[INTERATIVO] IV Quartel do Exército Arquiducal

[center]4º Quartel do Exército Arquiducal[/align]

[justify][tab=30]O IV Quartel do Exército Arquiducal, sediado em Farfalla, tem como objetivo o treinamento de recrutas a servirem na defesa da cidade e da Região Oeste do Arquiducado. Em sua lotação, o quartel abriga a 7ª e a 9ª Brigadas de Infantaria, comandadas pelo General-de-Exército Maurice Blanche.[/align]
[center]Contingentes[/align]
[size=140][font=Times New Roman]- 7ª Brigada de Infantaria / Efetivo: 1.400 Soldados / 10 Metralhadoras

  • 9ª Brigada de Infantaria / Efetivo: 1.400 Soldados / 10 Metralhadoras[/font][/size]

[center]Uniformes[/align]
[spoil][center]Uniformes das 7ª e 9ª Brigadas de Infataria[/align]
[center]Uniformes de Serviço[/align]


[center]Uniformes Cerimoniais[/align]
[/spoil]

[center]Histórico do Prédio[/align]
[spoil][font=Palatino Linotype][size=130][center]Base da III Tropa de Caçadores Gardenhos[/align]

[justify]Reinstituído em 1890, o Corpo de Caçadores da Gardenha é uma unidade militar regional inspirada na tradição militar da Antiga Gardennia, a região que conquistou e unificou o atual Império.

A base da III Tropa de Caçadores Gardenhos se localiza em Farfalla, cidade costeira no leste do Município Neutro de Gardignon. Com quase 150 mil habitantes, a cidade é um importante entroncamento de estradas entre o noroeste e o sudeste da Província. Tal posição foi decisiva para a instalação do contingente como condição para a garantia representativa da soberania regional.[/align][/size][/font]

[center]Homens da III Tropa de Caçadores Gardenhos[/align]

[justify]III Tropa de Caçadores Gardenhos
Estabelecida na Cidade de Farfalla, no Município Neutro de Gardignon
Oitenta Cavaleiros Ulanos[/align][/spoil]

[font=Palatino Linotype][size=150]

[/size][/font]

[font=Palatino Linotype][size=150]

[/size][/font]

[font=Palatino Linotype][size=150][justify]Em Farfalla, o Governador-Geral da Gardenha teve uma real noção sobre a extensão dos danos no leste do Município Neutro.

As principais vilas litorâneas foram praticamente devastadas e a ajuda enviada através do Deserto Branco era parca. O Conde René pediu para que se convocassem voluntários de regiões interioranas e toda a ajuda possível em bens alimentícios e outros itens de ajuda. Os homens dos Caçadores da Gardenha não estavam em número suficiente para auxiliar todos os necessitados.

Ainda naquela tarde, Von Biller partiria em direção a Saint Fleur, para verificar a situação por lá e destacar mais ajuda para o litoral.[/align][/size][/font]

A tropa de Caçadores sediada em Farfalla é deslocada para as cidades litorâneas, especialmente as fronteiriças com a Romania.

Com a cidade escolhida para o novo porto gardenhano, a comitiva do Conde Renan passa por Farfalla para verificar como estão as tropas de Caçadores. Houve demonstrações e reuniões por todo o dia, propostas foram ouvidas e várias delas serão analisadas e, possivelmente, implementadas.

No dia seguinte a comitiva sairia para analisar algumas cidades da costa leste dugardenhana e após irão para os Campos Noroeste.

Os cavalos ficam pouco nos estábulos no intuito de aproveitar os pastos ainda verdes.

A Base começa a recepcionar os novos soldados bem como os civis que receberão treinamento.

[tab=30]Entre vários treinamentos físicos e de conhecimento básico em armamentos alguns dias são focados na escavação de trincheiras, inclusive com premiação àqueles que mais rápido escavam. As trincheiras construídas ao redor da cidade permanecerão após o treinamento dos soldados.

Treinamentos de precisão são realizado com os soldados, apenas aqueles já habituados com armas durante a infância se saem bem na prova.

[tab=30]Tendo sido temporariamente fechada, a base recebe uma missão confidencial enviada pelo Ministério da Defesa. Com um grande projeto militar em vista, seria necessário uma verificação das dependências da base, a fim de se constatar o que se faria necessário para sua reutilização.

[justify][tab=30]Desde o início do mês, a antiga Base dos Caçadores Gardenhos começa a ser preparada para receber duas brigadas de infantaria, provenientes do Corpo Expedicionário Dugardenhano.[/align]

[justify][tab=30]Ainda na manhã do sábado, uma mensagem recebida na sala de telégraphos do IV Quartel é transcrita e, rapidamente, entregue no gabinete do comandante, o General-de-Exército Blanche.
[tab=30]Após tomar conhecimento do que se tratava, o comandante convocou sua estafe. E, dando ciência a todos os oficiais sobre os acontecimentos na fronteira, ordenou a mobilização total da tropa, que permaneceria em prontidão, conforme determinavam as orientações expressas no telegrama enviado pelo Ministério da Defesa.[/align]

[justify][tab=30]Após receber um telegrama do Ministério da Defesa, o General Blanche repassa as ordens aos oficiais de sua Estafe. Em poucos minutos a tropa inicia sua marcha até o local de embarque nos trens que haviam ficado de prontidão. Todo o contingente seguiria para a região de combate.[/align]

Alguns soldados são liberados após um mês de mobilização para fins de contenção de gastos.