[INTERATIVO] Casa da Moeda Romaniana

[center]Casa da Moeda Romaniana[/align]

[font=Times New Roman][size=150][justify][tab=30]Com a Independência do Reino da Romania, diversos foram os problemas que o novo governo teve que lidar, inclusive, a cunhagem e emissão de moeda. Nos momentos iniciais do novo reino, foi estabelecido uma política cambial fixa de G$s 1,00 = D$ 1,00 = A$ 1,00 afim de facilitar a vida do povo romaniano, de modo que o gesébo ainda prevalecia circulando em território romaniano. Posteriormente, foi concedido a entidades particulares o direito de emissão monetária, colaborando para a conversão imediata de moeda. Mesmo assim, o Governo Romaniano julgou necessário ter um departamento estatal responsável pela cunhagem de moeda, e foi neste contexto que surgiu a Casa da Moeda Romaniana.
[tab=30]Criada pelo ARTIGO 4º, DECRETO DO PODER EXECUTIVO Nº7/1892, a Casa da Moeda teve seus trabalhos iniciados imediatamente e, em tempo recorde ficou concluída, pronta para cunhar a moeda real.[/align]

Moedas Real - Áureo
[spoil]

[/spoil]

Dados de Construção
[spoil][tab=30]Nos arredores de Romulus, a Construtora Nova Roma inicia a construção da Casa da Moeda Romaniana, que será a responsável pela emissão monetária do reino. Durante o dia, funcionários da construtora começaram a cercar o terreno e inserir placas de indicação que ali seria um novo empreendimento do Governo Real.

[tab=30]Além disso, fora montada alguns postos de atendimento, para que fosse contratado operários para a construção do empreendimento.

[/spoil][/size][/font]


[tab=30]Funcionários do Banco Romaniano comparecem à Casa da Moeda para verificarem o andamento dos trabalhos de cunhagem e emissão do áureo. Conversando com os diretores da Casa da Moeda, discutiram as políticas monetárias que vem sendo tomadas pelo Governo Real.


[tab=30]Um novo processo de emissão monetária é testado afim de evitar fraudes e falsificações de cédulas da moeda real.


[tab=30]A emissão monetária é reduzida no início do mês e, após análise prévia da Diretoria da Casa da Moeda, tende-se a diminuir ainda mais, visto que a demanda do suprimento monetário vem caindo.

[justify][tab=30]Assim como nos meses anteriores, apenas eram cunhadas cédulas e moedas destinadas a reposição das danificadas. Um aumento na cunhagem era evitado com o objetivo de não chegar-se a um super inflação do Áureo.[/align]

[font=Times New Roman][size=150][i]Na metade do mês, a Casa da Moeda inicia novo processo de cunhagem de moedas e reposição de cédulas ao mercado financeiro, já que as mesmas possuem um tempo de vida reduzido.

Além disso, artigos em ouro são modificados, inserindo o selo da entidade, comprovando que a mesma não é contrabandeada.[/i][/size][/font]

[justify][tab=30]Novos lotes monetários são impressos como parte do plano de substituição do antigo gésebo para o áureo. Em alguns comércios e cidades do Reino, é notável o uso considerável de tal moeda que, mesmo com quase um ano de Independência, ainda circulando livremente.[/align]

[font=Times New Roman][size=150][i]

[tab=30]Novas máquinas desenvolvidas pelo IPT de Monte Bello para impressão de papel-moeda começa a ser testada na Casa da Moeda. Caso os testes sejam bem sucedidos, a produção será mais que triplicada com o novo aparelho.[/i][/size][/font]


[tab=30]Visando reduzir o suprimento monetário, a empresa começa a destruir alguns estoques de moedas que estavam prontas para serem postas em circulação.


[tab=30]Depois de reuniões extenuantes, a diretoria da autarquia pública decide por aumentar o suprimento monetário, indo contra a todas as recomendações dos analistas de mercado.


[tab=30]Um novo lote de moedas começa a ser produzido pela estatal.


[tab=30]Analistas verificando leve decréscimo na oferta monetária decidem aumentar em dois pontos percentuais a quantidade de moeda emitida pela entidade, afim de evitar um quadro deflacionário.

[font=Garamond Bold][size=150]
[tab=30] Denários em homenagem ao Exército e a Marinha são cunhados e lançados no mercado.

[/size][/font]