[DH] There'll Always Be An England

[center]There’ll Always Been an England[/align]

Jogo: Darkest Hour + Kaiserreich Legacy of The Weltkrieg
País: Canada/Reino Unido
Dificuldade: HARD
Agressividade da AI: Agressive
Objetivos:
1- Recuperar as ilhas britânicas.
2- Restaurar o Governo Francês atualmente exilado.
3- Eliminar a praga vermelha da face da terra.
Bônus: Se vingar da Alemanha.

Índice de Capítulos

Prólogo - O Legado da Grande Guerra

Capítulo 1 - O Discurso do Rei

Capítulo 02 – A Tempestade se aproxima

Capitulo 03 - Uma Nação dividida

Capítulo 04 - Morte aos Sindicalistas

Capítulo 05 - Além da Linha Vermelha

Capítulo 6 - A Estrada para Washington

Capítulo 07 - A Águia estende suas asas.

Capítulo 08 - A queda da Águia

Capítulo 09 - A promessa de um rei
Bônus- A liberdade chega ao Sul

Capítulo 10 - Aventura na terra dos vulcões

Capítulo 11 - O Mais longo dos dias

Capítulo 12 - A Besta agonizante

Capítulo 13 - Dieu et mon droit (Deus e meu direito)

Capítulo 14 Pt 1 - Paris está em chamas?
Capítulo 14 Pt 2 - O Retorno do Rei

Capítulo 15 - Um Vizinho Problemático
Um vizinho problemático - Final

Capítulo 16 - Reconstrução

Capítulo 17 - To Russia With Love

Capítulo 18 - Planos Sombrios

Capítulo 19 - O Crepúsculo dos deuses

Capítulo 20 - A grande ofensiva de primavera

Capítulo 21 - A Queda

Epílogo

Desde já acompanhando.

Prólogo - O Legado da Grande Guerra

7 de maio de 1915, durante uma viagem relativamente tranquila, o transatlântico Lusitânia atravessava o Atlântico Norte com destino a Liverpool (Inglaterra). Por volta das 7:10 da manhã a tripulação foi surpreendida por um impacto muito forte no casco do navio… Submarinos alemães, não havia outra resposta. A grande guerra já se arrastava pela Europa durante alguns meses, os alemães incapazes de atacar diretamente as ilhas britânicas iniciam uma guerra submarina irrestrita buscando sufocar o Reino Unido economicamente.

Felizmente, o capitão do Lusitânia após o susto inicial do impacto do torpedo, ordenou que as comportas estanques fossem fechadas, impedindo assim que a inundação deste se alastrasse. Os alemães ao perceberem uma bandeira americana no navio suspenderam o ataque. Após uma reparação de emergência nos setores danificados do transatlântico, este continua viagem em velocidade máxima até Liverpool sem maiores incidentes.

[center]Representação do Lusitânia sendo torpedeado[/align]

Após este pequeno incidente o governo americano protesta contra a guerra submarina irrestrita empreendida pela Alemanha. O Kaiser reconhecendo o perigo de trazer mais uma nação para o lado dos aliados envia um formal pedido de desculpas a Washington e ordena um controle maior sobre a guerra submarina, nenhum navio neutro seria atacado a partir daquele dia. Também nenhuma ação belicosa deveria ser feita em relação aos Estados Unidos da América, eles tinham que ser mantidos fora do conflito a todo custo.

Sem o risco de uma interferência americana os alemães iniciam sua grande ofensiva de primavera (Ofensiva Ludendorff) no norte da França em 21 de março de 1918, realizando ataques bem coordenados em realizando um avanço lento porém metódico e eficaz. As forças aliadas são cercadas em vários bolsões e destruídas. No dia 23 de Agosto de 1918 os alemães entram triunfantemente em Paris e acabando com qualquer chance de resistência dos Franceses.

[center]Soldados alemães marchando na frança ocupada, Julho 1918[/align]

Por fim no ano de 1919 alemães e austríacos lançaram uma ofensiva em conjunto na Itália, Destruindo as ultimas reservas do exército italiano e forçando o país a uma rendição incondicional. Terminava em março de 1919 a maior guerra que a humanidade já havia presenciado.

O Reino Unido se viu em um grande impasse. Totalmente incapaz de fazer frente aos alemães em uma guerra direta e libertar o continente. Mas tendo o controle dos mares de forma que os alemães nada mais podiam fazer contra sua ilha. Ao perder suas ultimas colônias no continente africano devido a revoltas incitadas pelos agentes do Kaiser o governo de Lloyd George finalmente concorda em assinar o que ficou conhecido como “paz com honra” com o governo imperial Alemão em 1921. Os termos deste tratado incluíam indenizações de guerra abusivas, a anexação do Congo Belga, Indochina Francesa e Luxemburgo e partes do Oeste da Rússia seriam libertadas e governadas por um governo pró Alemanha. Mas Grã-Bretanha, Japão e Portugal seriam mantidos ilesos. Foi assim assinado o Tratado de Dunquerque em janeiro de 1921.

[center]Assinatura do tratado de Dunquerque 22 de Janeiro de 1921[/align]

Com o domínio total do continente e temendo uma vitória dos vermelhos na Rússia o Kaiser ordena uma intervenção militar favorável aos exércitos brancos liderados por Alexander Kerensky. O Império Alemão iniciava o Século XX como a maior potência militar e industrial do mundo, nenhum país é capaz de fazer frente a sua indústria e a seu poder militar.

A França, derrotada e humilhada pelos alemães se viu em grandes dificuldades econômicas após o fim do conflito. Com isso a agitação promovida por grupos socialistas agora renomeados como sindicalistas e inspirados pela comuna de Paris de 1871 levou a greves gerais e posteriores revoltas armadas contra o governo responsável pela derrota diante dos alemães. Cercado e duas vezes humilhado os restos do governo Francês se refugia no que sobrou de suas colônias do Norte da África e proclama ser a verdadeira França.

[center]Greve geral em Paris, Barricadas erguidas por grupos sindicalistas em Maio de 1921[/align]
Na Alemanha agora em paz o Kaiser Wilhelm II alcança seu sonho de um “lugar ao sol”, mas a ditadura Hindenburg-Ludendorf que indiretamente governou o país durante a Grande Guerra luta para manter o controle do governo, que se vê criticado de um lado pelos democratas e do outro por aqueles que apoiam um ataque preventivo contra a França sindicalista/socialista. Os 2 generais são depostos de seus cargos em 1924 e tem suas funções substituídas pelo Grande Almirante Von Tirpitz, que governará durante uma era de ouro da supremacia alemã na Europa. Reino de Flandres (Antes Bélgica), Finlândia, Ducados Bálticos, Lituânia, Polônia, Ruthenia e Ucrânia são estabelecidos sob o comando de príncipes alemães e abertos para colonização germânica. O império Austro-Húngaro falha em sua renovação nacional após a morte do Imperador Karl em 1922, e sua economia e governo são progressivamente colocados sob influência alemã. No ano de 1927 o compromisso Austro-Húngaro é revisto e o governo Austro-Húngaro se divide.

O Império Otomano e a Bulgária conseguem sobreviver graças a ajuda alemã contra seus dissidentes internos (árabes e vizinhos dos balcãs). A Rússia desmembrada durante a guerra civil vive sob um regime democrático fraco liderado por Alexandre Kerensky. Com índices assustadores de corrupção e dissenção sem controle algum devido ao perdão estendido aos bolcheviques após a guerra civil e posições extremistas de generais brancos. Um golpe de estado liderado por Aleksandr Kolchak em 1925 falha e este é obrigado a fugir para o Japão.

O Reino Unido no ano de 1925 é seriamente atingido por dissidências internas e tem de lidar com revoltas apoiadas pelos alemães em seus territórios de além-mar como na Irlanda, na Índia ou na África. Uma greve geral sindicalista aos moldes do que ocorreu na França logo após a grande guerra leva a queda das ilhas britânicas e o exílio da família real britânica para o Canadá. A Índia se divide em 3 facções Rivais (Sindicalistas, Nacionalistas e Colonialistas). A África do Sul proclama sua independência, Austrália e Nova-Zelândia formam uma união auto nomeada Australásia e os alemães aproveitam o caos nas colônias e ocupam o que sobrou das colônias britânicas na África e Ásia em 1926.

[center]Frota britânica rumo ao Canadá transportando os exilados da revolução sindicalista de 1925[/align]

A França continental vive agora sob domínio dos sindicalistas, mas após a morte de Émile Pouget (líder anarquista-sindicalista) em 1931, o poder agora está nas mãos do inexperiente Marceau Pivert, que não conseguiu evitar o surgimento de facções poderosas e rivais. No exílio o governo francês caiu diante de um golpe nacionalista liderado pelo marechal Philippe Petain.

Na Ásia os alemães invadem a china no ano de 1926 restaurando o império Qing e uma administração alemã no país aos moldes do que os britânicos haviam estabelecido na Índia anos antes. O Japão permanece em silêncio buscando uma oportunidade de se expandir pela Ásia.

Nas Américas os Estados unidos adquirem uma política isolacionista sob o governo do presidente republicano Leonard Wood desde antes de serem atingidos pela quebra da bolsa de Nova York em 1929. As eleições de 1936 serão as mais disputadas desde 1860, com a União dos Sindicatos da América de Jack Reed prontos para uma revolta a qualquer momento. A autoridade americana na América do sul já entrou em colapso sendo a hegemonia no sul do continente disputada por revolucionários sindicalistas, agentes do Commonwealth (No qual o Canadá lidera agora sob governo da família real britânica) e agentes Alemães.

Estamos no ano de 1936, este foi o legado da Grande Guerra, O mundo vive um clima de incerteza, tudo indica que estamos caminhando para outro grande conflito. O próximos anos serão bem difíceis.

[BBvideo 640,400]http://www.youtube.com/watch?v=g8fmG-p-DlQ[/BBvideo]

Música para ouvir durante a leitura

Essa é uma das vezes que eu sinto falta de um botão de curtir.

Obrigado Richard. Capítulo 1 em breve.

É o que resume a opinião geral. :wink:

:hehe :hehe :hehe

Capítulo 1 - O Discurso do Rei

Música para ouvir durante a leitura
[BBvideo 640,400]http://www.youtube.com/watch?v=caP7VY5trw8[/BBvideo]

O ano de 1936 se inicia, após ter vencido as eleições por uma confortável maioria a situação do primeiro ministro Mackenzie King talvez pareça tranquila após a derrota de seu adversário, Richard Bedford Bennett do partido conservador e seus apoiadores britânicos, mas apesar disso sua situação não está tão garantida. O velho rei George V tem a cada dia piorado de seu estado de saúde, ainda assim, apesar de sua saúde debilitada, ele continua a se opor e moderar a influência do primeiro ministro na política canadense. Velho, senil e obcecado com a ideia de retomar as ilhas britânicas, George V dá muita credibilidade aos exilados britânicos que agora se sentam na Casa dos Lordes Canadenses (Conhecida como senado antes da revolução sindicalista nas ilhas). Sua presença na câmara ameaça atrapalhar o programa legislativo do primeiro ministro. Embora o Canadá tenha tido um grande “boom” em seu desenvolvimento devido a chegada de mão de obra especializada, capital e tecnologia trazidos pelos exilados, sua posição no teatro mundial ainda é de grande incerteza. Os próximos anos de governo real irão decisivamente transformar o futuro do país.

O Canadá no momento possui uma indústria limitada, focada na produção de bens de consumo e uma sociedade um tanto alheia quanto aos interesses do Commonwealth como um todo. Enquanto o primeiro ministro espera rivalizar com os EUA em influência e poder industrial e militar, existem aqueles que buscam retomar as ilhas britânicas e voltar para suas casas em um futuro próximo, mesmo que isso signifique a perda de algumas liberdades individuais e uma certa redução na sua qualidade de vida, mas a guerra demanda sacrifícios.


pôster que revela o sentimento dos exilados britânicos

Uma das primeiras medidas do novo governo canadense foi uma expansão industrial por todo o país, indústrias foram construídas de Ottawa a Vancouver, bem como novos Porta Aviões e Submarinos foram produzidos, tais medidas revelam claramente a divisão política do país, enquanto a indústria civil se expandia por outro lado, mais armas eram produzidas visando uma futura guerra com as nações sindicalistas. Também foi ordenada que os navios da marinha real ancorados na índia fossem trazidos imediatamente para o porto de Vancouver, eles não teriam utilidade alguma tão longe de casa, e nossos aliados na Índia são capazes de se defender sem eles.

No dia 12 de Janeiro recebemos uma notícia desagradável da Europa, um novo tipo de Sindicalismo/Socialismo havia surgido, este agora nomeado de totalismo começava a atrair seus seguidores em vários países europeus. Por outro lado soubemos que na América do Sul o partido comunista brasileiro havia sido dissolvido, embora isso não faça tanta diferença para o Canadá de imediato, isso pode significar um inimigo a menos nas Américas, o que obviamente é algo positivo.


As duas maiores nações sul americanas, La Plata (Argentina, Uruguai e Paraguai) e Brasil.

A situação na Europa é de instabilidade nas nações derrotadas. Recebemos a noticia em 13 de janeiro que Alexander Kerensky foi assassinado, jogando a Rússia em um clima de instabilidade ainda maior do que o que esta vivia e o risco de revoltas internas aproveitando o vácuo de poder, o governo decreta lei marcial e a violência toma de conta das ruas de São Petesburgo.

A situação política na Europa é a seguinte:


França nacionalista no norte da África e os nossos piores inimigos, a Comuna da França e a União Britânica.

Infelizmente o Rei George V não resistiu mais a sua idade avançada e por fim no dia 19 de Janeiro de 1936 ele morreu em um ataque de febre, este teve um funeral digno de um grande monarca e foi proclamado luto oficial por todos os países do commonwealth.



Funeral do rei George V

Com a morte do rei George o trono deveria passar para o seu filho, o Príncipe Edward de gales será coroado rei-imperador do império britânico nos próximos dias. No entanto, mesmo antes do corpo do seu velho pai esfriar, duas grandes facções políticas se enfrentam neste momento de incertezas. Uma liderada pelo primeiro ministro Mackenzie King que busca fortalecer e refinar a indústria canadense, bem como melhorar suas relações exteriores e outra liderada por Richard Bedford Bennett e seus apoiadores da “Diáspora” britânica que esperam mobilizar a economia canadense e lançar uma invasão a União Britânica em um futuro bem próximo, mesmo que isso signifique aumentar o autoritarismo e logo o fim de várias liberdades civis. O Príncipe deverá escolher um lado a quem apoiar nesta disputa política, ele por si só é popular tanto para o Canadá Francês e Inglês, portanto sua decisão terá um grande peso na opinião pública.

O príncipe decidiu por apoiar o primeiro ministro, mas apenas de forma limitada, afinal de contas, ele espera recuperar sua terra natal, mas isso não seria possível sem ter uma indústria bélica pronta para enfrentar a aliança sindicalista. Edward buscou um equilíbrio entre os dois extremos.

No dia 2 de fevereiro de 1936, foi coroado na primeira igreja anglicana de Ottawa, sua majestade real Edward VIII do Reino Unido, multidões por todo o país celebram a nova era da realeza canadense, eles ansiosamente esperam o primeiro discurso do rei a nação.

O discurso que se segue foi feito por Sua majestade Real no dia 4 de fevereiro de 1936 e ouvido por milhões de pessoas em todo o território canadense:

[i][size=100][font=Arial]Neste momento sombrio, um dos mais sombrios de nossa história, eu envio a todos os lares de meu povo, estejam eles em casa ou no exterior, esta mensagem, falada com a mesma profundidade de sentimento para cada um de vocês como se eu pudesse falar diante de todos vós pessoalmente.

Pela segunda vez na vida de muitos que me escutam neste momento estamos caminhando para mais uma guerra.

Vez após vez tentamos encontrar uma solução pacífica para resolvermos as diferenças entre nós e aqueles que são nossos inimigos. Mas infelizmente tudo isso foi em vão. Agora muitos de nós estamos aqui hoje, expulsos de seus lares por aqueles que deveriam estar ao nosso lado. Traidores de nosso país, traidores para com todos nós, Britânicos e Canadenses.

Temos sido forçados a um conflito, pois fomos ameaçados, nós e todos os nossos aliados por um princípio que se vier a prevalecer sobre esta terra, seria fatal para qualquer ordem civilizada no mundo.

Um principio que permite a um estado na plenitude de seu poder a ignorar tudo e qualquer coisa sagrada, a violar as propriedades e liberdades individuais de cada ser humano, e que autoriza o uso de meios cruéis e vis para destruir a soberania dos estados e trazer seus ideais para todo mundo.

Tal princípio despojado de todos os disfarces e mentiras pelas quais o tentam acobertar é a mera utopia irrealizável onde resultará em um mundo de crueldade e miséria. A liberdade de todos nós hoje se vê ameaçada por tal iniquidade.

Mais do que isso, uma vez concretizado os sonhos doentios daqueles que espalham estas ideias, os povos do mundo inteiro seriam mantidos em um cativeiro do medo, e toda e qualquer esperança de paz, segurança, justiça e liberdade seriam destruídas.

Esta questão que nos é apresentada é algo que para o bem de todos nós em nome da ordem mundial, da paz e da liberdade, é impossível não nos prontificarmos a enfrentar tal ameaça.

É a este elevado propósito que conclamo meu povo em toda a nação e nos territórios de além mar, que juntem se a nossa nobre causa.

Peço vos que se mantenham calmos, firmes e unidos neste tempo de julgamento, nossa tarefa será árdua.

Podem haver dias sombrios a frente, e a guerra não será restrita apenas aos campos de batalha. Mas podemos ter plena confiança de que estamos defendendo aquilo que é certo e reverentemente comprometemos nossa causa a Deus. Se todos nós nos mantermos fiéis a nossa causa, pronto para qualquer serviço ou sacrifício por nossa nação, por nossas famílias e por nossa liberdade, com a ajuda de Deus iremos prevalecer contra este mal que nos ameaça.

Que o Deus todo poderoso abençoe e proteja todos nós.[/font]
[/size][/i]
Edward VIII

Muito bom!

Acompanhando, talvez deva se ajudar com a Alemanha em um futuro e destruir os sindicalistas e retomar as Ilhas Britânicas nao? não devem estar nos planos eu acho…

A atual situação é em parte culpa dos Alemães, não tenho nenhum plano de me aliar com eles, entretanto caso venha haver guerra entre eles e os sindicalistas, posso tirar vantagem desta situação. Mas como já citado no começo, se for possível o Reino Unido irá se vingar da Alemanha.

Deus salve o rei.

Land of hope and glory, mother of the free
How shall we extol thee, who are born of thee?
Wider still and wider shall thy bounds be set
God, who made thee mighty, make thee mightier yet

Looks very promising…

Capítulo 02 – A Tempestade se aproxima

[BBvideo 640,400]http://www.youtube.com/watch?v=QlxSPdRzx5w[/BBvideo]

Após o discurso do Rei Edward as reações por todo o país foram diversas, alguns canadenses argumentavam que seriam arrastados para uma guerra que não lhes pertencia. Outros, porém, britânicos e canadenses entendiam o perigo que havia surgido sobre o mundo e que a praga do sindicalismo e qualquer vertente sua deveria ser eliminada o mais rápido possível, e que retomar a Grã Bretanha era uma excelente maneira de começar a fazer isso. O Império do mal precisava ser detido ou este se espalharia por toda a terra.

O projeto de expansão industrial no território canadense seguia a todo o vapor, enquanto novas fábricas foram construídas, medidas foram tomadas para melhorar a produção das já existentes, garantindo assim que o novo governo estava honrando seus objetivos propostos de elevar a posição do Canadá no cenário mundial.

No dia 12 de março de 1936 uma triste notícia chegou para o povo canadense, o Almirante David Beatty, morreu com 65 anos. Um herói da primeira batalha de Jutland e membro da casa dos Lordes, suas opiniões sobre guerra naval ainda tinham um enorme peso nos tempos atuais. O almirante sempre havia criticado o atual chefe da marinha e argumentou várias vezes na casa dos lordes que ele deveria ser substituído por um almirante britânico. Como sua última vontade ele pediu que fosse feita esta mudança. Embora o atual almirante seja um homem competente, o Rei concordou prontamente em honrar a última vontade de Beatty’s, a marinha canadense seria agora liderada pelo Almirante Chatfield, um comandante experiente e um dos muitos que havia sido expulso de seu lar pelos sindicalistas. Quem melhor para combate-los?

Recebemos notícia de um novo conflito na África subsaariana, Herman Göring, governador das colônias germânicas na África buscando trazer o controle total da região para o Kaiser conseguiu apoio do império para invadir as antigas colônias portuguesas de Moçambique e Angola. Nada podemos fazer contra tais atos belicosos, além disso, temos outras prioridades no momento. Edward se mostrou totalmente indiferente ao conflito. Talvez esta tenha sido sua melhor escolha.

Edward ansioso para realizar o sonho de seu pai e finalmente expulsar os socialistas de sua terra natal o mais breve possível, ordenou a integração total entre as forças armadas britânicas e canadenses. Atitude tomada um tanto quanto tarde, visto que a anos tais forças já agiam em conjunto, mas antes tarde do que nunca. Novas mudanças na estrutura de comando seriam anunciadas em breve.



Kenneth Stuart no primeiro tanque Valentine construído no Canadá

A primeira delas e uma das mais importantes seria quem teria o comando total das forças terrestres, decisão esta que deveria ser tomada com muito cuidado. Se o comando fosse dado a um canadense existia o risco de ele alienar os exilados. Mas de qualquer forma o futuro de todo o país e os interesses de ambos os lados deveriam ser levados em conta.
Por fim em 29 de março foi apontado Kenneth Stuart como comandante das forças canadenses, um canadense, veterano da grande guerra e simpático aos interesses da Entente que sem dúvida iria guiar os exilados de volta para Londres.

No início de Abril, uma carta chega as mãos do Rei. Um brilhante estrategista e um monarquista, John Frederick Charles “Boney” Fuller passou os últimos anos desenvolvendo várias novas doutrinas para as forças terrestres, doutrinas estas baseadas em velocidade, mecanização e uso de armas combinadas. Inspirado pelas experiências da guerra civil russa e do pequeno corpo de tanques britânicos no exército atual. Fuller concluiu suas proposições e pede para que sejam apresentadas a Stuart. Sem dúvida é algo inovador, mas que levará tempo para ser aprimorado. Edward, simpático a inovações no campo militar e entendendo que avanços estratégicos são necessários ao seu defasado exército concorda e apresenta as ideias ao marechal, que um pouco relutante as aceita e um programa de modernização e treinamento é iniciado.

Finalmente ao início de Maio inicia se uma das primeiras grandes tarefas que o novo rei terá pela frente. O difícil propósito de fortalecer a indústria canadense, integrar as forças armadas e encontrar um lugar para as centenas de milhares de exilados britânicos que chegavam ao país foi um verdadeiro teste de força para o povo e o novo governo canadense. Mas a tempestade inicial foi superada. O Canadá é uma nação forte. Mas ainda precisa refinar esta força se quiser competir com as outras grandes nações. O primeiro ministro e o seu governo estão, portanto montando uma nova lei que irá abordar os diferentes interesses nacionais que o Canadá atualmente enfrenta. Essa nova lei será conhecida como Bill-7 e será um esforço bipartidário a fim de unir os interesses de todos aqueles que constituem o Canadá.


Edward iniciando a sessão na Casa dos Lordes em 2 de Maio de 1936

O projeto de lei inclui um programa de segurança nacional, ao qual em nome da estabilidade e da união do país, mais poderes seriam conferidos ao Rei Edward, colocando seus poderes em certa igualdade com os do primeiro ministro, a figura do Rei deixaria de ser um mero símbolo e teria poderes ativos na política do estado. A segunda questão referente ao futuro da indústria Canadense, foi decidido pela construção e expansão de novas indústrias construídas e expandidas com subsídios fornecidos pelo governo, mas seriam administradas por iniciativa privada, o exército seria profissional e voluntário, a fim dos soldados terem as melhores condições possíveis. A medida de conceder poderes diretos ao Rei, provocou revolta no partido progressista, culminando com a sua retirada do governo. Eles não nos farão muita falta de qualquer maneira, um empecilho a menos para os nossos projetos. No dia 23 de maio de 1936 o Bill C-7 foi aprovado na casa dos Lordes.

Ao mesmo tempo em que tais eventos se desenrolam, recebemos a notícia que o primeiro congresso da terceira internacional socialista se inicia na velha França, reunindo representantes do socialismo/sindicalismo de todo o mundo e abordando os mais diversos temas a fim de proteger e espalhar sua ideologia podre pelo mundo.

Além deste congresso, chegam informações que bem próximos de todos está havendo uma grande agitação sindicalista nos Estados Unidos da América. Os efeitos da crise de 1929 lançaram o país em um enorme clima de instabilidade política e econômica, e claro os sindicalistas não poderiam perder essa chance. Um homem chamado Jack Reed líder de um grupo político chamado Combined Syndicates of America, formado por várias uniões de trabalhadores e socialistas em geral, é um dos candidatos a presidência em 1936. Supostamente luta pelos direitos dos trabalhadores. Mas nós sabemos melhor do que ninguém o que há por trás de seus ideais, rumores recentes indicam que existem guerrilhas se organizando em território americano com objetivos ainda desconhecidos. Como se isso não fosse suficiente a União Britânica e o México de Pancho Villa, dão apoio a Reed e seu bando de arruaceiros que promovem greves e tentam desestabilizar ainda mais o país. No sul, os estados agrícolas, extremamente afetados pela grande depressão de 1929. Fundam um novo partido, O American First Union Party liderado por Huey Long um ex senador do estado da Louisiana que almeja alcançar a presidência do país e reconstruir a economia destruída pela crise. O clima nos estados do sul é de instabilidade e alguns chegam a falar de secessão como aconteceu cerca de 70 anos atrás.



Da Esquerda para a direita: Huey Long do “American First”, John “Jack” Reed dos “Combined Syndicates” e Charles Curtis, candidato do partido republicano. Os três maiores inimigos nas eleições de 1936

O mundo sem dúvida está muito longe da paz, recebemos notícias de nossos aliados da França nacionalista que um novo governo estava sendo organizado. Talvez inspirados por sua história de vitórias e conquistas do passado, a monarquia foi restaurada e Napoleão IV agora governava os exilados franceses e proclamava um novo império. Sem dúvida são notícias interessantes e que pode significar o fortalecimento do nacionalismo francês, Louis Napoleão se mostrou um homem de grandes habilidades diplomáticas e militares e sem dúvida será um aliado de grande valor para a Entente.

Com a tensão emergente nos estados unidos da américa, a região da Nova Inglaterra muito conservadora para apoiar ideais sindicalistas e muito moderada para o “American First”, e com uma população se sentindo isolada do restante do país, está sob a influência direta de Ottawa. Joseph Kennedy, representando a elite política e empresarial da região nos informou que caso o pior venha a acontecer para o governo em Washington, este tem se mostrado incapaz e desinteressado em defender a região, sendo assim a região da Nova Inglaterra permite que tropas canadenses ocupem seu território em caso de emergência nacional. Esperemos que não chegue a esse ponto.

O primeiro ministro King, tendo observado o desenrolar dos fatos nos Estados Unidos chegou a conclusão que mais uma grande crise está a caminho. Ele sabe que as tensões provocadas pelo ato legislativo Bill-C7 e as preparações para enfrentar a União Britânica, tem exigido muito do governo. Mas ele sabe que algo deve ser feito, se um sindicalista vier a vencer as eleições presidenciais nos estados unidos será uma enorme ameaça a nossa segurança nacional, além disso o “American First” não é digno de confiança e totalmente imprevisível. Ele decide consultar o Rei sobre o que deve ser feito. Edward decide enviar uma carta para o comandante das forças armadas norte americanas e alertá-lo sobre o perigo iminente e o quão preocupante sãos os fatos.



Douglas MacArthur, o homem a quem confiamos a proteção dos Estados Unidos

Está feito, agora o futuro dos estados unidos está em jogo. A nação está dividida. Como medida preventiva, novas divisões de infantaria iniciam seu treinamento caso o pior venha a acontecer. Temos de estar preparados para tudo. A mobilização parcial é decretada.


Recrutas Canadenses se deixam suas famílias em agosto de 1936.

Excelente, Jord! Acompanhando! Agora, um conselho de amigo: deixa as imagens centralizadas. Dá um novo destaque durante a leitura.

Beleza victor, próximo capítulo eu arrumo isso.

Beleza. E nunca esqueça, pau nos soças! :pirata :briga :tapa :sparta

Será q teremos uma “reintegração”?