[ST] Contos do Espaço Profundo

Essa vitória do hub comercial foi realmente inesperada.

1 Curtida

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo XXXVII
O Vírus do Ódio

Construções

 Uma grande série de construções foram iniciadas na segunda metade da década de 2250, para suportar tanto o constante aumento da população quanto os recentes esforços de ampliação e modernização da frota terrana. Entre novos Distritos de variadas funções, Laboratórios de Pesquisa, Indústrias Civis e Redes de Energia, o maior destaque foi a ampliação da Administração Planetária de Bregglar III, Wymos Prime e Higashik-Ata Prime para Capitais Planetárias, totalizando mais de 20 novas construções.

Exploração

 A ISS Pathfinder descobriu que o planeta Grunthirst III já abrigou uma civilização que chegou à Idade Industrial, mas que a superpoluição do planeta ocasionou um efeito estufa que causou a fervura dos oceanos e, com isso, apenas ruínas dessa antiga civilização podem ser localizadas na superfície.

 A From Beyond descobriu um enorme equipamento de mineração ainda em funcionamento no asteróide 39-234, e após muito estudo conseguiu desligá-lo e, assim, estudar sua construção.

 Procurando descobrir a causa de uma Anomalia na estrela Grunthirst, a tripulação da ISS Pathfinder descobriu que todo o sistema sofria de uma grave anormalidade gravitométrica, devido à influência do Portal desativado do sistema. Ao investigar o Portal, tendo descoberto que enormes estruturas de matéria são as causas dessa interferência. Estranhamente, após a investigação, as leituras gravitométricas voltaram aos níveis considerados normais. Isso abalou a equipe, principalmente o capitão Jian Kong, que parece ter ficado meio paranóico com a experiência.

 Gorim III é um planeta estranho, ao menos para os padrões normais. Sua superfície é anormalmente plana, com raras depressões ou elevações. Mesmo sua vida animal e vegetal parece ter sido influenciada pela topografia do planeta, sendo totalmente dócil. Nenhuma causa aparentemente externa foi detectada para tal fato.

 Zowod Prime tem sofrido de perturbações sísmicas inexplicáveis. A investigação das possíveis causas desses abalos revelou algo surpreendente: os enormes e complexos de cavernas subterrâneas abrigam uma civilização nativa, não detectada quando da exploração e colonização da lua. Maiores estudos terão que ser realizados para entendermos melhor esses habitantes.

 Restos de uma estação orbital em Gorim I estão emitindo uma assinatura energética estranha, e a ISS Wanderer, ao tentar estudar essa estação, sendo impedida pela grande gravidade do gigante gasoso, conseguiu fazer algumas descobertas interessantes no campo da Física.

 Uma nova ocorrência da substância que vem sido chamada de Metal Vivo foi detectada em Ziris V pela ISS Wayfarer. Destroços de antigas naves estelares forame encontrados no planeta, e tudo indica terem sido construídas com esse material.

 Ao adentrar o sistema Kleeia, a Other Science Ship detectou ruínas de estações orbitais e mundos completamente destruídos (tanto que estão sendo chamados de “Mundos Tumba”) no sistema e em outros vizinhos. Ao investigar no sistema Cavzek o que parecia ser a antiga capital de uma civilização há muito destruída, a From Beyond descobriu que os outros Mundos Tumba era colônias dessa civilização, e tudo indica que sua queda se deu em uma guerra interestelar com outra civilização externa aos sistemas, embora nenhum dado que apontasse que civilização foi essa pode ser recuperado.

 Uma surpreendente descoberta foi feita pela ISS Wayfarer no asteróide 2195-1000. Tendo encontrado restos fósseis em sua superfície, a única explicação possível é que o cinturão de asteróides do sistema foi formado pela destruição de um planeta que possuía vida e água em estado líquido.

 Investigando estranhos sinais vindos de Ksora II, a ISS Galant Dawn descobriu vestígios dos antigos Yuht, tendo conseguido encontrar um artefato praticamente intacto desses precursores galácticos.

 Sasin IV causou bastante comoção entre os cientistas quando foi investigado pela ISS Wayfarer. Tanto pelo fato de o planeta inteiro ser ocupado por imensos maquinários, que desempenhavam todas as funções imagináveis, desde a produção e alimentos até redes de energia e comunicação, mas também pelo fato desses maquinários terem apenas cerca de 70 mil anos, sendo praticamente um Mundo Relíquia. Com parte dessas máquinas literalmente planetárias ainda em condições de funcionamento, poderá ser possível utilizar seu imenso potencial no futuro, embora isso certamente será custos e trabalhoso.

 Os estudos das estações orbitais destruídas descobertas em Kleeia e Cavzek trouxeram descobertas interessantes. No entanto, todas foram suplantadas quando fragmentos de dados relativos aos Portões-L foram encontrados. Terão os Portões-L alguma relação com a queda dessa civilização?

O Vírus do Ódio

 Casos preocupantes de agitação e violência têm ocorrido em Wymos Prime, deixando o governo apenas imaginando qual a causa desses acontecimentos. Uma equipe de biólogos, químicos, psicólogos e cientistas de outras áreas começou a trabalhar no planeta em busca de uma resposta.

 Nenhuma melhora ocorreu nos últimos 6 meses, ao contrário, os casos, antes isolados, têm se tornado cada vez menos raros. A equipe de pesquisa não consegue encontrar uma causa aparente para esses casos.

 Membros da própria equipe de pesquisa, apesar de todos os cuidados tomados, também sucumbiu ao comportamento violento no último mês. A única boa notícia é que a causa parece ser um vírus contagioso que afeta neurologicamente os contaminados, de origem muito antiga. Parece ter ligação com as descobertas feitas ao se estudas os antigos robôs encontrados no planeta. Com o vírus isolado, a equipe de pesquisa começa a busca por um antídoto, antes que esse “Vírus do Ódio” se espalhe por toda a população.

 Quase dois anos após os primeiros casos, uma vacina finalmente é criada e começa a ser aplicada na população. A paralisação do planeta durante esse período Afetou seriamente a produção, mas em pouco tempo tudo deve voltar à normalidade.

 O estudo do vírus levou à conclusão de que ele foi realmente o responsável pelo extermínio dos criadores dos robôs, mas felizmente nossos conhecimentos em contaminantes virais nos possibilitaram encontrar uma cura, além de ampliar nossos conhecimentos em Citorevitalização em nível celular.

4 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo XXXVIII
Cruzadores a Postos

Pesquisa

 O Departamento de Sociedade apresentou novos estudos sobre Xenobiologia, trazendo avanços no estudo de formas de vida fora da Terra. Em seguida, anunciou o início dos estudos em Adaptação Ecológica, em busca de melhorar outros mundos para a colonização terrana.

 O Departamento de Física apresentou o novo modelo de Reator de Fusão, mais seguros que os antigos reatores a fissão nuclear e que, ao mesmo tempo, produzem uma quantidade superior de energia para alimentar nossas naves espaciais e os mais avançados armamentos. Uma forma avançada dos destrutivos Disruptores, utilizando partículas de íons, começou a ser pesquisada em busca de que a Tecnocracia obtenha mais vantagem nas vindouras batalhas espaciais.

 O Departamento de Engenharia apresentou o primeiro projeto de Cruzadores Classe-Adamant, equipados com os mais avançados sistemas de armas e proteção disponíveis na Tecnocracia. Essas grandes naves de batalha devem fortalecer nossas frotas e auxiliar as naves menores atraindo os disparos inimigos, utilizando de seus fortes Escudos e Armadura, permitindo às naves menores se aproximarem enquanto fornecem apoio com suas armas de média distância. Em continuação dessa filosofia, estudos sobre a Padronização na construção desses Cruzadores deverão possibilitar uma construção mais rápida de novas naves.

 A Tecnocracia decidiu implantar uma política mais ofensiva para os combates espaciais. Utilizando toda a Força Opressiva disponível, as naves deverão atacar os inimigos da forma mais rápida e decisiva possível, como forma de atingir a vitória com o mínimo de baixas.

Contatos

 Uma dúzia de naves alienígenas de origem desconhecida foram localizadas em Zhoblar. Apelidadas de “Zayin”, tentativas de entrar em contato começaram a ser realizadas, enquanto a ISS Wanderer recua para evitar conflito.

 Uma gigantesca Ameba Espacial foi encontrada no sistema Gemma. Assumindo uma postura hostil, obrigou a ISS Wanderer a recuar novamente.

 Um cargueiro do Regime Tumbator, carregado com metais preciosos e minerais, aportou em uma de nossas bases estelares. Um diplomata presente informou que a carga se trata de um presente para a Tecnocracia. Agradecemos efusivamente o presente, desejando votos de que as relações entre nossas civilizações continuem a prosperar.

 Os Dathnak de Nova Baldarak entraram em contato, solicitando uma “carona” para uma de suas colonizadoras, que está sentindo falta da família e amigos que ficaram em Baldarak. Apesar de parecer um pouco “abusado”, decidimos que vamos ajudar nesse pedido… quando pudermos…

 Uma nova civilização, além do Governo Lahtrepiano, foi contatada em nossa exploração naquele setor. O Estado Gorf são seres altamente religiosos, mas também militaristas. Esperamos que mantenhamos relações cordiais com esses novos seres.

Líderes

 A idade chega para todos, inclusive para os grandes nomes da Diretoria Científica. Há décadas comandando a ISS Astute, Sally Charlesworth faleceu aos 96 anos. Em seu lugar, assumiu como novo capitão Fronds of Purple. A Cientista-Chefe do Departamento de Física, Qiao Hu, faleceu aos 95 anos, sendo designado Marcelo Ibanez como novo chefe do Departamento. E o ex-Diretor-Geral Pietro Giordano, responsável pelos primeiros grandes passos da Tecnocracia Terrana nesta Era Estelar, que aceitou deixar a aposentadoria para comandar a LSS Drifting Leaf, também nos deixou, aos 97 anos, causando comoção em toda a população. Para seu lugar foi designado a capitã Roberta Lankshear, reconhecida arqueóloga.

Eleições

 O início de 2560 foi marcado por uma nova eleição na Diretoria Científica. Com as crescentes tensões entre a Tecnocracia e seus vizinhos, Neeraj Chandram decidiu concorrer à reeleição. Sua política militarista contou com massivo apoio, e assim ele foi reeleito para continuar como Diretor-Geral nesses tempos belicosos.

Frotas

 22 de Fevereiro de 2259. Neste dia o Cruzador ISS Menelaus marcou uma nova era militar para a Tecnocracia, sendo o primeiro Cruzador Classe-Adamant a entrar em operação. Designado como Nau-Capitânea da nova frota Strike Force Pegasus, ao longo do ano ainda veria sua nave irmã, o ISS Ariel, se juntar à Strike Force Scylla.

 Com a formação da Strike Force Pegasus, o inflexível comandante Zhen Wu foi alçado a Almirante da nova frota.

 Finalmente, após anos de construção e melhorias nas antigas naves, a frota terrana, agora equipada com os mais modernos armamentos e defesas, com três poderosos Cruzadores à frente de 50 variadas naves de batalha, deixou o sistema Wymos rumo à fronteira com a Comunalidade Unida Rak’Thalak’Nak. Uma nova guerra se aproxima…

4 Curtidas

E agora veremos a extinção desses ETs aí. Já passaram do prazo de validade.

2 Curtidas

Muita promessa para pouca treta… veremos.

2 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo XXXIX
Segunda Guerra Terrano-Rak’Thalak’Nak

 30 de Março de 2261. Neste dia a Tecnocracia Terrana declara guerra à Comunalidade Unida Rak’Thalak’Nak por conta das seguidas ofensas e desrespeito às áreas de influência terrana. Não apenas Crimdor, mas seis outros sistemas são exigidos como compensação, incluindo Ascension’s End, onde se sabe haver um Portão-L.

 Crimdor se rende a 17 de Junho, e a base espacial de Najaga cai em 10 de Novembro.

 Ascension’s End é tomado em 19 de Janeiro, após um breve combate com a estação espacial, menos problemático que o esperado.

 A Tecnocracia finalmente encontra a frota inimiga em Pavagh. A velocidade das Corvetas, apoiadas pelo poder de fogo e defesas superiores dos Destróieres e Cruzadores, destróem 9 naves inimigas antes que o restante da frota inimiga fugisse.

 Tendo a frota inimiga recuado para reparos, a Tecnocracia avança praticamente sem oposição, mesmo com a Strike Force Dragon sendo despachada para lidar com piratas espaciais em Ksora. As bases espaciais de Tiralam, Maia, Sabik e Aswiri se rendem, uma após a outra.

 O avanço inconteste das frotas terranas, somado ao armamento superior, forçam a Comunalidade a pedir a paz a 23 de Março de 2264, quase à véspera de 3 anos de guerra.

 A Segunda Guerra Terrano-Rak’Thalak’Nak é vencida sem nenhuma baixa, provando que o investimento em tecnologia e políticas ofensivas foi o rumo acertado.

 Além da vitória esmagadora, o sistema Ascension’s End é o maior prêmio dessa campanha militar, dando acesso à Tecnocracia a mais um Portão-L, embora ainda não saibamos seus reais propósitos.

4 Curtidas

Guerra de humilhação. Quero que na próxima você simplesmente anexe eles.

1 Curtida

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo XL
Piratas Espaciais

Pesquisa

 Sob comando do Cientista-Chefe Marcelo Ibanez, o Departamento de Física apresentou dois novos projetos de armas, Disruptores Iônicos, ainda mais destrutivos que os Disruptores comuns, e Lasers Ultravioletas, mais poderosos que os usuais Lasers Azuis. Além de iniciar pesquisas sobre Escudos mais avançados.

 O Departamento de Sociedade trouxe avanços na Terraformação de planetas, com um novo procedimento de Adaptação Ecológica que permite minimizar os danos da Terraformação aos ecossistemas nativos, quando existentes.

 O Departamento de Engenharia trouxe uma nova Padronização na construção de Cruzadores, tornando mais rápido e barato produzir essa nova classe de naves militares. Seus estudos agora estão focados em padronizar todas as construções nos planetas, tornando esse trabalho mais rápido.

Construção

 Distritos Geradores, de Mineração, Fábricas Civis e uma Rede de Energia em Zowod Prime foram as principais construções nesse período de guerra, procurando re-estabilizar a economia que esteve voltada à construção e manutenção de naves militares nos últimos anos.

Exploração

 A ISS Gallant Dawn cumpriu a promessa feita aos Dathnak, levando a solitária colonizadora de volta a seu planeta natal, melhorando assim nossa relação com essa espécie única.

 Em Puntrazed IIIa, a ISS Wayfarer descobriu uma forma de vida bacteriana que funciona como um painel solar, de forma mais eficiente que nossas melhores células solares. Enviando amostras dessa forma de vida para a Terra, não demorou até que nossos cientistas desenvolvessem um novo tipo e célula solar, ainda mais eficiente.

 A Other Science Ship encontrou uma lenda viva no sistema Fouahiri: uma criatura ainda maior que o Dragão de Ussaldon, e aparentemente ainda mais mortal: um Dragonete do Éter. A nave científica conseguiu escapar assim que a criatura percebeu sua presença, não antes de captar alguns dados dela, e esses dados dão a entender que esse Dragonete é a criatura mais poderosa já encontrada no universo.

Diplomacia

 A Autoridade Cevanti comunicou à Tecnocracia que desejava encerrar quaisquer rivalidades entre nossas nações. Após considerar o fato por algum tempo, o Diretor-Geral Neeraj Chandram decidiu que seria proveitoso uma melhor relação com nossos vizinhos. Poucos meses depois, os Cevanti informaram a reabertura das fronteiras para nossas naves.

Líderes

 Aos 85 anos, a cientista Naima al-Hazmi faleceu inesperadamente. Como novo capitão da ISS Wayfarer foi destacado o cientista Reinhard Baumann.

Piratas Espaciais

 Novembro de 2261 foi marcado pelo surgimento de um grupo criminoso auto-intitulado Pacto da Perdição. Surgindo com uma pequena frota de naves civis modificadas do cinturão de asteróides de Ksora, esses “piratas espaciais” começaram uma onda de ataques no sistema.

 Nossa base estelar no sistema tentou deter o avanço rebelde, mas acabou sendo tomada em Junho de 2262. Com as frotas terranas ocupadas na guerra contra os Rak’Thalak’Nak, novas Corvetas Classe-Agile e Classe-Lithe começaram a ser construídas. Enquanto isso, após a frota inimiga ser derrotada em Pavagh, a Strike Force Dragon deixou o fronte, retornando para auxiliar contra os piratas.

 Em Agosto de 2263 a Strike Force Dragon chegou ao sistema, bem a tempo de auxiliar as novas Corvetas no combate contra a frota pirata. Tendo destruído quase metade das naves inimigas, logo a base espacial foi retomada. Em seu interior, além de frutos dos saques realizados nos últimos tempos, o mais surpreendente foi que os piratas tinham em seu poder parte dos esquemas dos Portões-L. Mesmo sem nenhuma pista de onde eles poderiam ter conseguido esse tipo de informação, essa descoberta ajudará sobremaneira a Tecnocracia a desvendar o funcionamento desses misteriosos portões.

4 Curtidas

Quero sangue!!! Achei que esses piratas dariam mais trabalho…

1 Curtida

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo XLI
Alienígenas e Mais Alienígenas

Pesquisa

 O Departamento de Sociedade descobriu como alterar Genes Sob Medida, possibilitando que possamos modificar nossos genes e melhorar-nos como espécie. Logo decidiu-se trabalhar em uma nova Doutrina de guerra, utilizando Naves de Apoio para garantir que nossas frotas mantenham o acesso a suprimentos mesmo em tempos de guerra.

Construções

 A Estação Dimm foi ampliada para um Porto Estelar e começou a ter novos módulos instalados, principalmente um Hub Comercial para ampliar nosso comércio nessa região do espaço. Um novo Distrito Agrícola também passou a ser construído em Wymos Prime.

Contagem Regressiva

 O contador atômico da cápsula hermética encontrada em Durabbius IIIa em 2223 terminou. Após décadas de espera, e muitas suposições de nossos cientistas, quando a contagem zerou a cápsula se abriu, revelando uma enorme nuvem de nanites autorreplicantes.

 Esses nanites deixaram a superfície da lua e se aglomeraram no espaço, criando uma impressionante nave espacial. Além disso, arquivos sobre os misteriosos Portões-L foram descobertos, com esses novos dados nossos cientistas deverão poder reativar esses misteriosos Portões.

 Ao contatarmos a nave, sua Inteligência Artificial informou ser chamada de Nanite Interdictor. Após enviarmos a Almirante Dai Shen para ocupar a nave com uma nova tripulação, pudemos avaliar suas capacidades bélicas, equivalentes a uma de nossas frotas militares inteiras, com armamentos muitas décadas à frente dos nossos atuais.

Diplomacia

 Após anos de incentivos, os Photecianos de Deomia I conseguiram atingir o conhecimento científico necessário para iniciarem nas viagens espaciais. Colocando-os sobre nossa tutela, cedemos o sistema para seu uso e estabelecemos um Tratado de Migração com nossos novos aliados.

 Encontramos uma pequena nave exploratória que revelou pertencer à Corporação Canthari, uma Megacorporação do outro lado da galáxia! Estabelecemos contato com essa espécie fungóide e decidimos trocar nossos dados de comunicação com eles.

 Com o contato com a Corporação Canthari, tomamos conhecimento de várias outras civilizações naquela região do espaço: o Combinado de Nuur Diamok, a Liga de Comércio Triech e duas outras civilizações: o Vestígio Mandasura e a Continuidade Zenak. Estes últimos, pelos dados que conseguimos com eles e com as outras civilizações, parecem ser remanescentes de antiquíssimos impérios estelares, que chegaram a dominar quase toda a galáxia em tempos imemoriais. O porquê destas civilizações terem se tornado Impérios Caídos, entretanto, é um mistério.

4 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo XLII
Combates e Guerra Civil Dathnak

Guerra Civil Dathnak

 Os Dathnak de Baldarak nos contataram, informando que perderam contato com Nova Baldarak e solicitando nossa ajuda para investigar o ocorrido. Concordamos em ajudar.

 Chegando ao planeta, fomos contatados pela Frente Revolucionária, um grupo rebelde que acabou por tomar o controle do planeta e que solicitaram nossa ajuda para derrubar Baldarak. Loucura! Obviamente rejeitamos.

 Informando o ocorrido a Baldarak, prepararam uma Força Expedicionária para combater os rebeldes e solicitaram nossa ajuda. Obviamente concordamos, nenhum rebelde deve ser tolerado por colocar em risco vidas inocentes.

 Transportamos a Força Expedicionária Dathnak até Nova Baldarak, e pudemos observas do espaço o combate travado em meio à atmosfera do planeta gasoso. Após alguns dias, o General Paltanak nos contatou, informando da vitória sobre os rebeldes e agradecendo nosso auxílio.

Primitivos

 Estabelecemos uma base espacial no sistema Dradim e Postos de Observação sobre os dois planetas primitivos nesse sistema, com ordens de Iluminismo Tecnológico para auxiliar essas civilizações medievais a atingirem a Era Espacial o mais rápido possível.

Pesquisa

 O Departamento de Engenharia concluiu os novos Padrões de Construção, que devem acelerar sobremaneira nossas técnicas de construção de edifícios em nossos planetas. Com a crise mineratória que se abateu sobre a Tecnocracia durante nosso esforço bélico dos últimos anos, seu novo trabalho será descobrir novas técnicas de Mineração de Núcleo Profundo para ampliarmos nossa produção mineral.

 A constante construção, reforma e melhoria de naves espaciais tem se tornado uma Tradição para a Tecnocracia, com Mestres Construtores se formando em nossas universidades e trazendo avanços cada vez maiores à nossas técnicas de construção.

Diplomacia

 Chegaram informes de que o Governo Lahtrepiano e o Estado Gorf entraram em guerra. Independente do vencedor desse conflito, só poderá ser benéfico para a Tecnocracia.

Escavações

 Nossa escavação em Hiann II para investigar a estranha geografia do planeta revelou que a mesma pode ser percebida também na superfície, com áreas naturais dividindo espaço com superfícies claramente produzidas artificialmente. Mais trabalho deverá ser realizado para descobrirmos a origem disso tudo.

Combates

 Começamos a avançar sobre as grandes feras espaciais encontradas nos últimos anos, ao menos contra as que acreditamos que a vitória pode ser possível. O primeiro combate se deu em Erasmadon, onde liberamos o sistema dos Antigos Drones de Mineração cuja Inteligência Artificial enlouqueceu.

 Em seguida a Strike Force Pegasus enfrentou as Amebas Espaciais de Gemma, obtendo uma vitória tranqüila.

 Contra a frota alienígena desconhecida encontrada em Zhoblar, entretanto, enviamos todas as nossas frotas, inclusive a Nanite Interdictor recentemente encontrada.

 Mesmo com todo esse poder de fogo, tivemos um grande número de baixas, perdendo 8 Corvetas, 1 Corsário e 1 Destróier. Isso demonstra que, contra as demais feras encontradas, talvez ainda seja cedo demais para avançarmos, infelizmente.

Planejamento

 Com a crise mineratória resolvida, uma outra se apresenta à Tecnocracia Terrana: uma grave crise de desemprego, devido à falta de minerais para construções.

 Assim, os esforços dos próximos anos serão em combater esses problemas, estabilizando novamente a Tecnocracia, ao mesmo tempo que novas de expansão serão realizadas.

4 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo XLIII
Reformas Para Colocar a Casa em Ordem

Reforma Administrativa

 Como medida para que novas crises não se abatam sobre a Tecnocracia, o Diretor-Geral Neeraj Chandram decidiu estabelecer focos de produção nos planetas.

 Sendo assim designou Erdosca Prime, Higashik-Ata Prime, Dimm Prime e Durabbius Prime como Mundos Geradores, Esmyke Prime e Wymos Prime como Agro-Mundos, Wendel Prime como Mundo Rural e Bregglar III como Mundo Industrial.

 Dessa forma, com incentivos locais com base nas especialidades de cada planeta sua produção será maior e nossa cadeia produtiva se manterá firme.

Pesquisa

 O Departamento de Engenharia concluiu sua pesquisa em novas formas de Mineração de Núcleo Profundo, possibilitando melhorar nossa produção mineral. Ainda como forma de mitigar a antiga crise mineratória, novas formas de Isolamento Mineral começaram a ser estudadas.

 O Departamento de Física concluiu com sucesso o novo protótipo de Escudos Avançados, tornando as defesas energéticas de nossas naves mais confiáveis. Também como forma de melhorar a produção de energia na Tecnocracia, novos estudos sobre Estados de Energia Quântica começaram a ser pesquisados.

 O Departamento de Sociedade concluiu os estudos sobre novas Doutrinas para Naves de Apoio, melhorando o transporte de suprimentos entre nossas bases espaciais e nossas naves em combate. Estudos sobre modificações genéticas em nossas plantações começaram a ser realizados, também sob determinação do Diretor-Geral em aumentar nossa produção.

Escavações

 As escavações em Hiann II descobriram uma máquina voadora acidentada. Analisando a região do acidente, notou-se que outros locais também devem ter sido causados por outros semelhantes.

 Após investigar as máquinas encontradas, sua função acabou ficando clara: eram cortadores energéticos, com a função de esculpir a paisagem a partir da órbita com lasers poderosos. Dados recuperados indicam que todo esse projeto se tratava de uma “encomenda”. Entretanto, é desconhecido quão poderosa essa civilização deve ter sido, para aceitar encomendas desse porte. Mas, ao mesmo tempo, nos forneceu dados importantes sobre o conceito de Terraformação, além de uma grande quantidade de minerais já extraídos, que serão muito úteis no processo de recuperação terrana.

Exploração e Colonização

 A ISS Wanderer descobriu um planeta totalmente protegido por um campo energético incrivelmente forte e resistente. Campo esse que parece estar sendo gerado da lua do planeta, Zhoblar Va. Por qual motivo, ainda precisaremos investigar.

 Com a notícia de que o Combinado de Duur Diamok declarou guerra à Corporação Canthari, e sem podermos fazer nada ante esse ato de covardia devido à distância, tomamos outra atitude: estabelecemos um Tratado de Migração com os Canthari, e decidimos colonizar Uiafladus III com colonos dessa civilização. Esperamos que essa mostra de boa vontade pode auxiliá-los nesse momento de dificuldade.

Diplomacia

 Travamos contato com a XuraCorp, uma guilda de comerciantes desejosos de fazer comércio conosco. Podem vir a ser bons aliados em uma hora de necessidade.

 Fomos contatados pelos chamados Cavaleiros do Vácuo Rethellianos. As primeiras impressões, e dados recebidos de outras civilizações, dão a entender serem exilados de uma cultura guerreira nômade dividida em um grande número de Facções ou “Casas” que disputam o poder, sem um líder definido.

 Os Rethellianos nos ofereceram seus “serviços”, se um dia precisarmos de mercenários. Algo meio inesperado, mas… interessante…

 Os Cevanti nos contataram, informando terem encontrado, em um sítio arqueológico, um antigo artefato Yuht, que temos estudado há décadas, e nos ofereceram esse artefato. Apesar do preço um tanto alto, informações sobre essa antiga civilização podem ser muito valiosas, e realizamos o negócio.

 O que temíamos aconteceu. O Combinado de Nuur Diamok acabou conquistando a Corporação Canthari, e uma frota de transportes com refugiados chegou à nossa fronteira, pedindo asilo.

 Concedemos o asilo, e eles se estabeleceram em Wendel Prime. Também estendemos os direitos básicos de cidadania para eles, da mesma forma que foi estendido aos Lavis. Que encontrem na Tecnocracia um novo lar.

Construções

 Após as reformas realizadas pela Tecnocracia, e o grande depósito mineral encontrado em Hiann II, que não poderia ter chegado em melhor hora, um grande número de construções começou a ter início, para mitigar o problema do desemprego ainda crescente.

 Com mais de uma dúzia de construções sendo realizadas, os planetas da Tecnocracia se tornaram um grande canteiro de obras, indo desde uma Clínica de Genes na Terra a Residências de Luxo em Bregglar III, passando por Distritos Urbanos, Agrícolas e Geradores, Laboratórios de Pesquisa e Redes de Energia, entre outros.

4 Curtidas

Os outros aliens são mais briguentos que o Hiryuu, mestre do multiculturalismo hahahahahahaha

2 Curtidas

Falaria que o Hiryuu está dando uma de Gandhi mas o Gandhi devia ser mais belicoso que nosso dragão azul.

1 Curtida

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo XLIV
Sussurros na Rocha

 Com a economia e a produção de volta aos eixos, a Tecnocracia Terrana investiu pesado nos próximos anos na atualização de suas frotas com os mais modernos armamentos e na construção de novas naves militares, nunca deixando de observar seus vizinhos em busca de boas oportunidades.

Pesquisa

 O Departamento de Física foi o responsável pelos maiores avanços nesses últimos anos. Após concluir os estudos sobre Estados de Energia Quântica, que melhoraram nossa produção de energia, Complexos de Pesquisa, ampliação dos antigos Laboratórios de Pesquisa, e Campos de Contenção em Miniatura, que possibilitaram ampliar as pesquisas em nossas Estações, o próximo foco são novos Reatores de Fusão a Frio, mais seguros e que podem fornecer muito mais energia à nossas naves espaciais.

 O Departamento de Sociedade, por sua vez, concluiu novas formas de engenharia genética para modificar nossas plantações, possibilitando maior produção alimentícia, e, ainda na mesma linha, começou a estudar novas Expressões Genéticas com Alvo, trabalhando geneticamente direto no RNA a nível celular.

 O Departamento de Engenharia definiu novos métodos de Isolamento Mineral para ampliar ainda mais nossa produção mineral, além de Sistemas de Controle Climático que possibilitam maior aproveitamento dos Distritos Urbanos. Como diversos protótipos de armas necessitam do uso de Gases Exóticos, uma forma de extrair esses gases começou a ser desenvolvida.

 A Tradição de realizar Jogos de Guerra como treinamento ou mesmo passatempo tem feito com que nossos Almirantes desenvolvessem novas táticas de batalha, resultando em uma maior coesão de nossas frotas e mais experiência para nossos oficiais.

Construções

 A construção de novas Fornalhas de Ligas em Bregglar III, para ampliar nossa produção das sempre necessárias Ligas Metálicas, foi apenas uma das várias construções realizadas nesse período, que incluem ainda Distritos Urbanos, Geradores e Indústrias Civis em diversos planetas.

Eleições e Líderes

 A morte do Diretor-Geral Neeraj Chandram foi inesperada. Enquanto a Tecnocracia lamentava a morte de seu líder, a Diretoria Científica se reuniu para escolher seu sucessor.

 Seguindo a maioria da população que preferia que um líder militarista continuasse no cargo, foi escolhido Reinhard Baumann, que prometeu continuar o foco belicista de seu antecessor. Para seu lugar à frente da ISS Wayfarer, o novo Diretor-Geral escolheu seu antigo imediato, Rhizome of Black.

 Também a capitã Benedetta Di Savoia faleceu nessa época, tendo sido escolhida a meticulosa Ting Zhao para comandar a ISS Wanderer.

Sussurros na Rocha

 Ao utilizarmos os últimos avanços em mineração, em nosso próprio planeta natal descobrimos uma nova caverna subterrânea, com restos de uma antiga (e desconhecida na história terrana) civilização. A maior parte das operações de mineração foram paralisadas, enquanto a Exilada iniciava a escavação desse inesperado sítio arqueológico, em meio a enormes estruturas gigantescas e fontes de gás metano.

 Após um duro trabalho para desmontar um conjunto de gigantescos portões que protegia a antiga civilização, uma cidade abandonada, certamente com milhares de anos, foi descoberta.

 Estátuas de cristal com feições macabras, representando diversas situações cotidianas, foram encontradas em toda parte da cidade, e pelo que se descobriu representam o mito de criação dos Kha’lanka, tendo sido criados pelos deuses a partir do fogo e da rocha, no núcleo de nosso planeta.

 A Exilada informou que deve continuar procurando o real significa de tudo isso, bem como o destino dos Kha’lanka, em meio às cidades cada vez mais repletas de gás metano, que dificulta ainda mais o trabalho.

Diplomacia

 Dois tratados foram firmados com o Regime Tumbator, um Acordo Comercial e um Acordo de Pesquisa, como forma de impulsionar tanto nossa economia quanto fortalecer nossos Departamentos de Pesquisa.

 Do distante sistema Trim recebemos contato do Câmbio de Comércio Riggan, nos oferecendo diversos produtos para venda. Um contato interessante e deveras promissor.

 O Combinado de Duur Diamok, continuando sua sede expansionista, entrou em guerra com a Liga de Comércio Triech. Embora seja uma guerra distante, pode definir uma nova hegemonia naquela região da galáxia, e devemos observar com interesse o desenrolar desse conflito.

 Após os últimos anos de preparação e fortalecimento de nossas frotas, o Diretor-Geral Reinhard Baumann decidiu que é chegada a hora de avançarmos sobre nossos adversários. Embora a Comunalidade Unida Rak’Thalak’Nak tenha firmado um Pacto Defensivo com o Governo Lahtrepiano, isso não deverá nos impedir.

 Dessa forma, e para abrir novas possibilidades de expansão, a Tecnocracia decidiu clamar por 12 sistemas estelares, sendo 8 da Comunalidade (incluindo o sistema habitado Drisk e uma ligação com as civilizações primitivas de Dradim) e 4 de seus aliados Lahtrepianos (incluindo um planeta habitável em Achemar e ligação com o sítio arqueológico em Soeyama).

 Enquanto a Strike Force Scylla e a Strike Force Pegasus avançam sobre os Lahtrepianos, a Strike Force Dragon e uma reforçada Nanite Interdictor têm como alvo inicial a base espacial Rak’Thalak’Nak em Meryl.

 Avante, Tecnocracia!

4 Curtidas

@Lord_Victor e @Richardlh Da próxima vez eu pego Xenófilo e Pacifista, que tal? :stuck_out_tongue_closed_eyes:

Eu prefiro ser chamado de… humm… expansionista meticuloso. Me preparar bem antes pra não sair com o rabo entre as pernas. Mas, só pra agradar vcs, taí, entrei em guerra com dois ao mesmo tempo. Felizes? :face_with_hand_over_mouth:

2 Curtidas

Tá melhorando. hahahahaha

2 Curtidas

Tá melhorando, aos poucos… Mas acho que o corretor ortográfico lhe enganou e quis realmente dizer “Xenófobo e Militarista”, hahahahahahahaha

2 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo XLV
Guerra em Dois Frontes

 A Strike Force Dragon e a Nanite Interdictor chegam ao Sistema Meryl, o Bastião da Comunalidade Unida. Apesar de seu alto poder defensivo, o Porto Estelar não foi páreo para as naves terranas, sendo logo subjugado e colocado sob comando de oficiais da Tecnocracia. Após isso, as naves seguiram rumo ao núcleo da Comunalidade.

 No outro fronte, a Strike Force Scylla e a Strike Force Pegasus seguem sem resistência, tomando sem dificuldades os sistemas Bindur, Hixam e Liram.

 Em Abril de 2278, finalmente a frota Rak’Thalak’Nak é enfrentada, em Uthan. Sem nenhum dano crítico, um terço das naves inimigas é destruída, com o restante escapando antes de seu destino final.

 Com isso, Pavagh e Uthan somam-se aos sistemas sob ocupação terrana.

 Enquanto a Strike Force Scylla conquista Halax e a Strike Force Pegasus chega a Zuben, em Belvares Maelstrom uma pequena frota inimiga é derrotada, e por pouco uma nave colonial da Comunalidade não é abordada, conseguindo fugir antes da chegada das nossas frotas.

 Chegando ao sistema natal dos Rak’Thalak’Nak, o restante da frota inimiga, que estava sendo reparada, é forçada a fugir, e o planeta natal inimigo começa a ser bombardeado.

 Enquanto os sistemas Achernar, Aethos e Angetenar são conquistados, adentrando cada vez mais no território a Scylla e a Pegasus começam a se questionar acerca da posição das naves Lahtrepianas.

 Finalmente encontrando naves inimigas em Pherkad, embora somente quatro Naves de Transporte, a Strike Force Scylla consegue destruir duas antes que fugissem. Ainda sem encontrar uma oposição digna de nome, Sceptrum, Grunthirst e Medac são os próximos alvos.

 Recuando do bombardeio para defender Belvares Maelstrom, a Nanite Interdictor quase elimina totalmente a frota inimiga, antes de mudar de atitude e seguir para os alvos da guerra.

 Finalmente a frota Lahtrepiana é localizada. Infelizmente, ela chegou ao recém colonizado Uiafladus, colocando Uiafladus Prime sob cerco e iniciando o bombardeio do sistema.

 Sem forma de chegar rapidamente ao sistema, as naves terranas avançam sobre Wum Jiam, Hyrma, Grokkan, Obiysciuq e Seoo, enquanto a Comunalidade perde Beta Caeli e Osseq.

 Sem opção dado o bombardeio no planeta, a Strike Force Pegasus deixa a área inimiga e inicia a longa viagem até Uiafladus, com a esperança de chegar a tempo de salvar a colônia.

 Enquanto isso, Sidyr e Urrom são conquistados pela Strike Force Scylla, e a Nanite Interdictor toma Wouu e Drisk, sistema com Choirtiz, uma colônia inimiga.

 Enquanto tropas são recrutadas em Uiafladus Prime para se defender de uma possível invasão, em Zowod Prime e Wymos Prime Exércitos de Assalto, compostos de Terranos, Lavis e Canthari, começam a ser treinados para a invasão à Choirtiz. Para comandar essa força de assalto, é destacado o General Fronds of Black, especialista em Operação Logística.

 O Entreposto Espacial em Hyrma consegue repelir um ataque de uma segunda frota Lahtrepiana, que recua quando a Strike Force Scylla chega ao sistema, depois de haver conquistado Dorfil. Enquanto isso, a Nanite Interdictor conquista Xarmaton e a Strike Force Dragon, Durascadon.

 Já em Osseq, duas Corvetas Rak’Thalak’Nak são destruídas pelo Entreposto ao tentarem retomar o sistema.

 Em Agosto de 2282, a Strike Force Pegasus finalmente chega a Uiafladus. Atacando sem demora a frota inimiga que mantinha o planeta sob bombardeio, após um combate acirrado em que dois Destróieres e quatro Corvetas acabam sendo destruídos, finalmente o sistema é reconquistado e a frota inimiga recua.

 Tentando interceptar a frota inimiga que recuava de Uiafladus, a Strike Force Scylla acaba encontrando uma segunda frota inimiga em Halvam, saindo-se vitoriosa, mas perdendo duas Corvetas, uma na conquista do sistema e outra contra a frota Lahtrepiana.

 Em Fevereiro de 2284, as forças de assalto da Tecnocracia chegam à Choirtiz, lançando os módulos de desembarque a partir da órbita.

 Sob comando do General Fronds of Black, os Exércitos de Assalto rapidamente tomam posição no planeta, cercando a localização das forças de defesa. Após um duro combate em meio as ruas e prédios da cidade, a maior parte da defesa é morta, enquanto o restante se rende. Logo a população civil entende que não adianta resistir, e o planeta é oficialmente declarado conquistado.

 Com todos os objetivos de guerra conquistados pelas forças da Tecnocracia Terrana, a Comunalidade Unida Rak’Thalak’Nak admite a derrota, e, após 7 anos de guerra, a paz volta a reinar.

4 Curtidas

7 anos de guerra, caramba. Mas era melhor que fossem 10 desde que desse cabo da Comunalidade :stuck_out_tongue:

2 Curtidas