[INTERATIVO] Cidade de Campobasso

[center]Cidade de Campobasso[/align]


[size=150][font=Garamond][center]Vista da região central da cidade.[/align]

[justify][tab=30]Campobasso possui um pequeno núcleo urbano, sendo uma das cidades mais ao sul da Real Província de Lazio, sendo a cidade mais próxima à vila costeira de Barletta. Possui um pequeno centro comercial que concentra-se na rua principal da vila, de forma que desta rua principal partem outras vias transversais, onde estão construídas pouquíssimas residências, sobretudo de empresários, comerciantes e funcionários públicos, haja vista que a maioria da população da vila está estabelecida na zona rural.

[tab=30]Isto decorre do fato de que Campobasso é o mais importante polo produtor de cereais do Reino da Romania. Dentre as culturas estão o trigo, o arroz, a cevada e o milho, sendo que as plantações se dão em pequenas propriedades de cunho familiar e também em algumas grandes fazendas que aproveitam-se da geografia da região, tanto por serem campos planos, quanto pela proximidade dos rios para plantarem em grandes extensões de terra, utilizando a irrigação a seu favor. Recentemente, após ser escolhida para abrigar o Quartel da Quartel da 1ª Brigada de Artilharia, Campobasso vem desenvolvendo-se paulatinamente, conquistando a elevação à cidade.[/align]


[center]Intendente Catão di Rigoni.[/align]

Prédios:
Escola Primária
Posto Médico

Efetivos:
Carabinieri: 50 Soldados[/font][/size]

Ao partir pelo amanhecer da Villa de Pavoda, o regimento da Carabinieri demostrava-se bastante fatigado, dado que era o primeiro exercício de cunho militar que envolvia e envolveria ainda mais, marchas em distâncias tão longas. Como seguia o protocolo, antes da partida o acampamento fora desmontado, os praças alimentados e, antes de deixarmos a vila, um agradecimento em especial fora feito ao Intendente de Pavoda, que havia nos recebido tão bem e onde tivemos a possibilidade de treinar uma tática um tanto quanto nova para os combates da contemporaneidade.

Seguimos em marcha mais ao sul, passando a alguns poucos quilômetros de distância de Pergamo. Paramos para que o almoço fosse feito a beira de pequeno rio que dividia politicamente Pergamo de Campobasso. Assim sendo, após a refeição, a uma altura onde as margens eram mais próximas uma da outra, um pequena ponte fora improvisada, feita de algumas velhas arvores que ali se encontravam erguidas.
A travessia ocorreu da melhor forma possível e a marcha seguiu-se até que alcançássemos Campobasso, o que conseguimos fazer ao cair da noite. Já era escuro quando adentramos aquela pequena cidade. Passando pela rua principal, a altura de um antigo prédio de alvenaria, onde localizam-se a sede da gendarmeria e da intendência, fomos recebidos pelo Intendente, alguns gendarmes e alguns poucos populares que compunham aquele diminuto núcleo urbano. Nos fora destinado um potreiro quase ao final da rua principal, onde os soldados armaram o acampamento. alguns oficiais dirigiram-se a uma pequena pensão para tomar banho, tendo eu ficado analisando algumas táticas a serem realizadas pela Cavalaria Ulana, no dia posterior.

Uma estação de trem é inaugurada na Vila de Campobasso. Com o objetivo de integrar as diversas regiões interioranas da Romania, uma linha ferroviária começa a ser construída. Ela ligará Campobasso á Pergamo, Reggio em Áquila e Napoli em Piemonte. Espera-se que dentro de uma semana e até dez dias, a ferrovia esteja concluída.

[hr]
[right]Ivysson Luz Von Hohenzollern[/align]

Não havia nem amanhecido quando o sentinela soou o alarme, acordando todo o regimento. Todos puseram-se em prontidão antes mesmo de tomar o café da manhã. Em uma rápida revista das tropas, pude perceber o cansaço nos rostos daqueles homens, mas sem dúvida, do cansaço adviria a resistência para o combate, a camaradagem entre as fileiras, adviria aquilo de que o regimento precisava para tonar-se bem preparado.
Em um rápido discurso, disse a tropa:

- Senhores, sai que vós estão cansados desta marcha. Mas isto demonstra nada mais do que o efeito de um boa preparação deve gerar numa tropa. Estejam firmes, pois ainda temos um longo caminho a percorrer, até que vocês possam ser considerados uma força militar de excelência, harmônica e forte. Por isso sugiro que comam bem neste café da manhã, pois o dia será longo.Então, às 6h30 da manhã, iniciamos a marcha rumo à Vercelli.

Até as 12h00 conseguimos nos aproximar alguns quilômetros de Forli, onde paramos para almoçar. Feita a refeição, a infantaria seguiu a marcha rumo a Vercelli, tendo sido conduzidos pelo Major di Pavoda, enquanto a Cavalaria Ulana permaneceu onde estávamos, a fim de realizar o exercício previsto.
Destarte, os pelotões foram organizados, formando grupos 2 pelotões de 85 cavaleiros e 1 de 80 cavaleiros, tendo os oficiais assumindo o comando das duas primeiras e eu assumi o comando da menor, e terceira.

Várias foram a formações executadas, as possibilidades abordadas, quase tudo era novidade para aqueles homens.

Após executarmos formações, dentre as quais, a formação “Cunha” e a formação “Golpe de Foice”. Encerramos os exercícios e partimos para alcançar a infantaria.

[center]Formação Cunha[/align]

[center]Formação Golpe de Foice[/align]

Alcançamos o Major di Pavoda já nos arredores de Vercelli, onde logo chegamos, sendo recepcionados, mais uma vez pelas autoridades. Próximo do centro urbano e a margem do rio, estabelecemos nosso acampamento. Todos estavam muito cansados pelo longo dia que se passara. Logo todos apenas jantaram e foram descansar. Eu apenas fui dormir, enquanto o restante do oficialato fora liberado para aproveitar a cidade entre rios de Vercelli.

Um prédio a ser erguido próximo ao centro da cidade, essa construção abrigará o posto médico da região.
A população recebeu de forma eufórica a notícia de que poderão consultar e tratar de boa parte de suas doenças na cidade e não terão que ir até Áquila para buscar atendimento.

Alguns soldados da Carabinieiri fazem uma patrulha pela cidade, para manter a ordem e impedir que qualquer ação criminosa ocorra.

Muitos equipamentos chegam para serem agregados ao Posto Médico. Diversos equipamentos para exames, remédios e vários outros artigos para serem utilizados nas consultas chegam na unidade.

[font=Times New Roman][size=150][i]
[tab=30]Nos arredores de Campobasso, operários da Construtora Nova Roma iniciam o cercamento de um terreno e colocam várias placas informando que ali era uma obra do Governo Real.Ao lerem os informes, os cidadãos ficaram entusiasmados ao saberem que as forças militares estava passando por um processo de reforma, para se equiparar as demais potências do globo.

[tab=30]Logo de início, é criado um posto para contratação de novos empregados, enquanto diversos materiais de construção chegam no local. Os operários que ali já estavam, começaram a tratar do solo, para que ele fique firme e aguente toda a construção.

[/i][/size][/font]


[tab=30]Durante a tarde do último dia, funcionários do Governo Real estiveram presentes na cidade para fazerem um relatório e entregá-los ao Poder Executivo. Tal relatório conterá dados acerca de prédios de serviços públicos e as atividades econômicas realizadas no local.
[tab=30]Após analise minuciosa, estes agentes do Governo vão até a sede dos Governos Locais, onde conversam com as autoridades e ouvem suas propostas e criticas. Tudo foi relatado e será encaminhado ao Gabinete do Cônsul, para que este tome as devidas medidas para desenvolvimento local.

Dias 12, 13 e 14 de agosto de 1892…

[size=140][font=Times New Roman][justify][tab=30]Era final da tarde de sexta-feira quando as baterias de artilharia da 1ª Brigada. fora escolhido uma região campesina ao norte da cidade de Campobasso.

[tab=30]Alguns centenas de metros atrás das linhas das baterias, fora estabelecido o acampamento da tropa e dos oficiais, inclusive uma tenda para que o General Pedro Leão Voltolini, comandante da Brigada.
[tab=30] No aurora do dia seguinte, todos os soldados artilheiros ocupavam suas posições, sendo orientados pelo oficiais de comando imediato, preparavam-se para o exercício que estavam por vir. Então, pontualmente às 8 horas da manhã, os disparos iniciaram.

  • Inclinar mais 20º acima! 3º a direita! FOGO! Orientava um sargento, enquanto praças operavam um obuseiro.

[tab=30]Cerca de 150 metros atrás da linha, Jaziam observando tudo, através de binóculos e lunetas o General Voltoni e sua Estafe. Além disso, haviam sido convidados e se faziam presentes o General-de-Exército di Pavoda, Comandante da 1ª Brigada de Infantaria; e o General-de-Divisão Maserati, comandante da 1ª Brigada de Cavalaria do Exército Real. Por consequência disso, suas Estafes também acompanhavam o exercício junto de seus superiores.
[tab=30]O Regente e Chefe do Estado-Maior do Exército, Marechal-de-Campo Wilhelm von Steindorff-Bayern também havia sido invitado a comparecer, porém um telegrama já no final da noite de sexta comunicava que, por motivos de força maior, o Regente deveria permanecer na Capital Rea.
[tab=30]Fora, realmente, produtivo aquele exercício. Os homens correspondiam fielmente aos comandos, além de que as peças de artilharia empregas pela Brigada, eram de altíssima qualidade. Ao passo que os alvos eram sumariamente acertados, os oficiais comemoravam. O próprio General Voltolini, combatente na Insurreição Romaniana e, também, na Intentona Odinista, sentia-se satisfeito ao ver o desempenho de seus homens. Ainda que pouco expressasse, tinha para si, diante dos olhos, o que considerava ser o melhor grupamento de baterias e soldados artilheiros. Tudo se devia ao treinamento intenso e rigoroso, levado a cabo nos últimos 6 meses. Esperançoso, queria crer que as próximas turmas de recrutas seriam tão eficientes quanto esta pioneira.
[tab=30]O domingo se encerrou com mais uma rodada de exercícios. Todos muito entusiasmados com os resultados, retornaram aos seus quartéis, com a certeza que em caso de um conflito armado, a 1ª Bda. de Artilharia não faltaria em defender o reino e seus súditos.[/align][/font][/size]

[justify][tab=30]Para acomodar tantos imigrantes que veem para o Reino da Romania, pequenos edifícios são construídos em parceria com os governos municipais e alguns empresários locais.[/align]

[font=Times New Roman][size=150][i][justify][tab=30]Nos arredores de Campobasso, terrenos sofrem demarcação, e neles são colocadas várias placas indicativas. Durante toda a tarde deste nove de março, diversos funcionários da Construtora Nova Roma, fazendo valer as diretivas contidas no último decreto do Poder Executivo, iniciam os trabalhos para construção do Sistema de Saneamento Real.[/align]

[justify][tab=30]Além de empregar boa parte da população local, este empreendimento é um passo inicial rumo a melhoria do sistema de saúde que, passa a tornar-se foco principal do Cônsul Hohenzollern.[/align][/i]

[i]

[/i][/size][/font]


[tab=30]Após dias de trabalho, o Sistema de Saneamento de Campobasso é concluído.


[tab=30]Um pequeno destacamento da Carabinieri faz exercícios na praça central de Campobasso, simulando possíveis ações de combate com manifestantes. As recentes turbulências vividas no Reino, vem causando enorme histeria e medo por parte da população.

O único magistrado do Estado de Molise, apesar de sobrecarregado, segue as ordens do COMAR e fecha a comarca. Vários comerciantes vão até sua casa protestar, mas não o encontram lá. Ele partiu num coche para Monte Belo e postou guardas em volta do Fórum, para evitar invasões. O intendente de Campobasso, Catão di Rigoni, acalma a população e assegura que viajará à Capital para exigir a reabertura da comarca. O major local da Carabinieri endossa a pressa em acabar rapidamente com o que chama de “vaidade de madraço”.

[font=Garamond Bold][size=150]

  • Senhor, os novos carabinieris chegaram.

  • Ótimo Sargento, quantos são mesmo?

  • 35 soldados prontos para servir , senhor.

  • Perfeito, apresente os alojamentos e depois mande-os para as ruas, concentre as patrulhas no centro, quero ficar de olho naqueles “constitucionalistas.”

[/size][/font]


[tab=30]Boatos de um novo empreendimento surgem na cidade.


[tab=30]Em vista do grande progresso econômico Real, alguns comerciantes e industriais locais, reúnem-se com autoridades citadinas para discutirem as possibilidades do estabelecimento de uma nova Casa Bancária. Tal empreendimento, seria provedor de recursos necessário a impulsionar, ainda mais, o crescimento da cidade.


[tab=30]Em vista dos recentes acontecimentos diplomáticos, populares vão as ruas da cidade em protesto contra o país vizinho, acusando-os de afronta a neutralidade romaniana, bem como a paz e a moral dos mesmos. Os cartazes exibidos por todos os lados das manifestações demonstram o apoio do povo à Sua Majestade e às Forças Armadas


[tab=30]No início da noite, uma mensagem chega ao Gabinete do Governador Estadual, que é prontamente entregue ao mesmo, que ainda estava trabalhando.

[spoil][font=French Script MT][size=200][i]

[/size][/font][/spoil]