[INTERATIVO] Cidade de Napoli

[center]Cidade de Napoli[/align]

[font=Garamond][size=150][center]Vista da principal avenida de Napoli durante um desfile militar.[/align]

[justify][tab=30]Localizada na divisa entre as Reais Províncias de Lazio e do Piemonte, esta grande cidade, que cresce diariamente, é um importante entreposto de abastecimento para viajantes e comerciantes que trafegam pelo local. Sua população está em constante crescimento, porém, na cidade ainda pode ser encontrada uma pequena capela, onde se realizam cerimônias religiosas e também o conhecido “Antigo Armazém”.

[tab=30]Napoli é considerada a segunda maior cidade da Província, e sua arquitetura possui claras influências portuguesas, bem como sua população, cuja grande parte é descendente de lusos.

[tab=30]Localizam-se na cidade, uma escola pública e um posto médico, ambas as instituições atendem a todos os romanianos que moram na região. Em julho de 1891 a então vila de Napoli foi elevada ao status de cidade por um decreto do Governo da Romania, essa mudança veio com a construção de uma central do sistema de saneamento. Em meados de 1892, por sua privilegiada localização, Napoli também passou a sediar a Real Academia Naval, importante escola de formação dos oficiais de carreira da Marinha Real.[/align]


[center]Intendente Marco Catus Vinicus.[/align]

Prédios:
Escola Primária
Escola Técnica
Posto Médico
Sistema de Saneamento do Interior
Real Academia Naval de Napoli (RANAN)
Estação Ferroviária

Efetivos:
Carabinieri: 300 Soldados

[/size][/font]

Depois de passar pelas vilas de Udine, Vercelli e Corleone, a carrugaem que levava o Duque de volta à Firgen pára em Napoli para deixar os cavalos descansarem e beberem água, e também para permitir ao Duque e ao condutor cearem na estalagem local. Apesar do adiantado da hora, foram bem recebidos e, após um breve cochilo, seguiram viagem em direção a Barletta e Tarviso para, finalmente, chegarem a Cisalpe.

[justify][tab=30]Longe dos grandes centros urbanos do Império, mesmo assim Napoli vem crescendo de uma maneira pujante. Contudo, sem a devida vigilância dos poderes públicos, especialmente da Gendarmeria, vem aumentando também o número de crimes, especialmente descaminhos e abigeato. Este último mais acentuadamente nas regiões mais interiores de Piemonte.[/align]

No início da tarde, Legionários e Ulanos da Guarda da Romania chegaram na vila, muitos estranharam aquilo, há tempos não se viam tropas romanianas na região, os mais velhos ficaram muito contentes ao ver os Legionários novamente. As tropas não pararam na vila, continuaram a sua marcha até um campo próximo a vila, lá fora erguido um acampamento, vários oficiais estavam no local, inclusive o Comandante Eduardo di Padova, a tropa se posicionou no local combinado, algumas ordens foram dadas e logo os soldados começaram a cavar trincheiras sob a supervisão do Comandante e os seus oficiais.

[center]Os Legionários se entrincheiram no campo próximo a Vila.[/align]

Assim que as trincheiras ficam prontas, o Comandante Aurélio se reúne com os seus oficiais para dar prosseguimento ao treinamento dos Legionários e Ulanos, após aproximadamente 15 minuto de conversas, fica decidido que devem ser aprimoradas as táticas de combate a distância dos Legionários, o Comandante continua observando o treinamento enquanto os oficiais se dirigem aos soldados e lhes dão algumas ordens, logo grupos são formados e alvos afixados em algumas árvores, os primeiros grupos não se saem muito bem mas após algum tempo eles melhoram em muito os disparos, alguns oficiais acenam positivamente para o Comandante que observa a tudo em silêncio

[center]Legionários treinam suas táticas de disparo, os resultados são promissores.[/align]

Após algumas horas de treino e com a noite chegando, o Comandante se reúne com a tropa, parabeniza o bom desempenho deles bem como o desempenho de alguns soldados e oficiais em específico, fala sobre o que a Romania e o Comandante-Geral espera de cada um deles, em seguida ele volta para a sua tenda e se reúne com os oficiais, os soldados vão para as suas tendas, grupos de 5 Soldados são organizados para patrulharem o acampamento e arredores durante a noite. Durante a sua reunião com os oficiais, o Comandante decidiu que amanhã serão organizados treinamentos com os Ulanos e será novamente utilizado o estandarte da Romania, uma das práticas mais antigas da Guarda.

[center]O Comandante Aurélio se reúne com os seus oficiais e observa atentamente aos exercícios dos Legionários.[/align]

Durante toda a manhã os legionários treinaram a sua pontaria e combate corpo a corpo, no início da tarde foram treinadas táticas de combate com baionetas, após algumas horas, os membros da Cavalaria de Ulanos foram introduzidos ao campo, inicialmente fora treinado as cavalgadas em grupo e combate com espadas.

[center]Membros da Cavalaria de Ulanos.[/align]

Depois de algumas horas de treinamento no campo e na floresta, os Ulanos se posicionam em fileira no alto de uma colina, ao pé dessa colina são colocados alguns bonecos de palha, os ulanos preparam as suas lanças e ao sinal do oficial, todos descem em uma poderosa carga contra os “inimigos,” em poucos minutos os bonecos são reduzidos a pilhas de palha e panos esfarrapados, ao término do exercício, todos os soldados e especialmente os ulanos, são aplaudidos pelo ótimo desempenho, o próprio Comandante Aurélio sai de sua tenda e vai pessoalmente parabenizar os legionários e os cavaleiros.

[center]Ulanos treinam as suas investidas contra forças inimigas.[/align]

No final da tarde, o acampamento é desmontado e todo o material é recolhido, os legionários se posicionam para marchar tendo os Ulanos na retaguarda e a frente os oficiais e o Comandante Aurélio, a Guarda marcha através da Vila, que acompanhou atentamente esses dois dias de treinamento, muitos populares aplaudiram os soldados e acompanharam a tropa até a saída da Vila.

[center]A Guarda deixa a vila sob os olhares atentos e curiosos da população.[/align]

Vários técnicos da Companhia Telephonica Hohenzollern instalam uma central na Vila. Com o crescimento das atividades telephonicas, viu-se necessário instalar uma central na região, facilitando assim, a comunicação dos moradores com outras regiões.
[hr]
[right]Ivysson Luz Von Hohenzollern[/align]

Dois prédios são erguidos no centro da pujante Napoli, esses prédios abrigarão a escola pública da região e o posto médico da região. A população recebeu essa notícia de forma eufórica pois agora não terão que ir até Piemonte para buscar atendimento médico ou instrução para as suas crianças.
Outra grande notícia também fora muito bem recebido pela plebe, a notícia de que uma central do sistema de saneamento será construída nas redondezas da cidade, isso aumentará a qualidade de vida dos moradores da cidade e ajudará no combate as doenças.

[justify][size=150][font=fantasy][tab=30]O dia estava próximo de clarear quando duas grandes explosões acordaram os moradores da cidade. Ainda atordoados pelo sono, e pelos recentes acontecimentos causados pelos terremoto, todos saíram às ruas, e se depararam com dois prédios do centro em chamas.

[tab=30]Alguns moradores relatam terem visto dois homens usando capas partirem a cavalo do centro em direção ao sul, mas com a comoção em apagar o fogo e procurar sobreviventes, e com os Carabineri e Gendarmes espalhados por diversas cidades da região para auxiliar os feridos e desabrigados, logo se perdeu a trilha dos fugitivos.[/font][/size][/align]

[center]Alguns gendarmes, que não foram realocados, fazem uma rápida investigação e concluem se tratar de um atentado, e que, aparentemente, o alvo foi escolhido aleatoriamente. Prontamente é enviado uma carta ao Comissário, inclusive informando que os criminosos teriam fugido pelo mar, mas que ninguém testemunhou isso.[/align]

[center]A gendarmeria local mantém uma rotina extensiva de vigilância e patrulhamento na cidade, interrogando suspeitos, a fim de evitar novos atentados.[/align]

Um senhor com aproximadamente 40 anos e um jovem aparentando ter 20 anos chegam em uma carroça, ambos demonstram um certo entusiasmo ao chegar na vila, vão até o mercado mais próximo e tentam vender algumas das mercadorias que trouxeram consigo, eles conseguem vender apenas uma pequena parte, mas entre uma negociação e outra eles questionam os moradores sobre a situação na cidade.
Eles alugam dois quartos em uma pequena e simples pousada e permanecem boa parte da noite lá.

[justify][tab=30]Então, pela manhã tudo estava pronto. As várias malas-postais já haviam sido lacradas, contendo cartazes de propaganda, livros-registro e instruções para aqueles que ficariam responsáveis pelo processo de registro do alistados. Além das capitais regionais e da Capital Imperial, a maioria do material foi destinado ao interior para que assim fosse facilitado a realização da conscrição. Dentre as principais orientações a que mais chamava a atenção, sem dúvida era a de que seria permitido apenas o registro de homens brancos e com registro no cartório nacional. Um observação escrita dizia que era “terminantemente vedado o registro de negros e sunerianos”. A ordem procedia, obviamente, do Comando da Legião.[/align]

[offtopic]Elaboração do post de autoria do Lukas e alterado por mim.[/offtopic]

Pela tarde, operários recrutados pelo Banco Hohenzollern, iniciam a construção de uma Escola Primária e uma Escola Técnica na Cidade de Napoli. Tal empreendimento faz parte da Tarefa Social do Banco Hohenzollern, presente em seu estatuto, onde a instituição tem que auxiliar no desenvolvimento social do Império.

Após a conclusão dos trabalhos de terraplanagem, as primeiras estruturas das escolas começam a ser construídas. Enquanto isso, diversos cidadãos que se encontravam desempregados, agora fazem parte de um grande programa de incetivo à educação na Romania, financiada pelo Banco Hohenzollern, em parceria com o Governo Provincial.

[tab=30][tab=30]Conforme determinado pelo comando, os 15 soldados da I Legião do Regimento Carabinieri passaram a realizar vistoria em todas as embarcações que aportavam ou zarpavam do porto de Napoli.

A construção do Sistema de Saneamento progride a todo vapor, tubulações são instaladas em toda a cidade e nas cidades vizinhas. Devido ao longo caminho a percorrer entre as cidades o Governo contratou vários cidadãos do Piemonte que estavam desempregados, criando assim uma formidável força de trabalho comandada por um dos engenheiros que projetou o Sistema da Cidade do Piemonte.

Devido a ampliação da Via Philippina mais pessoas são contratadas para as equipes de construção. O engenheiro responsável pela construção da Via é novamente contratado pelo Governo e ao lado da equipe de operários começou a ampliação da Via.


Após algumas horas procurando um bom local para a Academia Naval, o engenheiro responsável pela sua construção encontrou um local a 2Km do mar. Pouco antes do meio-dia os operários chegaram bem como alguns materiais.

Pouco antes do final da tarde uma cerimônia fora realizada no centro da cidade para inaugurar o mais novo prédio da cidade. Centenas de moradores participaram da reunião onde a Canção dos Guerreiros, popularmente chamada de Hino da Independência, fora cantada, muitos boatos sobre o futuro da recente nação fora comprovados ou desmentidos, mas era geral a sensação de anseio pela coroação do Rei Aclamado.

Um problema no sistema de saneamento da cidade, faz com que diversas toneladas de esgoto fiquem a céu aberto. Rapidamente, funcionário da empresa, juntamente com auxílio de populares locais, consertam o problema e iniciam a limpeza do esgoto que fora jorrada para fora das tubulações.

[font=Times New Roman][size=150][i]
[tab=30]Nos arredores de Napoli, operários da Construtora Nova Roma iniciam o cercamento de um terreno e colocam várias placas informando que ali era uma obra do Governo Real.

[tab=30]Logo de início, é criado um posto para contratação de novos empregados, enquanto diversos materiais de construção chegam no local. Os operários que ali já estavam, começaram a tratar do solo, para que ele fique firme e aguente toda a construção.

[/i][/size][/font]