Hall de Entrada

[center]Hall de Entrada[/align]

[center]O Hall de Entrada da Suprema Corte Arquiducal é um salão amplo. Logo na entrada, é possível visualizar a grande escadaria que leva para o Gabinete do Supremo Juiz Aruiducal. À esquerda da entrada, localiza-se o Salão de Recepções Publicas. Normalmente, dois Ulanos Imperiais permanecem de guarda no portal de entrada, e mais dois dentro do Hall, próximos ao corrimão da escadaria.[/align]

Uma grande movimentação de operários carregando tábuas e mais tábuas começa no Hall de entrada.

Uma carruagem estaciona-se frente ao Palácio da Suprema Corte acompanhado por cavaleiros que vestiam trajes do Exército Imperial já desgastados atraindo olhares por quem passava, em instantes o cocheiro abre a porta da carruagem e eis que surge Nero de Bragança com sua cartola em mãos, pasta e sua bengala , tal não perde tempo e se apressa a entrar diretamente no Hall de Entrada e seguidamente é recepcionado por um jovem atendente do local que primeiramente não reconhece o Sr com qual falava, Nero solicita uma audiência com o Excelentíssimo Juiz Julio Cesar Prudente de Morais em caráter de urgência, o jovem então olhando para o Sr reconhece a figura de sua face mas sem pestanejar o encaminha até o Gabinete do Juiz solicitando apenas que os cavaleiros ficassem no Hall de Entrada, assim Nero juntamente ao jovem se encaminhava ao gabinete.

Assim que Nero chega ao Hall ouve-se um grito.

  • Segurem esse senhor por favor. - Grito do alto do Hall

Os soldados que acompanhavam Nero que o esperavam no Hall empunhavam suas espadas e faziam um cordão em volta do mesmo, Nero virava-se para as escadarias e via o juiz descer com alguns gendarmes.

  • Senhor Nero, sob suspeita de envolvimento na revolta Romania, e por ser um foragido da justiça o senhor está preso preventivamente até que as investigações se concluam. Gendarmes podem prende-lo. - Digo fazendo sinal aos gendarmes de plantão.

Os Ulanos Imperiais que acompanhavam Nero embainhavam suas espadas em direção aos gendarmes , Nero olhava para Julio e dizia: - Mais oque é isso? você me deixa horas nesse interrogatório , me libera e me encarcera? Não irei a lugar algum até que me sejam apresentadas provas concretas de traição ao Império e contra Sua Majestade.
Nero fazia sinal para um Ulano e lhe dizia: - Vá imediatamente ao Palácio Imperial e contate o capitão Silverius e diga-o oque está havendo aqui e que chegue aos ouvidos do Imperador.
Assim o ulano saia correndo e montava em seu cavalo que partia em direção ao palácio.

  • Nero por favor não complique sua situação, esse conflito foi penoso de mais para o império e precisamos averiguar tudo, o erro foi meu por ter me esquecido de que sua prisão foi decretada, a Suprema Corte tem adotado esse procedimento com todos os suspeitos para evitar que a revolta se erga novamente.

Nero ordenava que os Ulanos abaixassem suas espadas e dizia olhando para julio : - Pois bem, como advogado investido a minha própria pessoa solicito a vós minha prisão domiciliar chefiada pela Gendarmeria Nacional, estarei detido estritamente em meus aposentos no palácio até minha liberação por essa corte, devido ao meu estado de saúde durante semanas ao mar e minha idade a prisão local apenas pioraria e temo por minha segurança.
Os ulanos que haviam abaixado suas espadas, agora as guardavam e olhavam atentos ao juiz imperial.

  • Certo irei conceder isso para evitar mais desentendimentos, toda e qualquer mensagem envida de lá deverá ser conferida pelo gendarme chefe em serviço. Por favor que todos saiam sem mais desentendimentos.

Nero fazia uma saudação ao Juiz e dizia: - Irei imediatamente providenciar meu Habeas Corpus devido a tais bases infundadas de traição ao império.
Nero ordenava que os Ulanos se encaminhassem ao palácio e arrumassem seus aposentos para sua chegada juntamente a Gendarmeria, então se sentava e aguardava o Juiz providenciar a escolta.

Cinco gendarmes chegam ao Hall.

  • Por favor, acompanhem e façam a prisão domiciliar do Senhor Nero.

Os cinco colocam Nero em uma carruagem prisional e seguem para o palácio.

Chegando no local a charrete que desceu com cara furioso que vou ate atentade que logo falou.
-Quero fala com Julior e nâo vou sair desse lugar ate nâo consegui o quero.

Assim que chego apressadamente vejo um senhor sentado, sua aparência meio mudada mas mesmo assim o reconheço.

  • Senhor Darkson, é um prazer revelo.

Cumprimento o senhor Darkson estendendo a mão.

  • Suponho que veio para o depoimento correto? Isabelle me informaram que o Capitão Silverius Saxe-Coburgo-Gota se encontrava aqui também.

  • Ele ja se encontra em seu gabinete Excelência.

  • Maravilha, creio que seremos rápidos nisso, os documentos sobre as contas do senhor Darkson já chegaram?

  • Sim estão aqui.

  • Ótimo, senhor Darkson, se importaria de aguardar por um instante?

desde que nâo demorei, sim.

  • Perfeitamente senhor Darkson, creio que não demorará e me ajudará a ter mais informações sobre o caso para seu depoimento. Com sua licença já retorno

Dizendo isso, adentro meu gabinete e fecho a porta de modo que não seria possível ser ouvido o que ser conversava lá dentro.

O Sr. Desslock desce de sua carruagem cupê. Veste-se completamente de preto, a barba foi bem aparada, deixando suíças fechadas e uniformes. Conforme anda Hall de Entrada adentro acende seu cachimbo e alinha o paletó e a sobrecasaca. Então, segue para seu novo Gabinete, como Juiz.

Duas carruagens param em frente a Suprema Corte, da primeira homens com sobretudo longos descem e fazem um cerco a segunda, assim que a porta da mesma é aberta Mayers é o primeiro a descer seguido de Luciano. Rapidamente uma aglomerado de repórteres de Gesebia e internacionais cercam o mesmo sendo empurrados por seus homens.

  • Senhor Luciano, uma declaração por favor.

Um dos homens de Luciano empurra o jornalista que vai ao chão, com um sinal de cabeça o capanga agressor é retirado do local enquanto Luciano de abaixa e ajuda o Jornalista caído.

  • Senhores eu lhes disse que concederia entrevista então é claro que ireis faze-lo, mas por favor vamos por ordem.

  • Senhor Luciano, por que teve sua prisão decretada?

  • Qual o jornal representa meu rapaz?

  • A Folha Imperial senhor.

  • Certo, bom creio que essa pergunta deva ser feita a esse novo juiz, talvez tenha decretado pelo fato de eu ser um imigrante italiano que está se dando bem em Gesebia, afinal tudo de ruim que acontece nesse império ou é culpa dos imigrantes italianos ou do romanios que são descendentes dos mesmos. Acredito que esse juiz esteja tentando mostrar serviço, uma pena que não tenha conhecimento das leis e de senso de justiça.

  • Senhor Luciano, Tribuna de Gesébia, é verdade que o senhor comanda uma forte organização criminosa?

  • Senhores! Organização criminosa? Acreditar em boato assim seria retirar o crédito de nossas instituições de segurança que vem efetuando um ótimo trabalho, espalhar esses boatos jogam na lama as seriedade com que o antigo e o novo chanceler tem liderado esse império. Acredito que esse boato foi lançado para lhes passarem uma sensação de insegurança e medo, para que acreditem que a gendarmeria não funciona e tenham que recorrer a instituições de segurança privada. Falam que a Pequena Sicilia é um bairro perigoso, mas quantos assassinatos ou roubos acontecem por lá?

O mesmo jornalista continua seu questionamento:

  • Mas e essa onda de crimes quem vem assolando o império?

  • Esses dias houve uma forte chuva na capital, alegar que houve um desmoronamento em Firgen e responsabilizar essa mesma chuva seria um absurdo, pelo que sei houve uma tentativa contra a vida do ex senador Supah e assassinatos em Áquila, e um atentado contra minha pessoa aqui na capital, bem como alguns incêndios aqui e em Firgen e um roubo em Firgen. Se querem dizer que existe uma organização por trás de tudo isso seria um organização com muito influente para poder ter uma poder desse em todo o império. Como já mencionei estão pegando fatos isolados e colocando como sendo todos interligados para passar essa sensação de insegurança.

O jornalista da Folha Imperial:

  • Acredita que será julgado e processado?

  • Pelo autoritarismo do atual juiz creio que sim, ele passa por cima de leis para poder mostrar serviço, bom deixamos o velho trabalhar não é mesmo. Senhores se me derem licença, tenho uma audiência com sua majestade da suprema corte.

  • Um tempo para uma foto senhor Luciano.

  • Com certeza.

Me posiciono para algumas fotos e logo depois adentro o Hall de Entrada.

[offtopic]Agora é com vcs proprietarios dos jornais, ve ai como lançam a reportagem, para mais imagens digitem charlie luciano boardwalk empire, no google.[/offtopic]

Um gendarme chega ao Hall de entrada do Palácio D’Iuris e, discretamente, entrega um papel ao senhor Luciano.

Richard chega na entrada do Palácio D`Iuris e pede para que os gendarmes contenham as pessoas e não permitam que subam as escadarias. Aproxima-se do senhor Luciano:

  • Sinhori, por favor lhe acompanharei até o gabinete do juiz. Enquanto isso poderemos conversar um pouco.

Enquanto subimos as escadas faço sinal para que dois gendarmes nos acompanhem. Após sair da vista de todos peço para que o senhor Luciano levante suas mãos e abra suas pernas para ser revistado.