[VIC2] För Brödrafolkens Väl!

[center]Índice:

1839-1841
1842-1845
1845-1850
1850-1862
1862-1863
1863-1868
1868-1872
1872-1877
1877-1882
1882-1888[/align]

[center]O Francês e seu Sonho - 1836-1839[/align]

[center]Bandeira de Guerra do Reino Unido da Suécia-Noruega[/align]

O reino da Suécia-Noruega encontra-se em um estado deplorável. Seu rei é um forasteiro, um marechal de Napoleão, seu povo mesmo que vivam sob uma mesma bandeira estão divididos. A Suécia uniu-se a Noruega em uma união pessoal sob o reinado de Karl XIV Johan – também conhecido como Jean Bernadotte - Maréchal de France, Rei da Suécia e Noruega e Príncipe de Pontecorvo – a Suécia-Noruega possuía um longo e árduo caminho pela frente: a Modernização.

Rei Karl XIV Johan

E ainda haviam alguns poucos que sonhavam em um dia ter toda Escandinávia unida sob uma única bandeira – um reino unido sob um único rei – capaz de fazer frente aos grandes reinos europeus.

[center]Nacionalismo Escandinavo no Séc XIX[/align]

O Início de uma Nova Era e um Sonho se torna Realidade - 1836 - 1839

[center]A Suécia em 1836[/align]

[center]O Gabinete Político - A alta concentração de liberais é um reflexo claro do passado jacobino do Rei Karl e de sua tolerância com os ideais revolucionários.[/align]

[center]Por decreto do Rei, os impostos são aumentados em 8% das classes mais baixas da população. O tesouro real necessitará do dinheiro para a construção das novas indústrias e para a formação de um exército moderno.[/align]

[center]Utilizando o tesouro real o rei ordena que duas novas indústrias para a produção do aço nas regiões de Norrland e Sveland. Em preparação para estas indústrias o governo passou a incentivar a população a trabalhar nas novas e modernas fabricas, antes mesmo do término de sua construção já haviam muitos homens e mulheres procurando trabalho.[/align]

[center]O rei - veterano de Austerliz e das Campanhas Napoleonicas na Itália - divide o grande exército sueco em dois corpos, um que irá para Malmö e o outro que será estacionado em Uppsala. Assim o rei poderá marchar contra a Dinamarca caso ousem desonrar o pacto de Kiel e ao mesmo tempo poderá se defender de qualquer investida pelo mar báltico.[/align]

[center]Enojado com os exércitos suecos - bem mais frágeis do que o auge francês que experimentou como Marechal da França - o rei Karl ordena que novos batalhões sejam treinados e que peças de artilharia sejam importadas da Prussia para que seu exército passe a contar com uma artilharia moderna.[/align]

[center]A respeitável marinha sueca pode fazer frente a qualquer outra dentro do Mar Báltico, mas carece de liderança e está muito distante da poderosa marinha britânica.[/align]

[center]O Rei defende a liberdade de seus súditos. Mas não muita liberdade. E nem o direito de dizer o que quiser. Mas não há nada que possa ser feito no momento.[/align]

Com brandas reformas militares, altos impostos e a construção de novas indústrias o ano de 1836 marca o primeiro passo da Suécia-Noruega no longo e árduo caminho da iluminação. Mesmo com a morte dos ideais da revolução francesa ainda existem poucas vozes que ousam falar contra o rei e contra seu direito de governar. A Suécia é um reino moderno, onde até mesmo o rei não detem todo poder mas mesmo assim é um reino com grandes aspirações.

O ano de 1837 é marcado por poucas mudanças, em Setembro a Europa se maravilha com o Romantismo sueco que surge como uma nova corrente artística. Mas isto também aumenta as vozes que falam em Escandinávia. No mesmo ano as fábricas de aço sueco estão a todo vapor e vendendo aço para toda a europa, a euforia sueca é aumentada ainda mais quando uma fábrica de cimento é construída em Estocolmo. Multidões de trabalhadores se apresentam nas fábricas vindos do campo onde o trabalho nas áridas fazendas suecas é muito difícil.

O início de 1838 é marcado por revoltas e pelo nascimento de um patriotismo norueguês…

[center]O rei nega o direito aos noruegueses de portarem suas bandeiras. Os navios são suecos e levarão bandeiras suecas.[/align]

[center]Mais liberdade ? O povo já pode votar! Ao menos os ricos…[/align]

Mas a maior mudança surge no meio de 1838… A Suécia, inflada pelo ideal romântico que surgiu em Estocolmo e inflamou a Europa se tornou uma das grandes potências do Báltico. Suas fábricas de aço abrigam mais de vinte mil trabalhadores, e seu cimento constrói por toda a região. Os povos do norte abaixam a cabeça perante a supremacia de Karl XIV. E até seu povo não mais o vê como um forasteiro, mas sim o rei que trouxe a Suécia de volta para a glória.

[center]SVENSKA![/align]

[center]Ao mesmo tempo a corte sueca envia conselheiros para o governo dinamarquês. A Dinamarca testemunhando os avanços suecos observa boquiaberta a industrialização e a militarização de seu vizinho azul.[/align]

Em 1839 o rei Christian da Dinamarca morre. E neste momento a Dinamarca, sem um herdeiro, faz um pedido formal ao rei da Suécia: a formação de um único e forte estado escandinavo. Um único país. Um único reino.


För Brödrafolkens Väl! För Brödrafolkens Väl! - Sob os gritos de “Por um Só Povo!” o rei Karl XIV chega a Copenhagen e é coroado o primeiro Rei da Escandinávia.

[center]A bandeira da união de Kalmar é resgata - a Escandinávia resurge. [/align]

[center]För Brödrafolkens Väl! För Brödrafolkens Väl[/align]

Notas:
Nem eu esperava uma Scandinavia tão rápida! Tive muita sorte que a Espanha acabou se envolvendo em conflitos com a Bélgica o que afundou as DUAS e me fez pular de 10o para 8o e me tornar GP assim que consegui Prestige com o Romantismo. Esta nova versão do mod do Naselus tornou a economia muito bacana e inclusive adiciona novos tipos de indústria, recomendo a todos. Decidi omitir algumas imagens e notícias para não poluir mais o tópico. Desculpe se as imagens ficaram muito pesadas.

No próximo episódio: A reestruturação militar e os olhos se viram para a Finlândia.

boa, acompanhando! ^^

linda aar companhando

Muito bom!

Boa, boa!
Achei que ninguém ia se arriscar de fazer uma AAR sem o patch 1.2… Boa iniciativa

Muito bom acompanhando!

Kalmarunionen!

Acompanhando.

[b]Reformas Militares e Ambições - 1839 à 1841[/b]

O abandono da Finlândia.

Uma das primeiras decisões de Karl XIV ao se tornar rei da Escandinávia foi enviar a questão Finlandesa para votação no senado. Após acirradas discussões e uma votação mais acirrada ainda a decisão tomada foi de abandonar quaisquer intenções de uma nova dominação na região. O mais interessante para a Escandinávia no momento seria a formação de um reino finlandês independente e aliado da Escandinávia. O exército escandinavo não teria condições no momento, nem de tecnologia nem de números, de tomar e manter a Finlândia. Mas com o auxilio dos finlandeses isso talvez se torne possível.

Os impostos e tarifas são aumentados e o dinheiro é investido em uma nova fábrica em Copenhagen. O tecido produzido será enviado para Holstein que fabricará roupas que por sua vez serão vendidas à Escandinávia - sem nenhuma tarifa por nenhuma das partes - isso firmou o acordo entre os países que ficou conhecido como o Tratado de Uppsala, que torna Holstein economicamente dependente da Escandinávia. Também é iniciada a construção de novas madeireiras em Norrland.

É iniciado o treinamento do 3o Exército Escandinavo (Norden Armén) formado por soldados dinamarqueses e que será responsável pela defesa de Copenhagen, e caso necessário reforçar o primeiro exército na defesa dos fortes de Schleswig-Holstein. Rudolf Ingelman é nomeado General do 3o Exército e logo parte para assumir seu posto.

O ano de 1840 é marcado pela primeira grande eleição do Senado Escandinavo, em uma eleição marcada pelo nacionalismo e pela defesa da criação de um estado forte e de um exército poderoso o resultado é a vitória do Partido Nacional com quase 60% dos votos.

Conservadores e Reacionários assumem como força dominante da política Escandinava.

A nova fase da política Escandinava.

Após ostensivas negociações com a Prussia, é firmado um acordo militar entre ambas nações: Graf von Moltke envia oficiais para Escandinávia. Os exércitos escandinavos apesar de já estarem se modernizando ainda seguem padrões essencialmente napoleônicos e com o auxilio da Prussia esse exército será aos poucos reformulado e se tornará uma força permanente e profissional.

A profissionalização do Exército é um passo essencial para seguir no caminho da ambição Escandinava de se tornar a força dominante do Báltico.

Seguindo os mesmos planos é iniciada a construção de novas fortificações na Lulea e em Hammerfest - a fortificação da fronteira Escandinava-Russa é iniciada. Ao mesmo tempo é iniciada a construção de novas fragatas. Estas fragatas formarão a II Skandinavien Marinen estacionada em Gotland, enquanto a primeira marinha é enviada para o mar do Norte.

Navios escandinavos fazem demonstrações na costa de Copenhagen

Uma expedição escandinava é enviada para a Oceania Britânica.

O ano de 1841 é marcado por ampliações nas fábricas de Copenhagen e pela assinatura do Segundo Tratado de Uppsala, que firma novos tratados comerciais com Holstein e culmina na expulsão de diplomatas prussianos. Tal ato não abala as relações Escandinavas com a Prussia mas firma o domínio sobre Holstein.

Em Março de 1841 ocorre a primeira grande vacinação da Escandinávia.

Após novos acordos e a visita de Graf von Moltke a Copenhagen, o exército escandinavo receberá novos rifles seguindo o padrão Minié franceses. Isso finaliza a profissionalização do exército e o fim dos acordos militares com a Prussia, o exército escandinavo fora reformulado e logo estará recebendo novas armas vindas da França.

Ao mesmo tempo é iniciada a construção de uma nova fábrica de cimento em Gotäland para suprir a demanda da industrialização escandinava. As tarifas e impostos são novamente baixados para que a população possa consumir mais e mais. As reformas tem como objetivo a criação de um mercado interno forte e também consumir os bens importados de Holstein.

O período de 1839-1841 ficaria marcado nos livros de história como um período pacifico de reestruturação do exército, da diplomacia, da marinha e da economia Escandinava. A dominação do báltico ainda é um sonho distante, mas que cada vez fica mais próximo.

Legal cara.

Boa sorte.

Acompanhando.

muito bom! bomtrabalho*
só essa bandeira da escandinavia que é terrivel

Bacana mesmo o AAR!

Veremos até onde irá esta saga

bomtrabalho*

Continue assim =D

[b]Morte, Ambição e Glória - 1842 à 1845[/b]

A expedição botânica escandinava é um sucesso.

Aumento da pressão liberal por reformas no sistema político.

O senado decide discutir se o aumento da faixa populacional que tem direito ao voto deve ser aprovado ou não. É um período turbulento, muitas manifestações populares são recebidas com uma repressão violenta. É nesse momento que um representante do governo da Prussia vêm ao palácio com notícias importantes:

A Prussia vendo que a ocupação pacifica do Schleswig-Holstein não seria possível decide declarar guerra ao grande reino escandinavo.

Guerra Escandinava-Prussiana - 1842 à 1844

As frotas de guerra da Escandinavia são rapidamente mobilizadas, enquanto o 3o e o 2o exército são enviados para a região do Schleswig-Holstein e de Holstein. O exército escandinavo fará sua defesa em duas linhas, a primeira em Kiel e a segunda em Flensburg. A marinha de guerra é enviada para a costa do Báltico onde se inicia o bloqueio aos portos prussianos, enquanto a II Marinha é enviada para a costa de Copenhagen para defender qualquer investida contra a cidade.

O Primeiro sangue é derramado no mar. Na costa Prussiana do báltico a poderosa marinha de guerra escandinava encontra a marinha prussiana em uma escaramuça que ficou famosa tanto por sua rapidez quanto por sua insignificância. Os covardes prussianos fugiram do combate afundando apenas uma fragata escandinava que os perseguiu.

As forças escandinavas tentando em vão defender seus aliados em Holstein são vencidas em Kiel. Vinte mil homens são perdidos. E o restante do exército recua para a linha de Flensburg.

Os cães prussianos marcham sobre Flensburg mas encontram uma muralha de homens! Sessenta e seis mil escandinavos defendiam a linha de fortificações no Schleswig-Holstein contra Vinte e Sete mil prussianos. A batalha fora brutal e durou 4 dias, ao seu fim, o chão estava coberto pelo cinza prussiano e o exército escandinavo comemorava enquanto seus inimigos fugiam.

Forças Escandinavas do 1o Batalhão de Copenhagen se posicionam em Dybbol Skanse para receber os Prussianos.

A insignificante frota de Hannover é destruída.

A Invasão de Hannover “Operação Hammare & Städ” - 1843

Após longo planejamento por parte dos Generais escandinavos, um plano de guerra é definido: O 2o Exército irá por mar invadir Hannover, enquanto o 3o Exército irá por terra. O objetivo é atacar o exército de Hannover que se concentra em Stade.

Desembarque do 2o Exército

O avanço do General Ingelman.

O 3o Exército sob o comando do General Ingelman marcha de Kiel em direção a Stade onde encontra o inimigo a sua espera - o que não os cães não esperavam é a marcha do 2o Exército que parte de Emden até Stade e prende o inimigo entre a bigorna e o martelo.

Vitória.

A marinha prussiana fora destruída. Seus aliados vencidos em Hannover. A Prussia logo se vê enfrentando uma guerra maior do que esperava. E não demora muito para que embaixadores prussianos caminhem cabisbaixos até o palácio, onde são recebidos pelo rei e seu filho. O rei, muito velho para comandar, usava as bandeiras de guerra da confederação germânica como tapete.

Não vendo motivos para prolongar a guerra o rei assina o Tratado de Hamburgo que decreta a paz entre a Prussia e seus Aliados e a Escandinávia.

O leão prussiano havia tentado abocanhar o lobo escandinavo, mas logo aprendeu que este canino é muito mais do que ele poderia comer.

O senado e o povo escandinavo comemoraram a vitória nas ruas, mas nem mesmo um mês havia se passado quando outra notícia chega como uma bomba.

Guerra Austro-Escandinava - 1844 - 1845

Os cães austríacos decidem declarar guerra à Escandinávia pela região do Schleswig-Holstein. A marinha de guerra e o cansado exército escandinavo são colocados em prontidão. A marinha é enviada para a costa dinamarquesa onde se espera que o inimigo tente desembarcar. Uma guerra terrestre seria quase impossível já que a Prussia nunca deixaria a Áustria e seus exércitos passarem após as guerras Austro-Prussianas.

A Frota austríaca prepara um desembarque na Dinamarca, mas logo é cercada pela frota de guerra escandinava que abre fogo sobre os traidores.

Os austríacos são destruídos no mar.

Mesmo com a destruição de sua frota, as tropas austríacas conseguem chegar a Ribe. O 3o e o 1o Exército Escandinavo são mobilizados para repelir os invasores.

Vitória novamente! Os poucos sobreviventes austríacos são aprisionados e suas bandeiras vão adornar o palácio real.

O mundo está em chamas. A Áustria bate contra a Escandinávia como ondas em uma montanha e a França invade a Inglaterra.

Após algumas escaramuças insignifcantes no mar do norte a Áustria não tem mais estômago para a guerra. A morte de seus soldados na Dinamarca e o avanço Prussiano que promete outra guerra Austro-Prussiana é motivo o suficiente para embaixadores austríacos cairem de joelhos perante o velho e cansado rei Karl XIV Johan.

Com o fim da guerra a Escandinávia novamente se prepara para a eleição do Senado.

Impulsionados pelo clamor militar os Conservadores tem outra vitória esmagadora!

1845 - Pós Guerra, o Lobo lambe suas feridas.

O liberalismo e suas conseqüências.

Após as guerras as cidades escandinavas possuem muitos desempregados, e para combater isso o senado autoriza a construção de duas novas fábricas. Uma fábrica de vidro em Gotäland e uma fábrica de cimento em Copenhagen. E ao mesmo tempo é ordenada a construção de fortificações modernas e melhores no Schleswig-Holstein e na fronteira com a Rússia.

O lobo descansa, mas mantem a vigilância.

Notas:

A AI foi incrivelmente estúpida em ambas as guerras. Na primeira levou quase 1 ano para a Prussia me atacar depois de declarar guerra, e quando o fez acabou enviando apenas um exército contra meus 60 mil homens FORTIFICADOS. E depois a Prussia foi passiva enquanto eu aniquilava as forças de Hannover o que inchou meu Warscore e fez eles declararam White Peace. A Áustria enviou 11 navios de transporte, sem escolta, e acabou perdendo tudo. Mas acho que declarou White Peace porque a Prussia declarou guerra a Austria.

No mais foram duas guerras divertidas e me fizeram ver como esse mod do Naselus está cruel com as guerras, os exércitos morrem MUITO rápido em combate, cada tick de “dano” durante as lutas é 1000 a 1500 soldados morrendo. Vi exércitos de 15 mil homens se desfazendo em 1-2 dias em batalhas contra números iguais.

Espero não estar atualizando muito rápido é que eu me empolgo ;D

Avante filhos de Odin!

=D

bomtrabalho*

Show de bola.

Consegui se safar legal de uma guerra em larga escala com a Prússia e seus aliados.

hmmm

Depois de ler tudo, só posso dizer uma coisa: gostei bastante.

Acompanhando.