[Região] Viscondado das Montanhas Azuis

[justify][tab=30]A Vila de Draco, localizada na Passagem de Drake, ao sopé da Cadeia de Montanhas Dracônia e das Montanhas Azuis, é uma vila com pouco mais de 3000 habitantes, a cerca de 350km da capital Gardenia. Seria apenas mais um dos vilarejos que existem às centenas por toda Gesébia, não fossem os fatos que levaram à sua fundação.[/align]

[justify][tab=30]Cerca de 80 anos atrás, o explorador Alexander Drake, desejoso de servir ao governo gesebiano, iniciou uma expedição para mapear a cadeia de montanhas ao oeste de Gesébia. Encontrou uma passagem ao norte, e outra ao sul, ambas utilizáveis, mas dificultosas devido ao terreno acidentado. Já ao centro da cadeia de montanhas, uma passagem muito mais fácil, que o levou até um amplo deserto, que se extende ao longo do quanto se consegue avistar. Ele chamou este passo, entre as duas cadeias de montanhas, de Passagem de Drake.[/align]

[center]As Montanhas Azuis[/align]

[justify][size=150][font=Kristen ITC][tab=30]Porém, enquanto iniciava a exploração do grande deserto, Drake teve contato com tribos bárbaras, de homens com olhos amendoados, que cavalgavam cavalos e ainda usavam arcos. Um mensageiro foi enviado ao governo da época, avisando das descobertas e dos “bárbaros” hostis.

[tab=30]Porém, não houve tempo para os reforços chegarem, e Drake teve que tomar uma decisão drástica: para impedir a invasão, recuou até a passagem que havia descoberto e, com pouco mais de 100 homens, montou barricadas e armadilhas através de toda a passagem. Houve muitas baixas, mas conseguiu conter os invasores até a chegada do exército, que por fim expulsaram os bárbaros de volta às quentes areias do deserto, agora chamado de Terras Desconhecidas.

[tab=30]Por sua bravura, foi-lhe concedido o domínio e a honra de defender estas terras por ele descobertas, e assim ele fundou uma pequena vila com seus companheiros sobreviventes, e mandou buscar suas famílias. Esta vila ficou conhecida como Draco.[/font][/size][/align]

[center]Vista de parte da vila[/align]

[justify][tab=30]Durante os anos seguintes, a vila prosperou lentamente, recebendo alguns imigrantes de tempos em tempos. Em homenagem ao fundador, e herói local, muitas famílias adotaram sobrenomes relacionados à dragões, ou nomeiam seus filhos com variações do nome do fundador.[/align]

[center]Vista de parte da vila[/align]

[justify][tab=30]O clima da região é subtropical, com nevascas no inverno devido à proximidade e elevação das montanhas. Plantações de subsistência são feitas pelas famílias, com o complemento de carnes de caça da região.[/align]

[center]As Montanhas Azuis, vistas do interiror da vila[/align]

[justify][tab=30]Um ponto de interesse é o antigo forte, construído logo após a concessão das terras a Sir Drake, hoje meio em ruínas.[/align]

[justify][tab=30]Embora inicialmente houvesse uma guarnição sempre presente, com o tempo e a não-interferência dos bárbaros do deserto, a mesma foi sendo dispersa, e hoje a maioria da população trabalha ou nas minas de ferro e ouro, ou na caça, ou nas plantações. Há também um ferreiro, uma cunharia de moedas, uma taberna e uma hospedaria na vila, bem como uma guarnição da Gendarmeria, a Sede do Banco de Dracônia e o Gabinete do Prefeito. Porém, todos ainda se lembram da Lei de Drake, de sempre estar preparado caso haja uma nova invasão, de forma que o treinamento com armas ao menos uma vez por semana é obrigatório.[/align]

[center]Entrada da mina de ferro[/align]

[center]Gravura mostrando o trabalho na mina de ouro[/align]

[justify][tab=30]Draco exporta principalmente ferro, ouro e couro de cervo, de raposa e de castor para o restante do Império, enquanto recebe produtos que não consegue produzir, como farinha, açúcar e tecidos.[/align]

[center]A Vila de Draco na Passagem de Drake, com as Minas de Ferro e Ouro e os Campos de Caça ao norte, ao sopé das Montanhas Dracônia. Há relatos de uma mina de Carvão Mineral nas Montanhas Azuis, ao sul, ainda não exploradas.[/align]

[justify][tab=30]Há algum tempo, a Vila foi elevada à condição de Viscondado, quando seu filho mais ilustre, SoraNoHiryuu, após anos de serviço leal à Armada e ao Império, foi agraciado com o título de Visconde. Ainda mais recentemente, o Viscondado foi integrado à Província de Cisalpínia, cuja capital localiza-se em Porto D’Arca Perdida.[/align]

[center]Cota de Armas do Viscondado das Montanhas Azuis[/align]

[center][size=150][font=Kristen ITC]Hino da Montanha

Se a guerra escolher como palco
As montanhas do nosso Império
Levarei minha fé e minha força
Junto a mim estará o meu fuzil

À altitude e ao ar rarefeito
Adaptado tornei-me, assim
Eu sinto que sou parte delas
E que elas são parte de mim

E nos dias do desbravamento
Nós lutamos com muito vigor
Nós subimos, escalamos montanhas
E os que ficaram escutam o fragor

O meu grito de guerra é montanha
E montanha responde o rochedo
Vencerei o inimigo com garra
Sou guerreiro que luta sem medo

Escalando as paredes de pedra
Hei de ver a vitória chegar
E do alto contemplo o horizonte
A planície, o planato e o mar

E lutar bem mais perto do céu
Esta é minha nobre missão
Minha alma se eleva ao topo
A seguir os meus pés lá estarão

O meu grito de guerra é montanha
E montanha responde o rochedo
Vencerei o inimigo com garra
Sou guerreiro que luta sem medo[/font][/size]

Hino composto pelo Segundo-Sargento da Armada Imperial e Senador do Partido Liberal, Lord Victor, quando da ascenção da Vila à Baronato[/align]

Bela região, grande história, quando a capital estiver totalmente em paz e livre das ameaças por parte de rebeldes, é provável que eu passe uns dias nessa região.

Grande Hiryuu !
Gostaria de Abrir uma Industria nessa região por causa da grande quantidade de Ferro e materiais Solidos, enfim, posso Construir uma Industria ?
PS: ainda não sei com oq eu mechei ainda…

Meu caro Sargento Gabriel, sinta-se à vontade, espero que gostes do ar da montanha, e verás que o povo de Draco, apesar de parecer meio bruto, são pessoas de grande coração. Bem-Vindo!

[font=Palatino Linotype]Por meio de um comerciante que estava indo para Draco, Lord Victor entrega a seguinte mensagem destinada ao Visconde Hiryuu:

Estimado Lord Victor, tens toda a liberdade de fixar residencia em minha humilde terra natal, é um pouco distante da Capital mas assim que a ferrovia chegar tudo se tornará mais fácil. Seja bem-vindo!

[justify][font=Palatino Linotype]Victor recebe a carta e envia outra ao Grande Visconde Hiryuu.

[/align]


As 21:53 do dia 26 de novembro um destacamento da Gendarme alocado no Viscondado das Montanhas Azuis se dirige a residência do Presidente do Senado.

Um Oficial chega a porta da casa e diz ao mordomo, por ordem da Suprema Corte Gesebiana e com base na Portaria nº 2/2013 está residência será vasculhada á procura de todo e qualquer material que possam ligar Sua Excelência Lord Victor a conspiração republicana, toda e qualquer forma de resistência poderá levar a sérias consequências.
Após isto as tropas da Gendarme adentram a casa e vasculham tudo saindo após ficarem mais de 30 minutos revistando toda a propriedade.
Durante a retirada dos Gendarmes um dos servos da casa lançou uma pedra que acertou o Oficial, os Gendarmes levaram o servo para esclarecimentos na Delegacia, o mesmo é levado de volta para casa após duas horas de interrogatório e após o servo sofrer um leve acidente ao subir as escadarias da delegacia.

Por meio de um comerciante que estava indo para Draco, Gabriel entrega a Seguinte mensagem destinada a um mestre de Obra contratado:

[offtopic]Gostaria que Iniciasse as obras para minha Industria de armamento para o prazo de 500 dias (que da 5 minutos e 30 segundos na vida Real), e seras Perto das Minas de Ferro assim facilitando a locomoção de ferro para a Industria, que a Frente dela sera essa aqui:
Gabriel Valente
Segundo-Sargento, Membro do Partido Conservador e Vice-Diretor do Partido Convervador.[/offtopic]

Peço permissão à Vossa Graça para poder me instalar em suas terras.

Comodoro Templar, não vejo razões para rejeitar seu pedido. Bem vindo a Draco.

Obrigado pelas boas vindas camarada Hiryuu. Logo logo estarei arrumando minhas coisas. Obrigado novamente!

Um mensageiro vai até a Mansão do Visconde Hiryuu, bate na porta e entrega-lhe uma carta:

Após ler o conteúdo da carta recebida, envio a resposta pelo mensageiro:

Victor lê a carta enviada pelo Grande Visconde de Draco, oferece bebida ao mensageiro e pede para o mesmo esperar enquanto ele escreve outra carta:

[tab=30]Um courrier adentra a residência do Visconde de Draco, e deixa sobre a mesa de seu escritório uma carta:

Após ler a carta recebida, uma resposta é escrita e enviada por um mensageiro:

[tab=30] Henry estava em seu pequeno escritório alugado, em um dos subúrbios de Gardenne, sentado em sua escrivaninha, lendo contratos e assinando papéis. Não muito distante, estava uma casaca branca da Gendarmeria Senatorial, que pegara emprestado dos armazéns para suportar a onda de frio que a nevasca que assolava Gardenne causou. Entre um gole de café e outro, Henry ouviu uma batida na porta. Levantou-se e atendeu a porta, vendo que um mensageiro trazia-lhe uma carta, com o selo do Visconde das Montanhas Azuis. Henry convida o mensageiro a entrar, e pede que espere-o enquanto redige a resposta. Após terminá-la ele entrega a carta ao mensageiro e pede que leve-a ao Visconde.
[tab=30]Um tempo depois, o mensageiro adentra a residência do Visconde, deixando com um de seus criados, a seguinte carta:

[font=Palatino Linotype]Após algum tempo sendo construída a destilaria, metade dela já está quase pronta e já com as máquinas que foram importadas em funcionamento.

[center]Funcionários da fábrica durante o processo de destilação[/align]

O vinhedo já estará pronto, esperando somente o processo de amadurecimento das uvas

[center]Foto do vinhedo[/align][/font]

O marinheiro de primeira classe Hadescaos, bate a porta da incrivel casa do Visconde Hirryu, e suplica por um pedaço de terra para que possa a dar inicio a uma granja que sempre foi seu sonho, podendo assim dar os melhores ovos :hihi ( sem sacanagem ), para as refeiçoes do visconde e tambem para a populaçao da regiao.

-Sou apenas um pobre soldado, tentando construir um negocio que sempre foi meu sonho, entao Visconde Hiryuu tenho sua autorização para começar meu negocio?