[Interativo]Comando Provisório do Exército e da Marinha Real

[center]Na entrada do Comando Central fica a estátua equestre de Sua Majestade, o falecido Rei Philippus I.[/align]

Como primeira ordem sendo enviada a partir da nova base da GR o capitão Allan decide:

I-Enviar homens para a proteção da atual residência do imperador no reino.
II-Estabelecer sentinelas por toda a província.
III-Iniciar um censo dos homens da Romania para caso seja necessário o recrutamento para a GR.

[center][/align]

[center]Brasão de armas do Reino de Romenia[/align]

Devido as recentes noticias sobre o visconde Biller, Sir Allan I ordena que todos os estabelecimentos em nome do visconde no território da Romania sejam fechados até segundas ordens.

Um Guarda entra na sala do capitão com o relatório do censo :

‘‘Homens aptos a lutar imediatamente: 500
Homens sem filhos : 100
Homens com filhos : 400’’

Após ler o relatório Sir Allan despacha ordens para que os 400 homens com filhos se apresentem na base da GR, para armamento e treinamento.

Um emissário do Juiz chega com o seu novo mandato.

Sabendo do apoio do Juiz, Allan despacha ordens para todos os cantos do reino para que caso Biller tente se refugiar na Romania seja capturado e entregue a Guarda. Alem de enviar equipes de investigação para os estabelecimentos registrados no nome do visconde.

Noticias de um possível suicídio do Chanceller chegam aos ouvidos do jovem regente de Romania,sendo assim ele ordena que os 100 homens censoriados que não foram recrutados se apresentem a Guarda e que os 400 que já estavam treinados se armassem e se preparassem para o combate. Allan pega o seu chapéu e sai para as ruas da cidade.

Um emissário do Palácio dos Inválidos entra correndo na sala de Sir Allan I

-Senhor! Senhor! O Imperador está indo rumo a capital!

Lágrimas enchem os olhos do jovem capitão que estava a 2 noites sem dormir devido a nova crise.

-Soldados preparem meu cavalo e avisem os homens,encontraremos o imperador e marcharemos junto a ele para Gardenne. Pelo Império! Pela Pátria!

30 minutos depois todos os homens subordinados a Guarda da Romania iniciam sua marcha.

-450 homens bem treinados da força original da Guarda da Romania
-500 homens recrutados após o censo
-300 homens que se alistarem depois que o discurso do capitão na praça se espalhou

A multidão se aglomerava para alistar-se para a batalha que muito provavelmente iria se desenvolver na gardennia, parecia inevitável a guerra civil, e o povo romano é conhecido pela sua grande simpatia com a monarquia.

Por um momento vê-se um grupamento de guardas reais romanos vir do lado leste da via appia, vindos de montebello, alguns acreditavam que deveria ser o rei philippus, mas o mesmo acabara de nomear um regente, isto seria muito pouco provável, mas então avista-se o Conde de Gardenne, o Imperador da Gesébia.

Embora mal encarado pela sua traição o mesmo enfrenta a multidão e diz!

Romanos! Bem sei o que pensam muitos aqui, o que faz o imperador traidor? o covarde? Mas muitos aqui sabem que me equivoquei buscando o bem do povo, equivoquei-me ao pensar que a opinião do chanceller e do senado é a mesma opinião do povo!

Agora vejo pelo povo que devo zelar, a distância entre o governo e o povo é enorme, e por isto mesmo que digo, que uma republica hoje, seria mais elitista que a monarquia, e ainda mais distanciaria o povo do poder, valores estes pelos quais alguns estão em vigilia nas barricadas de gardenne.

Digo-lhes, preparem-se para o pior, mas não saiam da romania, a missão de pacificar a gardennia deve ser feita por mim, o Arquiduque da Gardennia, e estejam certos que darei meu sangue pela restauração da monarquia.

Após isto a ovação engasgada é solta, sendo seguida de uma estampida daqueles 12 cavaleiros, em direção ao lado noroeste da via appia, em direção a gardennia.

Indignado porém obediente a vontade do Imperador o jovem Capitão não se junta a ele até a Gardennia mas continua sua marcha até a fronteira da Romania com o intuito de fortificar sua posição nos arredores da via preparando-se para marchar em auxilio do imperador caso necessário.

Mas antes disso chama o seu mais veloz batedor com uma carta destinada para o chanceller.

Um mensageiro adentra a base com a seguinte mensagem:

Seguindo os recentes acontecimentos são despachadas ordens para todos os postos avançados na via appia.

''Estamos desmobilizando nossas forças,o Imperador reina novamente e não corremos riscos por hora,Guardas voltem a seus antigos postos e conscritos sejam debandados.

[right]Sir Allan I
Comandante da GR e Regente do Reino de Romenia[/align]’’

A carruagem chega ao pátio da Base da Guarda Romana acompanhada de uma escolta de legionários.
Após alguns instantes um soldado abre a porta traseira e dela descem O Visconde de Medeiros e seu secretário que são acompanhados pelo caminho até as celas.
O secretário do Visconde è separado a outra cela enquanto o Visconde è levado até uma ala e colocado sob cadeira frente uma mesa de madeira em um local escuro e pouco arejado.
O soldado diz: - Espere, você tem visita do Comandante Geral, prisioneiro.
Após saia e fechava a porta por alguns instantes.

Comandante Geral? a última vez que alguém se denominou assim fora Sir Allan mas duvido que será ele.

A porta é aberta depois de alguns minutos e dela se aparece um Homem de estatura pequena com uma barbicha e paramentado como um devido Comandante Romano.
Tal adentra lentamente a sala e solicita o fechamento da porte que logo em seguida é fechada, O Homem senta-se na cadeira frente ao Visconde que o olhara com extrema duvida e diz: - Como fora sua viagem até aqui? Aproveitaste? Creio que já sabes que vosso Imperador escapou, pois lhe digo… me informe aonde ele se encontra pois tenho a certeza de que sabes e lhe liberto para continuar vosso caminho Até Gardignon.
O Comandante sabia do histórico do Visconde mui bem e usaria isso ao seu favor.

Quem é você? o Comandante Geral da Muy Valorosa Guarda da Romania é o Sr. Allan, Regente da Romania.
Então me diga quem realmente é você.

  • Responda minha pergunta, Visconde ou terei de arranca-la de você.
    O homem se levantava e dizia novamente : - Sugiro que responda.

Você se julga comandante? quantas batalhas lutou? creio que nenhuma.
Me responda e eu lhe responderei, onde está o Regente?

  • Adoro nobres teimosos, hahaha * Dizia o Comandante rindo.
    Batia na porta que era aberta logo em seguida e dizia ao soldado que guarnecia ali : - Soldado, traga para mim minhas ferramentas especiais de interrogatório.
    O soldado após ouvir, corria até ao encontro das ferramentas para entregar até o Comandante e o mesmo adentrava novamente a Sala e dizia ao Visconde: - Pois bem, O Regente está morto bem como o Rei Philippus… Você como um romano que bem sei que és não cooperas com vosso país, então cooperarás pela dor. * O Comandante desabotoava suas mangas do uniforme.

Philippus está morto? que espécie de traidores são vocês? ele criou esse reino.
Você traiu o seu povo, não mereces usar esse uniforme, você e os seus companheiros traíram a Romania.
Tortura? vejo que não me conheces muito bem, eu não virei capitão por ficar sentado atrás de uma mesa.