Traineira Oceânica a Vapor Caribdis

[justify][size=150][font=fantasy][tab=30]Caribdis, nome de um dos monstros marinhos da mitologia grega, foi o nome escolhido para batizar a primeira traineira oceânica a vapor da Companhia de Pesca Lua Azul e, também, do Império.

[tab=30]Construída pelo Estaleiro Civil Lune Marin, o navio tem capacidade de navegar em alto-mar por até 15 dias, contando com espaço para a alimentação dos marinheiros, carvão para a caldeira e, ainda, armazenamento de até 12m³ de pescado, ou cerca de 700kg em média.[/font][/size][/align]

[justify][tab=30]Os marinheiros designados para trabalhar na nova traineira, todos experientes em pesca oceânica, começam a carregar carvão e mantimentos para a mesma, preparando-se para zarpar assim que possível.[/align]

[justify][tab=30]Após horas de intenso trabalho carregando o navio, o mesmo zarpa rumo ao mar alto, planejando ficar somente um dia longe da costa, para um teste dos equipamentos de arrasto e captura, e do motor a vapor.[/align]

[justify][tab=30]Após passar toda a noite em alto-mar, os marinheiros trazem Caribdis de volta ao Porto de Dunord. Apesar do pouco tempo no mar, mais de 300kg de pescados diversos, como anchovas, barracudas, cações, um pequeno tubarão-martelo, algumas lulas e polvos, uma boa quantidade de mexilhões, ostras e camarões, entre outros, foi conseguida nesta viagem-teste inaugural.[/align]

[justify][tab=30]Após reabastecer os estoques novamente, um novo grupo de marinheiros experientes sobe ao tombadilho, ergue-se âncora e a Caribdis parte novamente para alto-mar, desta vez só irá retornar quando o porão estiver com sua carga máxima de pescados.[/align]

[justify][tab=30]Após 3 dias no mar, a Caribdis retorna à Dunord com sua carga máxima, iniciando imediatamente a distribuição dos pescados entre seus clientes.[/align]

[justify][tab=30]A Caribdis parte novamente para alto-mar, em busca de mais peixes para a Lua Azul.[/align]

[justify][tab=30]A Caribdis retorna do alto-mar, carregada com todos os tipos de peixes imagináveis.[/align]

[justify][tab=30]Após os marinheiros cumprimentarem, e fazerem alguns pedidos, ao Duque que visitara a Lua Azul, a Caribdis se prepara para zarpar novamente, procurando novas regiões em alto mar, de forma a não comprometer a quantidade de peixes disponíveis.[/align]

[justify][tab=30]Caribdis retorna, atracando no porto completamente carregada, os pescadores comemoram a boa pesca e começam a distribuir os peixes e demais frutos do mar de acordo com os pedidos.[/align]

A traineira sai mais uma vez para o alto-mar e só retornará quando estiver cheia.

[justify][tab=30]Mais uma vez a Caribdis zarpa para alto-mar, em busca de novas áreas de pesca ao largo da vila de Navarre.[/align]

[justify][tab=30]Após 3 dias no mar, a Caribdis retorna à Dunnord com sua carga máxima, mais de 700kg de peixes diversos e frutos do mar, iniciando imediatamente o transporte a mesma à Lua Azul.[/align]

[justify][tab=30]Após alguns dias de descanso para a tripulação, a Caribis zarpa novamente, desta vez com destino às águas da região ao norte de Gembloux.[/align]

[justify][tab=30]Retornando à Dunnord após longos 9 dias no mar, a Caribdis têm sua capacidade máxima ocupada. Logo, os trabalhadores da Lua Azul se põem a descarregar e separar os pescados, enquanto a tripulação comenta com certo alívio o encontro com a I Frota Imperial em alto-mar.[/align]

[justify][tab=30]Mais uma vez Caribdis deixa o Porto de Dunord para procurar cardumes na costa norte do Império.[/align]

[justify][tab=30]Encontrando uma área rica em todos os tipos de vida marinha, em poucos dias a Caribdis têm sua capacidade de carga esgotada, retornando então ao Porto de Dunord. Após atracar, rapidamente a carga começa a ser descarregada e levada à Lua Azul para ser preparada e vendida.[/align]

[justify][tab=30]Caribdis termina de ser carregada com suprimentos e deixa o porto. Sua missão é procurar novas àreas de pesca, para evitar que os cardumes das já conhecidas acabem se exaurindo. Por isso, e com base em futuros planos de expansão da Lua Azul, irão explorar a região entre Dreux e Rügen, com paradas para reabastecimento programadas em Áquila e em Porto Cisalpe.[/align]

[justify][tab=30]Tendo passado à algumas horas da costa de Port Piedre, a Carbdis prepara-se para fazer a volta nas ilhas próximas e seguir para Áquila, quando um dos marinheiros deu o alarme. Fumaça em uma das ilhas. Estranhando o fato, dado que estas ilhas são (ou eram) desabitadas, o capitão ordena que a Caribdis se aproxime para ter uma melhor visão com a luneta.[/align]

[justify][tab=30]A noite já ia alta quando a Caribdis chegou próximo o suficiente da ilha, enquanto inicia a contorná-la. Com a luneta, o capitão observava toda a costa, auxiliado pela lua crescente. Após algum tempo, avistou uma fraca luminosidade, provavelmente uma fogueira, em meio à vegetação costeira. Nenhuma embarcação, ou qualquer outro sinal de que a ilha fosse habitada, entretanto.[/align]