[INTERATIVO] Centro Médico Belugha

[spoil]

[justify][tab=30]Após a aprovação do povo e a autorização do Duque, inciam-se as obras, em um terreno baldio próximo ao Boulevard Tedesco, do prédio que seria conhecido como “Centro Médico Belugha”, em alusão a uma antiga divindade draconiana do frio e da cura.[/align][/spoil]

[justify][tab=30]Construído em tempo recorde de poucas semanas pelos incansáveis trabalhadores draconianos, o Centro Médico Belugha é um amplo prédio de três andares, com espaço suficiente para estoque, setor administrativo, cozinha, necrotério e ainda quartos para 100 pacientes.[/align]

[justify][size=150][font=fantasy][tab=30]O prédio do Centro Médico é finalmente concluído. A equipe apontada pelo governo regional para organizar o mesmo agora entra em contato coma Casa Pilatiana em Gardignon para a cedência de médicos, enfermeiros e equipamentos, bem como estuda a possibilidade de importar os equipamentos que não forem possíveis conseguir dentro do Império, e até médicos capazes, se for necessário.

[tab=30]Entre os próximos passos esta conseguir uma ligação elétrica para melhorar as condições de atendimento do Centro.[/font][/size][/align]

O Comissário vai até o centro médico e pede ao responsável para conhecer todo local, anota as necessidades do mesmo e informa que em breve estará providenciando alguma ajuda para melhorar o atendimento à população. Inclusive com médicos da família (médicos, enfermeiros e afins) para realizarem consultas nos locais distantes do centros urbanos e que precisem de ajuda profissional.

Continuando a sua visita a Firgen, o Chanceler e a sua guarda fazem uma visita ao Centro Belugha.

[font=Garamond][size=150]Boa noite senhoras e senhores, como estamos? - diz o Chanceler com um grande sorriso.

  • Boa noite… Excelência, é… estamos bem, o senhor precisa de cuidados? - diz o Administrador do Hospital com uma certa surpresa em ver o Chanceler em seu Centro Médico.

Não, não, estou muito bem graças a deus, estou fazendo uma pequena visita a Firgen, fui informado do bom desempenho desta instalação no tratamento da população, parabéns meu caro.

  • Sim Excelência, o inicio dos trabalhos fora por deveras complicado, com a falta de profissionais e equipamentos, demoramos um pouco para ficarmos completamente operacionais.

Os dois começam a caminhar sob os olhares atentos dos Legionários.

Sim, sim, uma pena, o nosso povo ainda carece de um bom sistema educacional, estamos fazendo planos para ampliar o nosso Sistema Educacional e buscar parcerias com o Setor Privado, logo não dependeremos mais de estrangeiros para auxiliar nos em nosso desenvolvimento, falando em equipamentos, finalmente estamos industrializando a nação, isso fará com que logo produzamos todos os equipamentos necessários para este Centro e todas as Instalações Médicas do Império.

  • Que assim seja Excelência.

Os dois continuam o passeio, o Chanceler visita alguns pacientes, nada preocupante, pernas ou braços quebrados, nada demais, visitam algumas crianças e idosos que estavam sendo tratados de leves doenças ou machucados, em seguida o Chanceler se despede do Administrador e lentamente volta para o Hotel.
[/size][/font]

[justify][tab=30]Alguns feridos mais graves no desabamento na mina, mas que tiveram a sorte de não ficarem presos, são trazidos para o Centro Médico para serem tratados. Conforme a notícia se espalha, mais pessoas chegam procurando saber de seus familiares. Algumas pessoas passam mal ao saberem que os seus filhos e maridos estão presos e acabam tendo de ser trazidas ao Centro para serem tratadas também.[/align]

[tab=30]Não tendo mais o que fazer para auxiliar no resgate dos mineiros, me desloco até o centro médico e, após higienizar-me adequadamente, visito alguns dos feridos e seus familiares.

[justify][tab=30]Enquanto as buscas continuam pelos dois mineiros ainda desaparecidos, os feridos são trazidos para o Centro Médico. A maioria poderá ser liberada em menos de uma semana, contudo é incerto quando e se os sete mineiros em estado crítico receberão alta. O médico Rudolf Virchow e a renomada enfermeira Florence Nightingale estão em Firgen para auxiliar no tratamento médico dos feridos.[/align]

Enquanto os feridos são tratados, um novo carregamento de medicamentos provenientes da Indústria Farmacêutica Imperial chega ao Centro Médico, após ter sido firmado um acordo de fornecimento de medicamentos entre o Sr. Hohenzollern e o Governo Imperial.

[font=Garamond][size=135]O Casal Viscondal de Firgen chegou ao Centro Médico e após as devidas explicações e sintomas ao médico, ele começou a examinar Lady Katheryn. Após algum tempo, fez algumas perguntas.

  • Vossa Graça, há quanto tempo suas regras estão atrasadas?
  • Acho que há um pouco mais de um mês…
  • E os sintomas são somente enjoos, cólicas e demasiada fome?
  • Sim, somente estes…
  • Hm…

Após algum tempo pensando, o doutor chamou o jovem casal.

  • Vossas Graças, tenho a satisfação em dizer-lhes que… vossas Graças serão pais!

Lágrimas de felicidade escorreram a face da futura mãe enquanto o Visconde de Firgen abraçava-a. Após algum tempo, o casal entrou no carro que Sir Caçador havia lhes presenteado e retornaram ao Chalé dos Medeiros.[/size][/font]

[justify][tab=30]Após receberem a solicitação do Duque, os médicos e enfermeiras preparam suprimentos médicos e partem para Hrimsceald, mantendo uma pequena equipe de plantão em Firgen.[/align]

Pela manhã, o Visconde de Firgen deixou sua esposa no Centro Médico Belugha para checar se ela e o seu filho estavam realmente bem. A tarde, após o fim do teste e a confirmação de que sua esposa e filho estavam realmente bem, o casal seguiu para o Hotel Hans.

O Hospital estava cheio de pacientes feridos e de seus entes buscando por informações, e em uma das alas do Hospital estava Gisele, mulher do Comendador William, que estava internada no Hospital por ter sofrido um acidente enquanto fazia compras para casa com uma criada na Boulevard Tedesco. Ha alguns dias, Gisele e uma empregada estavam andando por umas das ruas da Boulevard no exato momento do tremor que abalou a Cidade de Firgen, naquele momento uma placa de ferro de uma das lojas caiu em cima das duas, a empregada teve ferimentos leves, mas Gisele quebrou o braço e desmaiou no local, logo foi levada ao Centro médico onde teve o braço enfaixado e ficou inconsciente por alguns dias, agora ela acordou e percebeu que sua mãe, Dona Victoria, estava cuidando dela, ao acordar, desesperada ela pergunta por seus filhos, mas sua mãe diz que eles estão bem, pois sua casa na área rural não fora muito atingida, então Gisele se acalma mas começa a chorar enquanto recebe um abraço de sua mãe, então um medico vem ate a ala onde Gisele estava e diz que ela esta liberada para ir para casa, então a mesma se arruma enquanto sua mãe que diz que vai cuidar dela e de seus filhos durante os próximos dias ate William conseguir ter um contato com elas, então elas saiem do Hospital e se encontram com o Chofer da casa e vão embora.

[justify][size=150][font=fantasy][tab=30]O Centro Médico, apesar de sua recente expansão, estava lotado. Felizmente a maior parte dos pacientes se tratava de pessoas com ferimentos leves, algumas fraturas e, também, pessoas que haviam desmaiado com a emoção. Camas foram improvisadas no pátio e na rua mesmo para atender à grande quantidade de pacientes, e mesmo um galpão vazio nas proximidades fora utilizado como ambulatório.

[tab=30]O número de mortos, segundo relatos, ultrapassara uma dezena, chegando a quase três logo após os tremores, em sua maioria causadas por fraturas expostas que ocasionaram muita perda de sangue. Os médicos e enfermeiras do Centro estavam praticamente sem dormir desde a ocorrência, procurando atender o mais rápido possível a todos, mas sem descuidar de prestar um bom atendimento.

[tab=30]Parcas notícias chegavam de outras cidades do Ducado, devido à diversos desmoronamentos que obstruíram as estradas, comuns nas montanhas mas ampliados sobremaneira devido aos tremores. Todos esperavam, entretanto, que os efeitos tivessem sido diminuídos com a distância das montanhas.[/font][/size][/align]

[justify][tab=30]A situação no Centro Médico começa a chegar a algo próximo da normalidade. Boa parte dos feridos já havia recebido alta; infelizmente alguns que tiveram ferimentos mais graves acabaram falecendo. A movimentação, no entanto, ainda era intensa pois muitos ainda teriam que ficar em observação por mais alguns dias.[/align]

[justify][tab=30]- Com licença…
[tab=30]- Duque, que surpresa… em que podemos ajudá-lo?
[tab=30]- Fui informado que o Comandante Hoken está hospitalizado.
[tab=30]- Sim, realmente. Gostaria de vê-lo?
[tab=30]- Por favor.
[/align]

[size=125] Logo após duque adentra no quarto.

-Que surpresa, pensei não iria vir hahahah. levantou em seguida para aperto de mão e em seguida abraço.

 -[i] Deve perguntar o que aconteceu, é longa história e nem quero lembrar do acontecendo. Mas me diga o aconteceu no Império durante estava em coma? [/i][/size]

[justify][size=150][font=Garamond Bold][tab=30]- Poderia ter vindo antes se soubesse do ocorrido! Por que raios ninguém me avisou? - esbravejou o Duque aos médicos e enfermeiras que o acompanhavam. Rapidamente todos… sumiram.

[tab=30]- Enfim… muito aconteceu desde que tive as últimas notícias suas. E muito está a acontecer, agora mesmo. Temos uma nova revolta para esmagar. Novamente, romanianos. Mas estamos melhor preparados desta vez.[/font][/size][/align]

-Puta merda, parece terei ir para Mryce antes do planejado, houve aumento no orçamento da Highlands?

[justify][tab=30]- Haver, houve… mas tive que… bloquear… o envio deste mês devido à situação atual. Se pudesses seguir no primeiro trem seria ótimo, caso contrário terei que confiar o comando à I Brigada, que está aquartelada em Myrce para prevenir ataques do deserto. Mas todos deverão partir, em breve, para a Gardenha. Assim que os voluntários se apresentarem para ficar em seu lugar.[/align]