[EMPRESA] Fazenda dos Açores - Filial I - Padova

[center]Fazenda dos Açores - Filial I[/align]

Histórico Empresarial:
[spoil][justify][tab=30]A Fazenda dos Açores fora fundada no dia 14 de fevereiro de 1891, uma fazenda tipicamente romaniana, fora fundada na zona rural próxima a capital da província, o fundador da Fazenda dos Açores é o Sr. Eduardo H. di Medeiros-Valeryard, descendente de fazendeiros e políticos romanianos. Atualmente a fazenda esta focada na produção de trigo, frutas e um pequeno haras, a fazenda também é conhecida pelo seu ótimo café, tendo vastos cafezais, a Fazenda dos Açores se destaca na produção de café.
[tab=30]A fazenda recebeu este nome em homenagem a alguns dos antepassados da Família de Medeiros que vieram da ilha dos Açores para Gesébia, os primeiros de uma das mais antigas Famílias de Gesébia.[/align]
[/spoil]

[size=150][font=Times New Roman]Dados Empresariais:
[spoil]

[/font][/size][/spoil]

Depois de se reunir com políticos e empresários, o Conde fora visitar a sua mais recente propriedade rural, lá ele conversou com trabalhadores e moradores, uma das diferenças das Fazendas do Conde é o fato delas abrigarem famílias carentes que podem retirar o seu sustento destas terras sem ter que pagar nada.
O Conde tomou café e comeu bolos e pães preparados pelos moradores, depois ele andou pela propriedade, verificou a qualidade de alguns alimentos e o estado das habitações familiares.

Durante toda a semana novas mudas de café são plantadas, algumas sacas são recolhidas, armazenadas ou enviadas para o Mercado em Romulus.

Com o rápido crescimento da população não só da Romania como do Império, o administrador da fazenda iniciou um estudo para verificar a possibilidade de criar gado nos vastos campos ao oeste da fazenda.

[justify][tab=30]Com a safra de 1892 já em processo de plantio, as atividades da fazenda concentravam-se na manutenção da mesma e na exportação de 3000 sacas de trigo, referentes a safra do ano anterior.[/align]

[size=140][font=Times New Roman][justify][tab=30]Enquanto a produção segue para exportação,rumo a região norte do Reino da Dracônia, alguns dos empregados trabalham colhendo uma pequena quantia de aveia, que fora plantada como teste. Caso a produção se mostrar realmente viável, o capataz pensa em diversivicar a produção total da fazenda, lavrando novos campos para dar espaço a esta outra cultura.

[/align][/font][/size]

[justify][tab=30]Seguindo as orientações da matriz, o Capataz da Filial I tratou de organizar o encaminhamento de parte do estoque para exportação, enquanto delegava ao restante dos funcionários o plantio de aveia em cerca de 30 hectares.[/align]

[justify][tab=30]Um banquete fora organizado para os funcionários, em comemoração ao bom ano produtivo e, também, em função das festas natalinas. A produção seguiu em sua totalidade para a exportação.[/align]


[tab=30]Com a mudança de direção, algumas alterações do quadro de colaboradores começa a ser efetuada.


[tab=30]Boa parte dos cidadãos que vivem em torno da fazenda se unem para fazer a colheita do trigo. Neste mês, após plantação recorde, espera-se colheita recorde, que auxiliará no desenvolvimento local e de todo o reino.


[tab=30]Uma praga reduz parte considerável da produção, afetando os lucros da empresa.

[tab=30]
[tab=30]Alguns insumos produzidos na fazenda são encaminhados aos pequenos comércios locais para serem vendidos à população.


[tab=30]Com o sucesso da colheita de trigo, os grãos ensacados serão encaminhados à exportação, de onde partirão de navio para a Dinamarca, satisfazendo alguns contratos comerciais formalizados com a fazenda.


[tab=30]Com a formação das Fazendas Reunidas Romanianas, a unidade passa por uma intensa reformulação em sua administração.