[ST] Contos do Espaço Profundo

Que orgulho “aspira”. kkkkk

1 Curtida

É, neutralizou bem a ameaça. Belo trabalho! Mas, apesar das perdas, sua capacidade naval se manteve constante aparentemente, então esses reforços vão ser bem consideráveis.

Olhando os prints, seus vizinhos da Entente, principalmente o Gorf State e o Tumbator, parecem se expandir absurdamente. Parece bem uns 2/3 da galáxia. Pena que o Khan não deu porrada neles parece. Vai ficar difícil hein…

4 Curtidas

Em parte, mea culpa… Eu enfraqueci a Comunalidade e os Lahtropianos, e eles tão se aproveitando… Seria complicado enfrentar os 4 impérios da Entente, mas eu estou… er… dando um jeito da coisa “simplificar” :face_with_hand_over_mouth:

Estranhamente, indeed, tomou pouco território deles (uns… 10 sistemas?), pq normalmente ele se expande bem mais antes de estabilizar… Mas, faz parte…

3 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo LXXVIII
Entre Escolhidos, Amebas e Fortalezas

 Enquanto nossas frotas iniciam a longa jornada de volta à Eychilia, para os tão necessários consertos e reforços, o Departamento de Sociedade desenvolvia uma forma de Estímulo Subcutâneo como forma de injetar hormônios de felicidade na população.

 Nossa equipe de escavação em Alioth IIb finalmente descobriu como acessar a Quinta Câmara da Tumba Antiga. Um trono gigantesco com um humanóide há muito morto foi descoberto. Esse era, pelas inscrições, o tão falado Zarqlan. Sem nada de relevante na câmara, a equipe removeu a ainda bem conservada cabeça de Zarqlan para estudos posteriores.

 Entretanto, a descoberta do corpo de Zarqlan não passou despercebida. Os Guardiães Udkavongo logo entraram em contato, dizendo saber, através de seus “Augúrios”, de nossa descoberta. Aparentemente, termos descoberto seu profeta estava previsto em seu livro sagrado, o que nos tornou os “Escolhidos de Zarqlan”.

 Por mais estranho que possa parecer, os Udkavongo nos deram permissão de colonizar planetas que eles consideram sagrados, além prometer que muitos “peregrinos” se juntariam nas guerras que travássemos… Bem, isso não parece ser tão ruim, afinal…

 Uma pequena frota de piratas decidiu atacar o sistema Ksora. Novamente. Todas as frotas de patrulha próximas foram enviadas para combatê-los. Foi uma vitória fácil. Mas, com a pirataria ainda aumentando, decidiu-se aumentar o número de frotas de patrulha entre nossos planetas como forma de prevenir novos ataques.

 Nossa Jovem Ameba alcançou a maturidade, e mais rápido que imaginávamos. Totalmente leal à Tecnocracia, e capaz de compreender comandos simples que lhe foram ensinados, a Ameba Espacial foi batizada de Nova, e muitos a consideram como uma mascote do espírito terrano. Decidimos enviar esse espécime magnífico para a Terra, onde sua presença inspirará a todos.

 Falando da Terra, o Governador do Setor Terra, Letswalo Oyinlola, faleceu aos 114 ano de idade, após muitos e muitos anos de serviço à comunidade terrana. Sua falta será muito sentida, mas esperamos que o novo Governador, Pugleesh, faça jus à sua memória.

 Também a Capitã da ISS Pathfinder, Sagu, Daughter of Srak, faleceu, aos 111 anos. Muitas descobertas impressionantes foram feitas sob seu comando. O Arqueólogo Xirax assumiu o comando da nave científica.

 Duas importantes descobertas do Departamento de Física foram realizadas em seqüência. Uma forma de harmonizar nossos escudos energéticos, permitindo que suportem mais dano, e novos Impulsores baseados em fusão para nossas naves.

 Com o constante aumento de nosso território, fica difícil administrarmos tudo da forma necessária. Concedendo maior autonomia aos Governadores, praticamente tornando-os o que antigamente se conheciam por Vice-Reis Coloniais, esperamos melhorar o sistema administrativo consideravelmente.

 Após muitos anos de trabalho, nossa base estelar na Terra foi ampliada para uma verdadeira Cidadela Estelar, e começamos a construção de um imenso Pátio para Construção de Titãs.

 Um estudo sobre as chamadas Nuvens do Vazio – entidades sencientes formadas por poeira estelar – foi concluído. Surpreendentemente, essas entidades parecem ser quase tão antigas quanto o próprio universo, além de sua unidade gravitacional gerar impulsos elétricos muito semelhantes aos impulsos neurais que conhecemos. Elas ainda parecem pode se comunicar umas com as outras, mesmo extremamente distantes. Intrigantes e potencialmente perigosas, mas podemos aprender muito estudando-as ainda mais.

 Outra morte muito sentida pelos longos anos dedicados à Tecnocracia foi a do Capitão Rhizome of Black, aos 113 anos. Um jovem oficial da ISS Wayfarer, Fronds of Gold, assumiu o comando da nave científica em seu lugar.

 Teorizada desde quando da descoberta do Vazio Nulo, uma arma que utiliza Raios de Vazio Nulo foi desenvolvida pelo Departamento de Física, se mostrando muito eficiente contra outras formas de energia – escudos energéticos inclusos.

 Uma descoberta surpreendente foi feita no sistema Thuban: uma estrutura gigantesca orbitando a estrela. Ao mesmo tempo que aparenta ser muito antiga, essa Fortaleza Enigmática também apresenta uma assinatura energética muito elevada, indicando estar fortemente armada. Quem a construiu e qual seu propósito?

5 Curtidas

Visita à Terra da primeira mascote espacial é algo bem inspirador mesmo.

1 Curtida

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo LXXIX
Nosso Destino São As Estrelas

 Novos Pós-Combustores, capazes de produzir impulso adicional para nossas naves quando em combate, foram desenvolvidos através de engenharia reversa dos destroços de nossas batalhas com os Frubralav.

 O Departamento de Engenharia desenvolveu novas munições para nossas armas cinéticas, mais densas e, portanto, ainda mais efetivas contra escudos energéticos.

 Nosso primeiro Titã Classe-Goliath começou a ser construído. Com um tempo absurdo de construção e uma enorme quantidade de material necessário, esperamos que sua presença no campo de batalha seja intimidadora.

 Carax, nosso Cientista-Chefe do Departamento de Engenharia, faleceu após anos de idéias revolucionárias em seu setor. Esperamos que Valentina Ibanez continue seu legado.

 Com base nos estudos realizados acerca da fenda dimensional utilizada pelo Horror Dimensional para vir ao nosso universo, o Departamento de Física desenvolveu um novo Propulsor de Salto capaz de criar buracos dimensionais através dos quais nossas naves podem viajar quase instantaneamente entre sistemas. Uma verdadeira maravilha tecnológica. Mas… será segura?

 Os Drones de Mineração Autônomos desenvolvidos pelo Departamento de Engenharia devem aumentar de maneira expressiva a produção de nossas estações de mineração ao automatizar o trabalho de coleta de materiais.

 Outro grande avanço realizado pelo Departamento de Física foi a criação de um sistema capaz de romper as Hiperestradas e viajar diretamente entre os sistemas estelares. Devemos equipar algumas naves científicas com esse sistema para testarmos sua eficiência.

 O Capitão da Other Science Ship, Petals of Ebony, faleceu aos 87 anos. Seu imediato, Rhizome of Green, assumiu a nave científica.

 A guerra entre a Comunalidade e os Lahtrepianos contra a Entente não vai nada bem para os defensores. Logo ambos deverão se render e perder uma grande quantidade de sistemas.

 A Entente Cevanti está se tornando poderosa demais, precisamos fazer algo para deter suas pretensões sobre a galáxia.

 Ao estudar nossa história, o Departamento de Sociedade descobriu um ciclo constante entre agitações político-sociais, grandes avanços científicos e estabilidade. Ao constatar as premissas gerais que sempre nortearam esses períodos de agitação, nossos cientistas acreditam terem sido capazes de prever o próximo ciclo pelo qual passaremos.

 Com isso, podemos “quebrar” o ciclo, e tomar as medidas necessárias antes que o caos se instaure e sejam a causa de um novo salto científico.

 Nessa época em que a Tecnocracia se encontra cercada por ameaças à sua própria existência, não apenas devemos nos fortalecer internamente, prevenindo o caos, mas também externamente, como uma forma de continuarmos avançando sempre.

 Tendo isso em mente, a Diretora-Geral Vera Kirby fez um comunicado, em freqüência aberta tanto a todos os cidadãos da Tecnocracia, quanto a qualquer outra civilização da galáxia:

“Anos atrás, decidimos nosso destino. Nosso Destino Manifesto é nos tornarmos os senhores das estrelas. Independente de quem se oponha a nós, nada deve se opor ao nosso destino. Seja externamente, ou internamente.”

“Internamente, temos provido a todos os cidadãos da Tecnocracia Terrana tudo que é possível. Comida. Empregos. Facilidades tecnológicas. Um padrão de vida impensável na história terrana. Ainda assim, alguns se mostram descontentes. Ainda assim, alguns pensam que não fazemos o bastante, esquecendo que foi nossa luta constante pelo nosso próprio crescimento que nos trouxe onde estamos.”

“Externamente, estendemos a mão a todos que desejaram nossa amizade. Ainda assim, há civilizações que se opõem a nós. Que procuram nossa destruição. Que procuram impedir nosso Destino Manifesto.”

“Esse comunicado é um recado. Um recado a todos que desejam impedir nosso destino. Nada irá se opor ao nosso destino. Faremos de tudo para alcançá-lo.”

“Esse recado é simples. Desistam de seus sonhos mesquinhos e compartilhem conosco nosso destino. Avancemos juntos rumo ao nosso destino. Ou não teremos piedade de vocês.”

“Portanto, como um aviso a todos, de que nada nem ninguém irá ficar em nosso caminho, estou autorizando o Projeto Colosso.”

 Embora muitos tenham ficado perdidos quanto as palavras da Diretora-Geral, em meio a altos círculos científicos e militares, alguns sabiam do que se tratava.

 O Projeto Colosso era apenas uma hipotética arma de persuasão e destruição, planejada em círculos secretos de pesquisadores e oficiais. Uma arma capaz de trazer terror a toda uma civilização. Uma arma cuja simples presença deveria forçar qualquer inimigo a desejar a paz. Uma arma capaz de destruir mundos inteiros.

 Antes apenas hipotética, a nova classe de naves Titã mostrou ser possível nossa civilização possuir os recursos e a tecnologia necessários para construir essa arma.

 Para o bem ou para o mal.

5 Curtidas

Terráqueos virando ditadores?

1 Curtida

Nunca! Apenas reacendendo a chama militarista :grin:

1 Curtida

Que pena que está longe do Fallen Empire espiritualista, para aproveitar os mundos gaias deles… Mas agora com a nova propulsão e um colosso a caminho, a Tecnocracia pode virar uma “Hegemonia Terrana”.

2 Curtidas

Agora sim o caldo está esquentando. Porrada na Entente!

Ps.: faz falta nessas horas aquele emoticon animado do fórum antigo balançando a espada.

2 Curtidas

kkkkk
Tipo esse pirate ?
:grin:

2 Curtidas

Esse mesmo! Porrada na Entente! pirate

2 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo LXXX
Titãs e Colossus

 Nossas frotas mal haviam terminado os reparos em Reagg quando uma mensagem dos Norillga interrompeu os planos da Tecnocracia: duas frotas Frubralav se encontravam no sistema Chort. Sem hesitação, começaram a longa viagem até o sistema, para erradicar de vez os inimigos desse lado do buraco de minhoca.

 Nesse meio tempo, o mandato de nossa Diretora-Geral chegou ao fim. Após uma rápida deliberação dentro da Diretoria, decidiu-se por manter Vera Kirby no cargo, levando em conta os acontecimentos de seu mandato e a corrente guerra com os Frubralav.

 Com vários de nossos planetas possuindo vastas redes de cavernas subterrâneas, o Departamento de Sociedade desenvolvei métodos de Colonização Subterrânea para aproveitarmos essas extensas áreas de forma mais produtiva.

 Com o Projeto Colosso a meio caminho, iniciou-se uma discussão sobre o tipo de arma que essa nave colossal deveria possuir. Embora alguns mais radicais defendessem o uso de armas capazes de destruir completamente um planeta, uma ala mais conservadora obteve sucesso ao defender o uso de radiação neutrônica para exterminar a vida no planeta, mas mantendo sua utilidade futura para a Tecnocracia.

 A grande quantidade de comércio entre nossos planetas traz diversas vantagens econômicas para a Tecnocracia. Com isso em mente o Departamento de Sociedade desenvolveu um projeto de “aglutinação” de diversas atividades comerciais em verdadeiros Megabairros, de forma a aumentar a área disponível e, também, o volume dos negócios realizados.

 Em Maio de 2358 nossas frotas alcançam, finalmente, o sistema Chort, logo assumindo posição de batalha contra as frotas inimigas.

 Mesmo a presença de dois Galeões Frubralav no combate não equilibrou a batalha, que resultou em outra maciça vitória terrana, apesar da merda de oito naves da Tecnocracia. Enquanto os reforços necessários já se posicionam no buraco de minhoca, nossas frotas iniciam a longa viagem de retorno.

 Uma nova versão do armamento que utiliza plasma como “munição” foi desenvolvido pelo Departamento de Física, tornando os novos Canhões ainda mais efetivos.

 Nosso longo trabalho ao trazer os Pyorun de Dradim IV à Era Espacial finalmente chegou ao final, com o lançamento da primeira nave espacial funcional dessa civilização. Nosso acordo mútuo prevê a cedência do sistema Dradim (inclusive do planeta irmão Dradim III) em troca de sua lealdade à Tecnocracia. Nossos novos aliados formaram um Comissariado Militar Democrático e adotaram o nome de União Independente Pyorun.

 Após anos de esforços do Departamento de Engenharia, o Projeto Colosso foi finalmente concluído. A nova nave Classe-Armageddon será equipada com nossos melhores escudos, armaduras e equipamentos, mas o tamanho descomunal da Varredura de Nêutrons impede a instalação e qualquer outra arma. Será uma nave devastadora, porém precisará de proteção ao adentrar território inimigo.

 Como nossa base espacial na Terra já está ocupada com a construção de Titãs, Bregglar foi escolhido para a construção do novo Pátio de Construção de Colossos, após a necessária expansão da base espacial.

 Falando em Titãs, nossa primeira nave Classe-Goliath terminou de ser construída. A ISS Prometheus é uma nave gigantesca e com poder de combate equivalente a uma pequena frota. Sua presença no campo de batalha será de imensa valia aos esforços militares da Tecnocracia.

 O Governador Stalk of Teal faleceu, após anos de uma bela administração do Setor Wymos. O Arquiteto Shunbloor foi escolhido como novo administrador do setor.

 Desde a Reforma Governamental que determinou as promoções por Meritocracia dentro de nosso governo, os feitos alcançados pela Tecnocracia apenas demonstraram ser essa uma medida acertada. Instituindo a formação de Conselhos Privados formados por expoentes membros de nossa sociedade para aconselhar nossos líderes, devemos tornar o governo ainda mais efetivo em nossas ações.

 Com nossas frotas finalmente posicionadas próximo ao buraco de minhoca no sistema Reagg, incluindo a nova Reserve Force Werewolf e a I Frota de Transporte, aguarda-se apenas pela chegada da ISS Prometheus para avançarmos sobre os remanescentes dos Saqueadores Frubralav.

5 Curtidas

Realmente deve ser uma merda perder 8 naves para os frubalav. :wink:

3 Curtidas

Achei que ia escolher o “quebrador de mundo”. O apelo estético de destruir planetas parece sempre atrativo… Almirante Tarkin que o diga :smile:

tarkin

E esses Frubalavs são persistentes… Principalmente os galeões deles. Ansioso para ver o Prometheus dando cabo deles. :+1:

5 Curtidas

Esses Frubalavs já duraram muito, tá na hora de dar cabo de uma vez.

2 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo LXXXI
Artefatos e Arqueologia

 A possibilidade de criar energia através do vácuo foi uma descoberta muito importante do Departamento de Física, possibilitando a construção de reatores com energia praticamente ilimitada sem a necessidade de transportar combustível junto com as naves.

 Ao inspecionar Reagg I, a ISS Galant Dawn descobriu depósitos significativos de água congelada e resquícios de que o planeta já possuiu vida o passado. Um grande programa de Terraformação pode ser capaz de tornar o planeta habitável novamente.

 O estudo de nossos constantes combates espaciais possibilitou ao Departamento de Sociedade a elaboração de novas Doutrinas de Formação de Batalha, permitindo que nossas frotas coordenem manobras de forma mais eficiente.

 A análise dos dados pós-combate de nossos Encouraçados permitiu ao Departamento de Engenharia projetar Cascos Aprimorados ao reforçar as áreas mais vulneráveis da nave.

 Enquanto trabalhavam para eliminar uma área de Floresta Densa em Durabbius Prime, nossos trabalhadores fizeram uma descoberta surpreendente: escondida pela mata, uma gigantesca estação espacial alienígena!

 Sobrevivendo a queda orbital devido à sua poderosa blindagem, essa estação espacial de um passado distante pode fornecer muitas descobertas à Tecnocracia.

 Os antigos artefatos que temos coletado de civilizações ancestrais sempre foram um mistério. Suas estruturas demonstram um conhecimento científico muito além do que podemos imaginar, apesar de sua antiguidade.

 Uma teoria do Departamento de Sociedade, de que devemos olhar para esses artefatos além dos olhos da ciência, com uma visão mais “arcana” de suas funcionalidades, parece ter encontrado respaldo e, após uma série de testes, começou a demonstrar resultados positivos.

 A primeira tentativa oficial resultou em descobertas sobre a forma de construção desses artefatos, e a adaptação dessas técnicas permitem que possam ser utilizadas em nossa engenharia atual.

 Um segundo estudo, direcionado a usos militares, permitiu um avanço em nossos sistemas de análise estrutural de naves inimigas, de forma que possamos explorar pontos fracos da armadura inimiga.

 Após uma longa espera, a ISS Prometheus chegou a Reagg, sendo adicionada como Nau Capitânea da Strike Force Scylla. Nossas frotas finalmente se prepararam para explorar o desconhecido além do buraco de minhoca…

5 Curtidas

Cadê a extinção total e completa dos Frubalavs?
Quero ver no que vai dar essa viagem no buraco de minhoca.

2 Curtidas

Curti o “lore” dessa estação escondida sob a floresta. Ainda mais sob o argumento da simples remoção de um bloqueador. Bem legal :+1:

Agora, se um membro da equipe de exploradores voltar com um “facehugger” já era o planeta… :rofl:

Aguardando a porrada nos frubalavs…

2 Curtidas

Stellaris

Contos do Espaço Profundo

Capítulo LXXXII
Dezoito Meses de Combates

 O ano de 2362 começava quando nossas frotas receberam a ordem de avançar pelo buraco de minhoca que conectava Reagg ao longínquo sistema Teae, do outro lado da galáxia. Novamente avançariam sobre o inimigo sem saber quais forças ele ainda possuía, mas a missão de livrar a Tecnocracia – e a galáxia - de mais uma ameaça dava a todos, dos Almirantes ao mais jovem taifeiro, a coragem que necessitavam.

 Mas, como tudo sempre tende a ocorrer ao mesmo tempo, outra frota de piratas espaciais atacou, desta vez no sistema Rubiz. A estação espacial logo emitiu o sinal de alerta, solicitando reforços. A Patrol Force Medusa, que coincidentemente patrulhava o sistema, juntou-se em apoio, enquanto a Patrol Force Wyvern seguia em auxílio.

 Logo ao atravessarem o buraco de minhoca, nossas naves foram recebidas pelo fogo da base Frubralav no sistema, mas o poderio concentrado das três frotas destruiu a defesa em poucos dias.

 Com Teae liberado, nossas frotas se dividiram, para incapacitar o inimigo no menor tempo possível. Enquanto isso, naves científicas e de construção iniciavam a viagem até o sistema, para clamar essa região do espaço para a Tecnocracia.

 Ao adentrar o sistema Scorpio, a Strike Force Scylla detectou inúmeros destroços espaciais orbitando quase todos os planetas. Uma análise mais detalhada aos dados dos sensores identificou serem de uma antiguidade ímpar, certamente construídos por uma civilização contemporânea aos Yuht – se não pelos próprios.

 Uma das construções mais bem conservada – ou menos destruída – é também a maior estrutura já encontrada pela Tecnocracia. Orbitando ao redor de Scorpio IV e suas luas, os dados sugerem ter sido uma antiga Rede de Sentinelas, capaz de monitorar praticamente toda a galáxia.

 Um motivo a mais para a Tecnocracia clamar essa região do espaço.

 Atacando a base inimiga no sistema, pela primeira vez o poder do Raio da Perdição foi presenciado. Mesmo com raios de energia sendo reconhecidamente inefetivos contra escudos energéticos, ainda assim o disparo da ISS Prometheus fez a defesa inimiga oscilar, e os ataques do restante da frota colocaram os escudos abaixo em questão de minutos. Nenhuma nave ou estrutura conhecida resistiria a um disparo direto dessa arma gigantesca. Tanto que, quando o segundo disparo foi efetuado, atravessou a já combalida defesa da base, terminando por destruí-la.

 A batalha contra os piratas espaciais continuava, com clara desvantagem para nossas naves. Com uma das naves da Patrol Force Wyvern já destruída e a Patrol Force Medusa seriamente danificada, a derrota terrana era dada como certa. Quando o auxílio chegou.

 Captando o pedido de socorro da base, a chegada de nossa mascote espacial, Nova, colocou os piratas em pânico, fazendo-os tentar escapar mas, cercados pela base espacial e as frotas de patrulha, e sua única rota de escape bloqueada pela gigantesca ameba espacial. Com seus poderosos disparos de plasma orgânico, Nova terminou, em poucos instantes, o trabalho começado pelas frotas de patrulha.

 A notícia da vitória sobre os piratas graças ao inestimável auxílio de Nova aumentou ainda mais a estima que os cidadãos da Tecnocracia nutrem por nossa mascote, ecoando por todo o território terrano e inspirando todos à defesa de nossa civilização.

 A Strike Force Pegasus liberta o sistema Uhgrone da presença Frubralav, enquanto o sistema Schinik é libertado pela Nanite Interdictor.

 Outra base espacial inimiga é encontrada no sistema Zeldrah, mas em poucos dias nossa frota não deixa nada além de destroços.

 Em Hizar, uma frota Frubralav é detectada. Para enfrentá-la, a Strike Force Scylla e a Nanite Interdictor unem forças. A esperada vitória logo vem, seguida da destruição da base espacial e a libertação do sistema.

 Continuando o avanço sistêmico sobre o inimigo, as frotas deixam Hizar e seguem para Cipux, eliminando a presença inimiga desse sistema em poucos dias.

 A Strike Force Pegasus também continua suas batalhas, o último alvo destruído foi a base Frubralav em Walzirin.

 Outra frota inimiga é detectada em Sargas, e mais uma vez a força combinada de duas frotas terranas não deixa a menor margem para derrota, destruindo totalmente os inimigos no sistema.

 “Uma das principais habilidades de um bom líder é reconhecer os aspectos positivos partilhados por um grupo, valorizando esses aspectos coletivos sobre suas identidades individuais.” Esse é um trecho do estudo do Departamento de Sociedade intitulado “O Eu Coletivo”, direcionado ao treinamento de novos oficiais terranos e auxiliando na criação de líderes mais eficientes.

 Os próximos meses viram combates nos sistemas Hojjam, Iblyria e Withrilli, todos com ampla vitória da Tecnocracia sobre os Frubralav. Com isso, o último reduto conhecido de nossos inimigos, Darep, torna-se alvo da Strike Force Scylla.

 Antes do ataque, porém, os Guardiões Udkavongo entram em contato. Aparentemente nossas ações contra os Frubralav agradaram nossos “aliados”, que decidiram nos enviar um enorme carregamento de créditos e minerais. Como recusar?

 A batalha em Darep iniciou com o poderoso disparo da ISS Prometheus abrindo as brechas necessárias no escudo inimigo para o ataque do restante da frota, que avançou sem temor sobre a base espacial inimiga.

 A destruição da base estelar marcou o fim dos Saqueadores Frubralav. Outra ameaça detida pelo poderio tecnológico e pela benevolência terranos. Vitória!

 Enquanto os comunicados oficiais da derrota do inimigo eram repetidos por toda a galáxia, algo chamou a atenção da Diretoria. Não apenas o fato de que a guerra entre a Entente Cevanti e a Aliança Rak’Thalak’Nak/Lathrepianos ainda prosseguia. Mas, um sinal peculiar, familiar mas ao mesmo tempo diferente, na fronteira entre nosso território e os Lahtrepianos…

 Rebeldes! Rebeldes Rak’Thalak’Nak!

 Mas, ao contrário de seus… irmãos… o Sistemas Democráticos Rak’Thalak’Nak, embora ideologicamente similares, declarou independência aproveitando-se da interminável guerra e, possivelmente, abandono do governo.

 Seria simples destruí-los e tomar o sistema. Mas a Diretora-Geral decidiu estender a mão, como sempre fizemos, e ofereceu proteção à jovem democracia.

 Seja por temor, confiança ou qualquer outro motivo, o representante Rak’Thalak’Nak, Chanceler Cax, aceitou a oferta. Mais uma prova de que a Tecnocracia Terrana defenderá todos que ficarem ao nosso lado.

4 Curtidas