Colonização entre a população terrana. Cada vez mais pessoas se voluntariam para desbravar esses novos mundos que não param de ser descobertos. Tornou-se uma Tradição para muitos, se candidatar à uma das vagas entre os novos pioneiros.

 Novembro, 2210. A ISS Astute finalmente termina a inspeção da nave encontrada na órbita de Rurius C I. Sem sombra de dúvida, trata-se de uma nave Yuht, mas não qualquer nave. A julgar pela quantidade de corpos parcialmente preservados em cápsulas criogênicas, trata-se de uma nave colonial. Uma prova incontestável de que os Yuht, se não colonizaram vários mundos através da galáxia durante seu auge, ao menos tentaram. Cientistas da Terra começam a solicitar um estudo maior da nave, que indique de onde os Yuht vieram e para onde partiram.

 Janeiro, 2211. As descobertas e avanços obtidos desde o início da Era Espacial terrana têm causado mudanças na política da Tecnocracia. O próprio Diretor-Geral Pietro Giordano tem liderado a criação de uma nova facção política, A Associação de Tecnologistas. Com uma agenda que busca incitar o governo a focar ainda mais no avanço científico, por enquanto seu apoio à Diretoria é bem significativo…

 Abril, 2211. Com a construção de uma Base Estelar no sistema Esteraeus concluída, a ISS Foundry é ordenada a deixar o sistema Bregglar e ir auxiliar a ISS Luchtaine na construção de Estações de Mineração e Pesquisa no sistema.

 Maio, 2211. A ISS Astute termina uma análise rigorosa dos restos da nave Yuht encontrada em Rurius C I. Embora em péssimas condições, o estudo da estrutura e dos motores da nave dão a entender que os Yuht nunca romperam a velocidade da luz. As cápsulas criogênicas encontradas e outros dados recuperados sugerem, porém, que eles possuíam uma vida extremamente longa e, dessa forma, criaram um império estelar. Todos esses dados impulsionam a pesquisa da Tecnocracia sobremaneira.

 Julho, 2211. Uma nova facção começa a se formar na política terrana. Pouco após o Diretor-Geral Pietro Giordano apoiar a criação da Associação dos Tecnologistas, a cientista Sally Charlesworth toma a frente da Marcha dos Bravos. Essa nova facção possui tendência militarista, e seus membros falam abertamente da necessidade de a Tecnocracia se fortalecer também nesse aspecto.

 Agosto, 2211. Um aparentemente simples asteróide na órbita do sistema Kibbin chama a atenção da ISS Wanderer. Os sensores da Nave Científica detectaram níveis alarmantes de radiação no asteróide C-9000, e logo inicia uma varredura mais detalhada para descobrir o motivo.

 Dezembro, 2211. A construção dos primeiros assentamentos em Erdosca Prime é concluída, sendo muito festejada pelos pioneiros. Logo a primeira leva de novos imigrantes chega, e decide-se pela construção de um Distrito Agrícola para suportar sua nova população. As primeiras explorações dos arredores dão conta de que, dentre a geografia do planeta, dois pontos se destacam: um enorme Pântano Efervescente, com gases em abundância, e uma enorme Caverna Cristalina, cujo interior é composto quase exclusivamente de cristais raros. O Diretor-Geral recebeu com satisfação essas notícias, congratulando os pioneiros por sua dedicação à causa terrana.

 Janeiro, 2212. O Departamento de Sociedade terminou de compilar um histórico dos avanços terranos em sua unificação governamental, desde quando antigas tribos guerreavam entre si, passando pelas grandes nações e culminando na unificação do século passado. Tornando-se matéria obrigatória no sistema de ensino, esse estudo também objetiva trazer um fervor patriótico na população, independente de sua etnia, procurando aumentar a Unidade terrana.

 Janeiro, 2212. Tantos avanços em tão pouco tempo levaram o Diretor-Geral Pietro Giordano a promulgar uma mudança significativa nas políticas da Tecnocracia. Com a pressão das facções e a descoberta de vida inteligente, decidiu-se que a Tecnocracia Terrana passará a incentivar a evolução tecnológica de quaisquer civilizações consideradas primitivas que encontrarem, para que assim partilhem de todos os avanços que a Terra também tem descoberto. Embora com alguma objeção de poucos setores da sociedade, o Diretor-Geral deixou claro que “Manter outros povos inteligentes, independente de sua origem, presos ao passado quando poderiam usufruir de todos os avanços que temos agora e teremos no futuro, isso seria um crime! Estendamos a mão a eles, compartilhemos nossos séculos de conhecimento, e todos seremos beneficiados, pois será um novo amigo da Tecnocracia que estaremos ajudando!”

 Janeiro, 2212. A mudança na legislação acerca de Iluminismo Nativo, como passou a ser conhecida, teve o efeito de um rastilho de pólvora. Diversos setores começaram a indagar à Diretoria acerca dos Lavis, descobertos em Bregglar III. A observação dos últimos meses descobriu que são humanóides evoluídos do que, na Terra, seriam plantas. Prezam por uma sociedade Igualitária e, por seu entusiasmo acerca do cosmo e entre suas diferentes etnias, são considerados Xenófilos. Apesar disso, como os próprios terranos, também possuem um passado Militarista, de gerações em conflito através do planeta. Logo, respondendo a essas indagações, o Diretor-Geral ordena que o Posto de Observação inicie os protocolos de Iluminismo Tecnológico, incentivando, indiretamente, seu avanço científico até que alcancem o vôo espacial.

5 Curtidas

Avante, Marcha dos Bravos!

2 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo IX
Encontros e Descobertas

 Novembro, 2212. A ISS Astute descobre uma espécie de escotilha de docagem no asteróide B4-3-285, no sistema Mithar. Intrigada, a capitã Sally Charlesworth inicia uma investigação mais detalhada.

 Março, 2213. A ISS Astute descobre que o asteróide, aparentemente, servira de base a um bando de piratas alienígenas. Indo a bordo, a tripulação descobre que o local estava abandonado, certamente há milhares de anos. Encontram, também, um enorme tesouro, composto de uma série de artefatos e amuletos, provavelmente roubados pelos piratas, que poderão ser bem utilizados pela Tecnocracia.

 Maio, 2213. A ISS Wanderer faz uma descoberta inesperada no asteróide C-9000: no fundo de uma cratera, milhares de circuitos formam um estabilizador para um buraco de minhoca. Investigando mais a fundo, descobre-se que se trata de um buraco de minhoca de via única, e a entrada parece se encontrar em uma área ainda não mapeada, próxima de um buraco negro. O mais surpreendente, entretanto, é que pequenas quantidades de Matéria Escura - uma substância extremamente rara que poderá, no futuro, impulsionar a ciência a alturas ainda inimagináveis – atravessam esse buraco de minhoca, e poderão, um dia, ser extraídas do asteróide.

 Julho, 2213. Cada vez mais a descoberta de mundos colonizáveis impacta a sociedade terrana. A Tecnocracia inspira uma nova Tradição, de que pessoas com poucas chances na Terra podem começar Uma Nova Vida em uma das colônias. Essa campanha massiva a favor as colônias aumentou a taxa de migração para as novas colônias.

 Agosto e Setembro, 2213. As Naves Científicas concluem a inspeção dos sistemas estelares Mithar e Kibbin. O primeiro poderá, no futuro, servir como uma área de mineração, e o segundo, além da produção de energia, concentra o recente depósito de Matéria Escura. Ambos os sistemas deverão receber proteção da Tecnocracia no futuro.

 Dezembro, 2213. A ISS Wanderer faz uma descoberta surpreendente ao acessar, pela primeira vez, o sistema Siccon. Em órbita de um dos planetas do sistema, uma frota de naves alienígenas foi detectada pelos sensores. Sendo chamados no relatório de “Beta Aliens”, estes seres certamente são diferentes dos Lavis encontrados em Bregglar III. Enquanto a Diretoria inicia a análise dos dados coletados, a Wanderer deixa o sistema, evitando qualquer tipo de conflito.

 Janeiro, 2214. Enquanto aguarda a análise dos dados dos “Beta Aliens”, o Diretor-Geral Pietro Giordano ordena a construção de 7 novas Corvetas Classe-Nimble na Estação Sol, caso um conflito seja inevitável.

 Maio, 2214. A ISS Astute descobriu os restos de um antigo estaleiro orbital em Brink II, severamente danificado. Sem detectar sinais de vida a bordo, uma análise mais detalhada tem início.

4 Curtidas

São dois sóis?
Faz tempo que não jogo Stellaris, mas uma coisa que sempre gostei muito de fazer jogando foi ficar observando o design do espaço e os detalhes dos mundos e das estrelas. A Paradox fez um ótimo trabalho.

Off-topic: Estou pensando em começar uma AAR de CK2, mas como vocês sabem, meu estilo é mais focado no RP e narrativa que no jogo e suas características, então não sei se faço ou não. Fiquei desanimado de escrever AAR desde a minha única não-finalizada de M2TW, cujo save corrompeu. O que vocês acham, @Richardlh e @Hiryuu?

1 Curtida

Pois então, @Lord_Victor, eu peguei um sistema randômico pq daí tem chance de surgir os humanos, e seria interessante ver isso… Embora seja difícil… Ter saído um binário e vários múltiplos nas proximidades é sorte mesmo, rsrs
Escreve! Faz q nem eu, autosave mensal, 10 saves, e mais 2 manuais a cada 2-3 capítulos… Esse eu não perco mais… Espero…

2 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo X
Os Lavis Synergetics

 Setembro, 2214. O Departamento de Física conclui a criação de Protocolos de Exploração Automatizados, que auxiliarão as Naves Científicas na inspeção de sistemas desconhecidos. Com a recente descoberta de uma frota alienígena em Siccon, a prioridade da Tecnocracia passa a ser fortalecer nossa própria frota, e uma forma de aprimorar nossos Escudos Defletores começa a ser pesquisada.

 Outubro, 2214. A ISS Astute inspeciona o antigo estaleiro orbital, descobrindo tratar-se de um estaleiro automatizado, com pelo menos mil anos de idade, que fora atacado, provavelmente por mísseis. Embora danificado, um dos diques de construção ainda parece operacional, se a energia puder ser restaurada. A ISS Luchtaine é enviada imediatamente para trabalhar no estaleiro, enquanto a Astute segue para o sistema Higashik-Ata, trabalhar na escavação do Sitio Arqueológico.

 Novembro, 2214. O estudo dos dados acerca da frota alienígena encontrada em Siccon traz uma surpreendente descoberta: as “naves” são na realidade criaturas vivas, apesar de seu imenso tamanho, maiores que uma Corveta. Ainda são necessários maiores estudos sobre essa “Amebas Espaciais” para se descobrir de onde vieram, como cresceram tanto e, principalmente, como conseguem sobreviver no vácuo espacial.

 Novembro, 2214. A programação do novo sistema de simulação de Padrões de Montagem é concluída e entra em operação, de forma que novas construções poderão ser concluídas muito mais rapidamente. Da mesma forma que o Departamento de Física, o Departamento de Engenharia foca seus estudos na área militar, iniciando estudos na melhoria dos Canhões de Bobinas.

 Março, 2215. O sistema Ellor termina de ser inspecionado, sem nada muito relevante sendo encontrado. A ISS Wanderer, porém, é ordenada a suspender as inspeções e seguir para o sistema Erdosca, onde deverá aguardar novas ordens.

 Abril, 2215. Depois de anos trabalhando, primeiro de forma silenciosa, depois contatando os principais líderes das nações e, por fim, abertamente para acelerar o nível tecnológico de Bregglar III, finalmente os Lavis alcançam a unificação planetária e o vôo espacial. Referindo-se a si mesmos como Lavis Synergetics, seu governo é chamado de Megacorporação, tendo resultado da fusão das maiores empresas do planeta que assumiram os esforços de aprimoramento tecnológico sob nossa tutela. Anda agradecidos pela benevolência da Tecnocracia Terrana, os Lavis Synergetics aceitaram a Proteção da Tecnocracia, recebendo em troca, além do avanço tecnológico, todo o sistema Bregglar.

 Abril, 2215. Dentro das comemorações do avanço dos Lavis Synergetics e o pacto com a Tecnocracia, pela primeira vez o Diretor-Geral Pietro Giordano visita um planeta alienígena. Após os encontros entre o alto escalão das duas raças, fica definido um Tratado de Migração entre os Lavis e os Terranos. Nas palavras do Diretor-Geral, “Esse é um momento histórico para ambos, uma forma de demonstrar que, apesar de nossas diferenças, podemos todos trabalhar juntos pelo bem geral”, sendo complementado pelo CEO Petals of Ebony, “Que um intercâmbio entre nossos mundos é essencial para o avanço econômico de todos, e que a troca de idéias entre os povos apenas pode ser benéfica para o crescimento da Tecnocracia e dos Synergetics”. As comemorações se espalharam pela Terra e as demais colônias, com todos confiantes em um futuro ainda mais promissor.

4 Curtidas

Faz sim @Lord_Victor. Sempre sou a favor das AARs

Novembro, 2214. O estudo dos dados acerca da frota alienígena encontrada em Siccon traz uma surpreendente descoberta: as “naves” são na realidade criaturas vivas, apesar de seu imenso tamanho, maiores que uma Corveta. Ainda são necessários maiores estudos sobre essa “Amebas Espaciais” para se descobrir de onde vieram, como cresceram tanto e, principalmente, como conseguem sobreviver no vácuo espacial.
Lembro que teve esse evento nas outras duas AARs que você fez @Hiryuu

@Richardlh, acredito q seja um evento padrão do dlc Leviathan quando do primeiro encontro com uma dessas criaturas colossais.

2 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo XI
Escavações e Eleições

 Setembro, 2215. A ISS Astute chega a Higashik-Ata II, mas para iniciar a escavação do Sítio Arqueológico precisa aguardar a ISS Foundry construir uma Base Estelar no sistema.

 Fevereiro, 2216. A ISS Luchtaine termina os reparos no Estaleiro Orbital Automatizado, restaurando a energia na doca ainda operacional, que inicia imediatamente a construção ainda em sua programação. O estaleiro termina a construção de 3 naves classe-R44, equivalentes às Corvetas Terranas, mas com armamento muito mais avançado. Infelizmente, logo após a construção das 3 naves, o Estaleiro sofreu danos críticos e a tripulação da Luchtaine determinou ser impossível repará-lo novamente. As 3 naves foram tripuladas e receberam a ordem e seguir para o sistema Erdosca, onde se reunirão com a Strike Force Scylla. A ISS Luchtaine, por sua vez, é ordenada a construir uma Base Estelar no sistema Mithar.

 Maio, 2216. Com a construção da Base Estelar em Higashik-Ata, a ISS Astute inicia, finalmente, a escavação. A ISS Foundry, por sua vez, inicia a construção de Estações de Mineração e Pesquisa no sistema.

 Julho, 2216. Matshediso Iwu, uma jovem oficial, é promovida a Almirante da Strike Force Scylla. Conhecida por ser Inflexível nas simulações e treinamentos, ela parte, juntamente com a ISS Wanderer, explorar o sistema Ussaldon, onde os dados obtidos informam se localizar o chamado “Rubricador”.

 Agosto, 2216. Chegando a Ussaldon, a Strike Force Scylla e a ISS Wanderer localizam as coordenadas do Rubricador. Elas apontam para um Mundo Relíquia, um planeta classe 21 onde ruínas de uma imensa cidade cobrem o mundo inteiro. A ISS Wanderer inicia a inspeção do sistema, enquanto a Strike Force Scylla se mantém alerta caso haja alguma eventualidade.

 Setembro, 2216. Após concluir a Base Espacial no sistema Mithar, a ISS Luchtaine inicia a construção de Estações de Mineração e Pesquisa.

 Dezembro, 2216. A Diretoria institui a Educação Politécnica universal, determinando que seja Tradição que todos os Terranos sejam educados com base em princípios científicos multidisciplinares, preparando os futuros cidadãos para essa nova era tecnológica que a Terra vivencia.

 Março, 2218. O Departamento de Sociologia conclui a análise dos dados acerca das Amebas Espaciais, determinando que, embora sua origem não possa ser determinada, são animais solitários, mas “acompanhados” por flagelos espaciais, criaturas semi-autônomas criadas pela Ameba capazes de manipular objetos próximos de seu hospedeiro. Estudando mais detalhadamente os padrões de movimento dos flagelos, os cientistas foram capazes de programar os computadores das naves terranas para executarem manobras de evasão mais efetivas.

 Março, 2219. Concluindo as construções no sistema Mithar, a ISS Foundry segue para o sistema Kibbin, onde iniciará a construção de uma Estação Espacial.

 Janeiro, 2220. Após 20 anos da Era Espacial Terrana, o mandato do Diretor-Geral Pietro Giordano chega ao fim, e novas eleições têm início entre os membros da Diretoria Científica para escolher quem guiará a Tecnocracia pelos próximos 20 anos. Em seu discurso final, o Diretor-Geral disse que “Foram os grandes feitos dos líderes do passado que permitiram que eu guiasse a Tecnocracia nessa era histórica. Enfrentamos o desconhecido com a coragem e a curiosidade que sempre guiaram nosso povo, e muito ainda temos a descobrir nos anos que virão. É por isso, pela certeza de que tenho feito meu melhor nessa era de novas maravilhas, que também tenho a certeza de que ainda tenho muito a oferecer à Tecnocracia. É por isso que peço, uma vez mais, o mesmo voto de confiança que me foi dado há 20 anos, para que possa seguir meu trabalho à frente da Tecnocracia, à frente de nosso povo, certo de que farei meu melhor frente as maravilhas que ainda iremos descobrir no futuro.”

 Janeiro, 2220. Com o discurso de Pietro Giordano, uma rápida reunião se realiza entre os demais candidatos e as lideranças das Facções. Sem muita discussão, decidem retirar as demais candidaturas e apoiar o Diretor-Geral. Logo, a decisão é comunicada, recolocando Pietro Giordano como Diretor-Geral da Tecnocracia Terrana pelos próximos 20 anos.

4 Curtidas

Cade o ensino em Filosofia e Sociologia? Vai ser Educação Moral e Cívica e Organização Social?

2 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo XII
Mudança de Postura

 Janeiro, 2220. Uma das primeiras decisões do Diretor-Geral Pietro Giordano em seu novo mandato é iniciar uma Campanha de Reciclagem, dado a elevada utilização de Bens de Consumo pela população.

 Janeiro, 2220. Ainda em Janeiro, com ambas a ISS Astute quanto a ISS Wanderer envolvidas em escavações, é ordenada a construção de uma nova Nave Científica. Para comandá-la é promovida a cientista Naima al-Hazmi, conhecida por capacidade de adotar novos métodos científicos quando necessário. Em meados de Março, a ISS Wayfarer inicia sua jornada de inspeção em sistemas inexplorados.

 Maio, 2220. A ISS Astute envia um relatório do progresso na escavação do enorme buraco encontrado em Higashik-Ata III. Apesar da dificuldade em liberar e içar os detritos centenas de metros abaixo da superfície, com vários acidentes, inclusive, lentamente a escavação segue progredindo.

 Junho, 2220. A escavação em Ussaldon V prossegue, segundo o relatório da ISS Wanderer. Muito descobriu-se acerca de acontecimentos antigos, como combates entre os nativos e inimigos superiores, bem como fatores que impossibilitaram a fuga dos habitantes. Apesar de haverem encontrado relatos acerca do Rubricador, sua localização ainda é desconhecida da equipe.

 Junho-Julho, 2220. Diversos avanços científicos são alcançados na metade do ano. O Departamento de Física melhora o sistema de absorção de dano dos Defletores Aprimorados, o Departamento de Sociedade implanta em definitivo as mudanças no sistema de Burocracia Adaptativa, agilizando os trabalhos governamentais, enquanto o Departamento de Engenharia conclui o projeto dos novos Canhões de Bobinas. Novas pesquisas nos campos de Laboratórios de Zero Gravidade, Mapeamento de Genoma e Refinarias de Zero Gravidade são iniciadas pelos Departamentos, a fim de otimizar as pesquisas das Estações de Pesquisa, possibilitar tratamentos genéticos para doenças e ampliar a capacidade de Estações de Mineração, respectivamente.

 Setembro, 2220. Para atenuar o déficit na produção de Bens de Consumo, mesmo com a Campanha de Reciclagem, novas Indústrias Civis são construídas em Wendel Prime.

 Outubro, 2220. Com a Base Estelar concluída no sistema Kibbin, a ISS Foundry inicia a construção de Estações de Mineração no sistema.

 Novembro, 2220. As constantes descobertas advindas da exploração espacial e os notáveis avanços científicos dos últimos anos levam a população a acreditar ainda mais na Ciência, tornando-se Tradição que muitos tentem a carreira de Pesquisadores.

 Novembro, 2220. Assim como em Wendel Prime, em Erdosca Prime novas Indústrias Civis começam a ser construídas, para aumentar a produção de Bens de Consumo.

 Fevereiro, 2221. A ISS Wayfarer finaliza a inspeção do sistema Rubiz, considerando-o uma boa opção para a produção de energia e minerais. Em Abril, a ISS Luchtaine inicia a construção de uma Base Estelar.

 Junho, 2221. Novos relatórios são recebidos da ISS Wanderer. A busca no planeta Ussaldon V continua, com vários arquivos encontrados detalhando diversos artefatos, seus usos e perigos, bem como uma pista enigmática sobre a localização do Rubricador.

 Junho, 2221. A ISS Foundry finaliza as Estações de Mineração no sistema Kibbin, seguindo para construir uma Base Estelar no sistema Ksora.

 Julho, 2221. Os engenheiros da Tecnocracia concluem a modernização do projeto de Corvetas, utilizando os novos Defletores Aprimorados e Canhões de Bobinas. A Classe-Nimble é dividida nas Classes Agile, focada no uso de Canhões de Bobina e Lasers Vermelhos, e Lithe, equipada com Lasers Vermelhos e Mísseis Nucleares. A Strike Force Scylla, sem detectar nenhum perigo iminente no sistema Ussaldon, retorna para a Estação Sol aprimorar suas Corvetas Classe-Nimble para Classe-Agile.

 Novembro-Dezembro, 2221. A ISS Luchtaine e a ISS Foundry concluem a contrução das Bases Estelares nos sistemas Rubiz e Ksora, iniciando logo em seqüência a construção de Estações de Mineração.

 Janeiro, 2222. O sistema Vanniko é inspecionado pela ISS Wayfarer, mas é um sistema com poucos recursos para serem explorados de imediato.

 Junho, 2222. As Corvetas da Strike Force Scylla terminam de serem convertidas da Classe-Nimble para a Classe-Agile. Com o apoio dos Marcha dos Bravos, o Diretor-Geral ordena a construção de novas Corvetas Classe-Lithe para reforçar o poderio militar da Tecnocracia Terrana.

5 Curtidas