[EMPRESA] Invernada do Capão de Cima - Ajaccio

[justify][size=150][font=fantasy][tab=30]Criada para suprir a necessidade de carne de gado no Império, a Invernada do Capão de Cima possui animais selecionados, com grande rendimento em carne, sempre macia. O nome da fazenda provém de um pequeno bosque localizado no topo de uma colina, próximo à sede da fazenda.

[tab=30]O gado é alimentado por grandes pastagens naturais, divididas em grandes campos intersectados por corredores, com os animais sendo campereados regularmente, de acordo com a idade e tamanho do pasto, garantindo assim uma alimentação de qualidade durante todo o ano.

[tab=30]O processo de abate é feito com todo cuidado e limpeza, com a qualidade sempre em primeiro lugar. O gado abatido é então dividido em 4 partes e, após salgado, enviado para açougues e restaurantes por todo o Império. Também se produz couro curtido, muito utilizado na produção de artigos de montaria e de artesanato.[/font][/size][/align]

[spoil]Dados Empresariais:
Razão Social: Invernada do Capão de Cima
Conta-Corrente: J002-5
Tipo e Porte: Agronegócio Grande (8)
Matéria-Prima Necessária: -
Contratos de Compra:
Transporte com a Transportes Caçador
Importações: -
Produção: Carne de Gado e Couro Curtido
Contratos de Venda:
Carne de Gado para a Rede de Açougues Di Italia (6)
Carne de Gado para o Embutidos Valle D’Aosta (2)
Carne para a Churrascaria Bom Gaúcho (2)
Exportação: Couro Curtido (8) e Carne (2)
Funcionários: -
Proprietário: Alexander Di Draconi[/spoil]

Logo após o envio de um novo carregamento de carne para a Rede de Açougues Di Italia, outro carregamento, desta vez para o Embutidos Vale D’Aosta, termina de ser preparado e as carroças saem carregadas.

[justify][tab=30]Um exemplo entre tantas propriedades da região, a Invernada vem sofrendo com o abigeato ultimamente, tendo vários de seus animais furtados e até mesmo mortos.[/align]

[offtopic]Atenção, imagem de animais mortos.
[spoil][/spoil][/offtopic]

[justify][size=150][font=fantasy][tab=30]Andrea Di Bianco, capataz da fazenda, inspeciona a carne a ser enviada para os açougues do Duque:

[tab=30]- Muito bom, já sabem, sem parar pelo caminho, e embarquem no primeiro trem de carga. Mesmo salgada esta carne não pode demorar achegar aos açougues.
[tab=30]- Fique tranqüilo patrão, já estamos acostumados com as entregas.
[tab=30]- Sei disso Giovanni, mas também sabes como têm sido a questão do roubo de gado por aqui. Se invadiram a fazenda à noite, o que impede que roubem a carne já pronta?
[tab=30]- Quero ver tentarem… - responde Lucca, terminando de carregar seu Winchester 1886.
[tab=30]- Espero que não precisem dessas armas, mas, se precisarem, que aprendam a não mexer conosco. Boa viagem![/font][/size][/align]

Após receber o telegrama da última noite, o senhor Andrea di Bianco, capataz da Invernada, toma a difícil decisão, e chega cedo à empresa, lacrando-a e colando um cartaz à porta da mesma:

Após, comunica aos empregados que somente ele e o filho irão manter o trato com os animais, e que nenhum animal será vendido até segunda ordem.

[justify][tab=30]Com o final do Estado de Emergência a empresa é reaberta,seus funcionários voltam a trabalhar e seus produtos movimentam a economia mais uma vez.[/align]

[justify][tab=30]Os peões realizam a troca mensal de pastagem, levando o gado para outro campo para que a grama possa se recuperar.[/align]

[justify][tab=30]- Andrea, Andrea!
[tab=30]- O que foi, Pietro? Por que essa correia toda?
[tab=30]- Achamos a cerca do lado leste derrubada, e pelo menos 3 animais sumiram.
[tab=30]- Mas que droga… de novo?? Prepare os peões, quero que procurem rastros do gado. Vou até Piemonte falar com o Delegado.
[/align]

[justify][tab=30]- Terminaram de preparar a carne?
[tab=30]- Sim, senhor Andrea.
[tab=30]- Ótimo, levem até o Açougue em Piemonte, eles passarão a ficar responsáveis por distribuir entre as outras unidades.
[tab=30]- Finalmente alguém percebeu que seria o lógico…
[tab=30]- Enfim, ouvi dizer que pegaram os ladrões de gado, mas não baixem a guarda.
[tab=30]- Sim senhor, logo estaremos de volta.
[/align]

[justify][tab=30]Com a prisão dos abigetários que estavam agindo na região, os peões podem relaxar um pouco mais, e isto tem reflexo no humor de todos, que continuam se dedicando diariamente a cuidar dos animais.[/align]

[justify][tab=30]O capataz finalmente reúne os documentos solicitados acerca dos problemas causados pelo terremoto e pede para que seja levado até um dos hotéis na cidade, onde a senhorita Akemi está hospedada.[/align]

[justify][tab=30]Um novo carregamento é enviado para o Açougue em Piemonte.[/align]

[justify][tab=30]Com o início da época de chuvas, os peões fazem a troca de pastagem dos animais, levando-os às partes mais altas da Invernada.[/align]

[justify][size=150][font=Garamond Bold][tab=30]Com o aumento dos crimes na região, Andrea di Bianco, capataz da Invernada, organiza patrulhas regulares ao redor da Invernada, para garantir que não sofrerá casos de abigeato novamente.

[tab=30]- Atirem primeiro e perguntem depois, se encontrarem qualquer desconhecido nos limites da Invernada. Ninguém levará nosso suor novamente, não sem sangue![/font][/size][/align]

[justify][tab=30]A carga semanal é carregada nas carroças da Transportes Caçador e segue para as empresas compradoras.[/align]

[justify][tab=30]Boatos de que uma nova onda de roubo de animais tem ocorrido no Condado preocupam os trabalhadores da Capão de Cima. Apesar de andarem sempre armados, é determinado que sejam feitas rondas noturnas e diurnas em trios nas divisas da Invernada.[/align]

[justify][tab=30]Não se nota mais nenhuma tentativa ou roubo de gado. Enquanto isso, a Transportes Caçador envia suas carroças para transportarem a produção da semana.[/align]

[justify][tab=30]Apesar de não haverem focos rebeldes em Ajaccio, os rumores de que parte dos “revolucionários” se embrenhou no interior do Condado leva os peões a organizarem patrulhas constantes pela divisa da Invernada.[/align]

[justify][tab=30]Os contratos da Capão de Cima começam a ser revistos, devido às novas questões fiscais. Enquanto isso, o trato dos animais continua, com o gado sendo levado à terras mais arborizadas para suportarem melhor o calor que tem feito.[/align]