[INTERATIVO] Cidade Portuária de Catania

[center]Cidade de Catania[/align]

[font=Garamond][size=150][center]Vista panorâmica da cidade.[/align]

[justify][tab=30]Fundada no início do século 18, Catania é uma cidade de médio porte, como muitas outras do reino. Sua população é composta em grande parte por pescadores e mercadores, sendo que a economia gira em torno da pesca e do artesanato. Catania encontra-se entre as cidades de Corleone e Bologna, localizando-se no extremo da Baía da Harmonia - nomeada desta forma, devido a tranquilidade de suas águas.

[tab=30]A história de Catania não é muito diferente da de outras cidades do interior da Real Província do Piemonte, pois fora fundada por um grupo de colonizadores que partiu da então Vila de Monte Bello, hoje a Capital Regional. Com o passar dos anos, a pequena vila cresceu, estabelecendo em seus arredores as mais variadas plantações, porém, mantendo a pesca como a sua principal fonte de renda. Até 1891 a Vila de Catania se manteve como uma vila pesqueira, mas isso mudou quando a região passou a receber investimentos do Governo Central, como a criação da Via Philippina, o que alavancou o comércio, logo elevando a vila ao status de cidade, em fins de 1891. Junto com a emancipação, Catania tornou-se a cidade com o segundo maior porto do Reino da Romania.[/align]

[center]Porto de Catania.[/align]

[justify][tab=30]O Porto de Catania é o único do Piemonte. Construído no início do ano de 1892, seu objetivo é facilitar o escoamento da produção agrícola e pecuária do Piemonte, bem como para fortalecer a pujante economia do interior da Província. O porto recebe diariamente vários navios mercantes e navios de transporte que trazem romanianos e alguns imigrantes, principalmente italianos, que procuram começar uma nova vida na região.[/align]


[center]Intendente Claudius Scipio[/align]

Prédios:
Escola Primária
Posto Médico
Porto Comercial de Médio Porte

Efetivos:
Carabinieri: 150 Soldados[/size][/font]

No inicio do dia vários funcionários do governo chegaram no local, a maior parte do grupo era composto de engenheiros que analisaram o estado do pequeno porto da cidade. Pouco antes do meio dia várias carroças chegaram no local e trouxeram consigo operários e materiais para iniciar a construção do porto.

[tab=30]Era noite quando a III Frota chegava a Catania,a grande maioria dos habitantes locais estava dormindo em suas casas em um silêncio que reinava em toda a pequena vila,tal silêncio que foi abruptamente interrompido com a chegada dos pequenos,mas ainda grandes navios que compunham a III Frota.
[tab=30]Sendo trazida pelos monitores,a canhoneira estava próxima ao porto da cidade,mas a operação teve que ser interrompida devido a falta de espaço para efetuar as manobras necessárias,logo,os monitores formam um bloqueio defensivo virado para a baía enquanto alguns homens iam de botes para terra firme,onde,com ajuda dos pescadores e pequenos barcos,começaram a puxar a canhoneira para o porto em construção da cidade.
[tab=30]Após algumas horas de trabalho,a canhoneira finalmente conseguiu atracar na doca,permitindo que os engenheiros começassem a trabalhar para que ela pudesse voltar ao mar o quanto antes

[font=Garamond][size=150]A construção do Porto de Catania continua a todo vapor mesmo com a ameaça de um ataque rebelde. Materiais e mais materiais chegam por terra e por mar, muitos desempregados das cidades vizinhas foram contratos para garantir a mão de obra necessária, enquanto isso os engenheiros analisam continuamente as fundações do futuro porto e a profundidade do mar nas proximidades do porto.

A população de Catania comemorou a virada do ano com muita festa e alegria, a pequena cidade que há pouco tempo era uma como muitas outras logo se tornaria na capital comercial do interior do Piemonte. Tudo isso aliado a crescente probabilidade de independência gerou um grande sentimento de alegria e patriotismo na população, isso foi comprovado pelas várias bandeiras da Romania que foram colocadas nas janelas e sacadas, além das festas entre amigos e familiares.[/size][/font]

No inicio da tarde várias autoridades da região, militares, civis e grandes empresários se reuniram no caís principal do porto. Após um longo discurso onde o Intendente da cidade falou das novas oportunidades que esse empreendimento trará, além dos investimentos do Governo, ele também tratou de elogiar o ótimo trabalho dos operários e moradores que ajudaram, direta ou indiretamente, na conclusão desta obra, finalmente a grande obra fora inaugurada.

Por volta das 14 horas o Intendente e o Mestre de Obras cortaram a vita do caís e iniciaram um tour, após alguns minutos algumas embarcações começaram a atracar no porto, a maioria estava lá para se reabastecer ou entregar mercadorias para os vários comerciantes que ansiavam pela abertura do porto.


[tab=30]As atividades no mais recente porto do Reino da Romania, crescem drasticamente. Em poucos dias após sua fundação, diversas embarcações de pequeno e médio porte atracaram no cais do porto, trazendo inúmeros imigrantes para a região.

[center]Escola Primária de Catania.[/align]
[justify][tab=30]Conforme se previa no Calendário Escolar, teve início na manhã da segunda-feira, 22 de fevereiro de 1892, o ano letivo na Escola Primária de Catania.[/align]


[center]Turma da 1ª Série, em seu primeiro dia de aula.[/align]

[center]SS Majestic fazendo manobras para atracar em Catania.[/align]

[tab=30]Com a criação do Porto de Catania, a cidade vem crescendo a um ritmo nunca antes visto. Levas de imigrantes chegam a todo momento atraídos pelas oportunidades que o Reino da Romania oferece.
[tab=30]Hoje, um navio da companhia britânica White Star Line, SS Majestic, atracou no Porto, trazendo consigo cerca de 987 imigrantes de diversas nacionalidades, além de mercadorias.


[tab=30]Pequenas residências são construídas na cidade, financiadas pela prefeitura local.


[tab=30]Com o início dos trabalhos na construção da Hospedaria dos Imigrantes, boa parte da população adulta de Catania está participando do projeto, o que auxiliará os imigrantes que chegam no local, além de ajudar a cessar o desemprego na cidade.

[tab=30] Na avenida central da cidade, é aberto por volta das nove horas o Mercado Aberto Romaniano. Diversos produtos perecíveis são negociados a preços acessíveis a boa parte dos cidadãos, visto que são produtos vindo direto do produto.

[tab=30]Pela tarde, mais um navio carregado de imigrantes chega até o Porto de Catania. Manobrado com um pouco de dificuldade devido a enorme quantidade de embarcações no local, o navio é conduzido por rebocadores até a doca onde inicia o desembarque dos passageiros e mercadorias.

[font=Times New Roman][size=150][i]

[tab=30]Com o início da noite, homens do Serviço de Iluminação Pública vão às ruas ascender as lamparinas, iluminando as ruas e alguns becos.[/i][/size][/font]

Com as intensas atividades portuárias até mesmo nos domingos, alguns cidadãos tomam os bondes da cidade para dirigirem-se até o local e embarcarem nos vários navios que atracam a todo momento na cidade.

[font=Times New Roman][size=150][i][tab=30]Durante a tarde, um enorme navio atraca no porto. Rapidamente, toda a mercadoria que estava a sua espera começa a ser estocada em seus porões, entretanto, as várias carroças que ficaram à espera da embarcação causaram um grande congestionamento no cais e consequentemente, confusão.

[tab=30]Ao serem notificados do ocorrido, a Prefeitura da Cidade aciona imediatamente a Secretária de Planejamento e Obras Públicas, para que seja desenvolvido um sistema afim de evitar que eventos ocorridos nesta tarde voltem a se repetir futuramente.[/i][/size][/font]


[tab=30]Com a crescente atividade portuária em Catania, alguns empresários locais estudam abrir novas entidades de crédito na cidade, afim de auxiliar os imigrantes que chegam aos montes na cidade. Além disso, durante a tarde, Claudius Scipio, intendente municipal reuniu-se com alguns industrias poderosos, afim de negociar condições para o estabelecimento de novas fábricas no local.

Após dias de construção, um novo terminal de cargas é concluído, aumentando a capacidade de estocagem de mercadorias e produtos no Porto de Catania. Financiada em parceira com diversas empresas navais que operam no porto, o terminal de cargas vem para desafogar o acumulo de mercadorias que já se espalhava por todas as dependências do porto.

[font=Times New Roman][size=150][i]Um novo navio, de origem italiana, aproxima-se do Porto de Catania. Abarrotado, os imigrantes correm ao convés para avistarem a paisagem da bela cidade portuária,e finalmente, poderem pisar em terra firme, após uma longa viagem.
Pequenos barcos rebocadores aproximam-se do navio, para conduzi-lo até a doca 3 de desembarque. O trajeto até a doca fora tranquilo e após todas as cordas serem fixadas na plataforma de desembarque e no navio, os imigrantes começaram a descer.

Para facilitar o deslocamento das famílias, bondes foram disponibilizados para que as mesas fossem de encontro aos seus objetivos na nova terra. Vários imigrantes ficaram em pequenas hospedarias, que nos próximos dias, seria seu lar, até procurarem um emprego e lar definitivo. [/i][/size][/font]

[justify][tab=30]O intenso fluxo imigratório para as cidades interioranas do Reino acabam por atrapalhar um pouco o crescimento ordenado da mesma. Não preparadas para comportar tanta gente, prefeitos e outras autoridades começam a estudar formas de acomodar tantas pessoas nos pequenos espaços existentes.
[tab=30]Além disso, com uma infraestrutura pouco preparada para receber tanta gente, as empresas ainda estão em crescimento para poderem contratarem novos colaboradores, o que faz com que os imigrantes desenvolvam o comércio em diversas ruas.
[tab=30]Aproveitando-se de culturas e costumes diferentes, os imigrantes vendem artigos de seu país de origem, além de comidas, roupas e diversas outras bugigangas.[/align]


[tab=30]Boatos sobre uma grande festa começam a circular pela cidade, tais boatos ganham cada vez mais força devido à proximidade do aniversário de fundação da cidade.