[Interativo] Gabinete Aequalitas

[center]GABINETE AEQUALITAS[/align]

[font=Century Gothic]No segundo andar da Ala Oeste, está uma sala, na porta desta mesma sala se encontra uma placa com o nome Aequalitas, adentro a está sala se vê uma secretária, ao lado desta secretária está uma Bandeira do Império e o retrato de Sua Majestade, no fundo da sala fica uma porta que é guardada por um Gendarme Senatorial, ao passar pela porta o indivíduo adentra ao Gabinete Aequalitas.
O Gabinete Aequalitas é frequentemente utilizado pelos senadores do Partido Liberal mas também tem seus senadores do Partido Conservador, possui uma decoração aconchegante, tendo diversas janelas que dão ao ocupante a oportunidade de observar a cidade.

Ocupantes:
Senhor Anibal Romanov, desde 1890 (2014)
Senhor Bernhard Ougly, desde 1890 (2014)
Sua Senhoria, o Comendador Carlos Magno, desde 1890 (2014)
Senhor Hoken Darkson, desde 1890 (2014)
Sua Senhoria, o Comendador Joseph Henry D’Athennie, desde 1891 (2015)
Sua Graça, o Barão Tiberius A. von Braun, desde 1891 (2015)
[/font]

[center]-O nevoeiro matinal ainda mal se levantou e já me querem aqui…mas parece que ganhei uma tabuleta com o meu nome, oh ,enganaram-se no nome…
Murmurava Bernhard até de rompante adentrar um funcionário pela porta do gabinete mudando prontamente de tom
-Ora que belo dia não acha senhor Jorge?[/align]

[offtopic]Agora deixa ficar o nome do gabinete para eu ter algo de que me queixar no entanto o na descrição do gabinete não me importo,O “O” no meu nome é um theta Bernhard Θugly é uma gesebisação de bernhardtheugly :stuck_out_tongue:[/offtopic]

Rapidamente quando seus homens chegaram , já foram limpando a sala para o senador , jogando fora alguns papéis e guardando outros para a posterior chegada do senador

Após negociar contratos com a DSP o senador Carlos chega em seu gabinete deixa em cima das mesas os papéis relativos a seu mandato que iniciava, após organizar sua mesa vai embora em busca de um lugar pra dormir

Após dias sem comparecimento no senado o senhor Carlos adentrará a porta de seu gabinete e se senta e fica verificando assuntos pertinentes ao estado

Carlos Magno chegara ali com muita pressa e pedira para que seus seguranças recolhessem suas coisas e se dirigissem ao gabinete do presidente do senado

Chegando no seu gabinete aonde começou organiza ao seu gosto, na pasta que tinham projeto que estava pensando desde ha tempo. Observei que retrato do atual Kaiser Leopoldo então ao lado coloquei o atual rei da Suécia Oscar II

[center]

[/align]

Uma carta é deixada em cima da mesa de Hoken Darkson

um bilhete e entregue

Srs. Devido a nosso recesso o senado pode ser fechado , o imperador se negou a aceitar a constituição, exijo apoio de vossas pessoas para proteger nossa Mui amada constituição e uma gesebia democrática

As secretarias levam o bilhete ao lugar onde cada senador esta de ferias

Um mensageiro chega:

O comendador surge no vestíbulo que leva ao gabinete do senador Darkson e avisa a secretária sobre sua presença. Com uma perna apoiada horizontalmente sobre a outra, senta-se num banco de espera.

Sentado com duas pernas na mesa com olho quase fechado e leve soneira que deixava cabeça para direita para esquerda para direita quando sou acordado pela secretaria.

-Senhor- Logo vê do jeito estava da um passo para atras.

Retirou minha pernas da mesa e me levantou porém com cambia no pé esquerdo [i] -Sim[/i].

[i]-O senador Divilly esta a sua espera[/i]. Enquanto estava falando adentra compremente.

-[i]huum, pede para ele entra[/i]- logo retirou uma vodka da maleta que colocou na mesa e espero em pé a entranda de Divilly.

Divilly adentra o recinto e cumprimenta Hoken, sentando-se em seguida.

-Como vossa Excelência deve pressupor, eu vim aqui para incuti-lo a voltar atrás em sua opinião quanto à minha proposta. Vosso voto me é importante, e acredito que podemos chegar à uma anuência. -O comendador abre, sobre a mesa, uma pasta de documentos, com papéis infestados de números, e aponta para alguns deles. -Aqui estão as dotações orçamentárias para cada poder; olhe, por exemplo, o Judiciário, responsável pela Gendarmeria, pelo cumprimento das leis e pelo policiamento de todo o Império, como tem de encarar a sua estreita cota, executando independente disso tudo que lhe é delegado. Tarefas fatigantes e cruciais, que, devido às crises, estão ameaçadas; nós dois, membros do Conselho de Firgen, sabemos muito bem disso. Mas quem dera os problemas acabassem por aqui. O Senado, onde nos ocupamos, é incumbido de zelar pelo bem do povo e da nação, criando leis e instituições benéficas para o desenvolvimento. Contudo, nada se constrói e se mantêm sem custos; vossa recente iniciativa, do Corpo de Bombeiros Imperiais, a qual eu apoiei, serve de molde para isso: foca-se muito em propostas que exigem certo desembolso, enquanto pouco se preocupa em revigorar os fundos do governo. Assim, caminhamos rumo à estagnação. Por favor, não pense que eu quero ser malfazejo para a sociedade, impedindo melhorias. Defendo que precisamos ter os pés no chão e agir com sabedoria.

Deixando o gabinete do presidente do Senado, o Duque chega e pergunta à secretária se o Senador se encontra.

Ao termina de ouvir fala de Divilly, levanta lentamente e vou pega dois copos mais com passos lentos para pensar e quando volta com testa franzida, encho os dois copos com a vodka sueca porem ainda pensando bem e ofereço o copo ao mesmo.

Antes de fala olha para baixo com testa franzida e com mão no queijo que em seguida olha diretamente para Divilly e fala - Vossa excelência Divilly, obviamente a maquina estatal gesebiana se move com impostos porem em minha opinião com impostos arrecadados no ultimo mês no ano passado, diga se de passagem foi alto, não tem necessidade para criação de mais um e ainda vou repetir, com criação de novo imposto irá dificulta empresários a aumentar sua empresa e será obrigado a oferecer um salario baixo aos seus funcionários. Compreendo sua visão perante o império, mas espero entenda a minha.

Chega secretaria informando a presença do duque peço para entrada do mesmo.

-Excelência, a última arrecadação teve uma queda de quase 30% em relação à anterior. Há sim a necessidade de mais um imposto. Quanto às empresas, parece-me que sua preocupação é com os pequenos empreendedores. Proponho-lhe uma modificação, então. Isentarei os negócios Individuais e Pequenos do novo tributo, afinal, os maiores têm condições de satisfazer os termos sem dificuldades. O que acha?

Sendo comunicado da autorização para entrar, o Duque o faz.

  • Bom tarde, senadores. Espero não estar atrapalhando.