[ST] Uma das maiores coleções do Mundo.

[font=Garamond][size=150]Você saberia identificar, em Star Trek, em quais momentos há menções sobre o Brasil? E as assinaturas dos astros das séries e dos filmes, você já viu? Gostaria de tirar uma foto com Kirk? Ou Sete de Nove? Ou Picard? Todas essas informações e muitas (realmente muitas) outras são de conhecimento ou pertencentes a Sidnei Tricarico, um dos maiores colecionadores de itens de Star Trek no mundo.


Sidnei é advogado e tem 51 anos, sendo fã da saga Star Trek desde pequeno. Começou a sua coleção faz 30 anos, com plastimodelismo, montando um modelo da USS Entreprise (que ainda possui) e hoje detém um acervo de cerca de 5 mil itens, sendo considerado o maior colecionador brasileiro de Star Trek.

Ele possui centenas de bonecos, estátuas, naves, um pouco mais de 200 fotos autografadas (de todos os atores principais das 5 séries, e inclusive de dezenas de convidados especiais e dos elencos de apoio), aproximadamente 150 pratos de porcelana com cenas dos filmes, episódios e com os personagens, cards, livros, jogos, uniformes, armas, comunicadores, tricorders e diversos instrumentos do universo Star Trek. Máscaras, jogos de xadrez (inclusive o tridimensional da série clássica), garrafas de cenário, mais de 500 gibis americanos e algumas nacionais publicados desde 1968, e grande parte dos brinquedos lançados desde 1968. Ele atualmente trabalha em um projeto para realização de um grande evento de comemoração dos 50 anos da franquia, que será em 2016.

A sua paixão era tamanha que, quando a série voltou a passar na TV aberta em 1991, ele gravou todos os episódios em VHS e fez a edição (cortou os comerciais, aplicou abertura) e, com isso, chegou a ter mais de 200 fitas armazenadas. O Syfy Brasil conversou com Sidnei sobre sua coleção e seu amor por “Jornada nas Estrelas”, que você confere a seguir:

Syfy - Qual das séries de “Star Trek” é a sua favorita? E qual seu personagem favorito?
Sidnei – A série que eu gosto mais é “Deep Space Nine”, porque mostra como a humanidade seria realmente no futuro, com temas como a cobiça – algo que nunca vai deixar de existir. O meu personagem favorito é o Capitão Sisko, também de “Deep Space Nine”. Além disso, outro motivo de carinho pela série é que possuo uma placa original da USS São Paulo, que foi usada no seriado.

[center]A queridinhas dos fã clubes trekkers do Brasil.[/align]

S – Falando mais sobre essa placa, como ela apareceu e quais as menções ao Brasil na série?
Sidnei – Eu fiz várias viagens para buscar itens relacionados a Star Trek, inclusive indo em convenções sobre a série (principalmente em Las Vegas, EUA). Nestas convenções, eles fazem leilões de itens de cenários das séries e dos filmes. E eu tive a sorte de arrematar essa placa da USS São Paulo, que é o único objeto dentro do universo de Star Trek relacionado ao Brasil. Nos 738 episódios das séries e nos 12 filmes, não há outra menção ao nosso país. A placa ainda vem com uma dedicatória: nomeada para o povo do Brasil.

S – Ainda sobre a coleção, a internet deve ter facilitado na hora de conseguir itens.
Sidnei – Sim, muito. Para se ter uma noção, eu devo ter aproximadamente 3 mil compras no e-Bay e fui um dos primeiros brasileiros a se afiliar ao site, em 2001. Era até difícil conseguir alguém para mandar as coisas para o Brasil, mas ao mesmo tempo, comprei muito da minha coleção por causa disso, não haviam outros lances no leilão, e conseguia os objetos pelo lance mínimo. O correio era três ou quatro vezes mais caro do que o próprio item.

S – E como se conseguem esses itens? De onde eles vêm?
Sidnei – A Paramount, que no caso era a CBS, guardaram os itens e houve um grande leilão desses objetos nove anos atrás, em Nova York, e venderam horrores. Eles arrecadaram em uma tarde 12 milhões de dólares. Muitos desses itens acabaram na internet para revenda e, às vezes, alguma coisa desses lotes aparece e eu tento adquirir. E nas convenções, essas empresas especializadas levam alguns itens e leiloam também. Foi assim, por exemplo, que consegui a placa da USS São Paulo.

S - E você tem contato com colecionadores de fora?
Sidnei – Sim, alguma coisa. Existe um catálogo internacional dos objetos de Star Trek, então as pessoas vão lá e escrevem para se saber onde está cada objeto.

S - E você sabe qual foi o item mais caro já vendido?
Sidnei – Em um grande leilão de Nova York, eles venderam o modelo utilizado nas filmagens da Enterprise-D (1,80 m de comprimento, pesa 200 Kg – feito de vibra de vidro, madeira e lâmpadas) por 720 mil dólares. Outro item um rifle usado pelo Capitão Kirk, em um único episódio, foi vendido por 230 mil dólares.

S – E sobre os novos filmes, quais são suas impressões?
Sidnei – Por um lado eu gostei pois, deu um novo fôlego a franquia, que estava parada. Porém, na minha opinião, eles extrapolaram um pouco na parte de efeitos especiais e na física. Star Trek sempre deu margem a inovações científicas e técnicas, nesses últimos filmes eles foram contra tudo isso. Por exemplo, a distância entre a Terra e Klingon foi estimada em cinco dias, em dobra máxima, mas, no segundo filme do reboot de Star Trek (Star Trek: Além da Escuridão) eles fizeram essa viagem em 15 minutos. É absurdo.

S – O que Star Trek significa na sua vida?
Sidnei – Star Trek é algo profundo. Dá a esperança para um mundo melhor, sem doenças, sem cobiça, onde as pessoas procuram somente se melhorar e explorar o espaço.

FONTE: Syfy[/size][/font]