[WWI]-A Sangrenta Batalha de Verdun! - Parte II

[justify][b]Relato de Verdun

A guerra de trincheiras, França e Flandres, 1914-18 – Charles Messenger – Renes[/b]

O 5º Exército do Kronprinz (Príncipe Herdeiro) Wilhelm, que estava defronte ao setor de Verdun há alguns meses, foi escolhido para realizar o ataque. O príncipe já examinara o problema de Verdun há algum tempo e, com seu chefe de Estado-Maior, von Knobelsdorf, achava que qualquer operação contra a fortaleza teria que ser em frente ampla e abrangendo as duas margens do Mosa. Como escreveu ele mais tarde: “insistimos que Verdun era a pedra angular da frente ocidental e, portanto, nada menos que um ataque de frente ampla poderia prevalecer contra as forças que o inimigo por certo usaria em sua defesa”. Falkenhayn não estava interessado em capturar Verdun, isto não se encaixaria de modo algum nos seus planos para uma batalha de atrito e, além disso, ele achava que não dispunha de divisões suficientes para operar numa frente ampla. Portanto, ele insistiu que o 5º Exército deveria desfechar seu ataque somente da margem oeste do Mosa. Tendo eliminado o sul e o oeste de suas cogitações devido à inadequação do terreno, o Príncipe Herdeiro decidiu-se por um ataque pelo norte e nordeste. Para fazer isso ele tinha 12 divisões estacionadas numa frente de 13 Km, extensão muito maior que a utilizada pelos aliados em 1915, com mais três divisões na reserva. Seriam empregadas nada menos que 1.400 peças de artilharia, a começar por obuseiros de sítio. Wilhelm simplesmente planejava abrir um rombo nas defesas de Verdun, por onde seria lançada sua infantaria. Isto seria feito de acordo com o princípio dos objetivos limitados, mas, ao mesmo tempo, seus comandantes subordinados estavam ligeiramente confusos diante da ordem que mandava manter pressão constante sobre a defesa inimiga uma vez iniciado o ataque. Este plano foi aprovado por Falkenhayn a 6 de janeiro, embora o conceito de Wilhelm não se encaixasse no seu desejo secreto de uma batalha prolongada. Para este fim, assegurou-se de que as reservas, com as quais Wilhelm contava dispor no primeiro dia de luta, teriam sua chegada atrasada.

No outro lado da linha a situação não estava tão calma quanto os alemães pudessem ter imaginado. Em essência, Verdun consistia de duas linhas de fortes rodeando-a numa perfeita circunferência de 48 quilômetros. Os bombardeios ali efetuados pela artilharia de sítio alemã durante 1915, ao contrário do que acontecera em Liège no começo da guerra, causaram poucos danos. Verdun podia ser mesmo considerada uma cidade inexpugnável. Infelizmente, seus “dentes”, na forma de canhões e homens, haviam sido totalmente retirados para ajudar a ofensiva de outono de Joffre.

A defesa de Verdun, sob a responsabilidade do XXX Corpo, de Chrétien, consistia, sobretudo de soldados territoriais de segunda linha. Mais tarde, Pétain assim descreveu a situação: “Os fortes erguiam-se silenciosos, como se estivessem abandonados. Entre eles e mais além só havia ruínas: trincheiras em grande parte destruídas; alambrados cortados, com seus emaranhados inextricáveis cobrindo os bosques da Côte-de-Meuse e a lamacenta planície de Weovre; estradas e trilhas transformadas em atoleiros; equipamento espalhado; madeira apodrecendo, e, tudo que era metal, enferrujando na chuva”.

Um homem, porém, estava perturbado diante da situação. Era Émile Driant, tenente-coronel, comandante de um batalhão de caçadores e deputado, que advertiu seus colegas da Comissão do Exército da Câmara dos Deputados já a 1º de dezembro, e esta advertência chegou aos ouvidos de Joffre, que a ignorou, considerando-a uma tolice. Os que estavam em Verdun começaram a perceber os sinais característicos de preparativos para um ataque em janeiro, mas o Alto Comando francês pouca atenção lhes deu, exceto enviar mais duas divisões àquela cidade em fevereiro e colocar dois corpos, de apoio, à distância. Ele havia sido iludido por uma série de ataques diversivos alemães ao longo de toda a frente francesa entre 9 de janeiro e 21 de fevereiro, recebendo, em consequência, uma chuva de pedidos de reforços de toda parte.

Os ataques haviam sido programados anteriormente para 11 de fevereiro, mas o mau tempo obrigara o Kronprinz a adiá-lo e, ao amanhecer de 21, o bombardeio finalmente começou. Ao contrário dos Aliados, os alemães eram favoráveis a bombardeios bem curtos. Durante as cinco primeiras horas de fogo, começando pelos desvios ferroviários da própria Verdun até as trincheiras de linha de frente, tudo foi sistematicamente bombardeado. Usou-se boa proporção de granadas de gás contra as posições de artilharia francesas, a fim de impedir o contra-bombardeio. O bombardeio então parou e, quando os defensores se ergueram das ruínas a fim de se prepararem para atacar, os alemães, com seu sistema muito amplo de observação, que incluía aviões e balões, puderam notar que as posições ainda estavam defendidas. Então, prosseguiram no bombardeio por mais quatro horas, desta vez usando morteiros contra aquelas partes da linha onde se notou a presença dos franceses. Quando cessou o bombardeio, às 16 horas, em vez de desfechar um ataque em massa, os alemães sondaram, cautelosos, a frente com patrulhas de combate, mas somente à direita é que houve algum progresso digno de nota.

Dessa vez o princípio do ataque ombro a ombro teria funcionado. O bombardeio conseguira o efeito desejado. A defesa estava aturdida, sua artilharia estava desorganizada e as frágeis comunicações com a retaguarda, cortadas. Os alemães não teriam tido muitas dificuldades em penetrar as linhas de defesa e chegar até Verdun propriamente dita. Surpreso com a facilidade com que as sondas haviam penetrado as linhas francesas, o Kronprinz Wilhelm ordenou um ataque geral para o dia seguinte, com a cobertura de um bombardeio preparatório. Os franceses, apesar de tudo, conseguiram fazer contra-ataques locais (num dos quais morreu o Tenente-Coronel Driant) antes que os alemães começassem a agir; embora sem êxito, devido à sua desorganização, como resultado das manobras inimigas da véspera. Os alemães continuaram a mover-se com cautela, ainda sem acreditar que tudo aquilo pudesse ser tão fácil. Eles empregaram lança-chamas (seis companhias haviam sido confiadas a Wilhelm) com bons resultados contra pontos-fortes, até que os franceses descobriram como enfrentá-los, alvejando o sapador que transportava o volumoso equipamento, antes de chegar à distância de disparo.

[/align]

Fonte: Francisco Miranda – BLOG