PROSUPER, um sonho distante.

[font=Garamond][size=150]

Passam os meses e é cada vez menor, na Marinha, o otimismo acerca da possibilidade de a presidenta Dilma Roussef escolher ainda este ano o grupo empresarial estrangeiro que fornecerá os 11 navios (5 fragatas de 6.000 toneladas, 5 navios-patrulha oceânicos e um navio de apoio logístico) requeridos por meio do Programa de Obtenção de Meios de Superfície (Prosuper).
Oficiais da Força ouvidos pelo Poder Naval sentem que o desânimo já contamina seus colegas do Ministério da Defesa.
Essas fontes relatam que, nas primeiras semanas do ano, havia a expectativa de que, tendo o Palácio do Planalto anunciado o nome da corporação vencedora do Prosuper, os contratos de aquisição dos navios pudessem ser firmados em 2016 – condição indispensável ao início da fabricação das primeiras embarcações.
Mas diante das repetidas manifestações da presidenta acerca da necessidade de “cortar na carne” as despesas dos diferentes ministérios, até mesmo esse vagaroso cronograma parece inviabilizado.
Na Presidência da República, o silêncio acerca do Prosuper é completo. No Ministério da Defesa já se comenta abertamente que 2015 tem tudo para ser um ano perdido para o programa, que tem como objetivo renovar a força de superfície da Esquadra.
O Prosuper representa um custo estimado em 5,46 bilhões de dólares, e apesar de alguns oficiais da Marinha já admitirem seu desmembramento, como forma de deixá-lo menos caro – ou de dispêndio mais aceitável para a área econômica do governo –, nada, nesse momento, parece capaz de tornar o PROSUPER mais palatável no âmbito do Executivo.

[center]Niterói(F-40)[/align]

Alternativas: Hoje, o preço médio pedido pelos fornecedores estrangeiros por cada fragata é de, aproximadamente, 710 milhões de dólares (650 milhões de Euros).
Nesse cenário de desalento, os representantes de algumas empresas interessadas no PROSUPER começam a imaginar se a Marinha brasileira não se verá forçada a, mais uma vez, recorrer a navios usados.
Um ano atrás circulou a informação de que o governo alemão poderia concordar em transferir para o Brasil até quatro escoltas, além de um navio de apoio logístico.
Os navios de escolta poderiam ser as fragatas do tipo 122 – construídas na década de 1980 – ou as do tipo 123 – fabricadas nos anos de 1990.
A primeira hipótese, que se refere à classe Bremen – de navios de 3.700 toneladas comissionados entre 1982 e 1990 – desperta pouco (ou nenhum) entusiasmo entre os militares brasileiros. Especialmente por causa do armamento antiquado e da falta de predicados relativos à furtividade.
A segunda alternativa, das fragatas classe Brandenburg, de 4.500 toneladas (a plena carga), é considerada de maior utilidade para a Marinha – em particular por terem quase todas menos de 20 anos de uso, possuírem silos para lançamento vertical de mísseis e um projeto que incorpora design stealth (furtivo).

Fonte: Poder Naval[/size][/font]

Prosuper é igual PAC, conversa pra boi dormir. Tenho até minhas dúvidas se a presidente não vai acabar interferindo na compra dos Gripen ainda, apesar de estar td acertado… Sendo braziu, ñ duvido de nada…

Imagino que Forças Armadas no Brasil nunca receberam um apoio que mereciam.

Digo pelo exército, no qual eu tive experiência. Ninguém merece atirar com um fuzil datado da criação de 1953, e que foi pouco atualizado com o tempo.
Imagine equipamentos para marinha e aeronáutica, que creio eu, que sejam bem mais caros.

Creio eu que as únicas atualizações das Forças Armadas foram na Era Vargas e durante o Regime Militar.
Tanto é que o nosso único porta aviões, em uma nação com 9.198 km de litoral, foi comissionado em 1960, pertenceu há França até 2000 e desde 2001 pertence a Marinha Brasileira.
As Forças Armadas do Brasil são sinônimo de obsoleto.

Pior q, apesar d’eu ter quase rezado pra escolherem o Gripen dentre as demais “opções”… eu tinha um poster do Gripen no meu quarto… isso lá em 1998… 1998…

Digo pelo exército do Brasil é bem treinado. A ordem unida é uma das melhores que já vi, e as atividades no campo também são excepcionais.
Só que dificilmente existem treinamentos especiais, somente que consegue os cursos como paraquedismo, selva, essas coisas…

A marinha não sei dizer, mas como é mais antiga, imagino que tenho algo melhor que o exército.