[MTW] Deus e meu direito

[center]Deus e Meu Direito[/align]

[b][size=150]Jogo: Medieval Total War
Nação: Reino da Inglaterra
Dificuldade: Hard

Objetivos: Inicialmente garantir o trono francês e retomar a terra santa. Novos objetivos serão acrescentados no decorrer do jogo.

O jogo é bem antigo mas é um verdadeiro clássico de estratégia, espero que gostem.[/size][/b]

ÍNDICE

Prológo

Capítulo I

Capítulo II

Capítulo III

Acompanhando. Boa sorte

Wow. Medieival 1? Essa vou acompanhar bem de perto.

[center]Prológo - Tempos Sombrios[/align]

[BBvideo 640,400]http://www.youtube.com/watch?v=khY_6ZHY68o[/BBvideo]

[justify]O Ano é 1087, a Inglaterra está em sua maior parte sob controle dos senhores normandos. O Rei, Willian II, filho do rei Willian o conquistador juntamente com sua corte e os grandes senhores locais são todos normandos de língua francesa, assim como boa parte de suas terras as quais estão situadas do outro lado do canal da mancha. O assim chamado Reino da Inglaterra é apenas uma parte de um domínio maior. Reino Normando da Inglaterra seria um nome mais apropriado sem dúvida. As terras do Rei na França na realidade são muito mais valiosas do que as províncias inglesas que apesar disso tem enriquecido nos últimos anos com o comércio de lã e demonstram grande potencial econômico.[/align]

[center]Detalhe da Tapeçaria de Bayeux que retrata a conquista normanda da Inglaterra[/align]

[justify]Essa posição ao norte bem como seus domínios ao sul traz oportunidades e problemas para o Rei Inglês. O Reino está espalhado e não é fácil manter o controle de tantas terras conquistadas. Os saxões em algumas regiões ao norte ainda nutrem ressentimento pelo domínio normando. Além disso existem alguns problemas de ordem política. Graças aos antigos juramentos de fidelidade o Rei da Inglaterra é nominalmente o um vassalo do rei da França. Este estado é ignorado pelo rei inglês, mas o rei da França não compartilha dessa visão dos fatos, essa questão irá trazer sérias consequências em breve.[/align]

[center]Principais Nações em 1087AD[/align]

[justify]O Rei Willian II tem em suas mãos diversas questões a serem resolvidas, há vários relatos de indisciplina por parte da nobreza normanda no continente, se isso não for solucionado rapidamente a situação poderá se espalhar e o rei da França com certeza irá tirar vantagem desta situação para reclamar o que ele acredita ser seu por direito.[/align]

[justify]O 2º Reinado Normando se inicia de forma bastante turbulenta. O que acontecerá a seguir será decisivo para a história da Europa. Irão os normandos liderar a Inglaterra rumo a glória ou serão sufocados pelas adversidades que se apresentam a sua frente? O tabuleiro está posto, as peças se movem a partir de agora…[/align]

uma duvida in-game, o que é a vitoria por realizações gloriosas?

1º Total War que eu joguei, que dlç, tanto tempo que eu nem vejo esse jogo!! Acompanhando.

Objetivos opcionais que o jogo te dá que rendem pontos de vitória. Ex: conquistar região X, Construir uma catedral, Construir uma fortaleza em região X, liderar uma cruzada, converter uma região, dominar facção A, e assim por diante. Inclusive acho esse estilo de jogo bem mais interessante que apenas sair conquistando, dá um fator de RP para o jogo.

Putz, Med1? Acompanhando, com certeza!

Em suma são missões! Bem melhor mesmo.

Não conheço o jogo, mas acompanharei pela narrativa. Boa sorte.

Clássico, nunca joguei mas acompanharei.

[center]Capítulo I - Lealdade ou Conveniência?[/align]

[BBvideo 640,400]http://www.youtube.com/watch?v=aRhn1fIjBOQ&list=PLY0HG7j1maOiXEGfyDupDSwuDFaG4NQys[/BBvideo]

[justify]Reunido com seu conselho em Londres, William II é colocado a par da situação em que o reino se encontra e dos desafios a sua frente. Ele possui uma reputação de ser um homem cruel e autocrata e isso obviamente não é nem um pouco satisfatório para seus súditos e pode gerar grande instabilidade no reino, algo deve ser feito afim de amenizar esse problema e rápido. Atualmente o Reino da Inglaterra possui 6 Territórios:[/align]

[justify]A Normandia, a terra a qual seu pai havia lutado duramente para manter antes da invasão da Inglaterra, está atualmente sob comando de Sir Lord Robert Langton, um cavaleiro Normando de lealdade questionável.[/align]

[justify]A Província de Anjou na França está atualmente sob o comando de Harry Audley, um administrador competente mas seu descaso para com Deus e a Igreja talvez comprometam a sua lealdade ao seu Rei.[/align]

[justify]Na Aquitânia, Sir Anthony Courtnay governa com mão de ferro as possessões normandas ao sul a partir da cidade de Bordeaux, ele é conhecido por sua crueldade, pouco o nenhum apego a igreja de nosso senhor e pouco inteligencia. Aliemos isso a seu descaso para com as ordens do Rei e temos um possível problema.[/align]

[justify]O Território da Mércia Está atualmente sob comando de Henry Stuart, um homem devoto a Deus, provavelmente isso é a única coisa que ainda garante sua lealdade ao Rei Willian II.[/align]

[justify]Na Northumbia, John Becket sua grande habilidade administrativa e mão de ferro garantem a estabilidade da região contra os saxões ressentidos pela ocupação Normanda, podemos contar com sua lealdade enquanto ele estiver se beneficiando do comando que possui.[/align]

[justify][font=Century Gothic]Como se pode ver não se tem as melhores pessoas para governar no momento, mas é o que há. Sendo assim, que se faça o melhor possível com as “ferramentas” disponíveis.

Uma das causas de grande ressentimento por parte dos nobres é a grande quantidade de títulos de nobreza acumulados pelo rei Willian, seu pai descumpriu diversas promessas que havia feito de redistribuição de terras e títulos e acumulou para si o que pôde. Uma das primeiras coisas as quais Willian fez no começo de seu reinado foi distribuir os títulos de acordo com os comandos atribuídos de seus vassalos atuais.[/font][/align]
[justify]Sir Anthony Courtnay recebeu o título de Duque da Aquitânia e o direito de repassar tal título para seus descendentes.[/align]

[justify]Harry Audley recebeu o título de Conde de Anjou de acordo com sua capacidade.[/align]

[justify]Sir Robert Langton recebeu o título de Duque da Normandia.[/align]

[justify]Henry Stuart Recebeu o título de Conde da Mércia.[/align]

[justify]E por fim John Becket é nomeado Conde da Northumbia.[/align]

[justify][font=Century Gothic]Com essas designações iniciais espera se que a ambição dos nobres seja por ora saciada e que sua lealdade seja pelo menos por ora mantida, mas é óbvio que isso não os manterá por muito tempo.

A leste da Bretanha existe um território chamado Gales, seus habitantes tem fama de usarem o arco de forma lendária, bem como usam um novo tipo de arco, o Arco Longo, com muito mais alcance e mais letal que os arcos convencionais. As habilidades desse povo seriam uma grande vantagem que a Inglaterra poderia usar a seu favor em batalha. Sabendo disso e devidamente aconselhado por seus conselheiros, Willian ordena que Henry Fitzalan, seu mais talentoso diplomata se dirija para a região a fim de encontrar um meio pacífico de trazê-los para a Inglaterra.[/font][/align]


[justify]Enquanto isso as duas filhas de Willian, Mary e Elizabeth são enviadas para a França em missão diplomática a fim de conseguir uma coexistência pacifica entre as duas nações, essa missão é de grande importância e se espera que as princesas cumpram seu papel conforme for necessário.[/align]

[justify]Em Gales o líder local galês informa que por 2025 florins ele se juntará ao Reino da Inglaterra de boa vontade, tal valor é uma verdadeira pechincha diante do que seu povo pode ensinar aos ingleses. Willian aceita a proposta e em breve Gales será mais uma província Inglesa. No entanto não se pode deixar de observar o quão baixa é a lealdade dos homens nestes tempos, é difícil confiar em alguém dessa maneira.[/align]

[justify][font=Century Gothic]Enquanto isso, construções são ordenadas por todo o reino de acordo com a necessidade local a fim de agradar a população e facilitar a administração local.

Na Normandia e em Anjou fortes de madeira começam a ser construídos para facilitar o controle das terras.[/font][/align]

[justify]Na Aquitânia torres de vigia começam a ser erguidas nas fronteiras para garantir que os franceses se mantenha em seu lugar e não ameacem a região.[/align]

[justify]Londres é governada a partir de um forte de madeira, tal situação não condiz com a grandeza do Reino da Inglaterra, sendo assim, um castelo de pedra com um torreão é ordenado imediatamente em substituição ao velho forte.[/align]

[justify]A Mércia e a Northumbia tem vastas terras sem ser cultivadas, para remediar a situação as fazendas serão expandidas de forma a melhor alimentar os camponeses e gerar renda para o reino.[/align]

[justify]Após esses trabalhos no ano de 1087, ao inicio de 1088 sua Santidade o Papa concedeu ao Reino Inglês 1000 florins em reconhecimento aos serviços prestados a Deus e a Igreja.[/align]

[justify]A missão do emissário em Gales foi bem sucedida e no período de um ano Gales será integrado a Inglaterra. Junto com a província cerca de 180 arcos longos irão reforçar as fileiras dos exércitos do Rei Willian.[/align]

[justify]Também ao início deste ano a Rainha deu a luz um filho, sem dúvida é uma grande bênção para o reino. As noticias iniciais são boas e até o presente momento o reinado de Willian começou de maneira afortunada.[/align]

[justify]Por fim apresento vos os relatórios do ano de 1087.[/align]

Everybody Hates William :hihi
Bom começo, mas duvido que essas princesas aí consigam alguma coisa :stuck_out_tongue:

Vai ser meio complicado… :haha

Uma coisa importante, no medieval 1 se muitos nobres tiverem a lealdade baixa eles podem apoiar um pretendente ao trono e começar uma guerra civil. São uma verdadeira dor de cabeça.

Nunca nem procurei sobre o MTW, mas tou acompanhando pra conhecer um pouco :slight_smile:

Tem uma jogabilidade bem clássica, como deu pra perceber ele é literalmente um jogo de tabuleiro. Mas tem uma profundidade incrível e bem mais eventos que o M2TW, além disso pode acontecer muitas coisas bem imprevisíveis. Facções conquistadas podem surgir com um novo pretendente e atacar suas terras com exércitos Full do nada. Cruzadas podem ter seu direito de passagem negada em reinos cristãos, e você vai ter que decidir entre atacar ou dar a volta, Castelos tem capacidade limitada de tropas dentro deles, de forma que um castelo com nível baixo não pode manter uma guarnição muito grande e caso você decida se retirar ao ter o território invadido você perde parte das tropas, guerras civis podem ocorrer e a inquisição tem uma presença maior, uma vez que você pode criar a sua própria inquisição e não apenas o papa.

Ou seja, mais realístico que os mais recentes.

NÃO ACREDITO! Como assim o Jord iniciou uma AAR de MTW e ninguém me disse nada? :angry:
Claro que acompanharei!!! Vai, Inglaterra! :mal

Para de dormir e presta atenção cara! Uma AAR de Medieval TW 1 é algo que a gente vê no fórum assim que loga… :sparta

[center]Capítulo 2 - O Problema com a Escócia[/align]

[BBvideo 640,400]http://www.youtube.com/watch?v=59Ri26PIOLs[/BBvideo]

[justify]Willian apresenta a seu conselho sua visão para com o futuro do Reino. Segundo ele, a única maneira pela qual seria possível mostrar força diante dos franceses e encerrar de uma vez por todas suas reivindicações sobre as posses na França seria por se mostrar capaz de governar toda a Bretanha. Ao norte, um reino fraco e prepotente continuava a desafiar o poder do Reino da Inglaterra. Os escoceses, vivendo em seus clãs e com uma fraca administração devem ser subjugados imediatamente e o Reino da França deverá ser mantido de mãos atadas o quanto antes. Com isso em mente as ações para que estas novas conquistas sejam realizadas deverão ser iniciadas exatamente.[/align]

[justify]Em 1088 começa o treinamento de novas milícias em Wessex, Mercia e Northumbia, embora o treinamento destes camponeses seja mínimo eles serão necessários para manter a ordem enquanto parte do exército deixa a região em direção a Escócia.[/align]

[justify]Também naquele mesmo ano a região de Gales após o acordo feito anteriormente se une pacificamente ao reino da Inglaterra.[/align]

[justify]Uma nova unidade agora disponível para o Rei Willian são os famosos arqueiros galeses, como modo de comprovar a eficácia dessa nova arma, um batalhão deles se une ao exército real que irá marchar para o norte.[/align]

[center]Um Arqueiro Longo Galês[/align]

[justify][font=Century Gothic]Ao início de 1089 grandes eventos ocorreram não apenas na Inglaterra mas para todo o mundo.

O Herdeiro de sua majestade Willian II atingiu finalmente a maioridade. Uma boa notícia uma vez que ao partir para a guerra o Rei poderá deixar seu filho administrando o Reino juntamente com seus conselheiros durante a sua ausência.[/font][/align]

[justify]Também nesse mesmo período algo realmente notável aconteceu. Um pedaço da verdadeira cruz na qual Cristo redimiu o mundo de seus pecados fora encontrado e agora se encontra na catedral de Paris, um grande dia para todos os Cristãos sem dúvida. Paris agora se tornou um local de peregrinação e um grande fervor religioso tomou conta de toda a França após essa descoberta.[/align]

[justify]Em 1091, os espiões enviados para a Escócia enviam seus relatórios do tipo de força que os locais podem trazer contra a Inglaterra. Pelo que podemos observar não são exércitos profissionais, porém sua lealdade a seu povo graças aos antigos laços tribais existentes na região os farão defender apaixonadamente suas terras, sem dúvida serão adversários formidáveis.[/align]

[justify]Como já era temido os temores se confirmaram e o fato da lealdade de vários generais ser questionável está gerando rumores de que uma revolta contra o Rei Willian se organiza. Algo deve ser feito rapidamente ou a situação fugirá ao controle e teremos uma guerra civil em nossas mãos.[/align]

[justify]Após cerca de 3 anos na corte da França a princesa Elizabeth finalmente encontra oportunidade para estabelecer uma aliança por matrimônio com o reino da França.[/align]

[justify]O exército inglês embora ainda pequeno mas bem organizado e reforçado pelas tropas galesas agora finalmente chega a Escócia sob o comando pessoal do Rei Willian. Os escoceses se reúnem em um terreno alto esperando com isso obter vantagem na defesa. A batalha é inevitável e as forças estão equilibradas, o controle total da Bretanha será decidido nos próximos dias.[/align]

[center]A SORTE ESTÁ LANÇADA.[/align]