[EMPRESA] Hotel Estrela do Norte

[spoil][justify][tab=30]Alguns operários começam a fazer a terraplanagem de um terreno e é posto uma placa na frente:[/align]

[center]FUTURAS INSTALAÇÕES DO HOTEL ESTRELA DO NORTE[/align][/spoil]

[tab=30]Após alguns problemas na construção e no término da obra, é inaugurado o Hotel Estrela do Norte. Dedicado para a hospedagem dos mais diversos tipos de pessoas é o local perfeito para todo aquele que precisa fazer sua paragem nas belas terras de Dunord. Com preços variando de G$s10.000,00 até G$s550.000,00 por semestre, conforme o grau de conforto dos quartos.

[center][/align]

Dados Empresariais:
[spoil]Sob responsabilidade da Matriz[/spoil]

Divilly para em frente ao terreno e estima suas medidas, perguntando ao responsável pelos operários quantos quartos haverão.

[justify][tab=30]Em vista do créscimo pujante da economia local e do movimento no hotel, algumas salas são redeecoradas para oferecer maior conforto aos hóspedes.[/align]

[center][/align]

[justify][tab=30]Cada dia mais técnicos estrangeiros e pessoas de fora de Dunord se hospedam no hotel visto o gradativo aumento dos empregos em Dunord.[/align]

Chego ao hotel e rapidamente os funcionários arrumam um quarto para mim. Subo, tomo um banho, ponho meu terno e saio para jantar.

[justify]À quase meia-noite, uma caleche para em frente ao Estrela do Norte. Ródion e Wallace descem e entram no saguão. Ródion conversa com os recepcionistas, que logam arrumam dois quartos. Então, Ródion e Wallace sobem cada um para seu quarto. Assim que Ródion chega em seu quarto, põe o chesterfield e o derby em um mancebo, a bengala sob uma mesa, então toma uma taça de vinho que pede ao hotel, e depois adormece.[/align]

O Imperador chega ao Hall de entrada do Hotel, cumprimenta alguns dos funcionários que ali estavam enquanto um dos seus acompanhantes dirige-se à recepção do Hotel para fazer o Check-in, onde certifica-se de que sejam disponibilizados os melhores aposentos para Sua Majestade.

[justify][size=150][font=fantasy][tab=30]- Boa noite, meus caros. Sei que devem estar movimentados, não quero nada especial, qualquer quarto está de bom tamanho, desde que possua uma cama para descansar estes velhos ossos.

[tab=30]Após ser cumprimentado pelo funcionários, o Duque é acompanhado até a Suite Royale, pedindo uma garrafa de rum e desabando na cama após isso.[/font][/size][/align]

Após acordar cedo e verificar que fosse entregue um bom café da manhã para os hospedes, especialmente o Imperador. Faço, juntamente com dois seguranças, uma ronda em todos os cantos do hotel. Depois deixo ordens detalhadas sobre a segurança do hotel, especialmente do imperador.

Após fazer o check-in, o Visconde dirigiu-se à uma das suítes mais caras do hotel e lá permaneceu o resto da noite. Já pelo dia, acordou cedo, tomou um banho e vestiu-se em trajes pretos junto de um sobretudo e chapéu também pretos, e prendeu em sua cintura sua tradicional cartucheira, junto de seus inseparáveis Willer Whitesnake .45; tomou seu café da manhã e partiu para caminhar na cidade.

[justify]Quando acordou, em torno das 8 horas, Ródion saiu rapidamente e voltou com edições da Gazeta, da Folha e da Atalaia. Depois de ler tudo, e tomar apenas uma xícara de café do hotel, vestiu o traje completo, e em torno do meio-dia, acompanhado de Wallace, partiram para o almoço.[/align]

[justify][tab=30]- Boa noite, Duque.
[tab=30]- Boa noite, minha cara. Feche a conta, por favor.
[tab=30]- Perfeitamente, senhor… aqui está.
[tab=30]- Poderia me conseguir um cabriolé para levar-me à Estação?
[tab=30]- Certamente, temos um exclusivo para os clientes.
[tab=30]- Obrigado, querida.
[/align]

Após o almoço, Ródion desce à recepção e já carregando suas malas, pede o fechamento da conta. Ele já está vestido para a viagem, o seu chesterfield favorito, e uma cartola bem lustrada. Carregando a bengala que trouxera de Firgen debaixo do braço, logo chama um ajudante do hotel para levar as malas ao fiacre para os clientes do Hotel. Ródion deixa uma gorjeta satisfatória, acende o churchwarden, e conversando com o cocheiro, espera por Wallace que terminava de organizar os papéis que redigira como crítica e analise das descobertas expostas no Museu de História Natural. Logo, Wallace desce, e por fim embarcam no fiacre em direção à estação La Luna.

Chegando no hotel,Stanislau conversa com os recepcionistas procurando um quarto razoável,sem aquelas frescuras de decorações mas com uma boa cama para dormir na noite.
Ele pega a chave do quarto,sobe as escadas e adentra o mesmo,dentro do quarto ele guarda suas malas,veste uma roupa confortável e saí do hotel em direção ao porto.

Um jovem cujo o mesmo se mostrava cansado além de feições eslavas adentra no hotel e segue diretamente à recepção onde entrega ao empregado bilhete que o senhor comissário Ricardo o entregou garantindo para este alguns dias de hospedagem ao mesmo.

O hotel estava totalmente preparado para a nova denominação empresarial, bem como as mudanças na estrutura da rede de hotéis a que pertencerá.

[font=Garamond][size=150]Por volta das 02:15.

O Chanceler e sua comitiva chegaram no hotel, reservaram alguns quartos e foram para os mesmos.

Por volta das 08:25.

O Chanceler tomou o seu desjejum no hotel e se reuniu com a sua secretária, repassou a agenda do dia, despachou alguns telegramas e deixou o hotel acompanhado por dois legionários. [/size][/font]

Durante o início da manhã, no corredor do terceiro andar do prédio, o corpo de um importante empresário de Gardignon foi achado por funcionários sentado no chão encostado na parede, com uma flecha na aorta e uma marca de mão feita com o sangue da vítima na parede.

Rapidamente os funcionários chamam a Gendarmeria, que isola o local, realiza a coleta de provas, o levantamento de possíveis suspeitos e o repasse do caso ao Comissário.