[ST] Contos do Espaço Profundo

Pancadaria boa hein. Até que as perdas foram razoáveis pensando no poder de fogo total dos Fubralav, pena que a frota deles escapou. Só essa destruição dos habs já deveria forçar a rendição da AI.

Agora é estranho pensar em vários habitats pairando ao redor de um buraco negro… Ninguém pode dizer que os aliens aí não tem coragem :smiley:

3 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo LXXIII
A Grande Batalha Se Aproxima?

 Enquanto a guerra contra a Horda Frubralav prossegue sem expectativa de um término, a Tecnocracia Terrana atinge a marca de 137 sistemas estelares sob controle, e um total de 26 sistemas colonizados, totalizando 29 planetas habitados e mais de 500 bilhões de habitantes, entre Terranos, Rak’Thalak’Nak, Czyrni, Lavis, Photecianos, Canthari e uma infinidade de Dróides e Robôs de vários modelos.

 Entretanto, o constante crescimento gera uma pressão enorme no governo, com a necessidade sempre presente de enfrentar o desemprego e a criminalidade, além de manter bons níveis de produção.

 Com essa necessidade de melhor administrar nossa grande extensão, um novo Complexo-Capital começou a ser erigido na Terra, um imenso complexo administrativo e de segurança para uma grande civilização.

 Quanto a nossos inimigos, descobrimos que de alguma forma eles conquistaram sistemas estelares do outro lado da galáxia, e que a Entente Cevanti não foi capaz de conter sua expansão. Nem mesmo unidos foram capazes de se defender, de que vale essa Federação deles? Pelo visto, apenas nós poderemos manter a galáxia segura, novamente…

 Com isso em mente, nossas frotas avançam novamente, desta vez rumo ao sistema Cebelrai.

 No sistema, além de uma frota e uma estação de defesa, três habitats e algumas estações de mineração nos aguardavam. Não foi uma batalha tão longa quanto a última e, mesmo com a perda de oito Corvetas, a vitória foi alcançada em pouco mais de um mês.

 Enquanto as frotas se recuperavam da batalha, notícias chegavam à Diretoria. A Terceira Câmara foi alcançada em Alioth IIb, com mais hieróglifos alienígenas descobertos e traduzidos. Tudo tem levado a crer que essa imensa tumba foi construída por uma civilização extremamente religiosa, sob designíos de um profeta ou enviado de seu deus.

 Avanços científicos também ocorreram nesse intervalo de tempo. O Departamento de Sociedade propôs a criação de Mundos Resort, planetas inteiros destinados à diversão dos cidadãos da Tecnocracia.

 E o Departamento de Engenharia apresentou novos métodos de Purificação Mineral Avançada, de forma a aproveitarmos ainda mais os minerais extraídos em nossos planetas.

 A construção do Complexo-Capital na Terra também trouxe um novo paradigma para nosso governo. Dada a aceitação do povo, definiu-se que nossas construções governamentais deverão ser verdadeiros monumentos à Tecnocracia, como forma de demonstrarmos nossa força e desejo de alcançarmos nosso destino.

 Duas batalhas, em Fujeau e Seradon, apesar das vitórias sem contratempos, deixaram a Tecnocracia em um dilema: os sensores de longo alcance de nossas frotas detectaram uma enorme força inimiga em Braddam, o terceiro dos sistemas natais dos Frubralav. Não apenas uma, mas duas frotas inimigas, sendo que a assinatura energética de uma delas não deixa dúvidas de que é a mais poderosa frota inimiga que já encontramos.

 Acreditávamos, pelos dados anteriores de nossas naves científicas e dos Norillga, que a Horda possuía quatro dos monstruosos Galeões. Foi um equívoco. Apenas essa frota em Braddam possui CINCO.

 Não foi simples derrotarmos apenas um desses gigantes inimigos. Estamos preparados para enfrentarmos cinco deles?

4 Curtidas

Pena que a Horda nunca se rende… a She-Ra que o diga :face_with_hand_over_mouth:

Tecnologia, tecnologia… rsrs

2 Curtidas

5 galeões?!?!?!?!?!
Essa eu quero ver…kkkkk

3 Curtidas

Agora a jiripoca vai piar.

2 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo LXXIV
Atalho Encontrado

 Ficou decidido que a melhor opção seria aguardar por reforços, muitos ainda sendo construídos, não apenas em Eychilia, mas também na Terra e em Bregglar. Uma longa espera, mas que poderia decidir o rumo da Tecnocracia nesse embate.

 Ussaldon Prime tem se tornado o centro dos esforços coloniais no momento. Além dos diversos pesquisadores empenhados em estudarem as ruínas antigas no planeta, novas levas de desempregados de toda a Tecnocracia têm chegado quase diariamente ao planeta, com enormes investimentos em infraestrutura programados para os próximos meses.

 Novos métodos de Refrigeração Instantânea para nossas armas energéticas foram criados pelo Departamento de Física, possibilitando maior frequência de disparos sem risco de superaquecimento dos sistemas.

 Ao inspecionar o sistema Reagg, a ISS Wayferer descobriu um Buraco de Minhoca ligando o sistema a Teae, na área ocupada pela Horda próximo ao Estado Gorf. Descobrimos o “atalho” utilizado pelo inimigo para se deslocar até o outro lado da galáxia. Esperamos que não haja mais naves Frubralav naquela região, seria uma inesperada, e ingrata, surpresa aos nossos planos.

 Dois avanços importantes foram realizados em seqüência pelo Departamento de Sociedade. O primeiro, uma nova doutrina de modelos mais fluidos para nossas frotas, possibilitando que mais naves sejam coordenadas em combate. Logo em seguida, um novo sistema de drenagem de áreas pantanosas possibilita maior domínio sobre a xeno-hidráulica e a utilização de mais áreas antes inutilizáveis em nossos planetas.

 A ISS Wayfarer encontrou um asteróide intrigante em Uxfiri. Uma análise interna descobriu uma primitiva rede neural operando através de cristais condutivos. Infelizmente, uma tentativa mais intrusiva de estudar essa rede de cristais acabou por causar microfraturas que inutilizaram a rede neural.

 A equipe da ISS Pathfinder encontrou a alavanca que abriu caminho para a Quinta Câmara da Tumba Antiga. Os escritos encontrados falam de uma “audiência” com esse tal Zarqlan, caso consigamos desvendar como abrir a próxima porta…

lider1

 Kareem Abboud, Almirante da Derelict, faleceu aos 89 anos. Com a Patrol Force Dragon agora operando apenas em missões de patrulha, foi considerado desnecessário apontarmos um Almirante para essa nova função.

 O Departamento de Engenharia concluiu o projeto de expansão de nossas bases estelares para Cidadelas. Com estas imensas estações de batalha, devemos ser capazes de construir os também imensos Titãs…

 Dois novos componentes foram descobertos a partir da engenharia reversa em nossos destroços de combates contra os Frubralav. Os Canhões Automáticos são como uma versão espacial de uma antiga arma terrana, a metralhadora Gatling. Um novo software especializado em combate espacial também pode ser recriado dos destroços.

 Após anos à frente do Departamento de Sociedade, o Cientista-Chefe faleceu. Zidlaxi, responsável por uma das equipes de desenvolvimento interno, foi o escolhido para substituí-lo.

 Logo o novo responsável pelo Departamento apresentou o projeto de um Comando Centralizado para nossas operações militares. Com as novas academias militares, a crescente demanda por oficiais deve ser sanada, aumentando o número de naves que poderão ser tripuladas.

 No começo do mês de Maio de 2348, todos os reforços que estavam em construção nos últimos meses se juntaram à nossa força de ataque, incluindo a I Frota de Transporte, com milhares de soldados prontos para o combate.

 Com nossas frotas prontas para enfrentar a maior batalha que a Tecnocracia já teve que travar, apenas nos resta acreditar em nossa capacidade para vencermos de uma vez a Horda Frubralav.

5 Curtidas

Pegando folego para terminar de enchê-los de bordoada.Isso aí.

1 Curtida

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo LXXV
Sem Descanso

 Com as frotas se preparando para o ataque, novas construções iniciaram na Terra, principalmente uma nova Academia Militar para treinar novos oficiais para nossas forças militares.

 No final de Maio nossas frotas chegam ao sistema Braddam. Felizmente, possuem tempo de se posicionar para o combate antes que as forças inimigas cheguem à distância de ataque.

 A primeira estação e um habitat são destruídos antes que nossas forças se voltem para as naves inimigas. A primeira frota Frubralav é obliterada sem problemas, mas a principal força da Horda já se aproxima.

 As naves menores não se mostram um problema, com os poderosos disparos de longo alcance dos Encouraçados. Mas enfrentar os cinco Galeões inimigos será uma tarefa longa e desgastante. Várias de nossas naves menores são destruídas pelos ataques concentrados, enquanto nossas armas causam danos mínimos aos gigantes inimigos.

 Mesmo com manobras evasivas sendo executadas e ataques de múltiplas direções para confundir o inimigo, continuamos a perder naves. Os dias passam, o combate começa a desgastar tanto as naves quanto as tripulações, mas finalmente o inimigo começa a sucumbir.

 Um a um, os Galões perdem seus escudos e armaduras, e apenas sua resistência insana os permite suportar o ataque total causado pela frota terrana. Os ataques concentrados vencem o quase impenetrável casco, e os descomunais Galeões começam a se desintegrar em destroços de metal retorcido.

 A batalha foi longa, extenuante e custosa. Mais de vinte naves perdidas e milhares de mortos, além de outras tão avariados que parece um milagre ainda estarem inteiras. Mas vencemos. A mais poderosa força inimiga com a qual já nos deparamos foi subjugada e reduzida a cinzas. Um dia glorioso para a Tecnocracia e para todos que desejam uma galáxia livre de ameaças.

 Mas, entre os mortos nessa batalha, um dos mais sentidos foi o do Almirante Jhulaad, decorrente de ferimentos sofridos em combate. Um funeral de honra será realizado em seu nome, mas como o combate não pode parar, o capitão Seedkugh é promovido ao posto de Almirante da Strike Force Scylla.

 Enquanto as frotas aguardam os consertos necessários e a chegada de novos reforços, o Departamento de Sociedade continua seus incansáveis esforços, com um projeto que utiliza sistemas orbitais de espelhos para tornar grandes geleiras em áreas produtivas de nossos planetas.

 Pouco tempo após a batalha de Braddam, nossas frotas interceptaram uma comunicação Frubralav, informando da morte do Grande Khan devido a uma doença relativamente comum entre sua raça. Esse é um fato realmente inesperado, e talvez possamos nos aproveitar do ocorrido para pôr fim à guerra.

 Entretanto, todas as tentativas de comunicação com a Horda foram ignoradas. O pouco que descobrimos é que a morte do Grande Khan reacendeu a rivalidade existente entre as facções Frubralav.

 Essa é uma oportunidade única, e a Diretora-Geral não tardou a enviar a ordem: avançar enquanto estão desunidos e acabar de vez com essa guerra.

 Mesmo sem reforços e sem os reparos estarem concluídos, as frotas iniciam o ataque, mirando vários sistemas ao mesmo tempo, já que, sem a unidade do Grande Khan, não se acredita haver nenhuma força inimiga tão poderosa agora.

4 Curtidas

Perdas equilibradas até, mas com vantagem para a Tecnocracia pela vitória sobre os 3 galeões e sem perda dos encouraçados. :+1:

Mas e essa morte do Khan hein. Reviravolta boa, mas uma febre suspeita :thinking:

3 Curtidas

Suspeita demais. Lembra algo do M2TW: depois dos Mongóis, os Timuridas.

2 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo LXXVI
A Queda da Horda

 Logo nossas frotas chegam a Nicor, e a base Frubralav logo é reduzida a destroços pelo poder de fogo de nossas naves.

 Descobrimos, então, ao escanear o planeta Bakangi, que se trata de uma colônia Norillga conquistada pela Horda. Logo a I Frota de Transporte é ordenada a invadir o planeta e liberá-lo dos Frubralav.

 Enquanto isso, a ISS Gallant Dawn descobre um conjunto de geradores de gravidade no cinturão de asteróides de Howling Vortex. Um estudo mais aprofundado desses antigos geradores descobriu que eram responsáveis por fornecer gravidade artificial a um grande asteróide no cinturão, mas que algum defeito ou colisão o fragmentou.

 Manter a população feliz é uma tarefa complicada conforme seu número aumenta. Com isso em mente o Departamento de Sociedade criou um projeto para expandir os Holo-Teatros em verdadeiros complexos de entretenimento. Nestes Fóruns de Hiper-Entretenimento, qualquer diversão desejada é possível.

 Com um intervalo de poucos dias, os sistemas de Howoz e Ruqlar são reconquistados pelas frotas terranas.

 A I Frota de Transporte chega à órbita de Bakangi e inicia o desembarque de tropas à superfície.

 Com as tropas posicionadas, a General Kold, Daughter of Sagg, ordena o ataque às posições Frubralav.

 Após o intenso combate, os últimos combatentes inimigos são derrotados e o planeta é liberado. Com a ordem reestabelecida, a Tecnocracia informa os Norillga da libertação de Bakangi, devolvendo o planeta a seu aliado.

 Nossas frotas destróem mais duas bases Frubralav, nos sistemas Elthior e Fijjon.

 Enquanto o avanço terrano prosseguia, interceptamos comunicações dos Frubralav. Nenhum líder inimigo conseguiu se sobrepor a seus rivais, e o caos se instaurou novamente entre as facções internas. A Horda Frubralav caiu, fragmentando-se novamente em grupos dispersos de saqueadores.

4 Curtidas

Ótimo! Quero ver quando chegar a hora da treta com o Tumbator.

2 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo LXXVII
Avanço Total

 A notícia da queda da Horda trouxe um impasse aos Almirantes das frotas terranas sobre a atitude a seguir. Um questionamento foi feito à Diretoria, e a resposta da Diretora-Geral foi taxativa:

“Os Frubralav continuam a serem um bando de saqueadores e uma ameaça à Tecnocracia. Destruam-nos!”

 Assim sendo, mesmo sem aguardar reforços, o avanço das frotas terranas sobre o inimigo foi total.

 As bases espaciais de Himpra, Holden e Uprfarvis são o primeiro alvo. Todas são destruídas sem a menor dificuldade.

 Damiun, Orthama e Serpess são os próximos sistemas estelares a serem libertados da influência Frubralav.

 Enquanto isso, o Regime Tumbator declara guerra à fragilizada Comunalidade Unida. Que se enfraqueçam, ainda temos contas a acertar com ambos…

 As estações em Gauzor, Uflao e Fuldaban são as próximas a serem estruídas. Nossas frotas começam a diminuir, com várias naves danificadas e destruídas, mas o avanço continua.

 Leituras estranhas em Howling Vortex I revelam um “vazamento” da radiação do buraco negro do sistema. Oscilações gravitacionais aumentaram o fluxo de energia de seu horizonte de eventos, de forma que uma estação de pesquisa na órbita do planeta poderia estudar esse acontecimento com facilidade.

 Duas importantes descobertas foram realizadas pelo Departamento de Sociedade. A primeira se refere a uma forma de Aclimatação Glandular que permitiria modificar a tolerância a biomas específicos. A segunda foi uma nova forma de Gerenciamento de Ecologia Oceânica que nos permitirá eliminar plantas tóxicas aos nossos colonos.

 Em sequência, nossas frotas atacam Iriamus, Brillisir e Wilcam, livrando essa parte da galáxia dos saqueadores Frubralav.

 Sensores de longo alcance detectaram, em Geltauri Black Hole, um sistema não-colonizado incrustado em território Norillga, sinais de uma espécie alienígena desconhecida. Logo iniciamos tentativas de decifrar a comunicação captada.

 A ISS Wayfarer fez uma descoberta surpreendente na atmosfera superior de Braddam III: uma Ameba Espacial Jovem. Embora seja impossível descobrir por que essa jovem Ameba se separou de sua mãe, uma coisa é certa: ela se apegou à Nave Científica, seguindo-a através do sistema.

 Sentindo que uma relação começava a se formar entre o filhote e a nave, o Capitão Rhizome of Black tomou a decisão de “adotar” a jovem Ameba, permitindo um estudo sobre as relações entre as Amebas Espaciais e seu comportamento.

 Os responsáveis pelo processo de iluminismo dos Pyorun relataram que o contato com nossa civilização provocou grandes mudanças éticas em sua sociedade. Cada dia mais e mais Pyorun abandonam suas crenças em seus deuses e passam a aceitar a ciência como parte fundamental de suas vidas materialistas.

 Enquanto aguardavam o reparo das naves, nossas frotas detectaram duas frotas Frubralav em Peith, sistema pertencente aos Norillga. Sem pensar duas vezes, todas seguiram para o sistema.

 Outro Galeão inimigo se encontrava entre as naves, e nossas já desfalcadas frotas sofreram diversas baixas, mas destruíram o inimigo, agora sim livrando essa área do perigo.

 Enquanto retornavam para território terrano e aguardavam os tão necessários reforços, o passo seguinte já começava a ser traçado: avançar através do portal em Reagg, atacar o restante dos Corsários Frubralav e erradicar de uma vez por todas essa ameaça à galáxia.

4 Curtidas

Que orgulho “aspira”. kkkkk

1 Curtida

É, neutralizou bem a ameaça. Belo trabalho! Mas, apesar das perdas, sua capacidade naval se manteve constante aparentemente, então esses reforços vão ser bem consideráveis.

Olhando os prints, seus vizinhos da Entente, principalmente o Gorf State e o Tumbator, parecem se expandir absurdamente. Parece bem uns 2/3 da galáxia. Pena que o Khan não deu porrada neles parece. Vai ficar difícil hein…

4 Curtidas

Em parte, mea culpa… Eu enfraqueci a Comunalidade e os Lahtropianos, e eles tão se aproveitando… Seria complicado enfrentar os 4 impérios da Entente, mas eu estou… er… dando um jeito da coisa “simplificar” :face_with_hand_over_mouth:

Estranhamente, indeed, tomou pouco território deles (uns… 10 sistemas?), pq normalmente ele se expande bem mais antes de estabilizar… Mas, faz parte…

3 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo LXXVIII
Entre Escolhidos, Amebas e Fortalezas

 Enquanto nossas frotas iniciam a longa jornada de volta à Eychilia, para os tão necessários consertos e reforços, o Departamento de Sociedade desenvolvia uma forma de Estímulo Subcutâneo como forma de injetar hormônios de felicidade na população.

 Nossa equipe de escavação em Alioth IIb finalmente descobriu como acessar a Quinta Câmara da Tumba Antiga. Um trono gigantesco com um humanóide há muito morto foi descoberto. Esse era, pelas inscrições, o tão falado Zarqlan. Sem nada de relevante na câmara, a equipe removeu a ainda bem conservada cabeça de Zarqlan para estudos posteriores.

 Entretanto, a descoberta do corpo de Zarqlan não passou despercebida. Os Guardiães Udkavongo logo entraram em contato, dizendo saber, através de seus “Augúrios”, de nossa descoberta. Aparentemente, termos descoberto seu profeta estava previsto em seu livro sagrado, o que nos tornou os “Escolhidos de Zarqlan”.

 Por mais estranho que possa parecer, os Udkavongo nos deram permissão de colonizar planetas que eles consideram sagrados, além prometer que muitos “peregrinos” se juntariam nas guerras que travássemos… Bem, isso não parece ser tão ruim, afinal…

 Uma pequena frota de piratas decidiu atacar o sistema Ksora. Novamente. Todas as frotas de patrulha próximas foram enviadas para combatê-los. Foi uma vitória fácil. Mas, com a pirataria ainda aumentando, decidiu-se aumentar o número de frotas de patrulha entre nossos planetas como forma de prevenir novos ataques.

 Nossa Jovem Ameba alcançou a maturidade, e mais rápido que imaginávamos. Totalmente leal à Tecnocracia, e capaz de compreender comandos simples que lhe foram ensinados, a Ameba Espacial foi batizada de Nova, e muitos a consideram como uma mascote do espírito terrano. Decidimos enviar esse espécime magnífico para a Terra, onde sua presença inspirará a todos.

 Falando da Terra, o Governador do Setor Terra, Letswalo Oyinlola, faleceu aos 114 ano de idade, após muitos e muitos anos de serviço à comunidade terrana. Sua falta será muito sentida, mas esperamos que o novo Governador, Pugleesh, faça jus à sua memória.

 Também a Capitã da ISS Pathfinder, Sagu, Daughter of Srak, faleceu, aos 111 anos. Muitas descobertas impressionantes foram feitas sob seu comando. O Arqueólogo Xirax assumiu o comando da nave científica.

 Duas importantes descobertas do Departamento de Física foram realizadas em seqüência. Uma forma de harmonizar nossos escudos energéticos, permitindo que suportem mais dano, e novos Impulsores baseados em fusão para nossas naves.

 Com o constante aumento de nosso território, fica difícil administrarmos tudo da forma necessária. Concedendo maior autonomia aos Governadores, praticamente tornando-os o que antigamente se conheciam por Vice-Reis Coloniais, esperamos melhorar o sistema administrativo consideravelmente.

 Após muitos anos de trabalho, nossa base estelar na Terra foi ampliada para uma verdadeira Cidadela Estelar, e começamos a construção de um imenso Pátio para Construção de Titãs.

 Um estudo sobre as chamadas Nuvens do Vazio – entidades sencientes formadas por poeira estelar – foi concluído. Surpreendentemente, essas entidades parecem ser quase tão antigas quanto o próprio universo, além de sua unidade gravitacional gerar impulsos elétricos muito semelhantes aos impulsos neurais que conhecemos. Elas ainda parecem pode se comunicar umas com as outras, mesmo extremamente distantes. Intrigantes e potencialmente perigosas, mas podemos aprender muito estudando-as ainda mais.

 Outra morte muito sentida pelos longos anos dedicados à Tecnocracia foi a do Capitão Rhizome of Black, aos 113 anos. Um jovem oficial da ISS Wayfarer, Fronds of Gold, assumiu o comando da nave científica em seu lugar.

 Teorizada desde quando da descoberta do Vazio Nulo, uma arma que utiliza Raios de Vazio Nulo foi desenvolvida pelo Departamento de Física, se mostrando muito eficiente contra outras formas de energia – escudos energéticos inclusos.

 Uma descoberta surpreendente foi feita no sistema Thuban: uma estrutura gigantesca orbitando a estrela. Ao mesmo tempo que aparenta ser muito antiga, essa Fortaleza Enigmática também apresenta uma assinatura energética muito elevada, indicando estar fortemente armada. Quem a construiu e qual seu propósito?

5 Curtidas

Visita à Terra da primeira mascote espacial é algo bem inspirador mesmo.

1 Curtida

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo LXXIX
Nosso Destino São As Estrelas

 Novos Pós-Combustores, capazes de produzir impulso adicional para nossas naves quando em combate, foram desenvolvidos através de engenharia reversa dos destroços de nossas batalhas com os Frubralav.

 O Departamento de Engenharia desenvolveu novas munições para nossas armas cinéticas, mais densas e, portanto, ainda mais efetivas contra escudos energéticos.

 Nosso primeiro Titã Classe-Goliath começou a ser construído. Com um tempo absurdo de construção e uma enorme quantidade de material necessário, esperamos que sua presença no campo de batalha seja intimidadora.

 Carax, nosso Cientista-Chefe do Departamento de Engenharia, faleceu após anos de idéias revolucionárias em seu setor. Esperamos que Valentina Ibanez continue seu legado.

 Com base nos estudos realizados acerca da fenda dimensional utilizada pelo Horror Dimensional para vir ao nosso universo, o Departamento de Física desenvolveu um novo Propulsor de Salto capaz de criar buracos dimensionais através dos quais nossas naves podem viajar quase instantaneamente entre sistemas. Uma verdadeira maravilha tecnológica. Mas… será segura?

 Os Drones de Mineração Autônomos desenvolvidos pelo Departamento de Engenharia devem aumentar de maneira expressiva a produção de nossas estações de mineração ao automatizar o trabalho de coleta de materiais.

 Outro grande avanço realizado pelo Departamento de Física foi a criação de um sistema capaz de romper as Hiperestradas e viajar diretamente entre os sistemas estelares. Devemos equipar algumas naves científicas com esse sistema para testarmos sua eficiência.

 O Capitão da Other Science Ship, Petals of Ebony, faleceu aos 87 anos. Seu imediato, Rhizome of Green, assumiu a nave científica.

 A guerra entre a Comunalidade e os Lahtrepianos contra a Entente não vai nada bem para os defensores. Logo ambos deverão se render e perder uma grande quantidade de sistemas.

 A Entente Cevanti está se tornando poderosa demais, precisamos fazer algo para deter suas pretensões sobre a galáxia.

 Ao estudar nossa história, o Departamento de Sociedade descobriu um ciclo constante entre agitações político-sociais, grandes avanços científicos e estabilidade. Ao constatar as premissas gerais que sempre nortearam esses períodos de agitação, nossos cientistas acreditam terem sido capazes de prever o próximo ciclo pelo qual passaremos.

 Com isso, podemos “quebrar” o ciclo, e tomar as medidas necessárias antes que o caos se instaure e sejam a causa de um novo salto científico.

 Nessa época em que a Tecnocracia se encontra cercada por ameaças à sua própria existência, não apenas devemos nos fortalecer internamente, prevenindo o caos, mas também externamente, como uma forma de continuarmos avançando sempre.

 Tendo isso em mente, a Diretora-Geral Vera Kirby fez um comunicado, em freqüência aberta tanto a todos os cidadãos da Tecnocracia, quanto a qualquer outra civilização da galáxia:

“Anos atrás, decidimos nosso destino. Nosso Destino Manifesto é nos tornarmos os senhores das estrelas. Independente de quem se oponha a nós, nada deve se opor ao nosso destino. Seja externamente, ou internamente.”

“Internamente, temos provido a todos os cidadãos da Tecnocracia Terrana tudo que é possível. Comida. Empregos. Facilidades tecnológicas. Um padrão de vida impensável na história terrana. Ainda assim, alguns se mostram descontentes. Ainda assim, alguns pensam que não fazemos o bastante, esquecendo que foi nossa luta constante pelo nosso próprio crescimento que nos trouxe onde estamos.”

“Externamente, estendemos a mão a todos que desejaram nossa amizade. Ainda assim, há civilizações que se opõem a nós. Que procuram nossa destruição. Que procuram impedir nosso Destino Manifesto.”

“Esse comunicado é um recado. Um recado a todos que desejam impedir nosso destino. Nada irá se opor ao nosso destino. Faremos de tudo para alcançá-lo.”

“Esse recado é simples. Desistam de seus sonhos mesquinhos e compartilhem conosco nosso destino. Avancemos juntos rumo ao nosso destino. Ou não teremos piedade de vocês.”

“Portanto, como um aviso a todos, de que nada nem ninguém irá ficar em nosso caminho, estou autorizando o Projeto Colosso.”

 Embora muitos tenham ficado perdidos quanto as palavras da Diretora-Geral, em meio a altos círculos científicos e militares, alguns sabiam do que se tratava.

 O Projeto Colosso era apenas uma hipotética arma de persuasão e destruição, planejada em círculos secretos de pesquisadores e oficiais. Uma arma capaz de trazer terror a toda uma civilização. Uma arma cuja simples presença deveria forçar qualquer inimigo a desejar a paz. Uma arma capaz de destruir mundos inteiros.

 Antes apenas hipotética, a nova classe de naves Titã mostrou ser possível nossa civilização possuir os recursos e a tecnologia necessários para construir essa arma.

 Para o bem ou para o mal.

5 Curtidas

Terráqueos virando ditadores?

1 Curtida