Sacada Frontal

[center]A sacada frontal do Palácio Nacional dos Marqueses é comumente utilizada para pronunciamentos públicos de membros do Governo Imperial.[/align]

Caminhando a passos largos, Ivysson rapidamente chega a Sacada Frontal. O guarda, ao notar sua presença, toca a trombeta. Enquanto isso, havia uma multidão em frente ao Palácio dos Marqueses, que parou seus afezeres para saber o que estava ocorendo. O ministro então, levanta suas mãos ao alto e começa a discursar:

- Cidadãos e cidadãs do Império Gesebiano. Hoje, saiu nas bancas uma edição raivosa da Atalaia de Gardenha, atacando a economia, atacando a minha pessoa indiretamente, atacando ao Chanceler e atacando ao meu partido. Venho aqui esclarecer que a economia está bem. Não estamos em crise como os republicanos e opositores raivosos do governo tanto insitem. é claro que os lucros do império não estão sendo grandes, mas também não é nada preocupante. Eu e o Chanceler estamos estudando e trabalhando arduamente para manter a economia nos eixos. As finanças do império está no rumo certo e durante o período em que eu estiver no cargo, ele se manterá no rumo certo !!!

Nesse momento, os cidadãos ficam felizes, e passam a aplaudir o ministro e a brandar o seu nome. Ele então passa a gesticular insitentemente:

Todos os partidos tem uma ideologia e o Partido Nacional tem a sua. Agora só porque estamos divulgando nossa ideologia, estão nos chamando de aproveitadores. Eu quero que venham até mim e me chame de aproveitador na minha frente, pois caluniar pessoas por meio de um jornal todo mundo faz, quero ver ter a coragem de falar isso testa a testa. O partido defendo o povo. Mas uma coisa eu posso garantir a vocês, a economia está bem, não há motivos para preocupações, poque eu amo o meu trabalho, eu amo o meu povo, e defenderei vocês com todas as minhas forças, até o meu último sopro de vida !!!

Ao terminar o discurso, Ivysson faz a saudação romana, e seguido por todos que os ouviram em frente ao Pálacio. Os cidadãos passam a aplaudi-lo e a brandar " Viva ao Ministro Ivysson, Viva ao Império Gesebiano". O ministro então aplaude seus concidadãos e se retira da Sacada, para retornar ao seu gabinete, enquanto em frente ao Palácio, os cidadãos alegres com palvras de ânimo e encorajamento, fazem uma tremenda festa.

[font=Palatino Linotype][size=150]Jornalistas do Atalaia da Gardenha, que presenciaram o pronunciamento do Ministro da Fazenda, mal terminaram de anotar o breve discurso e partiram para contabilizar a “multidão” em frente à Sacada Frontal do Palácio dos Marqueses.
Após algumas conferência, não contabilizaram mais do que mil pessoas.

Tentaram realizar entrevistas com algumas das pessoas ali e, ao serem identificados como do mesmo jornal que o citado pelo Ministro, chegaram a ser hostilizados. Poucos daqueles aceitariam dar entrevistas.

Acabaram sindo dali e se dirigindo para o centro da Praça Hans.[/size][/font]

Acompanhado de alguns assessores, o Chanceler se dirigiu a sacada, como de costume, os Legionários soaram as trombetas para avisar ao povo que aconteceria um comunicado.

Boa tarde caros cidadãos gesebianos.
Hoje venho aqui perante vós, os filhos de Gesébia, para fazer um grande comunicado. É de conhecimento de todos que após a sublevação da Romania, grupos separatistas surgiram em nossa nação, a maioria atua em segredo e conspiram contra esse governo, o Governo Imperial tem conhecimento de tais grupos e alguns de seus membros, mas nunca tomou qualquer atitude contra estes, por que? simples, não somos uma tirania e este governo jamais violará o direito que todo ser humano tem, o direito de pensar. Após muitos dias de incansável analise desta situação, eu cheguei á uma simples mas importante conclusão, está nação deve permanecer unida, mas está nação não deve permanecer unida através da espada e do medo, o Império deve ser uma nação unida, mas unida pela paz e pela prosperidade, está é a única forma de união que eu como Chanceler aceitarei, e é pensando nisso que na noite de ontem eu convidei os líderes de cada província de nossa pátria para virem a este palácio e se reunirem comigo, o objetivo desta reunião será o de firmar um acordo que garanta a manutenção do Império como uma federação, esse acordo irá manter a paz e a união de nosso Império, garantirá os direitos e deveres das províncias que prefiro chamar de membros, este acordo será o primeiro passo para uma nova era de paz e prosperidade, esse acordo irá garantir que a nação tenha uma Democracia eficiente, honesta e integra.
Povo de Gesébia, em nome do Governo Imperial e como seu Chanceler, eu lhes informo que farei de tudo para que essa reunião seja um sucesso e que o Senado aprove tal acordo, muito obrigado pela atenção de todos e Vida Longa ao Kaiser.

  • Reunião? Que reunião? - pergunta-se o Duque, ainda pensativo após a partida do Conde de Dunord…

Novamente as trombetas tocaram, vestindo o seu tradicional uniforme, o Chanceler fora a sacada.

Cidadãos Gesebianos, há poucos dias eu anunciei aqui, nesta sacada, que iria me reunir com o Conde de Dunord e o Duque da Dracônia, pois bem, eu o fiz, fiquei horas desenvolvendo um Pacto Federativo que fosse garantir os direitos de nossas províncias e manter o Império unido em paz e prosperidade, informei Sua Majestade dê minha iniciativa, ele congratulou me e desejou boa sorte, sim, ao contrário do que certos periódicos possam afirmar, Sua Majestade tem pleno conhecimento do Pacto e de minha iniciativa.
Eu entreguei o pacto ao Duque e ao Conde, me coloquei a disposição deles para fazer qualquer mudança no pacto, eu mê coloquei naquela sala como um ouvinte, alguém que faria todas as alterações que sugerissem, mas o Conde ignorou isso, com uma clara atitude de desinteresse pelo povo e pela paz, ele queimou o Pacto, lançou diversas acusações contra mim, sim eu revidei, e depois saiu daquela sala lançando mais acusações ainda.
O Duque disse que não aceitaria nada á não ser que viesse de Sua Majestade, mas meus caros concidadãos, que desculpa mais esfarrapada é essa? ele sabe que cabe ao Chanceler cuidar de assuntos governamentais como este, ele sabia que eu comuniquei Sua Majestade de tudo o que eu fiz, por isso meus caros cidadãos eu lhes informo, este Governo fez de tudo para manter a paz e a união, o Duque e o Conde se negaram há participar dessa iniciativa, os motivos eu não sei, a única coisa que sei é que quem se recusa a negociar e a tentar o caminho da paz, só pode ter segundas intenções.
Por isso agora eu venho aqui fazer um juramento perante vós, o povo de Gesébia, farei o possível e o impossível para manter o Império unido, eu desejo a paz mas se for necessário eu pegarei em armas para manter a nossa pátria amada unida, Vida Longa ao Império, Vida Longa ao Imperador.

O Chanceler se retirou da sacada tendo ao fundo os aplausos de seus apoiadores.

[justify]Os repórteres do Atalaia da Gardenha acompanharam o discurso do Chanceler. Após a publicação, a Capital Imperial parecia dividida, e seus apoiadores não somavam mais do que algumas centenas. Muitos dos que estavam durante o discurso, apenas ouviram, mas não aplaudiram a fraca fala de Sua Excelência.[/align]

A noite parecia mais escura do que nunca, a praça estava abarrotada de soldados e civis que queriam saber o que iria acontecer, o Chanceler fora lentamente para a sacada, lampiões foram acessos e as tradicionais trombetas tocaram, era mais um comunicado do Palácio Nacional.

Boa noite caros cidadãos gesebianos, eu sei que muitos ainda temem um conflito, outros temem que continuemos sem eletricidade, mas eu temo que a paz nunca seja alcançada, por isso eu fiquei durante dois dias no Palácio Imperial para tentar resolver pacificamente essa crise, a solução diplomática existe e estamos nos aproximando dela, mas hoje eu vim até vós, o povo gesebiano, para lhes informar de que eu irei revogar o meu último decreto e dissolver o Estado de Emergência, ao contrário do que os opositores deste governo podem pensar ou falar, eu e meu gabinete ouvimos o povo, vimos o seu sofrimento e o seu desejo de que a paz e a ordem fossem restauradas, tendo isso em mente, eu irei revogar o decreto e continuarei fazendo o possível para minimizar o impacto dessa crise sobre vós, o povo gesebiano, estamos mais unidos e mais fortes do que nunca pois é na provação que as nossas armaduras são forjadas, Ave Império.

[font=Garamond][size=150]Como exigia o protocolo, a trombeta fora soada chamando assim a atenção de todos que estavam nas redondezas, em seguidas as portas de vidro se abriram e o Chanceler apareceu.

Boa noite cidadãos do Império, hoje venho até vós para lhes informar do por que da instauração do Estado de Emergência.
Durante toda a noite de ontem estive em uma reunião com o Duque da Dracônia e outras pessoas, o motivo desta reunião? uma mensagem trazida por um emissário dos sunerianos, povo que habita o deserto. O emissário suneriano trouxe a informação de que havia uma guerra no Grande Deserto, uma guerra que eles não estavam vencendo, os inimigos deles aparentemente são descendentes do povo que no passado habitou a região da Dracônia e segundo o Sr. Enkhtuya, emissário Suneriano, eles planejam atacar o Império.

O silêncio tomou conta do centro da cidade, muitos se entre olharam, muitos se lembraram da Intentona Odinista e da Sublevação Romaniana, guerras que jamais esqueceriam e que destruíram milhares de vidas.

A informação trazida pelo emissário suneriano fora corroborada devido aos recentes atos de pirataria no norte da Dracônia, atos esses supostamente cometidos por esses bárbaros. Outra informação trazida pelo emissário suneriano também indicava que os bárbaros que estão em guerra com os sunerianos estão sendo supridos por uma potência estrangeira.
Mas o mais importante disso tudo é que existe uma verdadeira ameaça a nossa soberania, uma ameaça que eu não ignorarei, por isso instaurei o Estado de Emergência, fortaleceremos as nossas posições na Dracônia e defenderemos o Império, pois a minha prioridade sois vós, o povo gesebiano e não um povo que viveu escondido no deserto e veio até nós com supostas intenções amigáveis, mas que se mostrou ser apenas um subterfúgio para obter a nossa ajuda em sua guerra.
Povo de Gesébia, já perdemos muitas vidas em guerras internas movidas pelo desejo de poder e glória de alguns poucos, mas isso não acontecerá novamente, defenderemos o Império, protegeremos as nossas fronteiras e manteremos Gesébia a salvo, lutaremos com esses bárbaros, mas será aqui, em nosso terreno, onde temos a vantagem, onde podemos suprir as nossas tropas e onde temos o pleno direito de nos defender.
Essa guerra não será pelos sunerianos, mas sim por Gesébia, lembrem-se disso, esse povo se manteve escondido durante centenas de anos, agora eles reaparecerem e pedem a nossa ajuda em uma guerra da qual não sabemos nada, eles dissem que os atos de pirataria foram cometidas por esses bárbaros, essa outra facção, mas não se esqueçam, não tivemos contato com nenhum outro povo e tudo o que sabemos é dito por um povo que mentiu para nós e agora diz que o seu inimigo pretende nos invadir, estejam alertas, muitas mentiras serão ditas pois muitos estão sedentos de poder e glória, mas tenham em mente que o poder e a glória de uns é forjado com o vosso sangue, sangue esse que eu não pretendo derramar pois prefiro dar o meu sangue a ter que ver os nossos filhos morrerem em uma guerra por oligarcas e políticos sedentos de poder.

Pelo Império e Por Gesébia.

[/size][/font]

[font=Garamond][size=150]Após as trombetas soarem o Chanceler apareceu na sacada.

Cidadãos gesebianos, moradores de Gardignon, sei que muitos estão temendo por suas vidas, sei que alguns até acham que as movimentações que estão acontecendo na cidade são um golpe, mas eu lhes digo… ESTÃO ENGANADOS.

A I Brigada de Voluntários está aqui para ajudar a manter a ordem, eles estão aqui a meu pedido para proteger a cidade e os seus moradores dos grupos rebeldes que ontem tentaram invadir o Palácio Imperial, por isso eu lhes digo, não temam. Toda informação que tiverem sobre os rebeldes será de grande ajuda, por favor nos ajudem a encontrar esses criminosos para que juntos possamos restaurar a paz e a ordem nesta cidade.

Em seguida o Chanceler se retirou da sacada e voltou para o interior do seu gabinete.
[/size][/font]