[INTERATIVO] Cidade de Venezia

[center]Cidade de Venezia[/align]

[font=Garamond][size=150][center]Vista panorâmica da cidade.[/align]

[justify][tab=30]Localizada na costa da região do Piemonte e na foz do rio Pó, a cidade de Venezia é tão antiga quanto a própria cidade de Monte Bello, hoje Venezia também é conhecida por ser a Capital do Estado da Alta Lombardia. Fundada alguns anos após esta última, Venezia tornou-se lar de pescadores e lenhadores que tiram o seu sustento dos recursos naturais da região.

[tab=30]Lar de filósofos e conhecidos ufanistas, Venezia também apresenta muitas paisagens e belezas naturais únicas no reino, destacando-se, também, pelo patriotismo fervoroso dos seus cidadãos, que lutam para conservar a sua cultura e estão sempre dispostos a defender a sua Pátria.[/align]


[center]Intendente Fernando Capulio.[/align]

Prédios:
Escola Primária
Posto Médico
Palácio Aestas

Efetivos:
Carabinieri: 150 Soldados[/size][/font]

Muitos equipamentos chegam para serem agregados ao Posto Médico. Diversos equipamentos para exames, remédios e vários outros artigos para serem utilizados nas consultas chegam na unidade.

Por volta das 23h15 da sexta-feira…

[size=150][font=Times New Roman][justify][tab=30]Após aproximadamente 12 horas de viagem, Wilhelm finalmente chagava ao seu destino, a Mansão Eneti, residência de Enzo Leonel di Eneti, Visconde de Venezia.


[tab=30]Sendo recepcionado pelo nobre homem, sua e esposa e a filha, o Marechal fez um breve lanche com sanduíches de Atum e vinho proveniente de videiras das terras do próprio Visconde, já que pela hora não seria mais possível jantar. Cerca de uma hora de conversa se seguiu entre o Enzo e Wilhelm e então ambos foram dormir.


[tab=30]Na manhã seguinte, após tomarem o desjejum, o Marechal e o Visconde decidiram realizar uma caminhada matinal pela propriedade do anfitrião, que se estendia em milhares de acres sendo, talvez, uma das maiores propriedades de toda a Romania.


[tab=30]Ao passo que falavam da história mais recente do Reino, também debatiam a respeito do trabalho que já vinha realizando o Partido Conservador no antigo Império, considerando que seria muito propício dar continuidade a esta linha política e ideológica no cenário atual do Reino.
[tab=30]Após andejar cerca de 2 horas, ambos retornaram à mansão e Wilhelm pode então contemplar a beleza arquitetônica da Mansão. Ali almoçariam e aguardariam a chegada dos demais convidados para a caçada, dentre eles o Intendente Fernando Capulio e Sua Majestade, o Rei Humberto.

[/align][/font][/size]

[font=Garamond][size=150]
[tab=30]Após uma longa viagem pelas estradas do Piemonte, finalmente a comitiva real adentrou as terras da Família Eneti. Os portões da propriedade foram rapidamente abertos pelos funcionários ao verem a longa coluna de Dragões que se aproximava, em meio a longa coluna estavam três carruagens, na primeira carruagem estavam o Rei e o seu secretário, na segunda estavam alguns aristocratas do Piemonte e o Intendente Fernando Capulio, na terceira e última carruagem estavam o valete do Rei e alguns funcionários da coroa. A comitiva parou quando chegaram em frente a bela Mansão.

[tab=30]Os dragões rapidamente tomaram suas posições, desmontaram e formaram um corredor que ia da entrada da mansão até a carruagem real. O cocheiro da carruagem real desceu e abriu a porta para o Monarca que logo desceu e andou alguns metros para receber as saudações da sua guarda, o Sr. Flavius desceu logo em seguida e se pôs há alguns metros do Monarca.

[/size][/font]

[size=150][font=Times New Roman][justify][tab=30]Antes mesmo da chegada do Rei e sua comitiva, alguns outros nobres amigos do anfitrião já se faziam presentes na Mansão. Assim, com todos os convidados já reunidos, o Visconde fez questão de apresentar todos ao monarca. Muitos dos presentes eram desconhecidos aos olhos de Humberto, que aproveitava a oportunidade para conhecer aqueles com que teria mais contato, durante os dias que se seguiriam em seu vida como Rei da Romania.
[tab=30]Após todos estarem devidamente introduzidos, a comitiva seguiu até uma tenda armada há algumas centenas de metros da mansão.

[tab=30]Com todo o equipamento já preparado, todos partiram para a região onde esperava-se caçar alguns cervos e veados, cada qual acompanhado por seus valetes que carregavam e municiavam as armas antes e após os disparos. Acompanhando os caçadores, também se faziam presentes algumas esposas e filhas, transformando o evento num grande encontro de socialização da aristocracia romaniana. Ao passo que caminhavam, Wilhelm aproximou-se de Humberto e seu Assessor, o Sr. Flavius e com eles começou a parolar.

- E então Majestade, como têm se sentido em seus primeiros dias de reinado? Temo, tens sidos bem recebido pelo povo, que não se poupa em mostrar sua lealdade para com seu novo Comandante-em-Chefe.[/align][/font][/size]

[font=Garamond][size=150]
[tab=30]Wilhelm, devo lhe dizer que tudo isso ainda é um pouco estranho, sempre estive acostumado ao carinho do meu povo, mas ainda tenho que me acostumar com todos os protocolos - diz o monarca ao dar uma leve risada.

[tab=30] Mas me diga meu caro, como está o exército?[/size][/font]

[size=150][font=Times New Roman][justify][b][i]- Acredito que não seja fácil mesmo. Mas Vossa Majestade faz bem em seguir todos os protocolos tal como se exige, pois a maior parte deles é para sua simples proteção.

  • Quanto ao Exército, bem, foi bom Vossa Majestade tocar no assunto, pois eu já devia lhe dizer que na sexta-feira mandei entregar em Vosso gabinete, no Palácio, um dossiê sobre tudo que foi discutido com o Estado-Maior. Precisamos agora, é que o Governo de celeridade as construções dos quartéis, e também necessitamos do orçamento, para sabermos se teremos de mover para reserva algum contingente herdado do Império.[/i][/b][/align][/font][/size]

[font=Garamond][size=150]
[tab=30]Um dossiê? analisarei ele com cuidado quando eu voltar para Áquila. Herdamos muitas coisas do falecido Império, mas felizmente não herdamos os maus comandantes - diz o Rei ao dar uma profunda gargalhada.

O Secretário do Monarca se aproxima do mesmo e após curvar-se lhe entrega um bilhete.

[tab=30]Wilhelm, a suposta Condessa está enviando patrulhas para a nossa baía e isso não me agrada. Sr. Flavius - diz o Monarca ao chamar o seu secretário - envie uma mensagem para o Lorde Almirante, quero que a Marinha inicie o patrulhamento da baía o quanto antes.[/size][/font]

[size=150][font=Times New Roman][justify][tab=30]Então, após alguns minutos de caminhada, onde todos conversavam em pequenos grupos, um dos batedores localizou um grupo de cervos que pastavam numa clareira da mata, cerca de 200 metros à frente da comitiva. Avisando para que todos tomassem seus postos, o silêncio tomou conta do local.

[tab=30]Sinalizando para seu valet, o Sr. Jäeger, Wilhelm tomou em suas mãos sua arma e posicionou-se para efetuar o disparo num dos grandes machos do grupo. Logo ao disparar, seguido de diversos disparos alheios, conseguiu notar que seu tiro havia sido certeiro, pois sua vítima logo tombou.

[/align][/font][/size]


[tab=30]O Jovem Monarca não caçava há nos, por isso o mesmo levou algum tempo até se acostumar com o ambiente. Mas ao ver que o grupo convergia para uma área ele pediu ao seu valete, o Sr. Bates, que lhe entregasse o seu rifle, o Monarca checou a arma e procurou um alvo, ao localizar o seu alvo ele disparou.

[tab=30]Mas devido ao longo tempo sem praticar o Monarca acabou errando, mesmo assim ele deu uma leve risada pois lembrou-se das caçadas em Selwood.

[size=150][font=Times New Roman][justify][tab=30]Após todos que puderam terem disparado, inclusive o anfitrião e o Intendente Capulio, o grupo seguiu até a área onde se haviam abatido as presas. Ali, cada qual procurou identificar sua vítima, o que foi demasiado fácil já que o grupo de cervos havia dispersado-se ao passo que ouviram os disparos, sendo pegos desprevenidos.
[tab=30]Com as caças já recolhidas numa carroça que seguia a todos, metros atrás, a comitiva seguiu com o proposito de encontrar outro grupo de animais que se fosse possível atirar. Após quase 15 minutos de caminhada resolveu-se fazer uma pausa, para beber água e recuperar o fôlego de alguns, já que faixa etária era um tanto quanto alta.
[tab=30]Wilhelm logo foi cercado por aqueles que curiosos pelos assuntos militares, já o Visconde buscou gracejar junto de um grupo de políticos da capital provincial, enquanto o Rei era alvo dos olhares de algumas moças e mulheres que acompanhavam o grupo, dentre elas a filha do Enzo, Bianca Milena di Eneti.

[/align][/font][/size]

[font=Garamond][size=150]
[tab=30]Enquanto todos conversavam o Monarca entregou o seu rifle ao seu valete e parou para observar a área, durante alguns segundos ele pôde contemplar a beleza de sua terra, mas fora interrompido pelo Sr. Flavius.

[tab=30] - Majestade, creio esse seria um bom lugar para vosso palácio de verão. Estive conversando com alguns moradores da região e descobri que existe uma ampla propriedade a venda… vejo que o senhor está olhando exatamente na direção dela - diz o secretário um tanto surpreso com a coincidência.

[tab=30]Interessante, gostei dessa região, calma e distante dos jornalistas da cidade. Trate de adquirir essa propriedade e fale com o arquiteto responsável pela construção do teatro de Áquila.

[tab=30] - Sim Majestade… Majestade, creio que aquelas senhoritas querem lhe conhecer.

[tab=30] Bem… fico feliz por minha tia não estar aqui, vamos.

[tab=30]Lentamente o Rei foi até o grupo de moças e mulheres que o olhavam inquisitivas. [/size][/font]

[size=150][font=Times New Roman][justify][tab=30]Após a parada para o descanso, o grupo andou mais cerca de 1 milha e meia, não obtendo sucesso em encontrar outro grupo de cervos. Assim, decidiu-se por retornar para o local onde a barraca havia sido armada, nas imediações da Mansão.
[tab=30]Com a maioria dos homens mais velhos já quase fatigados, finalmente reuniram-se os animais abatidos e todos puderam contemplar o resultado da adorável tarde de sábado.


[tab=30]Em tom mui amigável o Marechal aproximou-se do Rei e com ele fez anedota.

- Vejo que Vossa Majestade tens que treinar mais um pouco? Disse Wilhelm ao gargalhar espontaneamente.

- Se bem que, no que depender de mim e do Visconde - diz ao notar a aproximação do anfitrião - não lhe faltarão oportunidades, não é mesmo meu caro Enzo?[/align][/font][/size]


[tab=30]A prática sempre leva a perfeição meu caro, - diz o Monarca - mas devo dizer que fora uma tarde esplendida. Visconde, espero que possamos repetir isso? - diz o Rei ao olhar com um leve sorriso para a jovem filha do Visconde.

[size=150][font=Times New Roman][justify]- Com toda certeza Majestade, minha casa estará sempre de portas abertas para lhe receber. Quanto a sua mira, como disse o Marechal, é sempre bom treiná-la, nos animais. Disse com olhar um pouco mais intimidador do que o comum, ao observar a situação que se passava.

- Pois com toda esta carne, devo supor que irá permanecer para o jantar conosco, Majestade?[/align][/font][/size]


[tab=30]Seria por deveras agradável Visconde, - disse o Monarca enquanto todos começavam a andar - devo dizer que fiquei muito impressionado com a beleza dessa região, a vossa família está aqui há quanto tempo? - disse o Rei com o seu habitual olhar inquisitivo.

[size=150][font=Times New Roman][justify]- Os Eneti já estão na Romania há mais tempo do que se pode lembrar. Temos um livro da família em minha biblioteca, caso seja o caso de conferência, já que ele remonta ao nosso progenitor nestas terras. Maximus Aurelius Enati, um burocrata da Antiga Roma. Desta forma, majestade, devo supor que estamos aqui há mais tempo que os avós de vossos avós. Disse com certo ar de superioridade, regado a uma breve retração dos lábios, que deveria parecer um sorriso.

[tab=30]Ao alcançarem o Palacete alguns dos convidados despediram-se do anfitrião e do Rei, outros retornaram as suas residências - próximas daquele local - apenas para trocar-se e voltar, a fim de jantar junto do Visconde e os seus. Passado o tumulto de despedidas, adentraram ao Palácio e então o Visconde buscou orientar seu mais nobre convidado.

- Vossa Majestade, podes acompanhar seu valet, pois já lhe fora preparado um quarto. O mesmo foi feito para o Sr. Di Marco. Agora se vocês me dão sua licença. Disse o Visconde após ouvir a resposta do monarca, curvando, retirou-se daquele hall de entrada pelas escadarias que levavam ao segundo pavimento.[/align][/font][/size]

[font=Garamond][size=150]
[tab=30]- Majestade - disse o valete do Rei ao abrir o quarto e ver que tudo estava em ordem.

[tab=30]Bates, o que achaste do nosso anfitrião?

[tab=30]- Majestade… posso falar abertamente?

[tab=30]Claro, prossiga.

[tab=30]- Majestade, esse homem é por deveras arrogante, ele aparentemente está ignorando o fato de que vós sois o nosso César.

[tab=30]hahaha sincero como sempre. Bates, o nosso anfitrião é o típico aristocrata provinciano, ele não percebe que o mundo é muito maior do que as suas terras. Mas veja, mesmo sendo uma pessoa tão provinciana ele ainda é um bom romaniano, ele valoriza a história da sua família… mesmo ela não sendo tão nobre.

[tab=30]Em seguida o Sr. Bates ajudou o Rei a se preparar para o banho e o preparou para a confraternização com os membros da aristocracia piemontesa.
[/size][/font]

Na noite de 30 de janeiro de 1892…

[size=150][font=Times New Roman][justify][tab=30]Conforme o previsto, por volta das 20h30 da noite do sábado, se faziam reunidos na Mansão Eneti não mais que duas duzias de gentes, a nata da aristocracia presente em Venezia, além do Rei e seus asseclas.
[tab=30]Após uma breve confraternização na biblioteca da residência, todos foram convidados pelo anfitrião a tomarem lugar à mesa, pois o jantar seria iniciado. Com uma equipe de 4 volantes, coordenadas pelo mordomo da mansão, fora servido aos convidados como entrada, uma sopa de caldo de frango. Posteriormente fora então introduzida a carne de cervo assada, acompanhada de batata e repolho refogados. Como sobremesa, um creme a base de leite e ovos, coberto por chantili.


[tab=30]Após a refeição todos retiraram-se novamente para a biblioteca, onde fumando charutos e apreciando conhaques, desfrutaram da boa vontade da filha do Visconde, que pôs-se a tocar um cravo que jazia num canto da sala, trazendo um ar alegre e propício para a discussão dos assuntos mais diversos. A meia-noite daquela noite todos já haviam se retirado e, já cansados pelo dia cheio que havia transcorrido, anfitrião e hóspedes retiraram-se para seus aposentos, para uma confortável noite de sono.[/align][/font][/size]


[tab=30]Por volta das 8 horas o jovem Monarca se levantou e com o auxilio do seu valete se preparou para o banho, após banhar-se ele teve uma breve conversa com o seu secretário enquanto o seu valete o vestia. Enquanto descia as escadas da mansão o Rei percebeu que a maioria dos seus moradores ainda dormiam, por tanto ele decidiu caminhar pelo belo jardim da propriedade… sob os olhares atentos da sua guarda.

[tab=30]Enquanto caminhava pela propriedade com o Sr. Flavius ao seu lado e alguns dragões nas proximidades, o Monarca verificou alguns relatórios sobre a situação da Gardenha e da Dracônia, ele conversou com o seu secretário sobre as patrulhas gardenhanas na baía e analisou alguns relatórios enviados pelos seus emissários. Durante a conversa o Monarca chamou o Coronel Françoise, assim os três homens debateram sob a situação das forças armadas da Gardenha e da Dracônia.