Guia básico para Trade

Como todos, ou pelo menos a maioria, já devem ter percebido, o sistema de comércio foi totalmente remodelado.

Primeiro temos que entender o conceito de node.

Não existe mais 1 província super-hiper-importante comercialmente (Center of Trade) como no EU3. Agora temos “nodes”, que não deveria ser traduzido como nó. Na verdade, a escolha do termo foi péssima pela Paradox, porque traz a ilusão que seria um nó, uma provincia importante, como no EU3. Esses nodes estão mais para algo como “região comercial”.

Então o mapa é todo dividido entre estas regiões comerciais (nodes). Isso é estático. Uma província sempre vai pertencer a um node no decorrer do jogo. Se mudarmos para o mapa de comércio podemos visualizar essas regiões.

E aquelas linhas ligando os nodes com setinhas???

Todos os nós do jogo são interligados, de uma forma ou de outra. Esta ligação na prática quer dizer que os ducados podem fluir de um nó para outro em que ele está ligado. Mas somente no sentido da setinha. Podemos citar como exemplo o node de Constantinopla. PODE “chegar riqueza” de vários nós para ele: de Alexandria, Crimea, Basra e outro perto do Azerbaijão (minha memória falhou para o nome do node :wink: ). Só PODE “sair riqueza” para Ragusa. É importante frisar que não tem como Constantinopla transferir riqueza para Alexandria (o sentido da seta é MUITO importante). A palavra “pode” foi frisada nas frases anteriores pra frisar que não é uma obrigatoriedade.

Pois bem. Então cada node do jogo possui um fluxo de riqueza. Há aquilo que chega. Há aquilo que sai. E há aquilo que fica ali.

OK, ok! Mas como é que vou ganhar dinheiro??? Aí que entra os mercadores.

Os mercadores tem duas funções:

  1. Coletar ducados em um node - O seu país vai ganhar ducados mensais baseados no valor do node (valor que chega + valor gerado no nó - valor que sai) e no seu poder no nó. Se você tem 50% do poder total do node, ficará, à princípio, com metade do valor dele. Eu disse “à princípio” porque, após definido o valor que você terá direito, ainda haverão modificadores para incrementar, ou reduzir, este valor. Esta função dos mercadores é a única forma de ganhar dinheiro de um node. A única exceção é o node onde sua capital se encontra. Neste node, mesmo que você não tenha mercadores, você vai sempre coletar ducados. O mercador só aumentaria um pouco os seus ganhos. Só coloque o mercador na capital se não tiver nada melhor pra fazer com ele.

  2. Transferir riqueza de um nó para outro - Baseado no seu poder no node, você pode escolher pra qual direção você quer transferir riqueza. Por exemplo: você pode colocar um mercador com essa função e Alexandria e lá você escolhe se quer que a sua fatia do bolo vá para Genova, Veneza ou Constantinopla (lembrem-se: estamos falando de regiões comerciais, não de províncias). No mapa comercial, você consegue ver 3 caixinhas menores perto da caixa maior de Alexandria. A que está marcada é a que você selecionou para enviar riqueza.

As duas funções dos mercadores são baseadas no poder que você possui naquele node. Este “poder” mereceria entrar em um guia avançado. Mas basicamente é baseado no valor comercial das suas províncias no node (este valor pode ser incrementado com construções), ligth ships em missão de proteger este node, trade eficciency, global trade power, overextension, modificadores por eventos e outros mais. Um fator muito importante é que em nodes em que a sua capital não se encontra você tem uma penalidade gigantesca no trade power.

Então chegamos a conclusão que o melhor é botar todos os mercadores coletando nos nodes mais ricos? NÂO. Primeiramente, só é possível coletar em nodes em que você tenha pelo menos uma província. E o segundo fator, que é primordial para o bom aproveitamento do comércio no jogo, é que quando há transferência de riqueza de um node para outro, há um acréscimo de valor de 20% a 45%, dependendo de quantos mercadores estão fazendo este trabalho.

O maior benefício então é quando você consegue fazer a sua rota comercial ficar longa. pois ela vai ganhando valor em cada transferência. De preferência que ela seja finalizada no node em que sua capital se encontra. E isto foi a grande sacada de todo o sistema, pois faz você querer muitas vezes seguir os passos históricos de comércio no Mediterrâneo, Índia, Novo Mundo, China, etc.

Para finalizar, deixo explícito que a primeira dura decisão comercial que você terá, caso queira ganhar rios de dinheiro com isso, é o país a jogar. Como os nodes, as linhas e os sentidos são estáticos, a sua posição geográfica tende a ser o fator primordial para o sucesso!

Só corrigindo um detalhe: Na verdade não é necessário ter provincia para enviar mercador… precisa apenas que o node esteja dentro de seu “Trade Range”, ou “Raio de Alcance de Comércio”…

Jogo de Otomanos e depois de mim, o principal país comercializando em Constantinopla é Avignon!(que continua com apenas 1 provincia lá na longínqua França) :slight_smile:

Ae Dudu gostei bastante da sua explicação! Mas se você pudesse colocar algumas imagens seria ótimo.

Basicamente, foi o q expliquei lá no tópico de dúvidas, mas bem mais detalhado. :slight_smile:
Só dois adendos:

  • Creio não ser correto traduzir Node, assim como não seria correto traduzir Core. São, no espectro do jogo, conceitos, não somente “palavras”. E julgo procedente a escolha desse termo, pois um Node, informaticamente falando, é um “ponto de conexão, seja de redistribuição ou um ponto final de comunicação”, logo a analogia com o funcionamento do novo sistema de comércio é mais que evidente, já que os Trade Nodes são “pontos de conexão comercial, seja de redistribuição de bens ou um ponto final da linha de comércio”.
  • Como o Monticello disse, pode-se sim enviar um Mercador para qualquer Node que esteja dentro do alcance comercial, mas há um porém: esse Mercador SOMENTE poderá Redirecionar o Comércio nesse Node, para Recolher Lucros é necessário sim que haja ao menos uma província sua fazendo parte do mesmo.

:goodjob

Exatamente o que o Hyriuu falou, Monticello. No texto eu disse que só se pode coletar em nós em que se tem província. E isso realmente é verdade…

Quanto ao termo “node” Hyriuu, até concordo que a escolha do nome possa fazer sentido em algum aspecto, principalmente se for fazer um paralelo com rede de comunicações. O problema é que pode ficar ambíguo, principalmente pra quem não conhece muito dessa área.

Quando se fala o “node” de Veneza, da a clara impressão de que tudo gira em torno da provincia de Veneza. Isso pra quem ta sendo apresentado ao jogo. Pra quem acompanhou os diários de desenvolvimento e tudo mais, não vale :wink:

Por isso ainda acho que seria melhor uma escolha do tipo “Trade Region” do que “Trade Node”. Ou então não ter nome pros nodes igual a nome de províncias.

Obg pela explicação, estava com bastante duvida nessa parte de comercio.

Muito bom seu guia, tirou algumas duvidas minhas, porem é muito ao pé da letra a tradução node pra nó em relação a comercio, a frase certa seria “REGIÃO COMERCIAL”,(Bordeaux, seville, sifa, tunis, english channel, etc…) e os pontos importantes(center of the commerce que seria lisboa, amsterdam, londres) “CENTROS DE COMERCIO”