[Interativo] DragonHall

[justify][tab=30]Qualquer forasteiro que chegue à cidade de Draco perguntando pela prefeitura ou pelo governo local, logo receberá orientação para se dirigir ao DragonHall - o Salão dos Dragões.[/align]

[center]A parte original do Salão[/align]

[justify][tab=30]Datando da época da fundação de Draco, o DragonHall foi uma das primeiras construções a serem erigidas, logo após as moradias dos imigrantes. Inicialmente, era apenas onde os representantes dos três grandes grupos da Vila - os mineiros, os peleiros e os comerciantes - se reuniam mensalmente com Sir Alexander Drake para discutir sobre a venda da produção do mês e a compra de bens da capital.[/align]

[center]Um dos dragões entalhados que dão nome ao Salão[/align]

[justify][tab=30]Com o tempo - e o crescimento da Vila - foi ampliado e passou a ser também a corte de julgamentos e a sede administrativa, embora as decisões em sua maioria fossem tomadas somente por Drake, com o Conselho - contando agora com os representantes dos artesãos - sendo convocado somente quando de julgamentos ou quando algum assunto que dissesse respeito à economia da Vila fosse ser discutido.[/align]

[center]O Salão do Conselho, onde os mesmos se reúnem e os julgamentos são realizados[/align]

[justify][size=150][font=Kristen ITC][tab=30]Após a morte de Drake, as decisões passaram a ser decididas pelo Conselho, isto até o retorno de Alexander Di Draconi, que assumiu a posição de Senhor da Vila. Porém, após a mudança do mesmo para Gardignon, onde atualmente ocupa a posição de Chanceler do Império, a posição de Senhor de Firgen fora substituída pela do Líder do Conselho.

[tab=30]Com a construção do Palácio dos Dragões ao redor do antigo DragonHall, o mesmo passou a fazer parte da estrutura, servindo de hall de entrada do Palácio e local de reunião do Conselho da Cidade, que, com a industrialização de Gesébia, conta agora também com um representante dos grandes industriais.[/font][/size][/align]

[font=Palatino Linotype][size=150]Em sua longa viagem de volta à Capital Imperial, o Visconde aproveitou para visitar pela primeira vez a Marca de Draco… Ficou vislumbrado desde o primeiro momento que ali pisou e pode admirar a paisagem montanhosa que permeava o relevo da região.

Não poderia é claro deixar de visitar o Dragonhall… Pensou em quanta História estava impetrada naquelas paredes e afrescos dracônicos… Observou o belo trabalho que o Marquês vinha fazendo naquelas terras. Homem admirável este!

Infelizmente sua visita foi bem rápida. Não chegou nem mesmo a se instalar na região… Tinha que chegar o quanto antes em Gardenne… [/size][/font]

Fora uma surpresa para todos ver a chegada do Duque, após tão pouco tempo que o mesmo estivera em Firgen, ainda mais acompanhado de sua secretária particular em Gardignon, senhorita Yvette RavenClaw.

  • Senhor, retornou cedo!
  • Esta é minha terra, senhorita Kim. E agora posso me dedicar inteiramente à mesma.
  • Quer dizer…
  • O novo Cāsere aparentemente não necessita mais dos serviços da Casa de Draco. Que o Império afunde nas mãos de burocratas de pulso mole e fala manhosa, até o dia que tiverem que pedir ajuda à Dracônia novamente. Kim, Yvette irá auxiliá-la a parti de hoje, ela possui grande experiência acerca de tributos e despesas, você continuará responsável pela administração geral, e creio que terão boas discussões acerca de como a Dracônia poderá crescer. Irei tratar de alguns assuntos pessoais, enquanto isso procurem compilar um apanhado de nossa situação financeira. Com licença.
  • E este, meus filhos, é o DragonHall, a sede original do Governo da Dracônia. Ao redor do mesmo foi construído o Palácio dos Dragões. Como lhes disse, não é nada tão fabuloso quanto o nome pode sugerir, afinal os draconianos são um povo simples.
  • Mesmo assim, é muito interessante, otou-san.
  • Yama tem razão. etses entalhes de ryū… de dragões… são belíssimos…
  • Fico feliz que lhe agrade, senhorita.
  • Ah, Kim, Yvette. Deixe-me apresentar-lhes meus filhos, Yama e Akemi. Queridos, estas são Kim Drakengard e Yvette RavenClaw. Não conseguiria manter as coisas em ordem sem elas.
  • O ai dekite hijō ni ī.
  • Como?
  • Desculpe. Ic fægen geferan ēow.
  • Ora essa, são fluentes em draconiano.
  • Me esforcei em ensiná-los quando eram crianças. Mas, então, algo fora do normal?
  • Não, tudo em ordem, senhor.
  • Ótimo, ótimo. Estão encerrando o expediente? Não irei segurá-las, queridas. Nós também, vamos voltar para a Mansão, creio que Geoffrey deva estar com o jantar quase pronto a essa hora. Gostariam de se juntar a nós?
  • Não queremos atrapalhar, senhor.
  • Deixem disso, vamos, vamos…
  • Senhores, sentido! - exclama o oficial quando o Duque adentra e se assenta na bancada de oficiais.

  • Iniciaremos o trabalho de julgamento de Silverius Saxe Coburgo-Gotha. Sargento, traga o acusado.

Silverius é trazido à frente da bancada de oficiais, sendo mantido cercado por dois patrulheiros.

  • A acusação ficará a meu cargo, Christopher Lambert, Comandante dos Patrulheiros Draconianos. O acusado terá direito à réplica e à tréplica. Analisarão o caso os Tenente Aldus e Colton e o Capitão Kinsley. O Almirante Alexander, por ser o militar de mais alta patente presente, dará a sentença após o julgamento.

Após um momento, Christopher olha para os presentes - que lotam o DragonHall no momento - e reinicia:

  • A acusação é de abandono de posto sem comunicação aos superiores. Atenuantes: felizmente estamos em período de paz e não tivemos perdas devido ao ocorrido. Agravantes: como Comandante dos recrutas de Myrce, deve-se dar o exemplo aos futuros patrulheiros. Senhor Silverius, tens a palavra. (24h)

Silverius que estava devidamente posicionado se ajoelha perante o juiz algo que nenhum militar estava acostumado a fazer e diz claramente : - Almirante, declaro publicamente meu erro para com a patrulha e digo que isso não voltará mais a ocorrer, de fato um equívoco por parte de minha pessoa mas necessário para com o Império, peço desculpas a 3 companhia e ao Comandante Geral Christopher Lambert.

Chrsitopher, que não deixa de se surpreender com o ato, inicia sua réplica:

  • Senhor Silverius, pode nos dizer o motivo pelo qual deixastes Myrce? Tens alguma prova que corrobore tal motivo? Por qual razão não comunicaste co Comando sua saída? Pense bem em sua resposta, esta é sua tréplica e após a mesma os oficiais tomarão sua decisão.

Gostaria de apelar que minha saída foi necessária de Myrce para tratar de assuntos mui importantes para com o atual chanceler do império Sr. Valeyard, a minha saída sem aviso foi um erro pelo qual admito e aceitarei humildemente oque esta corte por ventura decidir.
Gostaria novamente de me desculpas perante meus oficiais e toda patrulha.

Finda a tréplica do acusado, o Comandante Christopher volta-se aos oficiais.

  • Senhores, têm seus fatos e a defesa do senhor Silverius. Já têm um veredito ou necessitam de tempo para análise?

Alguns murmúrios entre a banca.

  • Temos um veredito.

  • Então, Tenente Aldus, culpado ou inocente?

  • Culpado.

  • Tenente Colton, culpado ou inocente?

  • Culpado.

  • Capitão Kinsley, culpado ou inocente?

  • Culpado.

  • Almirante Alexander, por unanimidade a banca vota o acusado como culpado. - e após isso Christopher senta-se.

  • Senhor Silverius, - inicia o Almirante - vossa conduta foi recriminável em todos os âmbitos. Irei, contudo, considerar como atenuantes o fato de seu envio a Myrce ter sido por ordem do Cāsere, de modo que não recebestes o mesmo treinamento esperado de ser repassado aos novos recrutas; da mesma forma, sei bem que a disciplina é, digamos, menos rígida na Guarda Imperial, vossa posição anterior em Gardignon. Assim, por mais que não possa julgar o Cāsere pela decisão de tê-lo enviado a Myrce, sejam quais tiverem sido as razões do mesmo, considero tê-lo colocado como Comandante da 3ª Companhia uma decisão precipitada. Então, considerando tanto vossa falta quanto agravantes e atenuantes, suspendo-o de vossa posição militar, bem como quaisquer privilégios concedidos dentro da Dracônia pela mesma, pelo prazo de 30 dias; pelo mesmo prazo, não poderás deixar a Dracônia sem autorização do Comando dos Patrulheiros, sob pena das atenuantes serem suspensas; após, poderás decidir se retornarás para a Patrulha Draconiana, obviamente não em posição de Comando, ou se deixarás a mesma em definitivo, sem ônus para a Patrulha ou a Dracônia. Esta Corte Marcial está encerrada. Tenham uma boa noite, senhores. - Dito isto, o Almirante levanta-se, cumprimenta a Banca da Corte e o Comandante, e deixa o DragonHall.

Silverius depois de ouvir a sentença se dirige até a saída do salão, após ter cumprimentado o Duque e demais.
Na frente do prédio uma carruagem já lhe esperava para seguir rumo a Cisalpe aonde havia um governo para assumir.
Enquanto a carruagem se locomovia pensava: " Bem, digamos que o Duque é mui simpático para um falastrão" Dizia rindo e continuando " esperemos esses dias e vejo oque farei a respeito desta ordem militar qual o Kaiser me enviou… maldito o dia qual me mandou a este fim de mundo para lidar com bárbaros."

  • Boa tarde Kim, e o Chanceler?
  • No Gabinete, senhor.
  • Certo, obrigado e com licença.

[font=Palatino Linotype][size=150]Após algum tempo no Boulevard Tedesco, o Governador-Geral da Gardenha e Conde de Dunnord seguiu com seus oficiais para o Palácio dos Dragões.

Estivera ali há um bom tempo e sempre se impressionava com a suntuosidade dos afrescos e detalhes do DragonHall. Observando a movimentação de pessoas e visitantes, caminhou até a recepção.

Perguntou a uma moça:

  • Senhorita, podes me dizer se o Duque da Dracônia se encontra? Caso esteja, diga-lhe que René von Biller está aqui e se ele pode me receber, por favor.[/size][/font]

Kim, surpresa por duas visitas ilustres no mesmo dia, responde:

  • Senhor von Biller, no momento ele se encontra em reunião com o Chanceler Valeyard. Irei comunicar-lhe vossa presença.
  • Senhor, o Duque irá atendê-lo, pode entrar.

[justify][font=Palatino Linotype][size=150]Um homem chega à cavalo ao DragonHall e pensa para si mesmo.

  • Ah, quanto tempo que não venho aqui…

Ele então vai a uma das recepcionistas.

  • God niht! Se Draconi hider? Gif gea cweþan Firgen hider.[/size][/font][/align]
  • Ah Barão, bem-vindo. No momento ele se encontra em reunião com o Chanceler e o Conde von Biller.

Alguns minutos depois, Kim retorna:

  • Pode entrar, senhor, o Duque irá recebê-lo.
  • Boa tarde, Kim. Alguma novidade?
  • Duque, boa tarde! Recebemos a confirmação do ITGA da contratação de funcionários para a abertura do escritório aqui em Firgen.
  • Ah, ótimo, ótimo. Algo mais?
  • Separamos os documentos relativos à abertura do Instituto Hydora e do Departamento de Intermediação. Mas…
  • Mas…?
  • Infelizmente ainda nos faltam recursos para podermos implantá-los de fato… - responde Yvette.
  • Ou seja… teremos que escolher qual órgão receberá nosso investimento primeiro, até que os recursos do Imposto Draconiano comecem a entrar, no início do mês…
  • Exatamente.
  • Entendo… embora já esteja inclinado a uma decisão, irei reanalisar os dados no meu Gabinete, com licença.

[justify][size=150][font=fantasy][tab=30]- Bom dia, Kim.
[tab=30]- Duque! Achei que estivesses na capital ainda.
[tab=30]- Acabei de retornar.
[tab=30]- E viestes direto para cá?
[tab=30]- Apenas para lhe fazer um pedido: convoque o Conselho e os Administradores-Gerais. Os que quiserem e puderem participar, ótimo. Os que não desejarem, não insistas, cada um deve saber o quanto a Dracônia lhe é importante.
[tab=30]- Senhor…
[tab=30]- É isto, Kim. Irei para minha casa, tentar dormir um pouco.

[tab=30]Kim rapidamente redige um telegrama e o envia para os membros do governo draconiano.[/align]

[/align][/font][/size]

[offtopic]Já q reclamaram d’eu mandar por MP… não vou sair catando a casa de todo mundo, até pq tem gnt q nem casa tme no IG ¬¬[/offtopic]

O Barão de Firgen chegou ao DragonHall, sentou-se e ficou a esperar a chegada do Duque da Dracônia.

[justify][tab=30]- Barão! Chegastes cedo, a reunião é somente à noite… - cumprimenta Kim ao ver a chegada do Barão Victtorio.[/align]