[INTERATIVO] Porto de Catania

[center]PORTO DE CATANIA[/align]

[font=Times New Roman][size=150][i][tab=30]Construído nos primeiros momentos de vida do Reino da Romania, o então Porto Médio de Catania era responsável pela atração de imigrantes, em sua maioria europeus, sedentos por terra e melhores condições de vida, além de ser um catalisador no progresso e desenvolvimento no interior do Piemonte.

[tab=30]Mas o crescimento absurdo no fluxo imigratório, bem como no trânsito de mercadorias e produtos levaram ao Governo Real a realizar obras para expansão das dependências do porto, de modo a comportar maiores e mais embarcações sem causar tantos transtornos para capitães e passageiros, além de desafogar o trânsito nas docas.

[tab=30]Além de seu tamanho relativamente maior ao predecessor, o porto possui uma série de docas, armazéns, funiculares para escoamento de produção e deslocamento de passageiros do cais principal, além de uma patrulha costeira e guardas para manter toda a ordem e segurança no local. Também foi construído um pequeno canal, ligando riachos e alguns rios locais, para facilitar que as embarcações que circulam em tais trechos tenham acesso à costa e ao porto.[/i][/size][/font]

[font=Times New Roman][size=150][i]

[tab=30]Durante toda a tarde, o vapor português África é carregado com toneladas de café, onde revenderá o produto em todo o mercado europeu.[/i][/size][/font]

[tab=30]No início da tarde, o enorme navio alemão da Hamburg-Amerika Linie, SS Augusta Victoria, atraca pela primeira vez no Porto de Catania, trazendo vários imigrantes do norte da Alemanha e de partes da Dinamarca. Muitos, em busca de prosperarem na vida, e fugindo do clima de tensão na Europa, são educadamente recepcionados pelos oficiais do porto, que os encaminha até a Hospedaria dos Imigrantes, onde irão fazer exames médicos, hospedando-se temporariamente, em seguida.


[tab=30]Durante o início da tarde, uma embarcação que partia para o atracadouro acaba colidindo com um navio rebocador de médio porte do porto, causando danos a ambos. Rapidamente, as equipes de resgate vão até o local, resgatando os feridos no acidente.

[font=Garamond Bold][size=150]
[tab=30]O NSM Vigilante e o NSM Defensor se aproximam do porto e atracam em uma das docas, o imediato do Defensor se reúne com o Capitão do Porto e após alguns minutos os dois navios começam a ser reabastecidos e inspecionados.

[tab=30]Enquanto os navios eram reabastecidos os capitães despacharam um telegrama cifrado para o QG das Forças Reais.

[/size][/font]

[font=Garamond Bold][size=150]
[tab=30] O Capitão da Vigilante recebe um telegrama do QG das Forças Reais e repassa as informações para o Capitão do Defensor, os capitães fazem uma inspeção em seus navios para garantir que estavam prontos, terminada a inspeção as duas corvetas deixam o Porto e navegam para o oeste, repletas de munições e materiais de construção.

[/size][/font]

[font=Times New Roman][size=150][i]

[tab=30]No inicio da manhã, o RMS Campania finalmente chega à Catania, trazendo o novo governador do Estado. Assim que atraca nas docas e as rampas de desembarque são fixadas, populares aglomeram-se na espera de ver seu novo governante, que logo, desce, sendo saudado por todos. Um pequeno destacamento da Banda da Carabinieri estava no local, para referenciar o Governador.

[tab=30]Em terra firme,conversa com alguns partidários e dá algumas dicas de como será seu governo. Em seguida, adentra ao Carro Oficial do Governo e segue até a sede do mesmo, onde instalar-se-á, em caráter provisório, até que sua residência seja concluída.
[/i][/size][/font]


[tab=30]Algumas reformas pontuais são realizadas em todas as dependências do Porto, de modo a atender o crescente volume de produtos exportados/importados e também o afluxo de passageiros, principalmente europeus e asiáticos. Ainda assim, novas embarcações chegam a nação. Durante a tarde, três navios, todos da companhia de navegação italiana La Veloce, atracam no porto, amontoados de imigrantes e aventureiros.

[font=Times New Roman][size=150][i]
[tab=30]Aproximando-se de alguns guardas no porto, membros de uma família de italianos dizem:

- Amici, onde fica a ospedale? - Diz um dos homens, mostrando certo domínio com o idioma da nova terra, mas ainda carregando o pesado sotaque do sul da Itália.

[b]- Senhores, há alguns postos médicos na cidade. Mas há algum problema?

  • Si, Il nostro fratello è molto malato, forse per alimentare la nave.

  • Isso está tornando-se inadmissível! Todo o dia é a mesma história, pobre desses imigrantes que se sujeitam a isso - [/b] respondeu um dos oficiais ao seu colega, que logo ordena - [b]Levem-nos à Enfermaria da Hospedaria, e certifique-se que terão o melhor dos tratamentos; Irei reportar tudo aos meus superiores.

  • Pode deixar senhor! Lasciate amici, li aiuterà.

  • Molto costoso grazie ufficiale. Che Dio te e tutta la tua famiglia proteggere![/b]

[tab=30]Assim, o jovem oficial leva toda a família até a Hospedaria enquanto o outro oficial anota tudo em seu Registro de Apontamentos. Pensando consigo, e anotando tudo, registra que “as viagens marítimas transatlânticas e transpacíficas devem ser regidas por duras leis, onde as companhias navais devem respeitar, garantindo a segurança dos passageiros, sua integridade física e uma viagem sem maiores tormentos. Os vapores de imigrantes não devem ser sucatas velejantes.” [/i][/size][/font]

[font=Times New Roman][size=150][i][tab=30]As recentes reformas realizadas pelo Governo Real no Porto de Catania, expandindo a capacidade do mesmo, fizeram com que pudesse dividir embarcações de passageiros e embarcações de carga, dando ao porto, maior organização.

[tab=30]Antigamente, misturava-se tudo, e os passageiros que embarcariam, ou desembarcariam, perdiam-se em meio a inúmeras sacas e caixas de produtos, causando enormes transtornos e atrasos aos envolvidos.

[tab=30]O Terminal de Cargas, localizado à norte do porto, possui grandes centros de cargas, desde caixotes de manufaturas até centros de conservação de granéis e frutos, e de combustíveis, tudo devidamente separado e mantido sob o mais rigoroso controle de qualidade e segurança, para garantir a integridade física dos estivadores e conservação das embarcações que ali atracam. Além disso, o porto contém um sistema moderno de guindastes, para facilitar o depósito/retirada de cargas do interior dos navios, bem como uma série de esteiras especiais para coleta de minérios.

[tab=30]Para facilitar o escoamento de toda a produção, bem como deslocamento de mercadorias que chegam através do porto, redes ferroviárias e de funiculares, reduzindo o tempo e, consequentemente, os custos de transporte de mercadorias, equiparando o local aos grandes portos americanos e europeus.
[/i][/size][/font]


[tab=30]Logo após liberação de funcionamento do Terminal de Cargas pela Autoridade Portuária Local, várias navios cargueiros atracam no porto. O primeiro deles, o SS Sachsen, da companhia alemã Hamburg-Amerikanische Paketfakrt Ag (HAPAG), atraca no Cais nº 01, trazendo consigo vários produtos químicos e alguns artigos de luxo.


[tab=30]No início da tarde, um grande contingente policial se forma no porto, a espera do navio australiano SS Cardross. Quando o mesmo atraca no Cais Nº 07, enormes caixas são descarregadas com cuidado e são levadas, em comboio policial para longe da cidade. A estranha movimentação causa a curiosidade de diversos estivadores e alguns passageiros que estavam no Terminal Sul do porto.

[tab=30]Mais um dia de grande movimentação no Porto de Catania. O Terminal de Passageiros registra o número recorde de 35 embarcações, de todos os tipos, que atracaram nos cais, trazendo consigo números incríveis de imigrantes e passageiros da navegação de cabotagem.


[tab=30]Nos primeiros dias de abril, cinco embarcações italianas e duas espanholas atracam no porto de Catania, trazendo consigo diversos imigrantes, todos pobres, em busca de terras e condições melhores de vida.


[tab=30]No início da manhã, dois grandes navios ingleses atracam nas docas de Catania, trazendo consigo, cerca de dois mil e quinhentos passageiros, entre ingleses, franceses, escoceses e irlandeses. Ao desembarcarem no porto, são imediatamente orientados e deslocados até a Hospedaria dos Imigrantes, onde passarão por inspeções médicas e ficaram hospedados até estarem em plenas condições de morarem as próprias custas.


[tab=30]Várias mercadorias que chegam de todas as partes do Piemonte, são alocadas no Cais Nº 01, onde um cargueiro mexicano irá levá-las até o México. Em sua maioria, são produtos industrializados e vários bens de consumo.


[tab=30]Logo no inicio da manhã, um cargueiro brasileiro carregado de café atraca no porto, descarregando o precioso grão em terras romanianas.

[tab=30]O navio Inglês RMS Barrow, no inicio da manhã, atraca no Cais Nº 15, trazendo consigo cerca de dois mil imigrantes ingleses e escoceses. Barcos rebocadores do porto rapidamente direcionam-o até as Plataformas de Desembarque, e assim que as âncoras são baixadas, os imigrantes começam a descer do navio. Oficiais de todo o porto vão até o local, para ajudá-los com informações.

[tab=30]Durante a tarde, dois navios da Navigazione Generale Italiana atracaram no Porto, trazendo vários imigrantes que zarparam do porto de Nápoles no sul da Itália. Após passarem por uma inspeção médica, evitando a manifestação de piolhos e outras epidemias, são levados à Hospedaria dos Imigrantes. Os que possuíam algum tipo de doença, eram levados imediatamente ao Ambulatório do Porto, onde eram examinados, medicados e liberados após melhorarem de suas enfermidades.


[tab=30]Mercadorias, especialmente algumas máquinas, encomendadas por empresas locais chegam da alemã a bordo de um cargueiro da Hamburg Sud. Em seguida, são desembarcadas no porto e encaminhadas, através de trem, até o destino, na cidade de Napoli.