[VE] Ministério da Cultura

[hr]

[center]MINISTÉRIO DA CULTURA[/align]

[hr]

[size=150][font=Microsoft Sans Serif]Nas suas dependências pode-se encontrar uma arquitetura extravagante; remonta ao período colonial.

O ministro que aqui se aventurar certamente encontrará resistência. Os Paraguaios não reconhecem a influência da cultura Guarani, como bem observou o imperador.[/font][/size]

[hr]

Ministro: Gustavo Balbuena.

Próxima eleição: 1840.

Candidatos:

[tab=30]“Nosso povo é visto somente pelas nações estrangeiras como um mero país sulamericano sem acesso ao mar. De nada somos lembrados e muito menos somos respeitados. Isso tem que mudar! Por isso, se escolhido como Ministro da Cultura, buscarei aumentar nossa educação, a capacidade de pesquisa e, por consequência, nosso prestígio.” (Senador Gustavo Balbuena - PL)

Tecnologias a serem pesquisadas:

  • Malthusian Thought;
  • Romanticism;
  • Positivism.

O imperador, acompanhado de uma pequena comitiva, entra nas dependências do Ministério da Cultura. Depara-se de imediato com o documento de candidatura do senador Balbuena. Seu semblante era enigmático, centrado.

  • Da próxima vez que o encontrar, preciso elucidar alguns tópicos.

Disse em tom baixo, provavelmente inaudível.

  • Podemos fazer isso quando quiseres Vossa Majestade Imperial.

José vira-se velozmente na direção que o chamava, pronunciando-se:

  • Ah, você está aí… Bem, você talvez saiba o meu apreço por esse ministério. Na sua candidatura você diz dar prioridade à três pontos que eu concordo, mas dentre esses, qual sua prioridade?

O imperador evitou contato visual, fixando o olhar no papel que segurava, então prosseguiu:

  • Você deve saber que nossa situação financeira não é boa. Como pretende garantir investimentos na educação? Você acha que devemos abrir mão de capitais militares para que isso se torne viável?
  • Sim Majestade. Por isso creio que nosso foco deva ser a Economia e a Cultura. E deixar a parte militar para a próximas legislatura senatorial. Contudo, respondendo à Vossa pergunta, digo-lhe que não adianta termos soldados que mal sabem carregar uma arma ou entendam parcamente os comandos militares.

  • Portanto, precisamos aumentar nosso índice de alfabetização e, se possível, formar pessoal técnico e com conhecimento suficiente para termos fábricas que produzam muito e com qualidade e, caso for preciso no futuro, suportem os esforços de uma guerra. Portanto nosso foco primário deva ser a educação.

  • No aspecto diplomático, Majestade, gostaria de perguntar-lhe como será Vossa postura frente ao Império do Brasil e à Argentina?

  • A Argentina tem uma relação cordial conosco, inclusive podemos formalizar uma aliança em breve. Já o Brasil… Julgam ter direito a NOSSA província de Iguatemi, portanto podem nos declarar guerra a qualquer momento. Busquemos um aproximamento diplomático com os regentes brasileiros até que nossas forças armadas estejam páreas. Mas nossos rivais possivelmente serão os bolivianos…

Enquanto dizia, arrumava a vestimenta, alternando o olhar entre o senador e seus conselheiros.

  • Que bom, aproximemo-nos então da Argentina. E, talvez consigamos amenizar as intenções belicosas do Brasil por um tempo. Se eles ao menos aceitassem atacar a Bolívia por nós… - disse pensativo o senador enquanto observava a aparente timidez do Imperador.

Pois bem, vejo que os planos do Senador Balbuena para com a educação de nossa nação são dignos e realmente uma prioridade. No entanto pergunto: Terá ele a melhor maneira de levar a cabo tais objetivos? Tenho grande respeito por Balbuena apesar de nossas ideologias serem bem divergentes. Mas ouso dizer que os ideais liberais não são o melhor para a educação e cultura de nosso povo. Precisamos ter uma base cultural instituída sobre a moral e tradição cristã a fim de que o nosso legado sobreviva para as gerações posteriores. Nossa prioridade deverá ser a educação de nosso povo acima de tudo como o Senador Balbuena já havia proposto, porém devemos educar nosso povo com base nas nossas tradições e sempre preservando a estrutura de nossa sociedade. Sendo assim, para proteger nosso povo e garantir a superioridade de nossa nação, anuncio minha candidatura ao ministério da cultura.

Para iniciarmos sugiro que comecemos a entender o pensamento Malthusiano (malthusian thought), o Romantismo (Romanticism) e em seguida o Idealismo (idealism). Mas sempre estejamos atentos ao que tais estudos possam trazer para nosso povo e evitemos a desestabilização de nossa nação por meio dos ideais liberais. Lembrem se de 1789, não queremos que o que aconteceu na França se repita no Paraguai.

  • Agradeço vosso elogio Senador Caballero. Contudo estranha-me seu discurso, pois sequer temos capacidade para o estudo do Idealismo. Além disso, se queremos um verdadeiro progresso temos que ir para frente sem uma âncora ligada ao passado. O passado do comodismo e do favorecimento aos mais ricos. Nosso futuro é a valorização de todas as camadas da sociedade com ensino de qualidade sem deixarmos nossas raízes. Mas o Paraguai só será uma nação respeitada se se desvencilhar da mediocridade do passado e que está intrinsecamente representado pelo Partido Reacionário.

Alexandre entra na conversa e fala
-O senador Jordi tem toda a razão. Devemos progredir porem não podemos esquecer de presevar a moral e os bons costumes. Se não cuidamos disso que se tornaremos como a França que passou por 11 anos de massacres e destruição da ordem religiosa. Então o senador quer que tenhamos guiloutinas no Paraguai?

  • Eu não. Ao contrário do senhor.

Falo com base no futuro, isso é um projeto de longo prazo. Creio que o senhor entendeu, mas tenta diminuir a importância de minha proposta.

  • Senador Jordi, seu pensamento em muito é semelhante ao meu. Entretanto, se o império tem tanta necessidade de se destacar e consequentemente arrecadar prestígio internacional, por qual razão sua primeira prioridade não é o desenvolvimento do Romantismo na nossa nação? Até pelo fato de que se formos os pioneiros nessa pesquisa, arrecadaríamos certamente muito mais prestígio do que se fossemos o segundo.

Em seguida virou-se à Balbuena, dizendo:

  • Você não especificou qual das três pesquisas você tentaria concretizar primeiro… Seria o Romantismo?
  • Na verdade, Majestade Imperial, seria na ordem em que apresentei. Visto que Malthusian será mais barato e talvez em um ano já dominemos esse conhecimento. Já o Romanticismo custa mais e demoraria mais, bem como o Positivismo.
  • Entendo seu ponto… Entretanto, as primeiras nações à desenvolverem novos movimentos estéticos geralmente acumulam muito mais prestígio do que seus sucessores. A história nos mostra isso, vide a França. Se nesse meio-tempo alguma outra nação pesquisar o Romantismo antes de nós… certamente quando concluirmos essa tecnologia arrecadaremos menos da metade de todo o prestígio que o país pioneiro.

Porém é mais provável que outras nações mais bem instruídas concluam tais estudos primeiro, sendo assim seria mais sábio nos preocuparmos antes com a educação de nosso povo.

Eu me candidato a esse ministério para preservar e espalhar a moral e os bons costumes. Caso seja eleito pesquisarei na prioridade do primeiro para o ultimo:
Idealism
Malthusian Thought
Ideological Thought

[offtopic]troquei State and Government por Idealismo para deixar claro[/offtopic]

- E pesquisas de cunho estético, os movimentos artísticos? … Como nosso império ganhará notoriedade internacional (através de prestígio)?

O custo tecnológico dessas pesquisas é muito alto e devemos antes melhorar nosso pais e a capacidade de pesquisa que não so melhorará o setor cultural como todos os outros campos deixando as pesquisas mais rápidas.