[EMPRESA] Fazenda do Fogo Fátuo - Mindën

[justify][size=150][font=fantasy][tab=30]Procurando um fornecimento mais constante de comida no Ducado, o Duque Alexander comprou uma grande área de terras a leste de Mindën, num local conhecido como Pântano do Fogo Fátuo, devido às histórias de que espíritos de antigos combates da região apareciam à noite. Após muito trabalho, a água em excesso foi drenada e construiu-se todo o necessário para o funcionamento de uma das maiores fazendas da Cisalpínia.

[tab=30]Produzindo trigo, milho, arroz e feijão, a produção é totalmente direcionada ao consumo interno do Ducado.

[tab=30]Até o momento, nenhum dos trabalhadores da fazenda acusou a visão de algum Fogo Fátuo nos campos…[/font][/size][/align]

[justify]Dados Empresariais:
[spoil]Razão Social: Fazenda do Fogo Fátuo
Conta-Corrente: J013-6
Tipo e Porte: Agronegócio Grande (8)
Matéria-Prima Necessária: -
Contratos de Compra: -
Importações: -
Produção: trigo, milho, arroz e feijão
Contratos de Venda:
Fábrica de Enlatados TinTin
Fazenda de Porcos Ol’ Big Mac
Mercado Público Draconiano
Eletricidade da CEDR
Exportação: -
Funcionários: -
Proprietário: Duque Alexander Di Draconi
[/align][/spoil]

[spoil]

[justify][tab=30]Dados os recentes problemas diplomáticos entre a Federação e o restante do Império, os Conglomerados decidem expandir sua base instalada em Cisalpe, iniciando uma nova construção. Estima-se que entre 3 e 5 dias a mesma esteja operacional.[/align][/spoil]

[justify][tab=30]Após um longo mês de construção, compra de equipamentos e treinamento dos funcionários, a Fazenda do Fogo Fátuo finalmente abre suas portas ao povo do Império.[/align]

Funcionários da CSC chegam à fazenda para fazer o transporte de produtos.

[justify][tab=30]Uma nova colheita de trigo é iniciada. A maior parte servirá para produção de farinha, mas a produção também terá destino para a produção de feno para animais e na produção da chamada “cerveja de trigo”.[/align]

[justify][tab=30]A safra de arroz termina de ser colhida e armazenada à espera de compradores.[/align]

[justify][tab=30]Chegando à Fazenda, sua última visita às empresas da Cisalpínia, Akemi é recebida pelo Capataz. Pede informações sobre os funcionários e a produção, analisa os contratos firmados, os dados sobre produtividade, toma notas e, após agradecer a atenção, segue aguardar o Expresso da Meia-Noite.[/align]

[justify][tab=30]Um carregamento de milho verde deixa a fazenda, com destino à Fábrica de Enlatados TinTin.[/align]

[justify][tab=30]Mais um carregamento deixa a fazenda, desta vez dentro das carroças da Transportadora Caçador.[/align]

[justify][tab=30]O excesso de chuvas, que deixou boa parte dos campos debaixo d’água, acabou por impactar a produção. Embora não tenha afetado sobremaneira as plantações de milho e arroz, o trigo e feijão tiveram substancial queda na produtividade.[/align]

[justify][tab=30]Os trabalhadores da fazenda discutem o uso de novas sementes na plantação, com qualidades menos suscetíveis a sofrerem com o excesso de chuva.[/align]

[justify][tab=30]Carroças da Transportes Caçadores chegam de madrugada à Fazenda, após ficarem atoladas na estrada devidos ás fortes chuvas. Dado o avançado da hora, recebem jantar e um local para dormirem.[/align]

Já pela manhã, após tomarem o desjejum, os funcionários da Transportes Caçador carregam as carroças e partem em viagem, agradecendo a hospitalidade.

[justify][tab=30]Ao limpar o quarto onde os hóspedes ficaram hospedados, encontra-se uma pequena pasta, cheia de papéis que parecem ser o itinerário dos próximos dias que a Transportes Caçador teria de realizar. Primeiro pensa-se em seguir até Essen, onde provavelmente a carga será embarcada, mas decide-se por aguardar, já que logo outro carregamento será levados pela empresa.[/align]

[justify][tab=30]Apesar dos problemas, a colheita da produção acaba por ser concluída e enviada aos clientes.[/align]

[justify][tab=30]Os trabalhos de colheita seguem sem parar. Tudo deve ser concluído antes do final do mês para que os novos campos possam ser semeados de forma que o inverno não impacte na colheita futura.[/align]

[justify][tab=30]Uma praga toma conta de uma das fazendas de trigo. Para evitar que se espalhasse, as plantas são arrancadas e queimadas. em seguida, começa novamente o preparo da terra para o replantio.[/align]

[justify][tab=30]As fortes chuvas inundaram boa parte da fazenda, felizmente parece que não chegou a afetar a qualidade das plantas, embora tal apenas poderá ser verificado com o tempo.[/align]

[justify][tab=30]Enquanto as últimas sacas de milho são colhidas, as pastagens de inverno já começam a ser semeadas, para recuperar a terra e alimentar os animais da fazenda. Cerca de dois acres, entretanto, serão semeados com centeio, resistente ao frio, como forma de avaliar a produtividade e a possibilidade de ser adotado em definitivo.[/align]

[justify][tab=30]Uma geada prematura acaba por danificar parte do milho que ainda estava por ser colhido. Felizmente, ainda servirá para trato aos animais da Fazenda.[/align]

[justify][tab=30]A terra começa a ser semeada com pastagem de inverno, que servirá de adubo para a próxima safra.[/align]