[EMPRESA]Companhia Comercial e Navegação Gesebiana

A grande atividade da indústria naval está fazendo com que novos estabelecimentos surjam no Império. Ciente disto, o Sr. Hohenzollern ordena a criação de uma Companhia Naval, que fará tanto o transportes de passageiros como o de cargas através das províncias do Império e através dos oceanos também.
[hr]
[right]Ivysson Luz Von Hohenzollern[/align]


Com as obras quase que concluídas, a Companhia Naval Hohenzollern está se tornando símbolo de um grande sonho familiar. Estima-se que pela noite as obras sejam concluídas, incluindo acertos de detalhes no interior do edifício da Companhia. Provavelmente amanhã, inicia-se a venda da primeira viagem da companhia através dos oceanos.

[hr]
[right]Ivysson Luz Von Hohenzollern[/align]

[font=Times New Roman][size=150]Depois de muitos esforços, a Companhia Naval está concluída. A primeira companhia deste ramo no Império, disponibilizará viagens entre províncias do Império e através dos outros continentes ao redor do mundo. Com navios que serão fornecidos pelo Estaleiro Naval Hohenzollern, a Companhia oferecerá a seus clientes, um serviço de qualidade, com profissionais treinados e adaptados na vida ao mar.

[center]Edifício da sede da Companhia, próximo ao porto.[/align]

Transatlânticos da Companhia
[spoil]
[center]GS Dunnord[/align]


[center]GS Friedrich[/align]


[center]GS Aidan Valeyard[/align][/spoil]

Rebocadores
[spoil]

[center]Rebocador GS Gesébia[/align][/spoil]

Dados Empresariais:
[spoil]Conta Corrente sob administração da Matriz - Companhia Comercial e Navegação Gesebiana - Matriz[/spoil]
[/size][/font]

Pela noite, alguns funcionários da Companhia Telephonica chegam ao estabelecimento, para instalação de linhas telephonicas, facilitando assim, a comunicação entre empresas, o Grupo Empresarial e a residência do Sr. Ivysson, Presidente do Grupo
[hr]
[right]Ivysson Luz Von Hohenzollern[/align]

Reunidos em um jantar, diretores da CNOH iniciam uma discussão sobre a construção de mais um navio. Alguns diretores acham que está cedo ainda, que deve-se esperar o retorno dos dois navios construídos recentemente, outros acham que deve-se arriscar. Ficou decidido, então que fariam uma reunião com o Presidente do Grupo Hohenzollern para decidirem de que maneira proceder neste assunto.
[hr]
[right]Ivysson Luz Von Hohenzollern[/align]

Com a reabertura da empresa, diretores estudam fazer uma reforma administrativa na empresa, bem como a aquisição de novos e modernas embarcações de transporte.
[hr]
[right]Ivysson Luz Von Hohenzollern[/align]

Os planos de reforma administrativa da Companhia de Navegação Oceânica esbarram numa ideia que vem crescendo ultimamente, que é a de uma possível e muito esperada fusão com outra empresa do Grupo Empresarial, a Companhia de Comércio Gesebiana. Em muitas reuniões já realizadas, diretores estabeleceram alguns pontos a serem discutidos, e dentro de algumas semanas, apresentarão um projeto de fusão para a Companhia de Comércio e para o Grupo Empresarial.

Ao saberem do trâmite de um novo Plano de Gestão na Companhia de Comércio Gesebiana, diretores da Companhia de Navegação ficaram muito otimistas. Entretanto, ficaram preocupados com a relutância de boa parte dos conselheiros da Companhia de Comércio para com a fusão e esperam conseguir uma nova reunião para discutirem os pontos e, consequentemente, votarem a favor da fusão.

[font=Times New Roman][size=150][i]Enquanto a fusão entre empresas não é decidida, representantes do Estaleiro Naval compareceram hoje à sede da Companhia de Navegação, para um almoço com diretores da mesma.

Durante e após a refeição, fora debatido as possibilidades da construção de uma grande navio por parte do Estaleiro, encomendado pela Companhia. Visando aumentar seu leque de operações, a Companhia busca aquisição de novos navios para darem conta das viagens internacionais.

Entretanto, a reunião terminou sem uma definição, o que deixou os representantes do Estaleiro um pouco preocupados, pois estes passam por uma situação financeira complicada.[/i][/size][/font]


[tab=30]As novas regras econômicas vigentes no Arquiducado fazem com que a Companhia Comercial ganhe maior autonomia. É iniciado então, um processo para reforma administrativa e atualização de todos os dados financeiros e jurídicos para que a empresa se adeque as novas diretrizes.


[tab=30]Após uma minuciosa conferência nos balanços da empresa, a diretoria executiva localiza um rombo de poucos mais de G$s 1.500,00, que foram extraviados. Por conta disto, é aberto um processo para descobrirem o paradeiro do valor extraviado.


[tab=30]Com uma queda no fluxo migratório, a empresa tem uma queda nos lucros e isso preocupa seriamente a toda diretoria.