Plebiscito sobre a criação do estado do Carajás

Então pessoal, eu estou acompanhando todos os passos da aprovação do Plebiscito para a criação do estado do Carajás. Para quem não sabe:
[b]
"Projeto de Lei e Outras ProposiçõesConsulta Tramitação das Proposições
Proposição: PDC-2300/2009 Avulso
Autor: Senado Federal - Leomar Quintanilha - PMDB /TO
Data de Apresentação: 08/12/2009
Apreciação: Proposição Sujeita à Apreciação do Plenário
Regime de tramitação: Urgência art. 155 RICD
Situação: CFT: Aguardando Parecer; PLEN: Pronta para Pauta; CCJC: Aguardando Designação de Relator.
Ementa: Dispõe sobre a realização de plebiscitos para a criação do Estado do Carajás, nos termos do inciso XV do art. 49 da Constituição Federal.

Indexação: Convocação, plebiscito, consulta, população, criação, Estado, desmembramento, Municípios, (PA), apoio técnico, organização, realização, fiscalização, (TSE), (TRE), Justiça Eleitoral."[/b]

Link para acompanharem: http://www.camara.gov.br/internet/sileg/Pr…e.asp?id=463054



VCS acreditam que aqui no Brasil o Plebiscito consulta não só a parte a ser emancipada, mas os emancipadores tb. EM NENHUM LUGAR DO MUNDO É ASSIM. Só no Brasil. Ou seja o resto do Pará terá que “dar” a independência. Um absurdo.

Sei que tem um monte de pessoas que são contra a redivisão territorial do Brasil. Mas olhem para o Pará. É um MUNDO, aquilo ali é mto grande para ser regido por apenas uma unidade federal. Eu sou a favor do novo estado, mas n quer dizer que sou a favor do estado do Iguaçu (oeste do Paraná e Santa Catarina) ou da (sandisse da) volta do estado da Guanabara. Tem que ser feito onde é necessário.

E vc Juh o q pensa sobre isso? COmo está a discussão aí em Belém?

Eu sou contra, + um monte de políticos e cargos que teremos que sustentar.

Senador Mozarildo discursa em defesa da criação de novos estados

Para ele, a divisão territorial do Brasil deveria ser norteada pelo modelo dos Estados Unidos da América (EUA). “Com praticamente a mesma extensão territorial, os EUA possuem 50 estados”, disse… De acordo com entendimento do parlamentar de Roraima, a discrepância entre a divisão territorial dos EUA para o Brasil se deu na diferença da colonização das duas nações. Para o senador, enquanto no Brasil as áreas eram divididas pelos asseclas e próximos à família real lusitana, na Nova Inglaterra, a divisão se deu desde o início com o objetivo de atingir o desenvolvimento

Um dos argumentos mais utilizados pelo senador roraimense a favor do plebiscito de criação ou não do Estado de Carajás se refere ao direito constitucional que é bem claro quanto ao surgimento de novos municípios e unidades federativas: a consulta popular através de plebiscito. “Oras, o parlamento não irá decidir se cria ou não o novo Estado”, afirmou. “Essa prerrogativa é do povo que dirá se sim ou se não”, pontuou.

fonte: http://www.estadodocarajas.com.br/index.ph…15&Itemid=1

Hmm, desde de que diminuam proporcionalmente os políticos do pará, para não ficar uma coisa mais inchada que está.

Por questões territoriais eu sou a favor, mas sou contra por questões políticas… no fim isso não vai trazer desenvolvimento nenhum, é só manobra política, infelizmente…

Lembrei-me daquele município paraense que tem mais de 100.000 km de extensão… Altamira, com 161.445,9 km² idêntica à do estado do Acre ou aproximadamente metade da ocupada pela Itália.

Mas vejamos o outro lado:

Com a criação dos Estados do Tapajós e do Carajás, o Pará não ficará pequeno apenas na sua área territorial e no número de habitantes. Ele perderá muito mais:

O PIB do Pará cairá de quase R$ 50 bilhões para aproximadamente R$ 29 bilhões. Deixará de ser o maior PIB do Norte, ficará atrás do Amazonas e do Maranhão. O PIB per capita do paraense será um dos menores do Brasil. Talvez só maior que o do Tocantis, na região Norte. O “novo” Pará perderá 8 dos 10 municípios paraenses com as maiores rendas per capita do Estado. E seis dos seus 10 municípios com maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). A área desflorestada do Estado crescerá de 17,5% para 30,7%.

Cara, sei lá, é completamente diferente e ao meu ver errado pegar o exemplo do USA/EUA pois é um país completamente diferente do nosso.

Mas vamos ver. No que vai dar.

Acho que o Lost falou tudo…Daqui a pouco teremos 40 estados…Isso sem contar nos que ja estão querendo independencia ainda que velada como é o caso do Rio Grande do Sul

Sou contra por motivos aburdamente regionalista. A criação de um novo estado, na divisa com tocantins ira desetabilizar a confluencia de investimento que o tocantins recebendo, agora em uma fase inicial de consolidação. (20 anos de existencia)

Em suma, a criação de novo estado e prejudicial para Pará e pro Tocantins

Mais trabalho para decorar tudo para as provas de nossos filhos.

Totalmente contra! Além de não sanar os problemas gerados pelas dimensões do estado atual, um novo estado só sugaria mais recursos da União, e pouco contribuíria em troca. Além disso são novos cargos políticos… novas chances de falcatruas e corrupções políticas.

É preferível que os Estados da região arrumem formas de controlar todo este espaço, do que fazer um novo Estado para sugar recursos federais, que irão direto para as mãos dos políticos, fazendeiros e o povo que vocês conhecem…

Sou a favor do estado do Iguaçu a oeste do Paraná, na divisa com o Paraguai, huauhauhauha.

Mas ñ dá pra comparar USA com nóis mesmo. Eles não tem uma Amazônia, um Pantanal.

:slight_smile:

Acho que deveriamos pegar o Uruguai de volta…É nosso por direito kkkkkk

A favor da Segunda guarra da Cisplatina!!!

Uruguai é do Brasil!!!

HAHahahahahahahhahahah

E nada de puppet…Anexar Ja! kkkkkkk

Erguer um estado nao e facil Lucas. Eu sei porque ja tem 9 anos que moro em Palmas. O tocantins foi criado em uma fase de confusão politica no país, e damandou recursos monstruosos pra ser erguido, captando verba principalmente na gestão de FHC.

Era uma região sem recursos minerais, e baixa capacidade agrícola, alem de vazio industrial e de infra-estrutura completa…

O sul do Pará possui uma das maiores mineradoras do mundo e uma produção de gado de corte altíssima, nao necessita de medidas drásticas pro desenvolvimento que o norte goiano necessitava. Ali fala é gestão publica e, sinceramente, uma assembleia legislativa e um palácio em Carajás ou no Paroapebas nao vai resolver em nada…