Gabinete do Primeiro-Ministro

[center]Gabinete do Primeiro-Ministro[/align]

[center]Neste Gabinete, o Primeiro-Ministro desempenha suas funções e realiza seus despachos.[/align]

[justify][tab=30]Na tarde daquela sombria quinta-feira, finalmente, o Primeiro-Ministro Robert Crawley havia conseguido chegar ao Palácio dos Marqueses. Em pouco mais de uma semana desde que havia sido nomeado, o Conde de Espalion enfrentava sua primeira grande crise como Chefe de Governo.
[tab=30]A situação acerca dos danos caudados pela tempestade eram incertos. As comunicações com o interior - e mesmo com a cidade de Belle Nord, não haviam sido restabelecidas. Por meio de mensagens entregues ao corpo ministerial, uma reunião emergencial havia sido marcada para 16 horas do dia 23.[/align]

[justify][tab=30]Tendo dormido no próprio Gabinete, numa cama improvisada sobre um divã próximo de uma das lareiras, Robert havia despertado ainda muito cedo, por volta das 7h30. Na impossibilidade de banhar-se, com a ajuda de seu valet, John Bates, apenas trocou suas vestes e usou um pouco de parfum e já iniciou a leitura de alguns relatórios que já haviam sido entregues, dentre os quais, os relatórios do Hospital da Santa Misericórdia e sobre as estradas da Região Metropolitana.
[tab=30]Uma verdadeira legião de mensageiros havia se formado no Palácio. Era a única forma encontrada para uma comunicação rápida e eficaz que se encontrou, até que as linhas telegráficas fosse restabelecidas.[/align]

[tab=30]Já era noite quando um gendarme chegou ao gabinete do Primeiro-Ministro. Depois das providências de praxe, adentrou ao gabinete e com a devida permissão para falar entregou um mapa de Gesébia e também um relatório da Gendarmeria.

  • Senhor! A pedido expresso do senhor Comissário-Geral, venho lhe informar que as regiões mais afetadas pela tempestade foram as costas norte e leste do Arquiducado, porém, também houveram enchentes nos rios El Luno, La Luna, Illidan, Ussel e Nery. Além disso não temos comunicação com o interior das cidades. Todas as informações que conseguimos foram por viajantes e alguns à cavalo.

[spoil]

[/spoil]

  • Também fora constatado que os telégrafos estão funcionando somente dentro do Ducado da Gardenha, com exceção de algumas poucas cidade. A comunicação com Áquila e Firgen está completamente operante. Já a ferrovia está uma grande catástrofe.

[tab=30]Então o Primeiro-Ministro, recebeu os relatórios e o mapa e gentilmente agradeceu ao Gendarme. Isto posto, o agente retirou-se da Sala sem demoras, na qual encontrava-se, também, o Ministro do Interior, o Conde MacClare.

[justify][tab=30]Mesmo em pleno final de semana, os trabalhos não cessaram no Palácio Nacional dos Marqueses. Dezenas de relatórios mais detalhados fornecidos pela Gendarmeria, davam conta dos danos estruturais. Pontes precisariam ser refeitas nos rios cuja enchentes ocorreram, os quais haviam sido apontados pelos relatórios da Gendarmeria do último dia 24. Os reportes acerca do números de feridos também foram providenciados pelo Ministério da Saúde. Por Graça Divina ou por sorte, nenhuma morte havia sido registrada, senão por causas naturais.
[tab=30]A notícia do restabelecimento da comunicação via telégrafo com 80% das cidades interioranas animara o Primeiro Ministro. A situação mais tangia ao trecho ferroviário entre Rennes e Avranche, uma vez que a queda de árvores da Floresta de Lunos ocasionara a completa obstrução dos trilhos, incluindo danos na ponte sobre o rio El Luno. A previsão, fonecida por um relatório da Kaiser Logística S/A. dava conta que até a manhã de quarta-feira, o trecho estaria liberado, estado a linha Gardignon-Dunnord completamente operacional.
[tab=30]Ao meio da tarde, Robert Crawley deixou o Palácio em seu automóvel. Ao chofer, ordenará a ida até o Palácio Imperial do Juramento.[/align]

[justify][tab=30]Durante toda a manhã, o Primeiro-Ministro, Robert Grantham Crawley, esteve trabalhando em seu gabinete. Por volta das 10 horas, reuniu-se com o Ministro do Interior, George MacClare, com o Ministro da Defesa, General Zummach e, também, com o Comissário Geral, Carlos Antônio Vaz. Este último, para a surpresa de Conde Crawley, solicitou oficialmente sua exoneração do cargo de comando da Gendarmeria e sua consequente aposentadoria. Entre os motivos alegados por Vaz, o de maior peso segundo ele, seria sua idade avançada. Além de que gostaria de passar mais tempo com a família.
[tab=30]Durante a tarde, o Primeiro-Ministro cuidou de alguns documentos referentes a reorganização ministerial, bem como a leitura de alguns relatórios provenientes da Câmara de Industria e Comércio e do Banco da Dugardenha.[/align]

[justify][tab=30]Tendo tomado seu desjejum no próprio gabinete, onde também pernoitava desde o último dia 24, Robert trocou-se com o auxílio de seu valet e, tomou para si uma edição da Gazeta Draconiana. Permaneceria lendo alguns semanários nacionais e estrangeiros até próximo da hora de reunir-se com as equipes diretivas da Kaiser e da Construtora Imperial, por volta das 10 horas daquela manhã.[/align]

[tab=30]Passando por todas as revistas necessárias, um jovem homem, dizendo-se repórter aguarda na antessala do gabinete para falar com o Primeiro Ministro.

[size=140][font=Times New Roman][justify][tab=30]Era final da tarde quando o Primeiro-Ministro fora informado por seu assessor, o jovem Edward Potter, da presença de um repórter. Então Robert acatou o pedido de entrevista e recebeu-o àquela hora crepuscular.

- Boa tarde, ou devo dizer boa noite? Senhor… ?[/align][/font][/size]

  • Boa noite. Sou José Souza, repórter da Folha Imperial. Posso fazer-lhe algumas perguntas Lorde Crawley?

[justify]- Se eu puder e souber respondê-las hehehehe… Por favor, sentemo-nos aqui. Pergunte, senhor Souza. Indicou Robert, conduzindo o repórter até as poltronas diante da lareira do gabinete.[/align]

  • Obrigado, Milorde. Poucas pessoas o conhecem. O que Vossa Excelência pode contar sobre sua vida pessoal e política?

[justify][tab=30]Conde Crawley respondeu àquela pergunta inicial do repórter, assim como todas que se seguiram. A entrevista durou cerca de uma hora e meia e, inclusive, a pedido do próprio Primeiro-Ministro, foram servidos algumas biscoitos e doces, acompanhados de chá. Ao término da conferência, Robert deixou o Palácio seguindo para o Hotel Seleya, onde encontraria sua esposa Cora e a filha Edith.[/align]

[justify][tab=30]Ao fim da manhã, após passar cerca de três horas discutindo o orçamento com o Ministro da Economia, o Primeiro-Ministro Robert Grantham Crawley reservou os últimos trinta minutos da manhã para organizar a pauta de discussões da reunião semanal com a Arquiduquesa.[/align]

[justify][tab=30]Por volta das 8 horas da manhã de segunda, Lorde Crawley reuniu-se com alguns de seus assessores e, também, com o Comissário-Geral Pedro Mascarenhas, para acertar os últimos detalhes da Cerimônia de Coroação da Arquiduquesa Selma I, que ocorreria ainda no mês de maio.[/align]

Ainda na noite de 04 de maio…

[size=140][font=Times New Roman][justify][tab=30]Após trocar alguns telephonemas com o Ministro das Relações Exteriores e com o Ministro da Defesa, o Primeiro-Ministro passou às negociações com Victtorio Medeiros, após ambos de acomodarem em poltronas, diante da lareira acessa no gabinete.

- Então, Lorde Medeiros. O que tens em mente quando pensas em fazermos negócios?[/align][/font][/size]

- Tenho em mente que estes negócio seria benéfico para ambos os lados. Veja bem, eu conhecia o antigo dono de sua nova empresa, o sr. Wilhelm von Steindorff-Bayern. Apesar de sua forte lealdade à meu primo-sobrinho, é um simpático cavalheiro. Um homem de fibra. E também um militar, tal como eu. Mas enfim, não vim aqui para falar dele. Pouco antes de sua surpreendente partida rumo ao Velho Continente, eu pretendia fazer um negócio com ele, em nome de nosso Reino, sobre a compra de uniformes militares. Fizemos as devidas tratativas, mas o negócio não foi a frente por sua partida e a estagnação e troca de dono. Desejo realizar o que não fora concretizado. Sua empresa fornecerá todos os uniformes para as Forças Armadas do Reino da Dracônia. Os desenhos e os preços acertados foram estes aqui, mas vossa Graça poderá modificar os preços na medida do justo. A quantidade variará de acordo com o contingente. O que achas, Lorde Crawley?

[justify]- Pois bem, meu caro. Devo lhe dizer, com sinceridade, que não tenho tratado dos negócios. Quem cuida de todas as empresas que adquiri e gerencia minha renda é o senhor George Murray, um advogado, amigo de longa data. Mas, não vejo por qual razão declinar de vossa proposta. Me parece uma grande responsabilidade, mas será um prazer servir a quem, gentilmente, já tem nos servido há muito. Peço que, se lhe for viável, encaminhe o pedido e as devidas informações para a sede da Crawley Tecidos & Alfaiataria. Ainda assim, adiantarei o assunto ao George. Concluiu o Primeiro-Ministro, ao entregar um pedaço de papel nas mãos do Marquês, contendo o endereço da loja.[/align]

[font=Times New Roman][size=150]- Agradeço a atenção e aprecio a gentileza, Lorde Crawley. Irei procurar o senhor Murray. Agora, se me der licença, vou-me retirar.
O senhor tem muito há fazer e eu tenho uma esposa que não me perdoará caso eu chegue atrasado hahahahahahaha…

O Marquês então deixou o gabinete e o Palácio dos Marqueses e seguiu para a Les Amis de Sange, onde jantou com sua esposa. Após isso, seguiram para o Hotel Seleya, onde estão hospedados.[/size][/font]

[justify][tab=30]Ao que findou a conversa com o Marquês da Cisalpínia e, tendo dele se despedido, Robert fora avisado de que o Ministro das Relações Exteriores lhe aguardava numa ligação telephónica. Conversando com Lorde Dubois por cerca de 20 minutos, o Primeiro-Ministro foi cientificado da proposição draconiana, tendo concordado com a condução do caso por parte do ministro. Naquele contexto, o melhor seria procurar a paz e, por ocasião de Sir Richard Caçador já encontrar-se em Saint-Depoux, a ele Robert indicou para que representasse o Arquiducado num eventual acordo para que as hostilidades fossem cessadas.
[tab=30]Ao término da ligação, o Primeiro-Ministro sentou-se em sua poltrona e ascendeu um charuto. Encontrava-se demasiadamente cansado. Quando o relógio da sala badalou indicando as 17 horas, Robert pôs-se de pé, vestiu seu redingote de lã e deixou o gabinete, seguindo rumo ao Hotel Seleya, onde pretendia tomar um banho e permanecer algumas horas junto de sua esposa, Cora Crawley.[/align]