[INTERATIVO] Cidade de Imperia

[center]Cidade de Imperia[/align]

[font=Garamond][size=150][center]Vista da região central de Imperia[/align].

[justify][tab=30]Imperia é uma cidade mediana que cresce constantemente. Localizada à noroeste da Cidade de Áquila, têm sua economia baseada nas movimentações locais com a produção e com o engarrafamento de vinhos e espumantes. Nos tempos primordiais do continente, ali havia se estabelecido um Posto de Controle do Governo Romano, restando ainda, alguns vestígios arqueológicos da ocupação empreendida por civilização antiga. Em razão disso, são numerosos os estudiosos a peregrinarem em busca de ruínas e bustos, encontrados em diversas escavações.

[tab=30]Atualmente, a cidade que outrora era de pacato movimento, tem acesso a modernidades como transporte público e a eletricidade. Tudo se dá pela necessidade de uma maior ligação do polo de produção vinícola ao resto da Província. Em julho de 1891 a então vila de Imperia foi elevada ao status de Cidade. Em meados de 1892 a Cidade se tornou a Capital do recem criado Estado da Calábria, fazendo com que o já constante crescimento da cidade ganhasse mais forças.[/align]


[center]Intende Alfredo Catula.[/align]

Prédios:
Escola Primária
Posto Médico
Posto de Fronteira

Efetivos:
Carabinieri: 100 Soldados
[/size][/font]

Talvez fosse a primeira vez que aqueles homens marchariam uma grande distância. Logo nas primeira horas alguns tombaram, tendo de ser acudidos por seus companheiros, sendo postos em atendimento à carroça da enfermaria, para logo após que se recuperassem, retomassem a marcha junto do seu batalhão.
Com o regimento em marcha forçada, conseguimos atingir os bosques de Agrigento pouco depois do meio-dia. Ali, bem ao centro da mata, fora ordenado que os homens parassem para se alimentar e que a cavalaria desse de beber aos cavalos.

A refeição toda levou cerca de 1 hora, até que todos estivessem prontos a partir. A tarde de marcha parecia não ter fim e para muitos daqueles homens, se estivesse em sua escolha, parariam no próximo vilarejo que avistassem. No entanto, era consoante dentre as fileiras que a marcha deveria fazer parte da vida de um soldado e que este deveria estar preparado para, se necessário, lançar-se na mais longa das marchas.

O crepúsculo já tomava conta do céu quando avistamos a estrada que nos levaria até Villa Imperia. Sem mais delongas, tomamos o rumo que nos levaria a entrada da cidade, alcançando a mesma com a noite já escura.
Então adentramos à cidade, onde fomos recebidos pelo Intendente da mesma e mais algumas autoridades locais. Enquanto marchávamos pelas ruas centrais, fui abordado por um membro do Partido Nacional, vinicultor importante da região, que sem muitas delongas convidou a mim e ao meu estado-maior, para jantarmos em sua residência, tendo eu aceitado seu convite.
Ao regimento, fora direcionado uma região campineira, muito próxima ao centro da cidade, onde os homens puderam instalar chuveiros de campanha e montar acampamento. Eu, capitão Maserati e Major di Pavoda, seguimos à cavalo até a residência do ilustre nacional-gesebianista Alfredo Belline, para honrar o convite do jantar.

[font=Times New Roman][size=150]Tendo passado noite tão agradável na casa do Sr. Alfredo Belline, correlegionário do Partido Nacional, com direito ao excelente banquete regado a muito vinho romaniano e música clássica de boa qualidade, ainda de madruga, eu e Capitão Maserati e o Major di Pavoda retornamos ao acampamento para descansarmos junto do regimento.

Então, as 6h00 da manhã seguinte, o corneteiro soou o despertar das tropas, acordando o acampamento inteiro. Iniciado todo o movimento de recolhimento de equipamentos e desmanche do acampamento, os homens realizaram o desjejum em poucos minutos.
Novamente partimos às 07h30, em direção a Villa de Pavoda, onde realizaríamos um exercício de entrincheiramento e defesa da estrada de acesso a referida vila.[/size][/font]

Dois prédios começam a ser erguidos próximo ao centro da cidade, essas duas construções abrigarão a escola pública da região e o posto médico da região.
A população recebeu de forma eufórica a notícia de que seus filhos poderão estudar na cidade e não terão que ir até Aquila para buscar atendimento.

[justify][tab=30]Então, pela manhã tudo estava pronto. As várias malas-postais já haviam sido lacradas, contendo cartazes de propaganda, livros-registro e instruções para aqueles que ficariam responsáveis pelo processo de registro do alistados. Além das capitais regionais e da Capital Imperial, a maioria do material foi destinado ao interior para que assim fosse facilitado a realização da conscrição. Dentre as principais orientações a que mais chamava a atenção, sem dúvida era a de que seria permitido apenas o registro de homens brancos e com registro no cartório nacional. Um observação escrita dizia que era “terminantemente vedado o registro de negros e sunerianos”. A ordem procedia, obviamente, do Comando da Legião.[/align]

[offtopic]Elaboração do post de autoria do Lukas e alterado por mim.[/offtopic]

[font=Garamond][size=150]Com o posto concluído os cinco soldados da Carabinieri se instalaram na sua nova “casa,” o oficial leu novamente as suas ordens e as repassou aos seus colegas, eles chegaram as suas armas e se prepararam para iniciar a inspeção aleatória de veículos e pessoas que entrassem na cidade.

[/size][/font]

[center]Posto de Fronteira[/align]

[justify][tab=30][tab=30]Desde a inauguração do Posto de Fronteira sediado em Impéria, nenhuma apreensão de materiais bélicos havia sido registrada pelos soldados. No entanto, mesmo sem incidências de atos criminosos, as patrulhas seguiam a risca a ordem de revistar qualquer veículo ou indivíduo que apresentasse comportamento suspeito.[/align]

Pela tarde, vários equipamentos chegam ao Posto de Atendimento Médico, melhorando as consultas e auxiliando no aperfeiçoamento dos tratamentos na unidade.

O Comendador William chega na Cidade, e se reúne com algumas pessoas. O Mesmo ira sair da cidade as 21 horas.

No começo da tarde um telegrama foi entregue ao Intendente da cidade, após algumas horas uma reunião com políticos e empresários fora convocada, aparentemente o tema de tal reunião fora a ameaça comunista e a situação na Draconia.

Em um pequeno estabelecimento…

[font=Times New Roman][size=150]- Pessoal, a situação no Piemonte é crescente! O movimento não para de irradiar. Qual deverá ser a nossa posição?

  • Devemos apoiar, claro. Este é um desejo coletivo, todos querem, há anos queremos.

  • Temos que procurar apoio dos poderosos romanianos, talvez eles possam nos ajudar.

  • Acredito que já sabem de tudo. De qualquer forma, devemos colaborar para que o movimento seja crescente em Áquila, obrigando que uma posição seja tomada.

  • Vamos conclamar nosso povo e os povos das demais cidades à luta?

  • Claro. Devemos fazer um grande comício, uma grande passeata, e assim, expandiremos nossa causa. Estão todos de acordo?

  • Sim!

  • Sim!

  • Sim!

  • Perfeito. Então tomem conta disto. Irei tentar contato com Her Hohenzollern, talvez nos ajude. Por hoje é só, até amanhã senhores.[/size][/font]

Muitos equipamentos chegam para serem agregados à Escola Pública. Diversos livros, cadernos e lápis chegam à unidade, bem como instrumentos para laboratório.

[center]Escola Primária de Imperia[/align]
[justify][tab=30]Conforme se previa no Calendário Escolar, teve início na manhã da segunda-feira, 22 de fevereiro de 1892, o ano letivo na Escola Primária de Imperia.[/align]


[center]Turma da 4ª Série, em seu primeiro dia de aula.[/align]


[tab=30]Durante a tarde do último dia, funcionários do Governo Real estiveram presentes na cidade para fazerem um relatório e entregá-los ao Poder Executivo. Tal relatório conterá dados acerca de prédios de serviços públicos e as atividades econômicas realizadas no local.
[tab=30]Após analise minuciosa, estes agentes do Governo vão até a sede dos Governos Locais, onde conversam com as autoridades e ouvem suas propostas e criticas. Tudo foi relatado e será encaminhado ao Gabinete do Cônsul, para que este tome as devidas medidas para desenvolvimento local.

[justify][tab=30]Para acomodar tantos imigrantes que veem para o Reino da Romania, pequenos edifícios são construídos em parceria com os governos municipais e alguns empresários locais.[/align]


[tab=30]Um pequeno destacamento da Carabinieri faz exercícios na praça central de Imperia, simulando possíveis ações de combate com manifestantes. As recentes turbulências vividas no Reino, vem causando enorme histeria e medo por parte da população.

[font=Garamond Bold][size=150]

  • Senhor, os novos carabinieris chegaram.

  • Ótimo Sargento, quantos são mesmo?

  • 35 soldados prontos para servir , senhor.

  • Perfeito, apresente os alojamentos e depois mande-os para as ruas, concentre as patrulhas no centro, quero ficar de olho naqueles “constitucionalistas.”

[/size][/font]


[tab=30]Em vista do grande progresso econômico Real, alguns comerciantes e industriais locais, reúnem-se com autoridades citadinas para discutirem as possibilidades do estabelecimento de uma nova Casa Bancária. Tal empreendimento, seria provedor de recursos necessário a impulsionar, ainda mais, o crescimento da cidade.

[font=Garamond Bold][size=150]
[tab=30]Após uma longa e difícil viagem a comitiva real se separou em Padova, os nobres que acompanhavam o Rei e o Secretário dos Negócios Estrangeiros partiram para Áquila. A Comitiva Real, agora composta apenas pelo Rei, o seu secretário, alguns funcionários da coroa e a sua guarda, partiram para Imperia, já nos arredores da cidade a comitiva se deparou com alguns homens que tentavam liberar a estrada, o Rei desceu de sua carruagem e foi ao encontro deles.

  • Boa tarde senhores, vejo que temos um grande problema aqui - diz o Rei ao olhar para a árvore que os homens tentavam cortar.

  • Bo…Boa Tarde Vossa Majestade,… estamos tentando desobstruir a estrada, mas não tem sido uma tarefa fácil - falou o mais velho dos homens.

  • Entendo, vocês possuem mais machados?.. Ótimo, vocês cinco - disse o Rei para os guardas que o acompanhavam - tirem os seus capacetes e me ajudem.

[tab=30]O Rei entregou o seu paletó para o seu secretário, que protestava contra a decisão dele, e arregaçou as mangas de sua camisa, ele e os seus guardas ajudaram os outros homens a cortar a árvore e desobstruir o caminho, quanto tudo estava pronto o Rei recebeu os agradecimentos dos seus súditos, voltou para a sua carruagem e seguiu rumo à cidade. Ao chegar na cidade ele foi até a residência do Intendente, lá ele banhou-se, reuniu-se com o Intendente e outras autoridades locais.

[/size][/font]

[size=140][font=Times New Roman][justify][tab=30]Por volta das 14h30, as duas fragatas da Marinha Arquiducal, NSA Gardignon 01 e o NSA Gardignon 02, já haviam navegado até as imediações de Imperia. Muitos populares dirigiram-se à margem do Rio Norden, de onde acompanharam assustados a movimentação dos marinheiros dugardenhanos. Após as naus posicionarem-se uma à frente da outra, com as baterias laterais já carregadas e fazendo mira nos prédios ribeirinhos, um bote foi baixado até a água e nele embarcaram 1 tenente e 4 soldados que, remando, seguiram até uma pequena desembocadura na margem, próximo da ponte.
[tab=30]Após desembarcarem, um grupo de soldados da Carabinieri cercou o quinteto e a eles indagaram o que pretendiam.

- Em nome do Contra-Almirante da Marinha Arquiducal, Sir Isaac Goldsmith, desejamos falar com o senhor Intendente desta Cidade.[/align][/font][/size]