[EMPRESA] Maquinários Gesébia

[justify][size=150][font=Garamond Bold][tab=30]Após falir, como diversas empresas durante a Crise da Dissolução, a posterior compra pelos Conglomerados Dragão Azul trouxe de volta à ativa uma das primeiras fábricas de máquinas industriais de Gesébia.

[tab=30]Agora sob o nome de Maquinários Gesébia, a nova fábrica volta a produzir máquinários para os mais diversos tipos de indústrias, tanto maquinários simples como trituradores de minérios quanto complexos como peças para motores à vapor e combustão.[/font][/size][/align]

Dados Empresariais
[spoil]Razão Social: Maquinários Gesébia
Conta-Corrente: J054-2
Tipo e Porte: Indústria Grande (8)
Funcionários: -
Custo Base: G$400.000
Matérias-Primas Necessárias: Peças em Ferro, Carvão
Contrato de Compra:
Importação: Peças em Ferro, Carvão
Produção: Máquinas Industriais
Contratos de Venda:
Exportação: Máquinas Industriais (4)
Proprietário: Alexander Di Draconi[/spoil]

[spoil]Dados da antiga Fábrica de Máquinas Industriais Barão de Mauá
Tem sido um problema em Gesébia, a importação de maquinário estrangeiro, e sendo isso uma grande oportunidade capitalista, o investimento veio rápido. A Fabrica de Maquinas Industriais Barão de Mauá, fundado pelo Juiz Ródion Desslock, tem como função fabricar maquinário para fabricas de Gesébia, fortalecendo a industrialização nacional. A fabrica é gerenciada por Thomas Morstan, que vem baseando os novos modelos nas maquinas britânicas. A fabrica conta com quatro setores. O primeiro, é onde moldam-se e fabricam-se partes que, no segundo setor, são montadas e dão forma à maquina. No terceiro setor, a maquina é finalizada, e no quarto setor, as maquinas são registradas nos arquivos da fabrica e levadas para o estoque. Entretanto, cada um desses setores é dividido em seções. E em cada seção é tratado um tipo de maquina. Vendo-sem tudo isso, pode-se facilmente deduzir que a fabrica é imensa. [/align][/font]

[justify]Atualmente, a FMI Barão de Mauá é administrada pela Desslock Holding.[/align]

[center]Dados Empresariais[/align]
[justify]Razão Social: Fabrica de Maquina Industriais Barão de Mauá
Tipo e Porte: Industria Grande(8)
Funcionários: Gerente Thomas Morstan(NPC)
Custo-Base: G$s4.000.000
Produção: Maquinas Industriais
Contrato de Venda: -
Exportação: Maquinas Industriais
Dono : Ródion Nicolaiovitch Desslock[/align]

Conta:Conta J038-2
[center]Em Progresso[/align]

Dados Empresariais
]Conta Corrente administrada pela Matriz - Indústrias Hohenzollern & Cia. - Matriz
[/spoil]

[justify]Thomas Morstan, o gerente, entrou sorridente na fábrica. Ele vestia o de sempre, o sobretudo preto de corte simples, e uma cartola comum, olhou algumas máquinas recém-fabricadas, e com uma prancheta em mãos, verificou todos os lotes.[/align]

Após receberem ordens da V.I, várias carroças chegam ao pátio da fábrica, as carroças traziam consigo várias chapas de aço e um bilhete que fora entregue ao Chefe da Fábrica.

[justify]Ao receber a encomenda, Thomas Morstan, chama alguns homens para por o material para dentro, e iniciar a produção do dia. Pouco tempo depois, ondas de fumaça começaram a sair em colunas pelas chaminés.[/align]

[justify]Nos últimos tempos, a necessidade por máquinas mais avançadas, movidas à eletricidade e óleo fizeram necessária uma troca de empregados na fábrica. Os antigos funcionários, a maioria sem conhecimento ou prática com as novas tecnologias estavam sendo dispensados, e trocados por jovens com maior tenacidade para o trabalho na linha de montagem e maior capacidade de se habituar às novas máquinas e ferramentas.[/align]

O sucesso na obtenção de requisição de reabertura da empresa junto a CIC, animaram seus novos diretores que, imediatamente, iniciaram uma conferência em todos os arquivos de contratos da empresa, para avaliarem sua real situação antes do fechamento. Além disso, há um debate a respeito da nova razão social da mesma, já que um grupo opta pela manutenção da antiga razão social, enquanto o outro sugere uma nova razão social.
[hr]
[right]Ivysson Luz Von Hohenzollern[/align]

Durante as acaloradas discussões acerca da mudança ou não da razão social da empresa, eis que surge um grupo, com uma proposta bem mais interessante. Sugerindo unir-se as Indústrias Hohenzollern, eles acreditam que possuem mais chance de crescer, além de defenderem com unhas e dentes esta união, que aos olhos de todos, mostra-se bem mais viável. Entretando, os debates prosseguem, sem ao menos, mostrar um progresso.
[hr]
[right]Ivysson Luz Von Hohenzollern[/align]

Diretores das Indústrias Hohenzollern & Cia. iniciam conversações para uma possível fusão interna com á Fábrica de Máquinas Industriais Barão de Mauá, sob intermediação de representantes do Grupo Empresarial Hohenzollern. Espera-se que dentro das próximas semanas, ambas as partes já terão uma resposta acerca do assunto.
[hr]
[right]Ivysson Luz Von Hohenzollern[/align]

Enquanto as reuniões para decidirem se ocorrerá ou não a fusão entre a Fábrica de Máquinas Industriais e as Indústrias Hohenzollern encontram inúmeros empecilhos,a Fábrica produz timidamente, alguns artigos para as indústrias gesebianas. Esta, no presente momento, operando com poucos funcionários e, assim que todo o impasse acerca da fusão for resolvido, ela aumentara seus quadros de funcionários.

Durante os trabalhos, o Supervisor-Chefe lê uma mensagem vinda diretamente da diretoria da empresa:

[font=French Script MT][size=200]

[/size][/font]


[tab=30]Com a separação do antigo Império Gesebiano, é iniciado o processo para reforma administrativa, financeira e jurídica da empresa, que agora não conta mais com suas “antigas filiais.”


[tab=30]A direção da nova empresa ainda está confusa quanto as decisões que devem ser tomadas nos próximos momentos. O desmembramento do Império e consequentemente, da empresa, que possuía uma ampla rede de filiais. Em diversas reuniões desencontradas, a direção não consegue chegar em um ponto comum, e passam a consideram a possibilidade de pedirem concordata.

[justify][tab=30]Agora sob direção de Paulo Silva Fontoura, antigo empresário que deixou o Império Brazileiro quando do golpe que instituiu a república e passou a perseguir monarquistas, e pertencente aos Conglomerados Dragão Azul, a Maquinários Gesébia inicia um processo de reforma e modernização de seus equipamentos, em busca de produzir máquinas industriais cada vez mais eficientes e baratas.[/align]

[justify][tab=30]Após testes e ajustes dos novos equipamentos, e treinamento dos novos funcionários contratados, o ritmo de produção torna-se estável e permite um planejamento de médio prazo para o destino da produção.[/align]

[justify][tab=30]Diversos pedidos de pequenas indústrias são realizados diariamente, o empreendimento tem se mostrado um sucesso, apesar de nenhum pedido de grande porte ainda haver ocorrido.[/align]

[justify][tab=30]As vendas continuam aquecidas, com vários pequenos pedidos feitos diariamente por empresas de todo o antigo Império.[/align]

[justify][tab=30]Uma carta-telegrama é entregue à sede da empresa, por um jovem carteiro da Empresa Gesebiana de Correios e Telégraphos.[/align]

[spoil]

[/spoil]

[justify][tab=30]Finalmente um projeto para o pedido da Madeireira é concluído pelos engenheiros, logo um protótipo começará a ser produzido para testes práticos.[/align]

[justify][tab=30]Todos os pedidos são suspensos até segunda ordem, e a produção de máquinas que possam auxiliar na guerra ocupa toda a produção da fábrica.[/align]