[INTERATIVO] Estado de Tur'ambar

[font=Georgia][center]Estado de Tur’ambar[/align]

[size=200][justify]O Estado de Tur’ambar tem esse nome pelo Deserto Branco Tur’ambar que é a maior formação desértica de toda Gesébia. Superado apenas pela incontável e inexplorada extensão do Grande Deserto, o primeiro difere deste último quanto à sua aparência.
Enquanto a areia do Grande Deserto é composta por detritos de arenito e quartzito, com conotada cor bege, o Tur’ambar é composto por detritos de gipsita e marmorita, tendo uma cor predominantemente branca.

“Banhando” cidades como Citadella, Port Piedre, Efatrice e Farfalla, o Tur’ambar torna a região extremamente árida. Contudo, a extração artesanal e comercial de gesso determinou a fixação constante de povoações ao longo desta localidade, provendo matéria prima para uso urbano em Gardignon e Áquila.

A flora e a fauna são bem adaptadas ao local, sendo compostas de sisais, pitas, insetos, roedores e pequenos répteis. Não há estradas permanentes na regiões, apenas rotas cartografadas, em virtude das constantes mudanças nas dunas e formações de areia branca.

Acredita-se que a origem do termo Tur’ambar provenha de vocábulos utilizados por tribos ancestrais que habitavam regiões da atual Gardenha, e que em algum momento da História teriam migrado para além das montanhas da Dracônia. Sua etimologia então permanece desconhecida e apenas hipóteses são formuladas.[/align][/size][/font]

Com a queda do Império formou-se o Estado de Tur’ambar, abrangendo as cidades de Montrajon, capital estadual, Villar, Farfalla, Port Piedre, Efadrice e Citadella.

Localização do Deserto Branco de Tur’ambar [destacado em círculo vermelho], no Mapa Político do Império
[spoil]

[/spoil]

[justify][tab=30]Mesmo sendo um deserto, a região de Tur’ambar é altamente povoada. Contudo há vários locais parcamente habitados que são utilizados para o cometimento de crimes de descaminho.[/align]

Um grupo de sarracenos falando em um idioma estranho, são vistos partindo da cidade de Montrajon em direção ao Deserto Branco de Tur’ambar, segundo algumas pessoas era um grupo de 16 homens supostamente armados e carregando equipamentos de escavação.

Algumas horas depois da partida dos sarracenos, Erminand e Osbert, dois Templários, decidem seguir os rastros dos homens supostamente seguidores de Allhab, líder dos Assassinos em Gesebia. Os dois Templários, querem descobrir qual motivo levaria os Assassinos a virem para Gesebia e o que querem buscar no Deserto de Tur’mbar.

[justify][tab=30]Nas cidades de Valencey e Efalrice chegam várias malas-postais já haviam sido lacradas, contendo cartazes de propaganda, livros-registro e instruções para aqueles que ficariam responsáveis pelo processo de registro do alistados. Além das capitais regionais e da Capital Imperial, a maioria do material foi destinado ao interior para que assim fosse facilitado a realização da conscrição. Dentre as principais orientações a que mais chamava a atenção, sem dúvida era a de que seria permitido apenas o registro de homens brancos e com registro no cartório nacional. Um observação escrita dizia que era “terminantemente vedado o registro de negros e sunerianos”. A ordem procedia, obviamente, do Comando da Legião.[/align]

[offtopic]Elaboração do post de autoria do Lukas e alterado por mim.[/offtopic]

Um corpo desfalecido de um sarraceno e encontrado no centro da cidade montrajon.

O Conde Renan Souza e sua comitiva visitam as cidades litorâneas da região para verificarem quais teriam capacidade para suportarem a construção de um novo porto.

Operários da Construtora Imperial começam o trabalho numa zona costeira em Montrajon.

O forte em Montrajon está em estado avançado de construção.

Com o forte de Montrajon pronto, resta apenas o recebimento dos equipamentos e a chegada das tropas.

A região ao redor do deserto de Tur’Ambar vê um incrível aumento de rendimentos e população. As cidades que somente sobreviviam há poucos anos, agora se tornam essenciais nos planos arquiducais.

[justify][tab=30]A notícia da declaração de guerra contra a romania e da convocação de membros da reserva se espalha rapidamente por todo o Estado. Milhares de homens tomados pela euforia patriótica despedem-se de seus pais, esposas e filhos, partindo para apresentar-se no quartel ou forte mais próximo.[/align]